Sábado, 27 de Maio de 2017 - 12:00

Pacientes de médicos velhos morrem mais do que os de médicos mais novos, diz pesquisa

por Estadão Conteúdo

Pacientes de médicos velhos morrem mais do que os de médicos mais novos, diz pesquisa
Foto: Reprodução / Cosems

O senso comum nos ensina que um profissional é mais confiável conforme mais cabelos brancos tiver na cabeça. No entanto, uma pesquisa da Universidade de Harvard quebra esse preceito. Os cientistas notaram que pacientes de médicos mais velhos morrem mais do que os pacientes de doutores novinhos. Conforme o estudo, publicado no prestigiado "British Medical Journal" na semana passada, a exceção se dá apenas para médicos mais velhos bastante ativos, que continuam a atender muitas pessoas no hospital - estes tinham uma mortalidade entre seus pacientes abaixo da média. Os pesquisadores de Harvard argumentam que médicos mais experientes atuam com base no conhecimento adquirido na época em que estudaram, que pode ter se tornado ultrapassado. Caso o médico não frequentes congressos e grupos de discussão ou use softwares específicos voltados para o diagnóstico, há o risco de aplicar técnicas datadas. "Achamos que médicos velhos estão tentando bastante aprender tratamentos inovadores e implementá-los na sua prática. No entanto, visto que o conhecimento médico e as novas tecnologias mudam frequentemente, eles podem ficar sobrecarregados para se atualizar", explica o médico pHD Yusuke Tsugawa, líder do estudo, em entrevista à reportagem. Já os doutores jovens, ainda que mais crus, saem da faculdade a par do que há de mais recente na medicina. É como se saíssem já treinados para usar tratamentos e tecnologias de ponta. A diferença é pequena, mas ainda assim chamou a atenção dos pesquisadores de Harvard. Para chegar aos resultados, foram analisados, do banco de dados relativo ao país inteiro, 736.537 pacientes, entre 65 e 75 anos, tratados por 18.854 médicos entre 2011 e 2014. As comparações eram sempre feitas entre pacientes do mesmo hospital, para não haver discrepância.

Apesar dos dados encontrados, os pesquisadores ressaltam que é preciso manter médicos mais experientes nas equipes - afinal, a experiência e mentoria deles é fundamental para ensinar os mais novos. No estudo, foi visto que médicos mais velhos com alto número de pacientes (pelo menos 200 por ano) perdiam 10,9% dos seus pacientes - portanto, abaixo da média geral de mortalidade para todos, de 11,1%. Aliás, em todas as idades, o fator que mais definia a queda no número de mortes não era o pouco ou muito tempo de carreira, mas sim a quantidade de pacientes atendidos. Há, portanto, uma relação direta: quanto mais um médico trabalha, mais pacientes ele salva. "Aqueles que continuam a ver um grande número de pacientes se atualizam sobre as últimas tecnologias e o conhecimento médico mais recente. Portanto, eles mantêm um cuidado de alta qualidade ao longo da carreira", explica Tsugawa. Além disso, conta a favor dos mais velhos as queridas rugas de experiência adquiridas no dia a dia. "Só o conhecimento não resolve as angústias do paciente. O médico mais velho tem mais percepção da necessidade do indivíduo e tem mais vantagem no trato pessoal", diz Carlos Eduardo Andrade Pinheiro, professor e ex-coordenador do curso de Medicina da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). "Além disso, na chefia de uma equipe, o médico mais velho sabe ser um bom conciliador", acrescenta. A data de nascimento, portanto, não pode ser levada somente em conta na escolha do profissional. Vale pedir a boa e velha indicação. "Julgar apenas a idade como um fator não é o jeito certo de avaliar a performance de médicos", diz Tsugawa, da Universidade de Harvard.

 

Hospital coloca prótese infectada e paciente deixa de andar: ‘Meu filho corre risco de vida’
Foto: Reprodução / G1

O paciente Diogo Fernando de Oliveira, de 34 anos, contraiu uma infecção e deixou de andar após colocar uma prótese no Hospital Municipal Doutor Cármino Caricchio, conhecido como Hospital Tatuapé, em São Paulo. Segundo o G1, ele foi diagnosticado na adolescência com epifisiólise, uma doença que se caracteriza pelo “escorregamento” da cabeça do fêmur no encaixe com a bacia. Por isso, colocou pinos nas duas pernas para melhorar a fixação da articulação. Porém, na fase adulta teve que ser submetido a dois novos procedimentos cirúrgicos - um em cada perna, realizados em 2014. Porém, o segundo foi o responsável pela contaminação. "Ele ficou dois dias no hospital e o médico falou que podia ir para casa e andar. Ele recebeu alta sentido dor. A gente achava que era normal do pós-cirúrgico, só que ele fez todo o repouso direitinho e em vez de melhorar, começou a piorar. Teve secreção e tivemos de voltar ao hospital”, conta a mãe, que tem 67 anos. Diogo conta que passou, então, a tomar diversos antibióticos receitados pelo médico responsável pela cirurgia. Como as dores não cessavam e o quadro não melhorava, foi submetido a um exame de cintilografia óssea, que apontou uma infecção do material cirúrgico. “O laudo diz que a prótese estava infectada. Infecção não foi hospitalar nem nada. Foi a prótese”, constata. Sendo assim, teve que voltar várias vezes ao Hospital, que, segundo ele, cada retorno ocorre de três em três meses há dois anos e sem solução. “Dizem que não tem vaga para outra cirurgia, que tem que esperar. Na última vez, disseram que faltava a prótese, que é especial. Meu filho está correndo risco de vida e eles tratando o caso como brincadeira”. Ainda segundo a nota, Diogo, por estar imóvel, teve que deixar o emprego. “Não levanto para nada, nem para as necessidades. É terrível e não posso fazer nada. Não tenho condição de ir em um hospital particular e nenhum outro público quer pegar o meu caso. Falam para ir no Tatuapé, porque comecei lá”, lamenta. Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde afirmou que Diogo passou em consulta na especialidade ortopedia/quadril no último dia 28 de março e que ele "faltou em algumas consultas agendadas anteriormente, o que pode ter alterado a classificação – deixando assim de ser prioridade - para a realização da cirurgia".

