Quarta, 08 de Novembro de 2017 - 11:00

'Homem deve procurar urologista para se orientar, não só sobre câncer', diz médico

por Renata Farias

'Homem deve procurar urologista para se orientar, não só sobre câncer', diz médico
Foto: Jamile Amine / Bahia Notícias

A cada 36 minutos, um homem morre no Brasil vítima de câncer de próstata. Apenas em 2015, o Ministério da Saúde registrou 14.484 mortes devido à doença. Com o objetivo de conscientizar os brasileiros sobre a importância de exames preventivos e diagnóstico precoce, a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) realiza neste mês a campanha Novembro Azul. De acordo com Joabe Carneiro, presidente da SBU-Bahia, a alta incidência de câncer de próstata está relacionada principalmente a hábitos não-saudáveis de vida, assim como ao envelhecimento da população. "A terceira idade é justamente a fase da vida em que aumentam os casos. A próstata é uma glândula que cresce ao longo da vida do homem. No entanto, chega uma época em que ela cresce com maior rapidez, entre os 40 e 50 anos. Cada vez se vive mais, e isso oferece um tempo maior para essa doença se manifestar", explicou. Dados da SBU apontam que 20% dos pacientes são diagnosticados em estágios avançados da doença, o que faz com a taxa de mortalidade chegue a 25% dos casos. No entanto, um diagnóstico precoce leva a 90% de chance de cura. Para isso, é necessária a realização dos exames de Antígeno Prostático Específico (PSA) e toque, que ainda é alvo de muito preconceito. "Diferente da mulher, que desde cedo é orientada a fazer exame preventivo, o homem tem a cultura de esquecer essa questão. Tem muito também o preconceito e medo de perder a ideia do 'super-homem'. Muitos não querem procurar por pensar que quem procura acha", avaliou o profissional. "Da mesma maneira que a mulher procura o ginecologista, o homem deve procurar o urologista para se orientar não só com relação ao câncer de próstata, mas também outros problemas masculinos". Carneiro ainda explicou a diferença entre crescimento benigno e maligno da próstata e a influência do câncer sobre a fertilidade masculina.

 

A incidência do câncer de próstata tem aumentado no Brasil. Quais são os fatores que contribuem para isso?

É multifatorial. Se você levar em consideração tudo que causa uma vida não-saudável, é também o que causa câncer de próstata. Excesso de gordura animal na dieta, sedentarismo, abuso de álcool e outras drogas, por exemplo, são fatores que contribuem para isso.

 

A população brasileira está envelhecendo, e o homem mais velho tem uma maior tendência a desenvolver o câncer de próstata. Qual a relação nesse caso?

A terceira idade é justamente a fase da vida em que aumentam os casos. A próstata é uma glândula que cresce ao longo da vida do homem. No entanto, chega uma época em que ela cresce com maior rapidez, entre os 40 e 50 anos. Cada vez se vive mais, e isso oferece um tempo maior para essa doença se manifestar. Antigamente havia uma expectativa de vida de entre 60 e 70 anos, então não tinha tanto tempo para a doença se desenvolver. Hoje os homens vivem décadas mais.

 

A Sociedade Brasileira de Urologia aponta que 20% dos casos de câncer de próstata são detectados já em estágio avançado. Quais são as principais questões que fazem com que o homem não se previna?

Primeiro há a questão de dificuldade de acesso à saúde. Diferente da mulher, que desde cedo é orientada a fazer exame preventivo, o homem tem a cultura de esquecer essa questão. Tem muito também o preconceito e medo de perder a ideia do “super-homem”. Muitos não querem procurar por pensar que quem procura acha. É preciso muito esclarecimento, informar a população em larga escala que é necessário fazer o exame.

 

 

Existe muito preconceito também com relação ao exame de toque. Por que esse procedimento é necessário?

A forma de se detectar precocemente o câncer é o PSA, um exame de sangue que identifica uma enzima que a próstata normalmente produz. Quando tem câncer, a produção é muito maior, então o PSA aumenta. No entanto, em alguns casos, o PSA é normal, então não adianta fazer o exame de sangue. A cada dez homens, isso vai acontecer em três. O toque entra justamente aí, para tentar vencer essa falha do PSA.

 

Atualmente não há nenhuma evolução científica que substitua o exame de toque?

A grosso modo, não. No caso de campanhas de prevenção, para a população geral, não tem nenhuma tecnologia que substitua o toque e o PSA.

 

Quando o homem deve buscar um médico com relação a isso e quais são os sinais de crescimento da próstata?

São coisas diferentes. A próstata cresce com o passar da idade, é normal. Em 80% dos homens, ela aumenta sem problema nenhum. Os focos de câncer começam a aparecer entre os 40 e 50 anos. São fatores distintos, a única questão em comum é a idade. Os sintomas de crescimento benigno são dificuldade para urinar ou vontade de urinar toda hora, por exemplo. Mesmo assim, não são todos os homens que sentem isso. Já o câncer, não tem sintoma. Para o câncer entrar em uma fase sintomática, ele precisa estar avançado. Daí a necessidade de exame preventivo. A recomendação depende do país. Aqui no Brasil, é recomendado que, após os 50 anos, o homem inicie seus exames com toque e PSA anual. Se esse homem for de raça negra, a gente começa a fazer com 45 anos, porque o câncer de próstata é mais comum e agressivo nessa parcela da população. Também deve fazer a partir dos 45 os homens que tiveram parentes na família com a doença.

 

Por que os homens negros têm essa tendência maior?

Não se sabe. É um fator genético, com certeza, mas não se sabe o porquê. Da mesma forma, é muito incomum nos japoneses. Acredita-se que tem muito a ver com a dieta nesse caso, porque no Japão se come muito pouca gordura animal, a alimentação é baseada muito em vegetal. No dois casos, é provável que tenha a ver com hábito de vida.

 

 

Quais são as consequências de se descobrir um câncer de próstata tardiamente?

A pior é a morte. Quando o paciente é diagnosticado tardiamente, ele não vai ter a possibilidade de cura. Se você detecta precocemente, 90% chegam à cura, quando não há metástase. Quando o diagnóstico é tardio, não há possibilidade de operação, radioterapia ou qualquer tratamento curativo. São as consequências de um câncer metastático. Ele começa a se alastrar, causa dificuldade para urinar, começa a invadir outras estruturas, como o reto, e pode espalhar para ossos, pulmão...

 

Um homem diagnosticado com câncer de próstata tem a possibilidade de ainda ser fértil?

Se descobriu um câncer de próstata e operou, a fertilidade está nele. No entanto, ele não vai conseguir engravidar a esposa em casa, vai ter que buscar técnicas de reprodução assistida. Quando você retira a próstata, o homem não consegue ejacular mais. Ele pode ter relação sexual, vai ter ereção, sensação de orgasmo, mas não vai ter mais o líquido que leva os espermatozoides. Como não se mexe no testículo, ele ainda está cheio de espermatozoides.

 

A SBU-BA vai realizar alguma ação para esse mês de novembro?

Nós temos programações para a mídia, campanhas em estádios de futebol, praças públicas... A Sociedade Brasileira de Urologia aproveita essa campanha para fazer a divulgação em massa dessa necessidade do exame de prevenção, para o homem entender que urologista é o médico do homem – apesar de também tratar mulher. Da mesma maneira que a mulher procura o ginecologista, o homem deve procurar o urologista para se orientar não só com relação ao câncer de próstata, mas também outros problemas masculinos. Nosso objetivo é conscientizar e, por vezes, viabilizar a realização de exames para a população.

Histórico de Conteúdo