Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Futura controladora da Refinaria Landulpho Alves se chamará Acelen
Foto: Divulgação

O nome da futura proprietária da Refinaria Landulpho Alves (RLAM), localizada em São Francisco do Conde, foi divulgado nesta quarta-feira (1º).  A Acelen é a nova empresa criada pelo fundo Mubadala Capital, que firmou um contrato de compra da RLAM com a Petrobras em março deste ano, e deve assumir o ativo quando for concluído o processo de compra, que, de acordo com a empresa, está sujeito a algumas condições precedentes.

 

A nova companhia, subsidiária de gestão de ativos da Mubadala Investment Company, com sede em Abu Dhabi, disse que pretende focar na excelência operacional, geração de oportunidades e no abastecimento regional de derivados de petróleo. Além disso, a Acelen espera maximizar o uso dos ativos da refinaria, investindo em projetos de expansão e modernização.

 

A RLAM iniciou sua operação nos anos 1950. Atualmente, a refinaria produz GLP, gasolina, diesel, nafta petroquímica, entre outros produtos. Além das instalações em Mataripe, a operação inclui ativos como terminais de abastecimento e oleodutos nos municípios de Madre de Deus, Candeias, Jequié e Itabuna.

 

A venda da Landulpho foi aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em junho de 2020 e ocorreu em fevereiro deste ano (relembre), em meio a protestos de funcionários que temiam que a privatização resultasse em demissões em massa e redução de arrecadação de tributos pelo estado. 

Histórico de Conteúdo