Sexta, 26 de Maio de 2017 - 21:40

Estado da Bahia é obrigado a fornecer remédio de R$ 13 mil a paciente com câncer

por Cláudia Cardozo

Estado da Bahia é obrigado a fornecer remédio de R$ 13 mil a paciente com câncer
Foto: Divulgação
O Estado da Bahia foi obrigado a conceder a medicação Vzytiga, com custo médio de R$ 13 mil, a uma paciente com câncer. A decisão liminar é da desembargadora Márcia Borges, do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). Caso não seja cumprida, o Estado terá que pagar multa diária de R$ 3 mil. De acordo com o mandado de segurança, o Estado, através da Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab), se abstém de fornecer o medicamento, imprescindível ao tratamento de saúde. O autor da ação é uma pessoa idosa, com 71 anos de idade, com câncer de próstata, já em fase metastática. No momento, o paciente é submetido a tratamento com diversas drogas, entre elas, o Vzytiga, de alto custo para aquisição particular. O medicamento já é autorizado pela Agência Nacional de Saúde (Anvisa). Segundo a desembargadora, os relatórios médicos demonstram que o tratamento com a medicação é a “única alternativa para o restabelecimento da integridade física” do paciente. No caso, é dado prioridade ao julgamento da questão, por se tratar de pessoa idosa. O Estado deverá fornecer o remédio por 12 meses, sob pena de multa.
Alemanha determina que pré-escolas informem sobre crianças sem vacina
Foto: Andre Borges / Agência Brasília

As unidades de pré-escola da Alemanha devem informar às autoridades sobre a situação de crianças que não estejam vacinadas ou que seus pais não consigam provar que a vacinação está dentro do padrão. Segundo o jornal O Globo, a medida tem o objetivo de melhorar as taxas de imunização no país. Nos últimos anos, uma queda nos índices tem colocado crianças e adultos sob o risco de doenças como o sarampo. A legislação alemã já possui uma multa de 2,5 mil euros (R$ 9,1 mil) para pais que se recusem frequentemente a levar seus filhos para vacinação. Ainda assim, não é possível identificar quais responsáveis não cumprem com a obrigação. Apenas neste ano, já foram registrados 410 casos de sarampo na Alemanha. O número é maior que a soma para 2016. Outros países europeus, como Itália e Portugal, têm apresentado o mesmo problema.

Paulo Afonso: Edital de UTI deverá ser lançado nos próximos 60 dias
Foto: Divulgação / Foto: Zeca Teixeira

Em 60 dias, o edital de licitação para construção da  Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Nair Alves de Souza, em Paulo Afonso deverá ser lançado pelo Governo do Estado. O objetivo é lançar o edital quando o projeto básico, que já foi aprovado pela pela Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), prefeitura e Estado já estiver concluído e completamente detalhado. "Vamos iniciar ainda esse ano a obra de recuperação do hospital e da UTI. A construção será realizada de forma modular, para que já no próximo ano possamos entregar a UTI funcionando à cidade”, explicou o governador Rui Costa, durante a inauguração da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) de Paulo Afonso. Em relação a policlínica do local, que tem seu terreno embargado por questões judiciais, Rui informou que o governo busca alternativas. "Iniciaremos a obra tão logo encontremos um terreno apropriado”, afirmou o governador. A policlínica beneficiaria nove municípios da região.

Derivado de maconha reduz convulsões de forma rara de epilepsia durante estudo
Foto: Divulgação

Convulsões epilépticas graves podem ter sua frequência reduzida em 39% com o uso do canabidiol, substância derivada da Cannabis sativa. Pesquisadores da Universidade de Nova York realizaram um teste em clínico em grande escala com pacientes jovens com síndrome de Dravet, uma forma rara de epilepsia. "O canabidiol não deve ser visto como uma panaceia para a epilepsia, mas para os pacientes com formas especialmente graves que não responderam a inúmeros medicamentos, estes resultados dão a esperança de que logo poderemos ter outra opção de tratamento", afirmou o principal autor do estudo, Orrin Devinsky, professor de Neurologia, Neurocirurgia e Psiquiatria no Langone Medical Center. "Ainda precisamos de mais pesquisas, mas este novo teste dá mais provas do que jamais tivemos da efetividade do canabidiol como medicamento para a epilepsia resistente ao tratamento", completou. Segundo o site G1, foi utilizada uma forma líquida experimental do CBD, chamada Epidiolex, não aprovada pela Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos Estados Unidos. No grupo que utilizou a substância foi observada uma redução de 39%, de uma média de quase 12 convulsões por mês para aproximadamente seis.

