Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias
Você está em:
/
Notícia
/
Política

Notícia

Secretaria de Combate à Pobreza não revela patrocinadores da festança de Natal

Por Rodrigo Lago

Secretaria de Combate à Pobreza não revela patrocinadores da festança de Natal
Foto: Divulgação
Cerca de 48 horas depois da festança de confraternização natalina dos servidores da  Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza do Estado da Bahia (Sedes), realizada no espaço Unique Eventos, na Tancredo Neves, que custou mais de R$ 18 mil, ninguém da secretaria soube apontar, de forma clara e objetiva, os responsáveis pelo pagamento do aluguel do espaço. Em nota de esclarecimento – que em nada esclarece os questionamentos de centenas de contribuintes baianos – a Sedes se limitou, entre outras coisas, a dizer que “ao realizar levantamento de todos os espaços da cidade com capacidade para incluir seus servidores e familiares, e levando em conta a data e os custos, apresentou-se como o local mais adequado a Unique Evento (sic), não sendo utilizado qualquer outro critério”. Há pouco mais de um ano, a convenção da presidente Dilma Rousseff, por exemplo, quando se lançou candidata, foi realizada no Centro de Convenções da Bahia, com a participação de centenas de petistas e integrantes de partidos aliados. Lá, com o apoio do governo do Estado, proprietário do espaço, e levando em conta os custos de uma secretaria que combate à pobreza, a celebração teria uma economia significativa em relação aos R$ 18 mil que foram gastos com o aluguel do Unique, um dos mais glamorosos da capital baiana. Sobre o valor da locação, a Sedes se restringe a informar que “a quantia foi paga por apoiadores da Sedes, não havendo qualquer gasto público por parte da Secretaria”.  A reportagem tentou, sem sucesso, contato com o secretário Carlos Brasileiro para que ele informasse mais detalhes sobre os “apoiadores da Sedes” que ofertaram, sem nenhuma contrapartida, toda essa cifra para a “regabofe”. Já a assessoria de comunicação da pasta respondeu apenas que “não seria prudente” divulgar nomes de terceiros sem a prévia autorização dos colaboradores.