Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Rapaz, João Leão é um falastrão de marca maior. Andou dizendo que não é ministro de Dilma porque a mulher não deixou. O coroa do “buraco zero” gosta de ser folclórico, gosta de arrancar risadas, mas trabalho que é bom, nada. Falando em folclore, circula nos bastidores da política que a ida de Paulo Souto para a secretária da Fazenda é para que ele se fortaleça para ser candidato a vice no pleito de 2016. Antonio Imbassahy, que anda fechadinho com os irmãos Vieira Lima, está de olho e não está gostando nada desta história. Aí é briga de cachorro grande e eu quero cair fora. Não deixe de ler as Curtas do poder!

Veja mais

Pérola do dia

Jaques Wagner

"Estou à vontade, pois Marcelo Nilo é meu amigo de sangue, mas ele tem uma opinião e eu tenho outra”

Governador da Bahia, ao falar sobre o fim da reeleição para a presidência da Assembleia Legislativa.

Veja mais

Entrevistas

Pedro Galvão

Sem convite do governador eleito Rui Costa para continuar no cargo, o secretário de Turismo, Pedro Galvão, faz um balanço da sua curta administração na pasta, em entrevista ao Bahia Notícias. Ele assumiu o cargo na cota de indicação do PR em janeiro deste ano e organizou eventos como o Carnaval e a Copa do Mundo. Galvão afirma que tem "o melhor relacionamento" com o chefe da Secretaria de Desenvolvimento, Turismo e Cultura de Salvador, Guilherme Bellintani, na produção de eventos na capital. O secretário também elogia a futura extinção da Bahiatursa. "O novo governador [Rui Costa], com muita propriedade, entendeu que a Bahiatursa tinha uma série de problemas e que precisava ser requalificada. Acho que vai funcionar perfeitamente bem", avalia. Galvão também adianta que o projeto da Estrada Real da Chapada – roteiro que refaz o caminho aberto pela Coroa Poruguesa para unir a Bahia e Minas Gerais – deve entrar em fase de execução no próximo ano. "Ela está a todo vapor e acredito que em 2015 já esteja levada ao público através de uma propaganda, mostrando no Brasil e exterior que nós temos uma Estrada Real", informou.

Veja mais

Multimidia

Posse do presidente do Bahia Marcelo Sant'Ana

Veja mais

Sexta, 14 de Setembro de 2012 - 17:20

Ministro da Saúde discursa sobre residências médicas e diz que defasagem de profissionais é 'gritante'

Ministro da Saúde discursa sobre residências médicas e diz que defasagem de profissionais é 'gritante'
O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, elogiou a parceria com os setores privado e filantrópico nordestino na oferta de residências médicas, em discurso feito nesta sexta-feira (14) para profissionais do setor de saúde no Fórum Nordeste de Gestão em Saúde, no Centro de Convenções. Ao falar sobre a questão das residências, Padilha também opinou que considera a defasagem de vagas “gritante”. “Tivemos a expansão de serviços na região, mas a oferta de profissionais não acompanhou o ritmo. Temos que abrir mais residências. Vamos colocar recursos próprios do Ministério da Saúde e aproveitar esses espaços enormes nos hospitais privados e filantrópicos da região”, declarou o ministro. Estiveram presentes ao evento o secretário estadual de Saúde, Jorge Solla, e o deputado federal Antônio Brito (PTB), presidente da Frente Parlamentar de Apoio às Santas Casas e Hospitais Filantrópicos.

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

Ano novo, energias novas. O que esperar de 2015?

Artigos

Ernani Varjão
Escândalo da Petrobras: e como ficam os acionistas minoritários?

O mercado de Ações é considerado, por sua própria natureza, um investimento de alto risco, sujeito as instabilidades do mercado, em face do setor de atuação da empresa. Entretanto, existem empresas que pela “segurança” que transportam e pela estabilidade que demonstram ao longo de anos, dão uma maior garantia aos investidores, que muitas vezes utilizam grande parte do seu patrimônio para a compra de ações. É o caso da PETROBRAS.

Veja mais

Viagem no tempo

Samuel Celestino, anos atrás
Publicado no jornal A Tarde em 28 de janeiro de 81: Governadores eleitos, e daí?

Em todas as unidades da Federação os políticos de maior expressão já se antecipam e posicionam-se como candidatos aos governos. A emenda constitucional que devolveu ao povo o sagrado direito de escolher, pelo voto, seus governantes, antecipou, em muito, o processo sucessório. Mas eleições diretas, por si só, não bastam, porque são insuficientes para vestir o país com roupas democráticas. É preciso restabelecer, antes do pleito de 82, a autonomia dos estados e dos municípios, perdida na voragem centralizadora do movimento revolucionário. O princípio federativo foi literalmente destroçado, com a demasiada concentração de força do governo da União.

Veja mais