Estado é obrigado a internar idoso em UTI para tratamento renal, mas não cumpre liminar
Foto: Arquivo pessoal

Um senhor de 87 anos, em debilitado estado de saúde, aguarda o cumprimento de uma liminar para que seja transferido para um hospital em Salvador com Unidade de Terapia Intensiva (UTI) que ofereça serviço de nefrologia. O paciente Milton Geraldo da Cruz está na UPA de Pau Miúdo desde o último sábado (20), quando se sentiu mal. No domingo (21), o quadro se agravou, sendo necessária a intubação e uso de drogas vasoativas, como noradrenalina. A família buscou a Central de Regulação para tentar internação em um hospital adequado, mas não conseguiu. Para conseguir a transferência, a família de Milton buscou a Defensoria Pública, que ingressou com uma ação contra o Estado da Bahia para exigir a internação. Na última terça-feira (23), o juiz Edson Pereira Filho, durante o plantão do Judiciário, em caráter liminar, obrigou o Estado, em um prazo de 48h, a realizar a internação do paciente em um hospital com UTI e com a especialidade para tratamento renal. A prazo venceu nesta sexta-feira (26), e a liminar ainda não foi cumprida. A família afirma que a demora no cumprimento da liminar, diante do quadro agravado, representa um risco para vida do paciente, conforme o próprio juiz salientou na decisão, e que deixar para dar cumprimento no exame do mérito poderá ser “ineficaz”. Em janeiro deste ano, Milton foi internado no Hospital Ernesto Simões por conta do problema renal, onde foi submetido a um tratamento por quase dois meses. Nos autos, o juiz cita que foi apresentado um laudo médico que indica que Milton da Cruz foi diagnosticado com “doença renal crônica agudizada, além de hipertensão arterial sistêmica, hipercalcêmica, anemia, hiperplasia prostática benigna”. O magistrado ainda reforça que “a saúde é dever do Estado, o qual deve prestá-la de forma gratuita aos que dela necessitarem”. O juiz fixou uma multa diária de R$ 200 em caso de descumprimento da decisão. 

Rastreamento do Câncer de Mama chega em Ponto Novo, Igaporã e Jacaraci
Foto: Divulgação

Os municípios de Jacaraci, Igaporã e Ponto Novo recebem, a partir da próxima segunda-feira (29), o programa itinerante Saúde sem Fronteiras Rastreamento do Câncer de Mama. O programa oferece mamografias gratuitas a mulheres com idade entre 50 e 69 anos. Em Jacaraci, o atendimento acontece até 6 de junho, na unidade móvel estacionada na Praça do Gonzagão. Em Igaporã, as mulheres podem ser atendidas até 3 de junho, no Ginásio de Esportes Igaporã. Já em Ponto Novo, a unidade móvel estará na Praça do Comércio, em frente à Igreja Católica, até 3 de junho. Para ser atendida, a mulher deve comparecer ao local, a partir das 7h, com documento de identidade, cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) e comprovante de residência. Para pacientes com diagnóstico positivo, o tratamento cirúrgico, quimioterápico ou radioterápico será realizado em unidades de alta complexidade em oncologia na região de residência.

Ações para fornecimento de remédios que não fazem parte de lista do SUS são suspensas
Foto: Carlos Severo / Fotos Públicas

Todos os processos judiciais em tramitação para o fornecimento de remédios que não constam na lista oficial do Sistema Único de Saúde (SUS) devem ser suspensos, de acordo com determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ). No entanto, a decisão não impede a avaliação de demandas e concessão de liminares. Nesses casos, é necessário comprovar a urgência da demanda. Segundo a Folha de S. Paulo, o ministro Benedito Gonçalves, autor da decisão, pontuou que a ideia não é "trancar" o julgamento das ações, mas uniformizar a interpretação de temas controvertidos. A determinação é válida até o julgamento da questão.

Santo Antônio de Jesus: Defensoria propõe projeto de solução de demandas de saúde
Foto: Divulgação
A Defensoria Pública da Bahia (DP-BA) apresentou à Secretaria de Saúde de Santo Antônio de Jesus, no recôncavo do estado, um projeto de cooperação interinstitucional para solução extrajudicial de demandas de saúde. Segundo o defensor público Murillo Bahia, a judicialização da saúde na cidade tende a diminuir com a criação de um fluxo de atendimento e integração dos órgãos. Já o defensor público Lucas Ressurreição diz que o projeto é de grande importância para concretização dos direitos à saúde das pessoas atendidas pela Defensoria. O projeto é fruto da Resolução 01/2016 do Fundo de Assistência Judiciária (FAJ) da Defensoria. O projeto estabelece um fluxo de atendimento para as pessoas que buscam o órgão. Ficou estabelecida uma articulação e comunicação direta, através de canais especialmente criados para esse fim, entre servidores destacados da secretaria municipal e da Defensoria. Na próxima semana será realizada nova reunião na sede da Defensoria em Santo Antônio de Jesus com a finalidade de definir os últimos ajustes para a consolidação e implementação do projeto. 
Saúde confirma 246 casos de microcefalia e outras alterações ligadas ao Zika em 2017
Foto: Getty Images

O Brasil confirmou, do início de 2017 até 22 de abril, 246 casos de microcefalia ou outras alterações de crescimento e desenvolvimento possivelmente ligadas ao vírus Zika. De acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde, há ainda outros 936 casos notificados que permanecem em investigação. Houve 25 confirmações de mortes fetais e neonatais ligadas ao vírus e 33 confirmações de fetos com alterações no sistema nervoso central, abortos espontâneos e natimortos relacionados à infecção em 2017. Os dados do boletim incluem casos que ainda estavam em investigação na última semana de 2016 e podem ter sido confirmados no início de 2017. Até o dia 13 de maio, o Brasil registrou 9.351 casos de zika, 144.326 casos de dengue e 80.949 casos de chikungunya.

Ministério prorroga campanha nacional de vacinação contra gripe
Foto: Diogo Moreira / A2img

Programada para acabar nesta sexta-feira (26), a campanha de vacinação contra gripe foi prorrogada até 9 de junho. De acordo com o Ministério da Saúde, a meta é imunizar 90% das 54,2 milhões de pessoas que compõem o público-alvo. No entanto, até esta quinta-feira (25), apenas 63,6 receberam a dose da vacina. Dos grupos que podem tomar a vacina, os idosos têm a maior cobertura até o momento: 72,4% desse público já se vacinou. Entre as puérperas, o alcance foi de 71,2%, seguido dos indígenas, com 68,6%. Os grupos que menos se vacinaram foram as crianças, com 49,9% de cobertura, gestantes, com 53,4%, e trabalhadores de saúde, com 64,2%.

