Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Segunda, 30 de Novembro de 2020 - 20:30

Jogadora diz receber ameaça de morte após protesto contra Maradona

por Folhapress

Jogadora diz receber ameaça de morte após protesto contra Maradona
Foto: Reprodução/Twitter

Paula Dapena, 24, jogadora do clube Viajes Interrías (terceira divisão feminina espanhola), fez um protesto durante uma homenagem a Diego Maradona, que morreu na quarta-feira (25), aos 60 anos (leia mais). Segundo a atleta, após o gesto, ela recebeu ameaças de morte.

Antes do amistoso entre o time da jogadora e o Deportivo La Coruña (da primeira divisão), em Abegondo, cidade no noroeste da Espanha, as duas equipes se perfilaram para respeitar um minuto de silêncio em memória do ídolo argentino. Paula deu as costas para o centro do gramado, sentou-se e ficou olhando para as arquibancadas.

“Para as vítimas [da violência contra as mulheres] não houve um minuto de silêncio, por isso obviamente não estou disposta a guardar um minuto de silêncio por um agressor e não aceito que não se faça nada pelas vítimas", disse a jogadora de futebol ao site do jornal Pontevedra Viva, citando o Dia Internacional de Combate à Violência Contra a Mulher (25 de novembro).

Ela não explicou a quais episódios se referia. O ex-jogador já foi foi acusado de agressão pela ex-namorada Rocío Oliva e de assédio sexual pela repórter russa Ekaterina Nadolskaya. Sua ex-mulher, Claudia Villafañe, o denunciou por violência psicológica.

Paula afirmou que foi ameçada após fazer o protesto. "No clube, estão todos comigo. Recebi muito apoio nas redes sociais, mas também recebi ameaças de morte tanto eu quanto minhas companheiras de time."

A jogadora contou que ficou sabendo do tributo a Maradona somente quando já estava em campo e que, apesar de reconhecer a trajetória do ex-jogador, não consegue separar o que ele fez dentro e fora dos gramados.

"Não se pode perdoá-lo por todas as atrocidades que cometeu fora de campo. Para ser jogadora, tenho que ser a primeira pessoa com valores além das habilidades que ele tinha, que sabemos serem qualidades e dons espetaculares no futebol", disse Paula.



Histórico de Conteúdo