Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Sei que o Brasil tem gerado uns empreguinhos a mais, mas a situação na prática é periclitante. E com a derrota de alguns medalhões nessas e- Tleições, eu, prestativo e com boas sacadas, dou dicas de empregos. Marcos Medrado, Robinson Almeida, Edmundo Filho, Tatiana Paraíso, Capitão Tadeu, Deraldo Damasceno e Uziel Bueno podem ficar tranquilos se seguirem minhas dicas. De miliciano a eletricista, todos terão emprego durante o tempo fora do poder. Falando em poder, aviso logo aos navegantes: não se enganem, o Língua Plesa (Rui Costa) não é nem um pouco republicano como o Galego. Não deixe de ler as Curtas do poder!

Veja mais

Pérola do dia

Dilma Rousseff

"Não acho que ninguém no País tenha a primazia da bandeira da ética. Até o retrospecto do PSDB não lhe dá essa condição. Acho que não dá a partido nenhum"

Presidente da República, em meio à discussão sobre desvios de recursos da Petrobras, que inclui figuras políticas de diversos partidos.

Veja mais

Entrevistas

Rui Costa

O governador eleito no último dia 5, Rui Costa (PT), foi entrevistado pelo Bahia Notícias em meio ao evento de apoio da candidatura de Dilma Rousseff (PT), no último dia 16. Ele elenca as três áreas consideradas prioritárias nos primeiros meses de seu governo (saúde, segurança pública e educação) e, diante de especulações sobre possíveis nomes para as secretarias, declarou que os terá somente em dezembro e nada ainda foi conversado. Em relação a uma possível eleição de Aécio Neves, Rui é bem taxativo ao perfilar os seus adversários tucanos. “A má vontade do PSDB com o nordeste é histórica e está presente nos dias de hoje”, comenta o governador da Bahia a partir de 2015. Costa aponta a interferência política como o principal motivo do adiamento da operação comercial, contudo, garante que os prazos das obras não foram prejudicados.

Veja mais

Multimidia

Veja o gol de Vitória 0x1 Cruzeiro

Veja mais

Sexta, 10 de Maio de 2013 - 11:50

TRE-BA mantém cassação de prefeita de Igaporã

por Rodrigo Aguiar

A prefeita de Igaporã, Rosana Cotrim, deverá deixar o cargo, segundo acórdão do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) datado da última terça-feira (7). Cassada pela Corte em março deste ano por cinco votos a um, a gestora recorreu e conseguiu permanecer no posto. Rosana disputou as eleições de 2012 no lugar do marido, o ex-prefeito Deusdete Fagundes (PSB), cujo registro de candidatura havia sido indeferido. De acordo com denúncia da "Coligação Igaporã Terra de Todos", a substituição de Deusdete por Rosana, na véspera do pleito, foi uma fraude. Ao examinar os embargos de declaração opostos pela prefeita – que a mantiveram no comando do Executivo em Igaporã – os juízes do TRE-BA decidiram, por maioria, vencida a magistrada Maria do Socorro Barreto Santiago, “acolher parcialmente os embargos, sem efeitos modificativos”. Com isso, deve assumir o segundo colocado no pleito, Newton Cotrim (PT). Conhecido como Neto, o petista administrou o município até 31 de dezembro de 2012. Rosana ainda pode recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

O que achou da renovação de 33% na Assembleia Legislativa?

Artigos

Clara Martins
Casais que trabalham juntos são rentáveis às empresas

Em 2007, comecei uma nova jornada profissional ao lado de meu marido e na época pensei: Será que vai dar certo? Se não der? Perco o marido ou emprego ou os dois? Passados sete anos, hoje nossa empresa é referência no mercado que atuamos, ganhamos prêmios e constituímos uma família com dois lindos filhos. Em uma das palestras que realizei a respeito de casais que trabalham juntos, um casal jovem, que possui duas empresas e uma filhinha, declarou que apesar de todos os desafios de convivência fariam tudo novamente. Assim como eu e John (meu marido).

Veja mais

Viagem no tempo

Samuel Celestino, anos atrás
Publicado no jornal A Tarde em 22 de março de 1989 - A semelhança dos grandes

Os dois principais partidos políticos brasileiros vivem praticamente o mesmo drama: não têm candidatos à Presidência da República e estão imersos numa grande crise. Ulysses Guimarães está para o PMDB assim como Aureliano Chaves está para o PFL. São dois políticos experientes e hábeis e ambos se julgam em condições de representar suas legendas, mas há generalizada opinião de que as duas agremiações estão fadadas a um insucesso eleitoral se eles forem, de fato, candidatos.

Veja mais