Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Sexta, 25 de Outubro de 2019 - 16:40

'Vivi um verdadeiro filme de terror', diz vítima de homofobia em Camaçari

por Bruno Leite

'Vivi um verdadeiro filme de terror', diz vítima de homofobia em Camaçari
Foto: Reprodução / Instagram

O rapaz que foi vítima de ataque homofóbico no último domingo (20) (relembre aqui), em Camaçari, se pronunciou sobre o assunto nesta sexta-feira (25). Marcelo Macedo, 33 anos, publicou em seu Instagram uma foto em que aparece hospitalizado e escreveu na legenda que viveu "um verdadeiro filme de terror nos últimos dias".


Na publicação, Marcelo também agradeceu aos amigos pelo apoio dado e desabafou: "É difícil acreditar que as pessoas são agredidas tão cruelmente e de maneira tão covarde pelo simples fato de demonstrar afeto. É triste. Dói. Estou despedaçado. Eu amo a minha cidade, nasci e me criei aqui. Nem no meu pior pesadelo eu imaginei que um dia pudesse ser tão violentado. Ver a morte de perto é assustador. Nos paralisa". 


"Só quem já perdeu um familiar ou um amigo conhece essa dor, só quem já esteve de cara com a morte sabe o que estou falando e pode mensurar um pouco do que estou sentindo agora", relatou a vítima na rede social.


Ele foi atingido por quatro disparos de arma de fogo após ter beijado o seu parceiro, em um bar. De acordo com a polícia, os agressores chegaram a questioná-lo “se não tinha vergonha de fazer isso na frente de pais de família”.


Marcelo ainda disse que, após o ataque, ao acordar na cama do para onde foi socorrido, o Hospital Geral de Camaçari (HGC), achou que estivesse morto. "Ao abrir os olhos e me dar conta do que estava acontecendo, entrei em estado de choque, mas por incrível que pareça, o hospital é o meu lar agora, é o lugar onde me sinto seguro, protegido, em paz", ressaltou. 


E completou: "Me chamar de “Viado” não é ofensa. Tomar 4 tiros sim. Uma dor irreparável, além de física, emocional e psicológica. Não sei como será de agora em diante, não sei se serei mais o mesmo. Esse medo que estou sentindo, irei carregar até o fim dos meus dias. Só peço proteção para mim e toda a minha família".

Histórico de Conteúdo