Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Sexta, 18 de Setembro de 2020 - 12:15

Guerreiro diz que até meados de 2021 monumento de Mário Cravo deve 'estar de pé'

por Jamile Amine

Guerreiro diz que até meados de 2021 monumento de Mário Cravo deve 'estar de pé'
Foto: Divulgação

Após meses de divergências familiares entre os herdeiros de Mário Cravo Júnior (clique aqui e entenda o caso), o “Monumento à Cidade de Salvador”, de autoria do artista plástico baiano, finalmente tem previsão de ser reconstruído. A obra em questão sofreu um incêndio em 2019.

 

Em entrevista ao Bahia Notícias, o presidente da Fundação Gregório de Mattos (FGM), Fernando Guerreiro, informou que apesar do atraso - tanto por causa destes desentendimentos, quanto pela pandemia - a obra deve ser concluída no próximo ano. “Eu acho que se tudo correr bem, em março do ano que vem a gente está começando e em meados do ano que vem esse monumento está em pé”, declarou.

 

“Agora a gente está começando o processo. Estamos elaborando o termo de referência e a partir dele licita e começa a obra no ano que vem. O que eu estou garantindo é que o monumento volta”, afirmou o gestor cultural, destacando a complexidade do processo licitatório, que segundo ele “demora um pouco, mas está caminhando”.

 

Fernando Guerreiro explicou ainda que para prosseguir o processo de reconstrução da escultura original foi essencial o entendimento entre a família do artista. “Na verdade, o que houve foi um consenso. Christian Cravo foi muito importante, que é o neto. Ele fez mais ou menos uma mediação, acalmou tudo e tal. E a própria família entendeu a importância desse monumento permanecer na cidade, pela memória do próprio Mário Cravo”, avaliou o presidente da FGM.

 

Sobre as condições para tocar o projeto, Guerreiro informou que serão as mesmas previstas inicialmente pela prefeitura de Salvador. “A gente vai pagar um acompanhamento, mas direito autoral realmente não”, pontuou, revelando que a fundação está em negociações com o professor Mário Mendonça, classificado por ele como “sumidade nessa área”, para a realização do termo de referência.

Histórico de Conteúdo