Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Domingo, 16 de Maio de 2021 - 11:20

Vacinação reduz em 95% mortes por Covid-19 na Itália, diz estudo

por Ana Estela de Sousa Pinto | Folhapress

Vacinação reduz em 95% mortes por Covid-19 na Itália, diz estudo
Foto: Bruno Concha/Secom

A vacinação contra Covid-19 reduziu as mortes em 95% na Itália, mostram resultados do primeiro estudo nacional sobre o impacto da imunização no país. Foram acompanhados 13,7 milhões de pessoas vacinadas de 27 de dezembro de 2020 a 3 de maio de 2021.
 

A queda no risco é progressiva a partir de 14 dias após a primeira dose e atinge o máximo a partir dos 35 dias. Após esse período, o estudo documentou também queda de 90% nas internações por Covid-19 e de 80% nos casos sintomáticos.
 

Os efeitos são semelhantes em homens e mulheres e em pessoas de diferentes grupos etários --no período estudado, a Itália estava imunizando os mais idosos e profissionais de saúde a partir de 40 anos.
 

"Os dados confirmam a necessidade de atingir rapidamente altas coberturas em toda a população para sair da emergência sanitária", afirmou o presidente do Instituto Superior de Saúde, Silvio Brusafero.
 

Participaram da análise pessoas imunizadas com as vacinas da Pfizer, da Moderna e da AstraZeneca. De acordo com o governo italiano, cerca de 65% dos pacientes estudados tomaram a vacina da Pfizer, 30%, e 5% a da AstraZeneca.
 

Entre os que receberam as duas primeiras, mais de 95% haviam tomado já as duas doses, com intervalos de 21 e 28 dias, respectivamente --mais de 90% dos participantes respeitaram o calendário de imunização. No caso dos vacinados com a AstraZeneca, cuja aplicação começou em fevereiro na Itália, nenhum dos avaliados havia ainda completado o ciclo de vacinação.
 

A Itália administra também o imunizante da Janssen, mas seu uso começou no final de abril, por isso ele não está incluído nos resultados. O estudo excluiu pessoas que tomaram a primeira dose numa data que impediria o acompanhamento de eventuais desdobramentos (a partir de 7 de março, para mortes, e de 4 de abril, para diagnóstico).
 

Os resultados também não incluem os que tinham sido diagnosticadas com Covid-19 antes do início da vacinação.
 

O texto ressalva que diferentes vacinas foram disponibilizadas em momentos diferentes, por isso pode haver casos em que a janela de tempo necessária para observar um possível evento não tenha sido suficiente.
 

Também observa que nem todos as faixas de idade e grupos populacionais estavam incluídas na campanha de vacinação, que priorizou os de maior risco. "As considerações estão destinadas a mudar com a entrada de novas vacinas e expansão da oferta vacinal a outros grupos populacionais", diz o texto.
 

Outro fato que pode alterar as conclusões é o aparecimento de variantes que escapem da proteção oferecida pelos imunizantes. Na |nglaterra, por exemplo, o governo afirmou nesta sexta (15) estar preocupado com o crescimento acelerado de pessoas infectadas pela B.1.617.2, identificada na Índia.
 

Segundo cientistas, ela é mais transmissível que outras linhagens que circulam no país, mas ainda não há evidências sobre o grau de transmissibilidade nem sobre como as vacinas agem sobre ela --a expectativa é que a proteção seja mantida.

Histórico de Conteúdo