Sábado, 29 de Novembro de 2014 - 00:00

Chef baiana que cozinhou para príncipe está na semifinal do Masterchef em Londres

por Jamile Amine

Chef baiana que cozinhou para príncipe está na semifinal do Masterchef em Londres
A baiana Luciana Berry está na 7ª edição do Masterchef inglês. Fotos: BBC
A Chef Luciana Berry (34), nascida em Salvador e criada em Vitória da Conquista, ganhou os jurados da sétima edição do Masterchef Profissionais, em Londres, com temperos bem baianos. Ela, que preparou pratos como moqueca de lagosta, pato defumado com purê de aipim e farofa de feijão tropeiro, conseguiu surpreender o júri e está entre os 12 melhores cozinheiros selecionados para a semifinal da competição exibida na BBC do Reino Unido.


Luciana conquistou Monica Galetti e Gregg Wallace, jurada do Masterchef e crítico gastronómico

Luciana cursava engenharia elétrica no Brasil, quando resolveu visitar a Inglaterra, e acabou ficando por lá, onde vive há 10 anos, com o marido inglês e um filho de três anos. O interesse pela gastronomia veio de algo muito comum aos brasileiros expatriados: a saudade. “Quando vim, sentia tanta saudade que dizia: ‘vou ter que cozinhar, senão vai doer’. Meus pais tinham restaurante, minha mãe cozinha muito bem, então comecei a pedir receitas para ela, que me ensinava as coisas”, conta a baiana, que para se sustentar trabalhava como gerente de restaurante, ambiente propicio para se aproximar mais da cozinha. Ela tomou ainda mais gosto pela comida e começou a cozinhar para amigos, que a indicavam para outros amigos, e então, o hobby virou negócio. “Várias pessoas começaram a me chamar para fazer festas. Com o tempo ficou tão grande que tive que montar uma empresa em 2010”, lembra Luciana, que até então era autodidata, mas quis “dar mais um grau” e ingressou na Le Cordon Bleu, uma das mais conceituadas escolas de culinária do mundo. Ali ela aprimorou as técnicas francesas, que usa hoje, até mesmo no Masterchef, para dar um ar gourmet a pratos tradicionais brasileiros.



Um dos pratos preparados pela brasileira no programa foi uma empada de amígdalas


Com o tempo, Luciana ganhou mais clientes e chegou a conquistar até mesmo a nobreza britânica. “Cozinhei uma vez para o príncipe Edward, filho da rainha. Tive que mandar uma lista de ingredientes para o palácio e lá eles avaliaram para ver se estaria dentro da dieta. Eu queria fazer uma moqueca, mas acabaram vetando o dendê, então eu fiz tipo um ensopadinho. Foi um processo para cozinhar, tive que deixar passaporte, placa do carro. Preparei tudo na casa de um amigo dele, enquanto carros da Scotland Yard (polícia britânica) ficavam ao redor, para impedir que qualquer pessoa não autorizada ultrapassasse o bloqueio feito a 1km do local onde o príncipe estava”, lembra a baiana, que mesmo com tamanha pressão, disse que o Masterchef Profissionais é ainda mais tenso. “Nossa, o Masterchef é mais arrepiante. Para o príncipe eu já sabia o que ia fazer, já estava confiante, faço moqueca de olhos fechados. Já na competição a gente não sabe o que vai ter que cozinhar. É um teste para os nervos, pra você ficar balançada”, conta Luciana, que chegou a ser alertada pelos jurados, por tremer demais e correr o risco de ser traída pelo nervosismo. A dificuldade vem do formato do programa, que prevê provas de alta pressão, onde os participantes têm um tempo limitado para cozinhar produtos que só são revelados quando as câmeras são ligadas. Já na primeira prova, Luciana teve uma hora para preparar um prato assinatura, decidiu pela moqueca de lagosta e conseguiu impressionar os jurados; depois ela passou por um teste de habilidade, recebeu um molusco estranho, semelhante a uma lula gigante, e teve que prepará-lo em 15 minutos. Mais uma vez conseguiu convencer os avaliadores.


O clima é tenso na cozinha do Masterchef Profissionais 

Na terceira etapa veio uma prova ainda mais complicada, os competidores receberam amígdalas e tinham 1h para cozinhar. Apesar de baiana, Luciana não aprecia muito algumas exoticidades e comparou a iguaria à buchada, “Detesto essas coisas, chegou a embrulhar o estômago”, revelou. Mas como uma boa Chef, mesmo a contragosto, já havia provado o prato quando precisou cozinhar para um cliente. Ela aproveitou a experiência para bolar uma estratégia. “Sabia que vários nunca tinham mexido com o produto, todo mundo ia fritar porque é a maneira mais fácil de fazer qualquer coisa. Ai tive a brilhante ideia de fazer uma empada. Os jurados disseram que eu não iria conseguir fazer em tempo, mas eu decidi encarar o desafio. Fiz a empada com tanta manteiga, mais que o normal mesmo, para derreter na boca. Fiz o recheio também com fígado de galinha, vinho e maçã e um molho de carne, espinafre e champignon selvagem. Deu certo, o jurado ficou impressionado e disse que a massa derretia na boca igual a sorvete”, contou a Chef baiana, que na última etapa realizada nesta quinta-feira (27), conseguiu seguir a diante depois de prova em que precisou cozinhar com ingredientes do lixo, como banana podre, cabeça de peixe, bochecha de peixe, espinha e ossos. O próximo desafio acontece na terça-feira (2), mas Luciana, uma das 3 mulheres entre os primeiros 40 selecionados na primeira etapa, tem buscado coragem e apostado em uma fórmula arriscada para seguir na competição. “Estou me arriscando muito colocando muita comida brasileira que sei que eles não estão acostumados e tem um paladar diferente, mas meu propósito maior é mostrar nossa culinária e cultura”, explica a Chef, que pretende quebrar preconceitos. “Estou cansada do pessoal achar que culinária brasileira é churrascaria e feijão preto. A gente que vem da Bahia, por exemplo, sabe que tem tanto ingrediente maravilhoso. Quero mostrar o máximo possível a comida brasileira, o tempero baiano. Na minha cozinha vem minha cultura dentro”, diz Luciana, que além dos pratos mais exóticos para o paladar britânico, tem se destacado também pela alegria. 

Confira programa com a participação da baiana Luciana Berry:

Histórico de Conteúdo