Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quarta, 22 de Maio de 2019 - 18:20

Itabuna: Réu em homicídio de radialista cumprirá pena em liberdade; MP vai recorrer

por Francis Juliano / Mauricio Leiro

Itabuna: Réu em homicídio de radialista cumprirá pena em liberdade; MP vai recorrer
Cássio Marcelo, promotor do caso. Foto: Francis Juliano / Bahia Notícias

O réu Marcone Sarmento foi condenado a seis anos de reclusão pelo homicídio do jornalista Manoel Leal. O crime ocorreu em 14 de janeiro de 1998. Marcone é acusado de ter dirigido o carro na emboscada que matou o radialista, em Itabuna.


No entanto, a juíza Gelzi de Almeida retirou dois anos da pena, já que o agora condenado já havia cumprido dois anos, estabelecendo quatro anos, só que em regime aberto. Um detalhe é que quando ficou dois anos recluso, Sarmento respondia por outro homicídio. Inconformado com a sentença, o Ministério Público pretende recorrer da decisão.


"O júri desta vez condenou o réu Marcone Sarmento pelo homicídio do jornalista Manoel Leal. Foi ele que estava dirigindo a caminhonete", relatou o promotor do caso, Cássio Marcelo.


O parquet requereu uma qualificadora, a de emboscada, que aumentaria a pena, que não foi acolhida. "Se ele estava lá a tarde toda, e na hora dirigia o carro, por que não seria? O júri é soberano, temos que conviver. Nós discordamos", analisa Cássio.


"A pena foi baixa. Mas temos esperança e já recorremos para que a Justiça aumente para 10 ou 12, mas 6 é pouco. O Mozart Brasil pegou 18". Brasil foi condenado por ser o autor dos disparos, que matou o jornalista.

Histórico de Conteúdo