Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Rapaz, João Leão é um falastrão de marca maior. Andou dizendo que não é ministro de Dilma porque a mulher não deixou. O coroa do “buraco zero” gosta de ser folclórico, gosta de arrancar risadas, mas trabalho que é bom, nada. Falando em folclore, circula nos bastidores da política que a ida de Paulo Souto para a secretária da Fazenda é para que ele se fortaleça para ser candidato a vice no pleito de 2016. Antonio Imbassahy, que anda fechadinho com os irmãos Vieira Lima, está de olho e não está gostando nada desta história. Aí é briga de cachorro grande e eu quero cair fora. Não deixe de ler as Curtas do poder!

Veja mais

Pérola do dia

Marcelo Nilo

“Eu, como presidente da Assembleia, não quero ser rainha da Inglaterra e ser o último a saber de um acordo"

Presidente da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia, ao falar sobre o acordo que adiou a votação do projeto de lei que instituiu as diretrizes industriais, logísticas e de sustentabilidade do Centro Industrial de Aratu (CIA) e do Canal de Cotegipe.

Veja mais

Entrevistas

Manoel Vitório

Homem da confiança do governador eleito Rui Costa, Manoel Vitório foi o responsável pela equipe de transição entre o atual governo Wagner e a futura gestão de Rui. Vitório começou no governo Wagner na pasta de Administração em 2007 e desde 2013 assumiu a secretaria da Fazenda, cargo no qual será mantido pelo futuro governador. Em entrevista ao Bahia Notícias, o secretário disse que, apesar de Wagner entregar para Rui o governo “até uma situação um pouco mais confortável” que outros estados brasileiros e prometer manter obras importantes, haverá “cinto apertado”. “Vai ter ter cinto apertado sim. E vamos apertar principalmente nas atividades-meio. Vamos trabalhar muito em cima de alguns pilares como as oportunidades de crescimento de arrecadação, principalmente através do combate à sonegação”. Convocado a dizer quais as diferenças entre Wagner e Rui, o secretário disse que o atual governador “é uma das pessoas mais brilhantes que conheci, tem uma inteligência fantástica”. Já o sobre o futuro gestor baiano, Vitório classificou Rui como “um homem extremamente inteligente, tem um traço muito técnico”. Clique aqui e leia a entrevista completa.

Veja mais

Multimidia

Posse do presidente do Bahia Marcelo Sant'Ana

Veja mais

Sexta, 14 de Setembro de 2012 - 08:00

Nova York proíbe venda de refrigerantes em tamanho grande

Nova York proíbe venda de refrigerantes em tamanho grande
O conselho de saúde da cidade de Nova York aprovou, por oito votos a favor e uma abstenção, a proibição da venda de refrigerantes de tamanho grande – com mais de 16 onças fluídas (aproximadamente 470 ml) em praticamente todos os locais em que o produto é comercializado, com exceção das lojas de conveniência e mercados. Quem desrespeitar a proibição, que não inclui os refrigerantes diet, poderá pagar multa de 200 dólares. Adotada como forma de combate à obesidade, a medida provocou reações de grupos, que defendem que a decisão viola a liberdade pessoal e chamaram o prefeito Michael Bloomberg de “babá”. Os opositores prometeram uma campanha para tentar barrar ou derrubar judicialmente a medida, que entra em vigor em março do próximo ano.

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

Ano novo, energias novas. O que esperar de 2015?

Artigos

Ernani Varjão
Escândalo da Petrobras: e como ficam os acionistas minoritários?

O mercado de Ações é considerado, por sua própria natureza, um investimento de alto risco, sujeito as instabilidades do mercado, em face do setor de atuação da empresa. Entretanto, existem empresas que pela “segurança” que transportam e pela estabilidade que demonstram ao longo de anos, dão uma maior garantia aos investidores, que muitas vezes utilizam grande parte do seu patrimônio para a compra de ações. É o caso da PETROBRAS.

Veja mais

Viagem no tempo

Samuel Celestino, anos atrás
Publicada no Jornal 'A Tarde' em 05 de março de 1985: A Bahia no ministério

Depois de longos anos de participação discreta nos governos revolucionários, a Bahia retoma o seu prestígio político no cenário nacional se efetivamente for confirmada a destinação de três ministérios para políticos baianos, como tudo parece indicar. Há, ainda, algumas dúvidas sobre a formação do primeiro escalão do futuro governo e, dentre elas, informava-se ontem que não estava tão certa a presença de Fernando Lyra no gabinete da Casa Civil e que Waldir Pires permanecia entre a Previdência Social e o Ministério da Justiça.

Veja mais