Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Não é por nada, mas até hoje não me recuperei do susto que levei quando soube, na última sexta-feira, lá em Mar Grande, desse balaio de gato que fizeram na chapa do Soberano. Soube que Geddel indicou Joaci de pirraça, pois o sujeito não tem voto. Independentemente da motivação, só imagino o velho ACM se remexendo todo no caixão. Se estivesse vivo o senador daria um ataque, até porque a chapa de Wagner é mais fiel aos princípios carlistas do que a de Neto. Como ACM, o avô, não está mais entre nós, vai aí um conselho de camarada para o soberano: evite centro espírita, terreiro de candomblé ou coisa que o valha. É capaz de o velho baixar e o resultado é imprevisível. Confira mais notícias dos bastidores da política nas Curtas do Poder!

Veja mais

Pérola do dia

José Sergio Gabrielli

"Não posso fugir da minha responsabilidade, do mesmo jeito que a presidente Dilma não pode fugir da responsabilidade dela"

Ex-presidente da Petrobras e atual secretário estadual de Planejamento, ao  reconhecer o encargo na compra da refinaria de Pasadena nos EUA

Veja mais

Entrevistas

Paulo Souto

Com a candidatura anunciada oficialmente quatro meses após a divulgação do nome petista para a concorrência à sucessão ao governo do Estado, o escolhido da “união das oposições”, o ex-governador Paulo Souto (DEM), considera “legítimas” as aspirações do ex-prefeito de Mata de São João, João Gualberto (PSDB), e do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) a encabeçar a chapa majoritária e acredita que o gestor de Salvador, ACM Neto (DEM), foi “um grande árbitro” na condução do processo de escolha. “Dificilmente se poderia desejar algo mais forte, mais robusto para disputar uma eleição: uma chapa que está reunindo os três maiores partidos da oposição”, defendeu, em entrevista ao Bahia Notícias. Souto nega haver um acordo tácito para que, caso seja eleito, não dispute a reeleição a fim de que Neto seja lançado ao cargo em 2018, embora admita a possibilidade de abrir caminho para o correligionário, a depender da avaliação futura do governo democrata.

Veja mais

Multimidia

Bahia empata com Vitória e é campeão baiano

Veja os gols do 2x2 no Estádio Pituaçu

Veja mais

Sábado, 29 de Dezembro de 2012 - 00:00

Carlos Muniz retira candidatura e Paulo Câmara vai presidir Legislativo de Salvador

por Evilásio Júnior

Carlos Muniz retira candidatura e Paulo Câmara vai presidir Legislativo de Salvador
Vereador Paulo Câmara | Foto: Max Haack / Ag. Haack / Bahia Notícias
Poucas horas após a desistência de Henrique Carballal (PT), o vereador Carlos Muniz (PTN) também resolveu atender à exigência do presidente do seu partido, o secretário municipal de Educação, João Carlos Bacelar, e decidiu retirar o seu nome da disputa pela presidência do Legislativo de Salvador. Ele esteve reunido na noite desta sexta-feira (28) com o candidato Paulo Câmara (PSDB) e resolveu, definitivamente, apoiá-lo. "A gente não poderia marchar sem estar unido com os nossos seis vereadores", justificou Muniz, em entrevista ao Bahia Notícias, ao salientar que o acordo para que ele seja o postulante do governo, do tucano e da sua legenda no próximo biênio foi sacramentado no encontro. "Todos os nossos compromissos serão mantidos. Essa é uma demonstração de maturidade dos vereadores, em razão de um projeto maior que é a valorização da Câmara e a cidade de Salvador", complementou o próprio Câmara ao BN, que evitou adiantar como será a composição da Mesa Diretora em 2013. Com a segunda remoção de Muniz do páreo – ele chegou a abrir mão do pleito no último sábado (22) e voltou atrás esta semana – a eleição do próximo dia 2 de janeiro terá chapa única. O economista Paulo Sérgio de Sá Bittencourt Câmara, aos 40 anos e em seu terceiro mandato, será o sucessor de Pedro Godinho (PMDB).

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Abril / 2014

Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930
Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

Quais serão os reflexos do caso Pasadena no cenário da política baiana?

Artigos

Aline Castelo Branco
Educação sexual evita violência

Veja mais