Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias
Você está em:
/
Notícia
/
Geral

Notícia

Hilton critica proibição de faixas em festas populares e afirma que levará a dele sempre

Hilton critica proibição de faixas em festas populares e afirma que levará a dele sempre
Grito dos Excluídos poderá enfrentar problemas |Foto: David Mendes/BN
O vereador de Salvador Hilton Coelho (PSOL) classificou como um “atentado à democracia e ao direito de livre expressão” a decisão da prefeitura de proibir a utilização de faixas e balões de publicidade durante as festas populares na cidade. "Esta decisão autoritária, que deveria começar a vigorar a partir dos festejos do 2 de Julho, será repudiada pelo nosso povo. É impossível impedir que este espaço de comemoração da resistência do povo baiano contra a dominação portuguesa seja utilizado pelos que querem reivindicar melhores condições de vida e denunciar quaisquer atos contra os direitos dos trabalhadores e do povo”, criticou. De acordo com o edil, os movimentos sociais não deixarão de levar as faixas e demais instrumentos para protestar, denunciar e reivindicar. “Dizer que retirar faixas, bandeiras e balões valorizam e preservam nossa identidade cultural é uma completa inverdade. Cremos que é exatamente o contrário. Atenta contra a nossa tradição de utilizar o espaço das festas populares para reivindicações, aqui sim uma questão cultural incorporada em nossa terra. Isso na verdade é uma falsa questão que esconde o objetivo de neste momento proibir para no futuro privatizar a utilização desses instrumentos. Pode virar o que vemos atualmente no carnaval”, projetou, ao contestar a justificativa da medida adotada pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento, Turismo e Cultura (Sedes). A proposta foi apresentada pela Fundação Gregório de Mattos (FGM). “A Lavagem do Bonfim, 2 de Julho e demais festas populares não ficam diminuídas em sua importância religiosa, cultural e política com a livre manifestação do nosso povo. As festas populares não ficarão mais bonitas estética e plasticamente sem as reivindicações. Ficarão, isso sim, autoritárias e segregacionistas”, condenou.