Elevador Lacerda é iluminado de verde para chamar a atenção sobre glaucoma
Foto: Jefferson Peixoto / Secom

O Elevador Lacerda será iluminado de verde na noite desta sexta-feira (26), Dia Nacional de Combate ao Glaucoma, para alertar a população brasileira sobre a doença. O glaucoma afeta mais de 2 milhões de pessoas no Brasil, sendo que a maioria não tem diagnóstico, e em torno de 60 milhões em todo o mundo. De acordo com o secretário-geral da Sociedade Brasileira de Glaucoma (SBG), Emílio Suzuki, a iluminação visa a tornar o glaucoma conhecido. "Porque nós dependemos muito do conhecimento cultural da população, para que ela vá ao oftalmologista. É a única ferramenta que consegue segurar essa doença", afirmou à Agência Brasil. Ele explicou que o nervo óptico sofre degeneração que, em geral, ocorre por aumento da pressão ocular, e a pessoa não tem sintomas. "É uma doença assintomática, não dói. Com o tempo, como esse nervo que leva as imagens ao cérebro, para a gente poder enxergar, vai sendo degenerado, a pessoa vai perdendo a visão aos pouquinhos e, geralmente, a perda não é aguda, não é de imediato. Nem é central também. É periférica e lenta. Por isso, é muito difícil ser percebida nos estágios iniciais", completou. Um dos fatores de risco para o glaucoma é a idade. Pessoas acima de 40 anos são mais suscetíveis à doença. "O olho foi feito para durar bem até os 40 anos. Depois dessa idade, já começa a dar alguns sinais de fraqueza, como a visão cansada para perto", disse. O glaucoma tem também uma característica genética e hereditária. Existe uma associação grande entre parentes, e a chance de desenvolver a doença é mais intensa entre irmãos. Segundo Emílio Suzuki, o fato de o pai ou a mãe ter glaucoma não condena o filho a ter glaucoma. Têm mais chance ainda de desenvolver a doença os hipertensos e diabéticos, que apresentam muitas vezes problemas de vascularização do nervo óptico, além dos afrodescendentes. Em relação a esses últimos, Suzuki disse que ocorre no mundo inteiro maior chance de os afrodescendentes terem glaucoma mais agressivo e avançado. No Brasil, a miscigenação da população aumenta a incidência da doença. 

Salvador recebe evento de Médicos Sem Fronteiras com exposições, música e filmes
Foto: Divulgação

O Palacete das Artes recebe, a partir deste sábado (27), o Conexões MSF, evento gratuito promovido pela organização internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF). Com debates, exposições, filmes, dança, intervenções artísticas e seminários, o evento segue até o dia 4 de junho, com o objetivo de conectar o público ao trabalho humanitário que a organização realiza em cerca de 70 países. A abertura acontece a partir das 19h, com a exibição do filme "Affliction - O Ebola na África Ocidental" em uma sessão de cinema a céu aberto. As demais atividades do Conexões MSG acontecem por 15 localidades de Salvador (clique aqui e confira a programação completa).

Sexta, 26 de Maio de 2017 - 07:10

Casos de chikungunya aumentam 88% em um mês no Brasil

por Lígia Formenti | Estadão Conteúdo

Casos de chikungunya aumentam 88% em um mês no Brasil
Foto: Agência Pará

O número de casos de chikungunya no país aumentou 88% em um mês. Boletim epidemiológico mostra que foram registrados até 13 de maio 80.949 pacientes com suspeita da doença. Até 15 de abril, haviam sido identificados 43.010. Apesar do aumento expressivo no período, os dados deste ano ainda são significativamente menores do que o registrado ano passado, quando foram feitas 179.026 notificações. Até agora, foram registradas 13 mortes. Em 2016, a doença provocou 196 óbitos. A maior taxa de incidência de casos é no Nordeste. A região apresentou uma proporção de 93,3 notificações a cada 100 mil habitantes. Em seguida, vem a região Norte, com 45,6 casos a cada 100 mil. Ceará apresenta epidemia da doença, com incidência de 462,7 casos por 100 mil habitantes. Também preocupam o Ministério da Saúde Roraima e Tocantins. Embora em menor número do que o ano passado, os casos de zika também aumentaram no último mês. Até 13 de maio, foram contabilizados 9.351 casos prováveis da infecção, 18% a mais do que o registrado até o boletim de 15 de abril. Entre gestantes, foram notificados 1.419 casos, dos quais já foram confirmados 339. Mesmo com o aumento em relação a abril, os casos de zika este ano são expressivamente menores do que os apresentado em 2016. A queda é de 95,1%. A dengue continua sendo a doença transmitida pelo Aedes aegypti mais difundida entre a população brasileira. Este ano, foram 144.326 casos suspeitos. Em um mês, os registros avançaram 27%. O Nordeste apresentou o maior número de casos prováveis (45.431, o equivalente a 31,5% do número nacional). Em seguida, vem a região Sudeste ( com 29,6% dos casos), o Centro-Oeste (com 24,1%) , Norte (12,5%) e Sul (2,4%). Quando se analisam os índices nacionais, os casos de dengue este ano sofreram uma redução de 89,3% em relação ao mesmo período de 2016.

