Entrevistas

‘Saúde é desafio na Bahia ou no mundo inteiro’, diz responsável pela regulação no Estado

Responsável por um dos pontos mais criticados da saúde baiana durante a eleição (como também fora dela), o sistema de regulação, o superintendente do setor, Andrés Alonso, diz que as críticas não se equiparam ao que é feito pela Secretaria de Saúde do Estado (Sesab). “Sempre se coloca: ‘ah, existe isso e aquilo’, mas quando você vai para o indicador, você vê que o trabalho está sendo feito”, declarou ao Bahia Notícias. Dados do gestor apontam que, em 2013, 58 mil pessoas foram reguladas no estado, ante 22 mil, em 2006, um crescimento de mais de 150%. Segundo Alonso, a saúde “é um desafio tanto na Bahia como no mundo inteiro” e a regulação tem mais visibilidade porque “mexe com a sensibilidade das pessoas”. Na entrevista, o superintendente, que também é responsável pelo rastreamento do câncer de mama no estado, falou também sobre ações da Sesab no Outubro Rosa, mês dedicado à prevenção do tumor mais comum entre as mulheres. Na Bahia, segundo Alonso, cerca de 200 municípios estão cobertos com o rastreamento de câncer, menos de 50% dos 417 municípios. A previsão, segundo o gestor, é que até 2016 a cobertura atinja todas as cidades baianas. Leia abaixo a entrevista na íntegra.

Veja mais

Diagnóstico do Leitor

Médicos baianos protestam por mais ética na política neste domingo

Que tal uma caminhada por mais ética na medicina?

19/10/2014 - 08:55

William Ferreira de Azevedo

Veja mais

Sexta, 28 de Março de 2014 - 18:40

Mãe luta na Justiça por liberação de remédio de maconha para filha de 5 anos

Mãe luta na Justiça por liberação de remédio de maconha para filha de 5 anos
Foto: Divulgação
A pequena Any, de 5 anos, nasceu com uma síndrome rara que provoca convulsões de duas em duas horas. Por isso, ela não consegue falar e, apesar de ter aprendido a andar, seu progresso regrediu quando as crises pioraram. Há alguns meses, sua mãe Katiele Fischer descobriu que um composto a base de maconha tinha resultados muito positivos. Em janeiro, a menina teria passado três semanas inteiras sem uma única convulsão, quando em outubro chegou a sessenta delas semanalmente. “O canabidiol devolveu a ela suas funções”, diz Katiele, que conheceu o produto em um fórum na internet.
 
O problema é que, por causa de questões burocráticas com a Anvisa e os Correios, suas encomendas foram barradas, já que no Brasil a maconha é ilegal. Quando Any voltou a ter várias convulsões já nos primeiros dias sem o remédio, sua mãe decidiu pedir na Justiça a liberação da substância. Se o pedido for aceito, a criança de Brasília será a primeira paciente a utilizar maconha medicinal no Brasil. Sua história virou um documentário. “Illegal”, de Tarço Araújo e Raphael Erichsen, foi lançado nesta quinta-feira (27). Informações da Marie Claire.

Comentar

   

Histórico de Conteudo