Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias

Notícia

Com 200 anos de devoção, Irmandade da Boa Morte fará celebrações online

Com 200 anos de devoção, Irmandade da Boa Morte fará celebrações online
Foto: Reprodução / Bruno Leite / Reverso Online

Completando 200 anos em 2020, a Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte, de Cachoeira, vai manter a tradição de louvor à Nossa Senhora por meio de uma live, em substituição às procissões que atraem pessoas de diversos países.

 

O louvor à mãe de Jesus Cristo, conforme publicou a coluna de André Santana no UOL, se dá a partir de dois dos títulos que ela possui: Nossa Senhora da Boa Morte e Nossa Senhora da Glória. Tais nomenclatura fazem referência à crença da Igreja Católica sobre o período que ela dormiu até a assunção — elevação do corpo ao céu — onde foi coroada rainha.

 

A Irmandade, além de exercer a função religiosa, é símbolo da resistência à escravidão, construção da cidadania negra no Recôncavo e do diálogo inter-religioso do Catolicismo com o Candomblé. Trinta irmãs compõem a Boa Morte atualmente - elas possuem em média 60 anos de idade. 

 

"Este ano vamos concentrar as atividades nos dias 14, 15 e 16 de agosto e toda a programação será online, transmitida pela página da Irmandade, em parceria com a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)", explica o fotógrafo e assessor de Irmandade, Jomar Lima. 

 

"Esta será a primeira vez que a irmandade não irá para ruas em 200 anos de devoção, já que os historiadores apontam a data de fundação em 1820", explica Jomar. A expectativa é que elas participem utilizando suas vestes e seus acessórios característicos, como as batas, tecidos, torsos e joias. "Elas estarão unidas por meio dos computadores ou celulares, vestidas como manda a tradição", promete.

 

O ritual da festa à Nossa Senhora da Boa Morte inclui três dias de celebração. No primeiro dia de louvores as senhoras realizam uma ceia; no segundo dia, expressam o luto, em procissão pela cidade trajando vestes pretas e um véu cobrindo parte do rosto; e, no últmo dia, 15 de agosto, percorrem as ruas da cidade com panos vermelhos e joias douradas. Um almoço é servido na sede da Irmandade, no Alto da Igreja D'Ajuda, em Cachoeira, com a realização de rodas de samba.

 

Pesquisadora sobre festas, a jornalista e doutora em Antropologia Cleidiana Ramos explica que a festa é uma celebração que geralmente tem um conjunto de ritos. "São várias potencialidades desdobrando-se e interagindo. Alguns ritos são 'normatizados' e não saem do controle. Mas esse momento é um grande desafio para as festas que usam a rua", afirmou à coluna de André Santana.

 

"Como transmitir aqueles três dias de ritos diferenciados e elaborados da Boa Morte: a vigília da dormição, a ceia, a procissão do enterro, e por fim, o ápice que é a procissão da glória?". Sobre a utilização das tecnologias, ela observa que há algumas potencialidades, mas nem tudo é possível. "Veja que é uma adaptação, um modelo possível. Vai ter festa? Sim, mas uma nova festa", afirma Cleidiana.


FESTA DA BOA MORTE DE CACHOEIRA 2020
14 e 15/18, 19h - Encontro online das senhoras da Irmandade para oração
Dia 16/08, 9h - missa celebrada na Igreja matriz da cidade, sem a presença de público e transmissão online
16/08, 15h - apresentação do Grupo Gêge Nagô