Aliados do governo recuam e CPI do BNDES é inviabilizada após intervenção de Temer no Senado
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Seis senadores aliados do governo Dilma Rousseff (PT) retiraram suas assinaturas da CPI no Senado para investigar empréstimos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Além do baiano Otto Alencar (PSD), Rose de Freitas (PMDB-ES), Ivo Cassol (PP-RO), Omar Aziz (PSD-AM), Zezé Perrela (PDT-MG) e Fernando Ribeiro (PMDB-PA) - suplente de Jader Barbalho (PMDB-PA) - assinaram a pedido do senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), mas voltaram atrás após intervenção de membros dos governo, uma dia após o vice-presidente Michel Temer (PMDB) ter assumido a articulação política do governo. Os senadores aliados negam a pressão pela retirada das assinaturas, mas admitem que o tema da CPI é "indigesto" para o governo federal, segundo informações da Folha de S. Paulo. Pela regras da Casa, são necessárias assinaturas de pelo menos 27 senadores para que uma comissão de inquérito seja criada. A oposição havia reunido assinaturas de 28 senadores, mas com o recuo dos seis parlamentares, o número cai para 22. Sem o mínimo, o requerimento com o pedido de criação da CPI pode não ser formalizado.

Histórico de Conteúdo