Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Sindicato denuncia surto de Covid-19 em unidade da Refinaria Landulpho Alves
Foto: Reprodução / Petrobras

O Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro-BA), denunciou nesta quinta-feira (25) um surto de Covid-19 na Refinaria Landulpho Alves (RLAM), em São Francisco do Conde, na Região Metropolitana de Salvador (RMS).  De acordo com o sindicato, há mais de 60 trabalhadores contaminados. 


Em nota divulgada à imprensa, o Sindipetro revela que na unidade U-39  há 14 trabalhadores contaminados pelo vírus e, por isso, afastados do serviço. “O número corresponde à metade dos operadores que atuam na referida unidade. Já na Unidade de Destilação, nove trabalhadores estão afastados”, diz a nota.


O documento ressalta temor de que a situação piore caso não sejam tomadas medidas de enfrentamento ao vírus.  A entidade reivindica à Petrobrás o adiamento da parada de manutenção da refinaria para com o objetivo de evitar o aumento da circulação de pessoas e, por consequência, do risco de ampliação do contágio.


Ainda foi evidenciado  pelo sindicato que os ônibus que levam os trabalhadores terceirizados para a RLAM “costumam circular com capacidade máxima, sem respeitar o distanciamento recomendado pelas autoridades sanitárias”.


De acordo com a entidade, há uma falha na testagem dos funcionários. Se, no início da pandemia ocorria a testagem em massa, com o tempo a Petrobrás  passou a testar os terceirizados por amostragem. “Desde o início da pandemia, o Sindipetro vem enviando ofícios à gerência da RLAM pedindo informações sobre o número de trabalhadores infectados pela Covid. Mas a Gerência de SMS (Saúde, Meio Ambiente e Segurança) da Petrobrás não divulga essa informação nem mesmo para a CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes) da empresa, numa total falta de transparência”, explicou o coordenador do Sindipetro-BA, Jairo Batista.
 

Histórico de Conteúdo