Prefeitura e Embasa divergem sobre reparação de asfalto em ruas de Salvador
Rua Eduardo Dotto, em Paripe, teve asfalto retirado/Foto: Agecom
O asfalto danificado para a instalação de ligações, consertos e outros serviços põe a prefeitura de Salvador e a Embasa em discordância. O poder público municipal cobra da Embasa a reparação do piso. De acordo com secretário de Infraestrutura e Defesa Civil (Sindec), Paulo Fontana, a empresa de saneamento vinculada ao Estado fornece material para tapar os buracos feitos pela própria companhia. No entanto, em vias recém-asfaltadas, o material não tem tido a mesma qualidade do pavimento usado pela prefeitura. Em reportagem do jornal A Tarde, Fontana também reclama da Embasa a realização de fresagem (técnica de restauração que possibilita a remoção controlada de uma ou mais camadas do pavimento) em ruas recém-reformadas. Em resposta, a estatal disse que são fornecidas cinco equipes para a Superintendência de Conservação e Obras Públicas (Sucop), cada uma com seis homens, além de compactadores de placa, caçambas e também rolos compactadores. Ainda segundo a Embasa, o fornecimento estaria previsto em um acordo fechado entre as duas partes em outubro de 2013, com investimento de R$ 5,8 milhões por ano. 

Histórico de Conteúdo