Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Com curso online, cineclubes baianos buscam ampliar acesso à produção cinematográfica
Foto: Divulgação

Três cineclubes e um projeto de extensão voltado para a profusão da sétima arte se uniram para oferecer a realizadores um conjunto de aulas sobre técnicas audiovisuais dentro da linguagem cinematográfica, o "Curso de Leitura de Cinema II". Ministrado a partir de quatro abordagens - figurino, roteiro, som e documentário -, o projeto teve início no último dia 1º e segue até o próximo dia 10 de dezembro.

 

Para Juca Badaró, coordenador do cineclube Fruto do Mato, de Lençóis, na Chapada Diamantina, esse contato com a linguagem do cinema é essencial, pois assim como outras artes, ela está sempre em movimento. "[O cinema] acompanha as próprias transformações da sociedade. Assim, tanto os encontros pedagógicos quanto as práticas cineclubistas ganham uma importância muito grande, uma vez que permitem essas atualizações e renovações", defende o realizador. 

 

Dois encontros já aconteceram desde o início do curso e dois outros estão programados para acontecer até o último dia. Participam do espaço de debate professores, cineclubistas, críticos, realizadores, produtores culturais e cinéfilos. 

 

O primeiro encontro, na última terça contou com a participação do professor Leonardo Campos (UniFTC), que falou sobre o papel dramático dos figurinos. O segundo, que aconteceu nesta quinta-feira (3), teve o tema "Quem é o roteiro na fila do cinema?" como objeto central da aula mediada pela professora Adriana Amorim (Uesb).

 

Ainda estão programadas as atividades "Escutando filmes: entre ruídos, vozes, músicas e ambientes", na próxima terça-feira (8), com a professora Marina Mapurunga (UFRB); e a aula "O que é o documentário?", na próxima quinta(10), com Juca Badaró.

 

Esta é a segunda edição do Curso de Leitura. Segundo a professora Tatiana Fantinatti, coordenadora do cineclube CINECITTÀ, vinculado ao Instituto de Letras da Ufba, "o público alvo desta vez ficou alargado, sem fronteiras". "Os objetivos deste segundo curso são os mesmos, agora sem fronteiras e fortalecidos pelas parcerias estreitadas", explica a docente.

 

"Na primeira edição, em 2017, havia um interesse em formar o público para ele fruir melhor as produções pelo lado da narrativa fílmica, ampliando as discussões e permitindo, sobretudo a quem só podia comentar o lado temático, contextual e cultural a oportunidade de também saber o que eram aqueles conceitos que o pessoal exclusivo da área de cinema sempre cita", comenta Fantinatti.

 

Além do CINECITTÀ e o Fruto do Mato, o cineclube Vesúvio (Faced/Ufba) e o projeto de extensão Janela Indiscreta (Uesb) integram o Curso de Leitura de Cinema II. 

 

Badaró acredita que, a partir desta experiência entre os cineclubes, pode surgir uma rede. "No fundo, esse também é o nosso desejo, de agregar os cineclubes e pensar ações em conjunto", justifica. 

 

"Isso ganha uma força muito maior se considerarmos o atual contexto das artes e da cultura no Brasil, sob um governo que, diariamente, desrespeita os artistas e as instituições culturais. Por isso mesmo precisamos nos unir, porque juntos somos mais fortes e podemos pensar em alternativas diante do desmonte da cultura brasileira", revela o coordenador, argumentando sobre a importância de fazer laços com instituições da capital baiana, por exemplo.

 

Neste mesmo intuito, Fantinatti diz acreditar no potencial que os cineclubes têm, sobretudo na Bahia, de promover a sétima arte e suas qualidades - dentre elas a diversidade cultural e lingúsitica, a história e as questões políticas. 

 

"Os cineclubes focam muito mais a atenção no público: primeiro que são gratuitos; segundo que tem o diferencial das discussões, nascedouros de opiniões a respeito das obras, dos movimentos, dos estilos, o que sem dúvida promove o crescimento das comunidades. A Bahia, justamente por ser um estado culturalmente tão plural, tem produções riquíssimas e as ações dos cineclubes contribuem na formação de um público igualmente multicultural", ressalta. 

 

Os interessados em participar das atividades que ainda vão ocorrer podem acessar o site do evento (clique aqui). As inscrições são gratuitas e os certificados serão emitidos pela organização no próprio dia do evento.

Histórico de Conteúdo