Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias
Você está em:
/
Notícia
/
Política

Notícia

Deputado quer restituição de prejuízos por inoperância do parque eólico de Caetité

Deputado quer restituição de prejuízos por inoperância do parque eólico de Caetité
Foto: Antônio Bonfim / Ag. Câmara
O deputado federal Antonio Imbassahy (PSDB-BA) vai pedir ao Ministério Público Federal e ao Tribunal de Contas da União (TCU), a abertura de um processo de responsabilização criminal de autoridades do governo federal, com ressarcimento dos prejuízos financeiros causados ao erário pelo atraso na construção da linha de transmissão da energia gerada pelo parque eólico instalado no município de Caetité, no sudoeste baiano. Inaugurado pelos governos estadual e federal, em julho de 2012, o parque ainda não entrou em operação, devido a inexistência da linha. Segundo Imbassahy, o prejuízo estimado é de R$ 650 milhões, pois, de acordo com as regras previstas no contrato firmado com a empresa Renova Energia, que instalou o equipamento, o governo tem pago R$ 33 milhões mensais por não conseguir vender a energia. A previsão do governo para conclusão das linhas de transmissão é fevereiro de 2014. "Fazendo os cálculos chegamos à cifra de 650 milhões de reais. É muito dinheiro jogado fora, num país e num estado, como a Bahia, com tantas necessidades. Uma vergonha nacional", disse Imbassahy. O assunto foi tema de audiência pública realizada no final da manhã desta quarta-feira (12), na Comissão de Minas e Energia, da Câmara Federal. Ainda de acordo com o parlamentar, a falta de explicações convincentes por parte dos representantes da Chesf, da Aneel, e do Ministério das Minas e Energia, convidados a falar na referida comissão, caracterizou a incompetência e a falta de planejamento do governo. "O governo do Estado não inaugurou uma obra em benefício da população, mas um grande prejuízo para o contribuinte brasileiro", concluiu.