Marcelo Zollinger ressalta necessidade de políticas públicas para redução da obesidade
Foto: Paulo Victor Nadal / Bahia Notícias

O Hospital da Bahia recebeu recentemente dupla certificação internacional como Centro de Excelência em Cirurgia Bariátrica e Metabólica e do médico Marcelo Zollinger como cirurgião com excelência em Cirurgia Bariátrica e Metabólica, ambas certificações conferidas pela SurgicalReview Corporation. "A cirurgia bariátrica é um procedimento de altíssima responsabilidade, de altíssima complexidade. Nós trabalhamos com pacientes muito graves, obesos mórbidos, com todas as consequências da obesidade mórbida: hipertensos, diabéticos, com artrose hepática, apneia do sono, pessoas excluídas da sociedade e problemas sérios de auto estima. Isso faz com que o tratamento do paciente não seja absolutamente inerente à cirurgia, mas de uma forma universal. Os hospitais precisam dispor de ambiente propício, de equipamentos pertinentes e de equipes treinadas para se tornar um centro de excelência em uma cirurgia tão específica e complexa", afirmou Zollinger em entrevista ao Bahia Notícias. Dados do IBGE apontam que cerca de 50% da população da região Nordeste está acima do peso, ou seja, na faixa de sobrepeso e obesidade. A Bahia segue a média regional, apresentando índices próximos aos 50% destacados pelo instituto. Para o médico, a obesidade está diretamente relacionada à ausência de políticas públicas que ensinem às crianças a importância da alimentação, incluindo cuidados com a merenda escolar. "Países que não fazem isso têm crianças gordas que serão adultos gordos. A França é um exemplo que tem uma das melhores culinárias do mundo, mas tem um dos menores índices de obesos do mundo. Há políticas escolares que ensinam a comer para viver, não viver para comer", exemplificou. Zollinger pontuou ainda a importância da continuidade do tratamento após a cirurgia bariátrica, que deve ser a última opção. "O paciente obeso é muito complexo, precisa ser visto de forma global, universal e precisa ser visto sempre. Caso contrário, ele volta a ser gordo e não há uma segunda alternativa cirúrgica", ressaltou.

Rui se reúne com prefeitos para tratar de policlínicas regionais
Foto: Carol Garcia/ GOVBA

Uma reunião entre o governador Rui Costa, o secretário estadual de Saúde Fábio Vilas-Boas, técnicos da Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab) e gestores dos consórcios públicos de saúde discutiu nesta quinta-feira (25), na Governadoria, as especialidades que serão disponibilizadas nas policlínicas regionais, além dos roteiros dos ônibus que levarão os pacientes dos municípios vizinhos às unidades de saúde. De acordo com a Sesab, as policlínicas de Jequié, Irecê, Guanambi e Teixeira de Freitas devem ser entregues em setembro deste ano. “Com a obra ficando pronta e os equipamentos sendo instalados, nós estamos passando o bastão para os consórcios de saúde. Estamos cuidando da gestão, padronização e da qualidade do serviço”, afirmou Rui. Cada unidade recebeu, em média, R$ 20 milhões de investimentos em obras e equipamentos. Juntas, as quatro policlínicas cobrirão 80 municípios e uma população de aproximadamente 1,87 milhão de pessoas. Já as unidades de Santo Antônio de Jesus, Valença, Alagoinhas e Feira de Santana estão em fase de terraplanagem e limpeza do terreno, enquanto os serviços ainda serão iniciados na unidade de Camaçari. Os municípios de Paulo Afonso, Brumado, Senhor do Bonfim e Ribeira do Pombal também receberão as policlínicas regionais de saúde. Os consórcios públicos que administrarão essas unidades estão em processo de implantação, com exceção da região de Paulo Afonso, que já foi implantado. Neste modelo, o Estado fica responsável pela construção e aquisição dos equipamentos das policlínicas, além de financiar até 40% da manutenção, enquanto os municípios consorciados irão ratear os outros 60%.

Quinta, 25 de Maio de 2017 - 17:00

Gestor volta a negar venda de Hospital da Bahia: 'Não tem fundamento'

por Renata Farias

Gestor volta a negar venda de Hospital da Bahia: 'Não tem fundamento'
Foto: Divulgação

O superintendente-executivo do Hospital da Bahia, Marcelo Zollinger, negou mais uma vez a suposta negociação de venda da unidade de saúde para empresários chineses. "Isso não tem nenhum fundamento. Todo hospital, toda empresa que tem um resultado operacional - como têm alguns hospitais do Brasil - fazem com que investidores do mundo inteiro tenham interesse, queiram ver. Nós somos um hospital de grande visibilidade assistencial e operacional", pontuou nesta quinta-feira (25), em entrevista ao Bahia Notícias. De acordo com ele, investidores nacionais e internacionais têm feito visitas para conhecer a estrutura e sistema de operação do hospital, mas não há nenhum interesse em uma possível venda. "Entre visita e compra existe uma diferença imensa. Nós estamos sendo observados. É bom que a Bahia tenha hospitais a serem observados. A gente fica muito feliz e até vaidoso que o Hospital da Bahia esteja nessa posição", pontuou. Zollinger ressaltou ainda que a diretoria do Hospital da Bahia atualmente tem interesse em parceiros que possam ajudar a expandir a plataforma para outros hospitais e centros de saúde. "Sei que existe muita especulação, inclusive de outros hospitais de Salvador, e isso é uma prova de que o mercado anda bem", avaliou.

