Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Sei que não se deve mexer com os mortos, mas quem o fez foi a oposição ao lançar uma chapa com Geddel, Paulo Souto e Joaci Góes. Digo isso porque o velho ACM não deve ter gostado nada, já que desencarnou com os três engasgados na goela. Portanto, onde quer que esteja, deve estar radiante com tamanha derrota. Ou Neto não fez contato com o além para pedir conselho antes de lançar a chapa ou o contato estava com ruídos. Falando em ruídos, ri muito com um post do vereador Marcell Moraes. Ao agradecer os votos que obteve para sua eleição a deputado estadual, ele disse que foi eleito pelos animais. Não posso deixar de concordar em gênero, número e grau. Confira essas e outras notinhas dos políticos nas Curtas do poder!

Veja mais

Pérola do dia

Eduardo Fontes

"A gente não vive em guerra. Não estamos na Idade Média."
 
Eduardo Fontes, preparador físico e atleta, ao comentar a rigidez do Teste de Aptidão Física da Polícia Militar.

Veja mais

Entrevistas

Rui Costa

O governador eleito no último dia 5, Rui Costa (PT), foi entrevistado pelo Bahia Notícias em meio ao evento de apoio da candidatura de Dilma Rousseff (PT), no último dia 16. Ele elenca as três áreas consideradas prioritárias nos primeiros meses de seu governo (saúde, segurança pública e educação) e, diante de especulações sobre possíveis nomes para as secretarias, declarou que os terá somente em dezembro e nada ainda foi conversado. Em relação a uma possível eleição de Aécio Neves, Rui é bem taxativo ao perfilar os seus adversários tucanos. “A má vontade do PSDB com o nordeste é histórica e está presente nos dias de hoje”, comenta o governador da Bahia a partir de 2015. Costa aponta a interferência política como o principal motivo do adiamento da operação comercial, contudo, garante que os prazos das obras não foram prejudicados.

Veja mais

Multimidia

Veja os gols de Bahia 1x1 Atlético-MG

Veja mais

Segunda, 10 de Novembro de 2008 - 08:47

ARAÇÁS: TRE PODE CASSAR MANDATO DO PREFEITO

O reinado do prefeito de Araçás, o advogado José Coelho Irmão, que manda na cidade desde a emancipação, em 1989, pode estar com os dias contados se depender do parecer do juiz Maurício Vasconcelos do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-BA). Coelho foi vice do filho, Uelinton Coelho (PSDB), e venceu a adversária Maria das Graças (PMDB) por 137 votos de vantagem e, segundo suspeitas, por transferências irregular de eleitores e distribuições de cestas básicas. De acordo com o parecer do Juiz Vasconcelos, Coelho informou que iria fazer a distribuição das cestas básicas e “não tinha quem o impedisse”. O juiz pede a cassação do prefeito de Araçás, já proclamada na primeira instância, o julgamento acontece hoje. Ainda conforme relatório do TRE, José Coelho é recordista absoluto em processo na Justiça. Em dois deles, é acusado de ter comprado um posto de gasolina com dinheiro da Prefeitura e um Audi, que só o filho usava, nunca realizou concurso público na cidade e já foi condenado pelo TCM a ressarcir quase R$ 45 milhões aos cofres públicos. Apesar da ficha suja, até o momento, nada lhe aconteceu. Informações da Coluna Tempo Presente, assinada por Levi Vasconcelos "A Tarde".

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

Vencedores da licitação do ônibus em Salvador vão operar por 25 anos. Muda algo?

Artigos

Dilson Jatahy Fonseca Neto
Lula e Pompeu

Cada vez que abro um novo livro, ou conheço um novo relato da história, observo que os eventos são sempre os mesmos, mudando apenas os nomes, as datas e os lugares. A minha constatação, desta vez, é baseada nas eleições, tanto nas atuais quanto nas de Roma Antiga. Assistindo ao horário político, recentemente, me lembrei de uma pequena obra que li ano passado. O título é simples e direto, transmitindo o propósito da obra: “Como ganhar uma eleição”.

Veja mais

Viagem no tempo

Samuel Celestino, anos atrás
Publicado no jornal A Tarde em 25 de novembro de 1982 - O que será do PMDB baiano?

Não era o líder oposicionista de Feira quem estava, na segunda-feira última, na casa de Roberto Santos. O deputado Francisco Pinto estava lá, sobretudo, como secretário nacional do PMDB e sua missão, mais do que discutir o resultado das eleições, era sentir o ânimo do candidato Roberto Santos, que já não tinha qualquer esperança de uma mudança no quadro das apurações. Mário Kertész havia chegado pouco antes e, embora triste, não estava abatido.

Veja mais