Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Sei que não se deve mexer com os mortos, mas quem o fez foi a oposição ao lançar uma chapa com Geddel, Paulo Souto e Joaci Góes. Digo isso porque o velho ACM não deve ter gostado nada, já que desencarnou com os três engasgados na goela. Portanto, onde quer que esteja, deve estar radiante com tamanha derrota. Ou Neto não fez contato com o além para pedir conselho antes de lançar a chapa ou o contato estava com ruídos. Falando em ruídos, ri muito com um post do vereador Marcell Moraes. Ao agradecer os votos que obteve para sua eleição a deputado estadual, ele disse que foi eleito pelos animais. Não posso deixar de concordar em gênero, número e grau. Confira essas e outras notinhas dos políticos nas Curtas do poder!

Veja mais

Pérola do dia

Rosemberg Pinto

“Isso não foi nada, foi Marcelo brigando com minha jornalista, apenas uma brincadeira."

Rosemberg Pinto (PT), ao minimizar rusga com Marcelo Nilo (PDT) no Twitter.

Veja mais

Entrevistas

Rui Costa

O governador eleito no último dia 5, Rui Costa (PT), foi entrevistado pelo Bahia Notícias em meio ao evento de apoio da candidatura de Dilma Rousseff (PT), no último dia 16. Ele elenca as três áreas consideradas prioritárias nos primeiros meses de seu governo (saúde, segurança pública e educação) e, diante de especulações sobre possíveis nomes para as secretarias, declarou que os terá somente em dezembro e nada ainda foi conversado. Em relação a uma possível eleição de Aécio Neves, Rui é bem taxativo ao perfilar os seus adversários tucanos. “A má vontade do PSDB com o nordeste é histórica e está presente nos dias de hoje”, comenta o governador da Bahia a partir de 2015. Costa aponta a interferência política como o principal motivo do adiamento da operação comercial, contudo, garante que os prazos das obras não foram prejudicados.

Veja mais

Multimidia

Veja os gols de Bahia 1x1 Atlético-MG

Veja mais

Sexta, 10 de Maio de 2013 - 11:50

TRE-BA mantém cassação de prefeita de Igaporã

por Rodrigo Aguiar

A prefeita de Igaporã, Rosana Cotrim, deverá deixar o cargo, segundo acórdão do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) datado da última terça-feira (7). Cassada pela Corte em março deste ano por cinco votos a um, a gestora recorreu e conseguiu permanecer no posto. Rosana disputou as eleições de 2012 no lugar do marido, o ex-prefeito Deusdete Fagundes (PSB), cujo registro de candidatura havia sido indeferido. De acordo com denúncia da "Coligação Igaporã Terra de Todos", a substituição de Deusdete por Rosana, na véspera do pleito, foi uma fraude. Ao examinar os embargos de declaração opostos pela prefeita – que a mantiveram no comando do Executivo em Igaporã – os juízes do TRE-BA decidiram, por maioria, vencida a magistrada Maria do Socorro Barreto Santiago, “acolher parcialmente os embargos, sem efeitos modificativos”. Com isso, deve assumir o segundo colocado no pleito, Newton Cotrim (PT). Conhecido como Neto, o petista administrou o município até 31 de dezembro de 2012. Rosana ainda pode recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

O que achou da renovação de 33% na Assembleia Legislativa?

Artigos

Clara Martins
Casais que trabalham juntos são rentáveis às empresas

Em 2007, comecei uma nova jornada profissional ao lado de meu marido e na época pensei: Será que vai dar certo? Se não der? Perco o marido ou emprego ou os dois? Passados sete anos, hoje nossa empresa é referência no mercado que atuamos, ganhamos prêmios e constituímos uma família com dois lindos filhos. Em uma das palestras que realizei a respeito de casais que trabalham juntos, um casal jovem, que possui duas empresas e uma filhinha, declarou que apesar de todos os desafios de convivência fariam tudo novamente. Assim como eu e John (meu marido).

Veja mais

Viagem no tempo

Samuel Celestino, anos atrás
Publicado no jornal A Tarde em 25 de novembro de 1982 - O que será do PMDB baiano?

Não era o líder oposicionista de Feira quem estava, na segunda-feira última, na casa de Roberto Santos. O deputado Francisco Pinto estava lá, sobretudo, como secretário nacional do PMDB e sua missão, mais do que discutir o resultado das eleições, era sentir o ânimo do candidato Roberto Santos, que já não tinha qualquer esperança de uma mudança no quadro das apurações. Mário Kertész havia chegado pouco antes e, embora triste, não estava abatido.

Veja mais