Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Sexta, 18 de Outubro de 2019 - 11:20

Primeira etapa do Museu da Música Brasileira de Salvador deve ser entregue em 1 ano

por Rodrigo Daniel Silva / Lucas Arraz

Primeira etapa do Museu da Música Brasileira de Salvador deve ser entregue em 1 ano
Foto: Rodrigo Daniel Silva / Bahia Notícias

O Museu na Música Brasileira de Salvador, abrigado pelo Casarão dos Azulejos Azuis no Comércio, deve ter sua primeira etapa entregue pela prefeitura da capital em até um ano, garantiu, nesta sexta-feira (18), o subsecretário municipal da Cultura e Turismo, Pablo Barrozo. A ordem de serviço do espaço, que promete promover o resgate histórico e cultural da música produzida no Brasil, foi assinada pelo prefeito ACM Neto nesta manhã.
 

O equipamento tem investimento de R$ 7,8 milhões e terá obras executadas pela Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra), por meio da Superintendência de Obras Públicas (Sucop) e sob a responsabilidade da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult), que ainda deve licitar uma consultoria para a curadoria do espaço. “Iremos lançar uma licitação para estudar o conceito do museu. O carro chefe do espaço será a música baiana, mas temos definições que precisam ser feitas”, declarou Barrozo. 

A licitação deve contratar uma consultoria para estudar qual a melhor temática a ser adotada pelas peças do museu. Perguntado se o axé ou algum outro ritmo terá um espaço maior no equipamento, Barrozo respondeu: “É uma discussão que terá de ser feita. O axé, a Música Popular Brasileira (MPB) e os ritmos que têm relação com a matriz africana terão que ser um mix que representa todos os gostos da legítima arte baiana”, declarou.

 

O projeto do Museu da Música Brasileira possui área construída total de 1.914,76 m², em imóvel situado na Rua da Bélgica, s/n. Além do resgate histórico, já que se trata de uma área tombada, a iniciativa pretende transformar o local em um espaço destinado à cultura e aberto ao público, e faz parte da série de investimentos promovidos pela administração municipal para a revitalização da região do Comércio, dentro do programa Salvador 360, eixo Centro Histórico.

Histórico de Conteúdo