Campo Santo é primeiro cemitério da Bahia com sistema de tratamento de gases
Foto: Reprodução / Google Street View

Com operações iniciadas no último dia 9, o Cemitério Campo Santo é o primeiro da Bahia a contar com o sistema Eco No-Leak, para tratamento de gases no processo de decomposição. Composta inicialmente por 796 gavetas, a estrutura é totalmente informatizada, autômato e controlada em tempo real. O modelo aplicado nos módulos verticais aproveita material sustentável na fabricação dos tampos e das gavetas para sepultamento, o eco granito, uma resina a base de garrafas pet recicladas, bagaço de cana-de- açúcar e fibra de casca de coco. "Para cada gaveta de fibra de vidro que estamos utilizando, são retiradas do meio ambiente 167 garrafas pet", pontuou o gerente do Cemitério Campo Santo, Roberto Taboada. "Nos cemitérios horizontais a filtragem dos gases se faz naturalmente pela camada de solo existente sobre as sepulturas. Na maior parte dos cemitérios brasileiros que realizam sepultamentos verticais o que encontramos é simplesmente um projeto que utiliza a passagem dos gases por uma coluna de carvão ativado para diminuir os odores, mas que continua gerando uma grande quantidade de resíduos sólidos", completou. O equipamento realiza lavagem de gases e utilização de óxido de ferro, o que reduz em mais de 95% a concentração do gás sulfídrico, que é bastante tóxico e provoca chuva ácida.

Privatizar Hospital Octávio Mangabeira pode prejudicar moradores de rua, diz Defensoria
Foto: Divulgação
A possibilidade de privatização do Hospital Octávio Mangabeira e a possível redução de leitos para atendimento de pessoas com tuberculose pode prejudicar o acesso à saúde por moradores de rua. A avaliação é da Defensoria Pública da Bahia, que realizou um debate sobre o tema na Escola Superior da Defensoria Pública do Estado da Bahia (Esdep), nesta terça-feira (23). Além de pessoas em situação de rua, a privatização pode prejudicar custodiados no sistema prisional e pessoas em vulnerabilidade. A Defensoria pediu aos representantes da Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) que seja disponibilizada a minuta do perfil assistencial do Termo de Referência da privatização, para ser discutido pelos participantes da reunião no próximo encontro, que será no dia 12 de junho. A proposta de privatização foi apresentada no dia 15 de dezembro de 2016 ao Conselho Estadual de Saúde. No projeto, há previsão de redução de 225 leitos para 168, sendo sete dias o maior tempo de permanência na unidade hospitalar. O subcoordenador da Especializada Cível e Fazenda Pública, Gil Braga, afirmou que sabe da necessidade da melhoria da rede de cirurgia de cabeça e pescoço, mas que diminuir leitos para os casos de tuberculose, sem que haja uma contrapartida que garanta o acesso ao serviço, não pode acontecer. Virgínia Perrucho, do Comitê Baiano de Tuberculose, afirma que “a tuberculose não deve ser responsabilidade somente do Hospital Octávio Mangabeira, mas de toda Atenção Básica, que não está preparada para isso”. “Não se pode tirar o Hospital Octávio Mangabeira sem ter uma rede que possa assumir esse serviço”, alerta. Susan Martins Pereira, do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia – UFBA, salientou que o compromisso com a Tuberculose tem metas que precisam ser alcançadas. Em sua avaliação, não se pode garantir o acesso ao tratamento de tuberculose se os pacientes terão, como prevê a privatização, que dividir 25 a 30 leitos com outras patologias. “O processo de privatização deve garantir retaguardas de acesso ao direito à saúde dessas pessoas que têm condições mais precárias de vida”, afirmou Susan Pereira. De acordo com a Defensoria, estudos indicam que pessoas em situação de rua tem 50% mais chances de contraírem a tuberculose. Salvador, em particular, tem média de cura de 60% dos casos de tuberculose, média abaixo da mundial, que é estipulada em 85% de cura dos casos da doença.
Dançar Forró ajuda a modelar o corpo e libera endorfina, diz educador físico
Foto: Divulgação

Uma das festas mais tradicionais e populares do Nordeste, o São João atrai muitas pessoas para as aulas de Forró. Mas, quem vai a aula pensando em apenas aprender os giros para fazer bonito nos arrasta-pés, sai com muito mais benefícios. É que o tradicional ritmo nordestino, além de fazer sucesso nos “arraiás”, ajuda a queimar calorias. Além disso, o ato de dançar é considerado uma das atividades mais completas que existe, pois promove o aumento da frequência cardíaca, melhora a capacidade respiratória e estimula a circulação do sangue. E para quem quer perder peso, a boa notícia é que em 1h de aula o gasto energético pode chegar a 500 calorias. Na academia Hammer Fitness Club, o crescimento do número de alunos nas aulas teve início no final do mês de março e segue em alta. De acordo com o professor Lucas Rafael, que dá aulas de forró nas unidades Rosas e Pará, o número de alunos novos neste período é superior a 100%. Segundo ele, a prática do forró também contribui para modelar o corpo, ajudando a definir o abdômen, pernas, braços e até mesmo quadris, visto que os movimentos trabalham todos estes músculos e membros. Entre outros benefícios estão ainda a liberação de endorfina, substância responsável por proporcionar a sensação de prazer, estimulação do diálogo, da convivência e a troca de experiências, que ajudam a superar a timidez e elevar a autoestima, acrescenta Lucas Rafael. Para estimular ainda mais a interação dos seus alunos e incentivar a prática de atividades, a rede Hammer Fitness Cub promoverá entre os dias 29 de maio e 7 de junho, uma série de aulas especiais, com shows ao vivo dos forrozeiros Del Feliz, Jeanne Lima e Zelito Miranda. Cada um dos artistas se apresentará em duas unidades, sendo: Jeanne Lima nos dias dias 29 de maio (Patamares) e 5 de junho (Barra); Zelito Miranda dias 30 de maio (Stella Maris 2) e 6 de junho (Rua das Rosas); e Del Feliz nos dias 31 de maio (Stella Maris 1) e 07 de junho (Rua Pará). Com cerca de 1h, as aulas shows terão início sempre às 19h. Além dos shows, durante todo o período que antecede o festejo junino até o final de junho, todas as aulas de Dança de Salão Mix, das seis unidades da Hammer Fitness Club, estão focadas no Forró. Os horários e dias de aula em cada uma das academias podem ser conferidos no site www.hammeracademia.com, seção “aulas”. Os interessados em fazer uma aula experimental podem solicitar um free pass, no mesmo site, informando os dados pessoais e a unidade que queira visitar. A visita é feita através de agendamento prévio.

