Operação Adsumus: TJ-BA nega liberdade ao empresário Manoel Andrade
Empresário é dono do camarote Axezeiro | Foto: Divulgação

O desembargador Julio Cezar Travessa negou pedido feito pela defesa para libertar o empresário Manoel Andrade, preso no âmbito da Operação Adsumus, que investiga um esquema de corrupção em prefeituras baianas. Dono do camarote Axezeiro, Barreto foi preso após decisão do juiz Gustavo Teles Veras Nunes, expedida no último dia 16 de maio, na qual decretou também a prisão do ex-prefeito de Santo Amaro, Ricardo Machado (PT), e o empresário Jonaldo do Carmo. Barreto é acusado de fazer parte de um esquema que teria desviado R$ 20 milhões entre 2012 e 2016, na gestão de Machado em Santo Amaro, e também na prefeitura de Muritiba. No pedido de habeas corpus, os advogados do empresário sustentaram que os membros do Ministério Público da Bahia (MP-BA) que denunciariam o trio criaram uma “ideia fixa” de prender, “a qualquer custo”, Barreto. A defesa ainda alegou que não há fato novo para justificar a nova prisão do empresário, além de apontar que não existem indícios de autoria e provas dos supostos crimes cometidos por ele. Ao justificar sua decisão, o desembargador destacou a gravidade dos crimes investigados pela operação. “Entendo que a maneira pela qual os delitos em apuração foram praticados evidenciam a seriedade dos fatos e efetiva necessidade de intervenção para interrupção das práticas fraudulentas. Destaca-se que se trata de vultosos prejuízos ocasionados aos cofres públicos, o que, num contexto de dificuldades como as que se apresentam no cenário econômico-financeiro do país, apenas denotam ainda mais a expressividade da lesão e a gravidade concreta das condutas”, sustentou Travessa.

Histórico de Conteúdo