Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Juazeiro realiza ações integradas após período de cheia do rio São Francisco
Foto: Divulgação / Luan Medrado / PMJ

 

Com o aumento da vazão da Barragem de Sobradinho, as águas do rio São Francisco estão avançando cada vez mais. Na quinta-feira (20), a vazão passou de 2.800 m³/s para 3.300m³/s. Visando controlar essa situação, a Prefeitura de Juazeiro montou uma força-tarefa para auxiliar as famílias ribeirinhas. 

 

Na orla de Juazeiro e margem do rio São Francisco é possível ver o impacto do período de cheia do rio. Equipes da Secretaria de Desenvolvimento Social, Mulher e Diversidade (SEDES), com a presença de assistentes sociais, estão realizando todos os dias visitas no bairro Angari. 

 

Os técnicos, assistentes sociais e psicólogos estão visitando a região todos os dias, preenchendo um formulário para identificar quais famílias têm necessidade de serem transferidas. As famílias que concordam sair, assinam uma declaração aceitando e as que não querem, assinam a declaração recusando. Em seguida, a SEDES providencia a mudança para a unidade de acolhimento provisório que está funcionando na Escola Paulo VI. Outra equipe fica na escola para acolher e acompanhar as famílias que aceitaram se mudar, atendendo algumas necessidades específicas que essas famílias podem ter. 

 

Doze famílias já foram retiradas do bairro Angari, sete estão abrigadas na Escola de Tempo Integral Paulo VI, e cinco preferiram ir para casa de parentes. “Nos primeiros dias poucas famílias aceitaram deixar suas casas, no começo ficaram um pouco resistentes, com receio de quando o nível do rio voltar ao normal, ao retornarem para suas casas a encontrem violadas. Nós entendemos e respeitamos a decisão deles. Mas diariamente continuamos vindo ao Angari para ouvir os moradores, ver como está a situação e aqueles mudarem de ideia, estaremos à disposição para acolhê-los da melhor forma possível”, frisou a assistente social Rosane Bertipalha.

Histórico de Conteúdo