Quinta, 25 de Maio de 2017 - 12:40

Feira: TJ-BA suspende liminar que obriga município a realizar cirurgias ortopédicas

por Cláudia Cardozo

Feira: TJ-BA suspende liminar que obriga município a realizar cirurgias ortopédicas
Foto: Correio Feirense

A desembargadora Gardênia Duarte, do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), suspendeu a liminar que obrigava o município de Feira de Santana a disponibilizar médicos ortopedistas, que realizem cirurgias diversas, como de ombro, mão, coluna, quadril, joelho, pé, tornozelo, entre outras. A ação foi movida pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA), no prazo de dez dias. A liminar estabelecia multa diária de duas mil Unidade Fiscal de Referência (UFRIs). O Município de Feira recorreu da decisão, e alegou ilegitimidade passiva, sob o fundamento de que as especialidades médicas referidas pela decisão agravada são de alta complexidade e alto custo, não fazendo parte daqueles definidos como obrigatórios a serem realizados pelos municípios. Ainda afirma que, “mesmo com a municipalização da saúde, o Município de Feira de Santana não foi contemplado com programas federais destinados aos tratamentos de alto custo ou de alta complexidade, os quais permanecem a cargo da União e Estado, não sendo verídica a afirmação de que o agravante teria se recusado a prestar atendimento nas especialidades médicas referidas pela decisão agravada”. A municipalidade ainda pontuou que a sua atuação se restringe à reserva do possível, que a maior parte da verba federal que lhe compete é transferida para Salvador, ficando somente com R$ 94 mil por ano, e que as duas unidades ortopédicas existentes em Feira estão inseridas na gestão do governo estadual, e por fim, diz que não tem como suportar o alto ônus imposto dela decisão recorrida. Para desembargadora, é possível sustar a decisão, pois foi ampla e com prazo curto para cumprimento da medida, não considerando que as duas unidades médicas aptas a realizar as cirurgias encontram-se sob a gestão estadual. “A par disso, presente se mostra também o perigo de dano, haja vista o impacto financeiro nas contas municipais, em relação a que nenhum estudo técnico foi apresentado”, afirmou ao suspender a liminar. 

Conselho de Odontologia e MP-BA firmam termo contra o exercício ilegal da profissão
Foto: Getty Images

O Ministério Público Estadual (MP-BA) e o Conselho Regional de Odontologia da Bahia (CRO-BA) firmaram um Termo de Cooperação Técnica para combate ao exercício ilegal da odontologia no estado. O documento passa a fazer parte do projeto institucional que integra o Plano de Metas e Estratégias do MPE. De acordo com o CRO-BA, as apreensões dos falsos dentistas terão maior efetividade com a intervenção das promotorias locais no intuito de promover o rápido predomínio dos bens apreendidos, que serão destinados às instituições que patrocinem a promoção da saúde bucal gratuita. O projeto contará também com a colaboração do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde (Cesau), sob coordenação de Rogério Queiroz.

Viver Bem: ‘Alimento dos deuses’, chocolate tem nutrientes e efeito estimulante
Foto: André Frutuoso

Cacau, ou como é conhecido cientificamente Theobroma Cacao, cujo nome Theobroma em grego, quer dizer “Alimento dos Deuses”. Além de saboroso, o chocolate - principal subproduto do cacau - possui nutrientes e tem efeito estimulante. O cacau é fonte de magnésio e flavonoides, que previnem contra os coágulos sanguíneos. Com a produção dos chocolates nas versões mais amargas (a partir de 50% de cacau), a fruta tem inúmeros benefícios para a saúde, pois contém altas doses de proteínas, sais minerais e vitaminas. Clique aqui e leia a coluna completa!

Surto de ebola: Sudão do Sul fecha fronteiras com República Democrática do Congo
Foto: Getty Images

Na tentativa de impedir a chegada do surto de ebola, o Sudão do Sul decidiu fechar as fronteiras com a República Democrática do Congo. "Fechamos ontem as fronteiras da província com o RDC, em particular o cruzamento de Ezo para evitar que seja propagada a epidemia de ebola após registrar novos casos durante a semana passada", afirmou o vice-governador da província fronteiriça de Tompura, Lino Auto. Segundo o site Terra, as autoridades da região tomaram diversas medidas preventivas, incluindo uma campanha de informação para advertir sobre esta doença. Foi exigido ainda que os habitantes da província notifiquem imediatamente casos da doença. A República Democrática do Congo já registra quatro mortes suspeitas por ebola (uma confirmada), de acordo com a Organização Mundial da Saúde.

Quinta, 25 de Maio de 2017 - 07:10

Ministro da Saúde diz que ação na Cracolândia foi necessária

por Lígia Formenti | Estadão Conteúdo

Ministro da Saúde diz que ação na Cracolândia foi necessária
Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Um dia depois de três moradores ficarem feridos durante a demolição de um prédio ainda ocupado na cracolândia, no centro de São Paulo, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, afirmou não ter críticas à operação e desejar que a ação da Prefeitura seja bem-sucedida na "recuperação" da área. "Esperamos que tenha sucesso com sua ação e consiga recuperar aquela área da cidade para pessoas de São Paulo", disse, em entrevista concedida por teleconferência, diretamente da Suíça. "Acho que foi uma medida necessária e esperamos que ela produza resultados", completou. A operação na cracolândia foi desencadeada no domingo, 21. Afugentados, dependentes químicos se espalharam pelo centro da cidade. Para impedir o retorno dos frequentadores ao local, a Prefeitura determinou a demolição de prédios da região. O ministro da Saúde afirmou que a coordenação do programa de Saúde Mental da pasta está acompanhando o processo. "Os municípios têm autonomia para exercer a política de saúde. Nesse caso, decidiu-se por uma estratégia mais efetiva para desconstruir o núcleo", disse. Para ele, o importante agora é garantir que as pessoas recebam assistência necessária. Barros sugeriu, ainda, que parte dos dependentes pode retornar "para suas residências". "Espero que o município encontre a solução adequada e mais efetiva para que eles sejam acomodados", disse.

