Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quarta, 07 de Abril de 2021 - 10:00

Carreiras UniFTC: O valor do jornalista na linha de frente da Pandemia

por Wilma Nascimento

Carreiras UniFTC: O valor do jornalista na linha de frente da Pandemia
Foto: Divulgação

Com a pandemia da Covid-19, o papel do jornalista se mostra cada vez mais importante na comunicação e no esclarecimento sobre a doença, em meio a um contexto globalizado. Pensando nisso é que se faz significativa a formação desse profissional. O curso de Jornalismo oferece uma ampla gama de estudos e atuação, no qual a ética e o comprometimento com a verdade são bases para o exercício da profissão.

 

Na cobertura desse período pandêmico, as redações jornalísticas sofreram grandes transformações no último ano. A apresentação de um conteúdo completo, diverso e adaptado à nova realidade, exige um grande esforço por parte da comunidade de jornalistas. Como vivemos num momento de incertezas, é cada vez mais relevante o papel do jornalismo profissional, tanto para a busca de respostas para as mais diversas dúvidas, quanto para uma atualização confiável sobre o tema.

 

O Instituto Datafolha divulgou uma pesquisa que aponta a confiança do brasileiro no jornalismo em tempos de pandemia. De acordo com os dados, as TVs e jornais lideram os índices de confiança, com 61% e 56%, respectivamente. Os programas jornalísticos de rádio seguem com 50% e sites de notícias, 38%. Apenas 12% dos respondentes dizem confiar no que é compartilhado em apps de mensagem e mídias sociais.

 

Com uma visão mais ampla do levantamento, é possível ver que a credibilidade das mídias tradicionais em comparação com as da internet está melhor. Outro ponto pertinente está na baixa confiança com relação às informações referentes à saúde – o que pode estar associado à alta disseminação das fake news nas diversas plataformas digitais.

 

Em paralelo, sentimos que há uma “pandemia de desinformação” sobre o vírus, impedindo que o trabalho das autoridades de saúde seja eficaz, já que há uma grande confusão e divergência de informações.

 

Para combater as informações desencontradas, muitas emissoras ampliaram o tempo de seus noticiários locais e nacionais, dando mais espaço para a cobertura da pandemia. Não somente na TV, mas na mídia impressa e digital, jornais e revistas também abriram as suas reportagens para não-assinantes.

 

O jornalismo diário passa por grandes adversidades e responsabilidades. E essa é a missão do jornalista, que é desafiado todos os dias para entregar boas reportagens, produções especiais e um material rico e sério. Neste dia do jornalista, 7 de Abril, temos que pensar nesse profissional, que vem atuando na linha de frente, que não parou nenhum dia durante a pandemia, que se mostrou essencial na entrega de conteúdos para as diversas partes do planeta. Mostrando assim, que esse profissional que está sempre em busca da verdade, com comprometimento e ética, pode exercer as suas funções levando informação para a sociedade a qualquer tempo, seja cobrindo uma pandemia, o esporte, o entretenimento, ou em uma guerra.

 

 *Wilma Nascimento é Jornalista, Mestre em Bioenergia pela Rede UniFTC, coordenadora da Assessoria de Comunicação do Inema e professora dos cursos de Comunicação da Rede UniFTC
 

*Os artigos reproduzidos neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do Bahia Notícias

Histórico de Conteúdo