Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Sei que não se deve mexer com os mortos, mas quem o fez foi a oposição ao lançar uma chapa com Geddel, Paulo Souto e Joaci Góes. Digo isso porque o velho ACM não deve ter gostado nada, já que desencarnou com os três engasgados na goela. Portanto, onde quer que esteja, deve estar radiante com tamanha derrota. Ou Neto não fez contato com o além para pedir conselho antes de lançar a chapa ou o contato estava com ruídos. Falando em ruídos, ri muito com um post do vereador Marcell Moraes. Ao agradecer os votos que obteve para sua eleição a deputado estadual, ele disse que foi eleito pelos animais. Não posso deixar de concordar em gênero, número e grau. Confira essas e outras notinhas dos políticos nas Curtas do poder!

Veja mais

Pérola do dia

Targino Machado

“Quem inventou votação secreta foi o diabo. É um momento propício para traições” 

Targino Machado (DEM), ao endossar a candidatura de Marcelo Nilo à presidência da Assembleia Legislativa.

Veja mais

Entrevistas

Rui Costa

O governador eleito no último dia 5, Rui Costa (PT), foi entrevistado pelo Bahia Notícias em meio ao evento de apoio da candidatura de Dilma Rousseff (PT), no último dia 16. Ele elenca as três áreas consideradas prioritárias nos primeiros meses de seu governo (saúde, segurança pública e educação) e, diante de especulações sobre possíveis nomes para as secretarias, declarou que os terá somente em dezembro e nada ainda foi conversado. Em relação a uma possível eleição de Aécio Neves, Rui é bem taxativo ao perfilar os seus adversários tucanos. “A má vontade do PSDB com o nordeste é histórica e está presente nos dias de hoje”, comenta o governador da Bahia a partir de 2015. Costa aponta a interferência política como o principal motivo do adiamento da operação comercial, contudo, garante que os prazos das obras não foram prejudicados.

Veja mais

Multimidia

Veja o gol de Vitória 0x1 Cruzeiro

Veja mais

Quinta, 27 de Março de 2014 - 00:00

Candidato das oposições: ‘Não pode demorar muito mais’, admite ACM Neto

por Juliana Almirante

Candidato das oposições: ‘Não pode demorar muito mais’, admite ACM Neto
Foto: Max Haack / Agecom
Com a promessa de que o nome do candidato da oposição ao governo estadual fosse divulgado até o final do mês, o prefeito de Salvador ACM Neto (DEM) – coordenador do processo de escolha – afirmou, em conversa com o Bahia Notícias nesta quarta-feira (26), que o comunicado está próximo. “A gente está na reta final. De fato, não pode demorar muito mais. Nos próximos dias, devemos anunciar um desfecho para todo esse processo”, determinou, em entrevista durante a reinauguração da Escola Municipal Artur de Sales, no bairro de Santa Cruz. A prorrogação do prazo para o anúncio, de acordo com o chefe do Executivo municipal, só ocorreria em nome da discussão em favor da união dos contrários. “Eu sempre coloquei que, para mim, gastar uma semana a mais ou uns dias a mais, se for para garantir a unidade, é, na verdade, um investimento, não perda de tempo, e sim ganho de resultados”, considerou. Neto avalia que a uniformidade das siglas opositoras em escolher o ex-governador Paulo Souto (DEM) ou o presidente estadual do PMDB Geddel Vieira Lima como postulante único é o principal fator que deve ser levado em conta. “Os dois candidatos lideram as pesquisas [de intenção de voto]. A pesquisa é um elemento que não pode ser considerado individualmente, até porque é um retrato do agora. O que posso lhe garantir é que várias questões estão sendo consideradas, mas que, para mim, o mais importante é a unidade. Mais importante do que sair com um candidato A, B ou C, é sair com um candidato que possa reunir o apoio de todo mundo”, julga. “Espero que [a decisão] seja em torno de um projeto único e, se não puder, nós vamos ver de que maneira os dois partidos [PMDB e DEM] irão se comportar. Independentemente de qualquer coisa, terão que ser aliados em um objetivo comum de eleger um governador da Bahia”, cogita. O prefeito diz concordar com a afirmação do gestor de Feira de Santana, José Ronaldo (DEM) que, em entrevista ao jornal A Tarde, declarou que a responsabilidade do veredicto deve ser tirada um pouco da mão do administrador da capital. “Evidente que a decisão, quando ela acontecer, não será minha. Tem que ser fruto de uma vontade majoritária, que se construa dentro do ambiente político que nós estamos inseridos. Então, a declaração do prefeito José Ronaldo vai ao encontro do que eu penso e coincide, portanto, com o trabalho que a gente vem fazendo”, avalia. Neto conta que, ao cumprir agenda administrativa nesta terça (25) em Brasília, para se reunir com o ministro da Saúde, Arthur Chioro, aproveitou para conversar sobre as eleições com os presidentes nacionais do PDT, PV e DEM, respectivamente, Carlos Lupi, José Luiz Penna e Agripino Maia, e com o líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Antônio Imbassahy (BA). Preterido na definição do deputado federal João Leão (PP) como postulante a vice na chapa do petista Rui Costa, o PDT ainda prioriza o candidato de Jaques Wagner (PT), mas não determinou a quem será direcionado apoio no estado. 

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

O que achou da renovação de 33% na Assembleia Legislativa?

Artigos

Clara Martins
Casais que trabalham juntos são rentáveis às empresas

Em 2007, comecei uma nova jornada profissional ao lado de meu marido e na época pensei: Será que vai dar certo? Se não der? Perco o marido ou emprego ou os dois? Passados sete anos, hoje nossa empresa é referência no mercado que atuamos, ganhamos prêmios e constituímos uma família com dois lindos filhos. Em uma das palestras que realizei a respeito de casais que trabalham juntos, um casal jovem, que possui duas empresas e uma filhinha, declarou que apesar de todos os desafios de convivência fariam tudo novamente. Assim como eu e John (meu marido).

Veja mais

Viagem no tempo

Samuel Celestino, anos atrás
Publicado no jornal A Tarde em 22 de março de 1989 - A semelhança dos grandes

Os dois principais partidos políticos brasileiros vivem praticamente o mesmo drama: não têm candidatos à Presidência da República e estão imersos numa grande crise. Ulysses Guimarães está para o PMDB assim como Aureliano Chaves está para o PFL. São dois políticos experientes e hábeis e ambos se julgam em condições de representar suas legendas, mas há generalizada opinião de que as duas agremiações estão fadadas a um insucesso eleitoral se eles forem, de fato, candidatos.

Veja mais