Fungos da Antártida são usados em pesquisa para medicamento contra dengue
Foto: Projeto MycoAntar / Divulgação

Cientistas mineiros estão estudando fungos da Antártica em busca de substâncias que possam servir para elaboração de medicamentos contra o vírus da dengue. O projeto Micologia Antártica ou simplesmente MycoAntar realiza testes com mais de 5 mil extratos de substâncias obtidas. Dois deles já demostraram potencial para dar origem a antivirais para humanos, pois foram capazes de inibir o vírus da dengue com baixa toxicidade. Segundo a Agência Brasil, a iniciativa envolve pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), entre outras instituições. Durante cada Operação Antártica, que ocorre anualmente entre os meses de outubro e março, cientistas viajam ao continente gelado para realizar a coleta de fungos. As amostras, reunidas desde a criação do projeto em 2013, permitiu à UFMG constituir a maior coleção de fungos da Antártica do mundo. São cerca de 8 mil espécies. Utilizando essas amostras, os cientistas da UFMG crescem os fungos em baixa temperatura e coletam extratos das substâncias produzidas. Eles são enviados para o Centro de Pesquisa Renê Rachou, da Fiocruz, sediado em Belo Horizonte. Lá são identificados os que manifestaram atividade biológica em contato com o vírus da dengue. "Digamos que, de mil extratos, 100 foram ativos. Então, vamos mapear cada substância desses 100 extratos para testá-las individualmente. Já estamos nessa fase do estudo. Dois extratos já se mostraram mais promissores e agora vamos caracterizar todas as suas substâncias", explicou Luiz Rosa, pesquisador da UFMG. Também já foi identificada uma substância capaz de inibir o vírus da dengue, conhecida como meleagrina. No entanto, ela não é inédita. "Já havia sido observada em fungo marinho e agora nós a encontramos em um fungo da antártica. O problema é o seu preço. Apenas 1 miligrama vale US$ 1 mil. Mas pode ser que, de repente, nós descobrimos que esse fungo consegue produzi-la em maior quantidade. Ou quem sabe, no futuro, a gente consiga usar essa substância como modelo para criar uma molécula sintética que pode gerar um medicamento acessível", acrescenta Rosa.

Encontro vai debater aspectos da vida durante e após tratamento de câncer
Foto: Marcos Santos / USP Imagens

O Núcleo de Oncologia da Bahia (NOB) promove, na próxima terça-feira (30), o 2º Encontro Viver, com o objetivo de discutir experiências relacionadas ao câncer e seu tratamento. Aberto a pacientes oncológicos e seus familiares, o evento acontece a partir das 14h30, no auditório do NOB, em Ondina. Durante o encontro, as oncologistas Luciana Landeiro e Renata Cangussú vão falar, respectivamente, sobre os temas "Atividade profissional durante ou após o tratamento" e "A importância dos exercícios físicos para os pacientes oncológicos". A personal coach Carine Cidade abordará ainda a "Ressignificando a Vida", seguido de uma roda de conversa sobre a importância da autoestima para os pacientes em tratamento, com a participação da psicóloga Suzane Bandeira, da nutricionista Tatiane Rios e da coach Carine Cidade.

Iêmen já registra 40 mil possíveis casos de cólera e 398 mortes
Foto: Acnur / Adem Shaqiri / ONU

A Cruz Vermelha Internacional elevou nesta quarta-feira (24) para 398 o número das vítimas fatais da epidemia de cólera no Iêmen e a cerca de 40 mil os possíveis casos de contágio. O chefe do organismo no país, Alexandre Faite informou pelo Twitter que chegou à capital iemenita, Sana, um segundo avião de carga com provisões médicas para tratar a epidemia. Segundo a Agência Brasil, Faite disse considerar a nova remessa como "muito necessária" e que vai reforçar uma primeira carga de medicamentos específicos para o cólera que havia chegado na véspera. As organizações internacionais estão lutando para fazer frente à epidemia, que tem se expandido de forma muito rápida e afeta a maior parte das 22 províncias iemenitas. Os casos suspeitos da doença, que passaram de 11 mil em 14 de maio para mais de 23,5 mil último dia 19, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), já chegam aos 40 mil. A ONG Médicos Sem Fronteiras alertou esta semana que o surto de cólera no Iêmen pode se tornar "incontrolável".

Municípios têm até 14 de junho para aderir ao Programa Saúde na Escola
Foto: Divulgação

Os municípios baianos têm até 14 de junho para aderir ao programa Saúde na Escola. Com duração de 24 meses, o programa vai contemplar as escolas públicas do município, independente da esfera administrativa. Para a inscrição, os gestores responsáveis pelas secretarias municipais de educação devem indicar as escolas para a participação seguindo critérios, como as condições de vulnerabilidade dos estudantes. O Programa Saúde na Escola tem o objetivo principal de dar atenção integral à saúde dos educandos da rede pública, por meio de ações de promoção, prevenção e atenção à saúde de forma a empodera-los para o reconhecimento e, consequentemente, o enfrentamento das situações que os tornam vulneráveis e que possam vir a comprometer o seu pleno desenvolvimento. Para adesão, os municípios devem acessar o site do programa (clique aqui).

Histórico de Conteúdo