Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Sei que o Brasil tem gerado uns empreguinhos a mais, mas a situação na prática é periclitante. E com a derrota de alguns medalhões nessas e- Tleições, eu, prestativo e com boas sacadas, dou dicas de empregos. Marcos Medrado, Robinson Almeida, Edmundo Filho, Tatiana Paraíso, Capitão Tadeu, Deraldo Damasceno e Uziel Bueno podem ficar tranquilos se seguirem minhas dicas. De miliciano a eletricista, todos terão emprego durante o tempo fora do poder. Falando em poder, aviso logo aos navegantes: não se enganem, o Língua Plesa (Rui Costa) não é nem um pouco republicano como o Galego. Não deixe de ler as Curtas do poder!

Veja mais

Pérola do dia

Guilherme Menezes

"Eu nunca perguntei, que seria inclusive ridículo, em quem ou a quem vota ou deixa de votar. É estupidez de quem inventou isso e se alguém provar que uma pessoa dentro do Governo colocou isso como condição para contratar hoje mesmo eu tiro do Governo”

Guilherme Menezes, prefeito de Vitória da Conquista, ao se defender da acusação de Fafá de Belém de que teria cancelado um suposto show da cantora na cidade por ela apoiar Aécio Neves.

Veja mais

Comentários

Jaques Wagner evita falar sobre possível nomeação a ministério caso Dilma vença eleição

Não comenta, por que os dois depois do dia 26/10 estarão desempregados.

19/10/2014 - 22:43

Sandro

Veja mais

Entrevistas

Sidônio Palmeira

O marqueteiro Sidônio Palmeira saiu-se vitorioso nas eleições estaduais pela terceira vez consecutiva. Apesar de não ser petista nem militante do partido, Sidônio confessa que tem simpatia pelo estilo de governo do PT. Sem se considerar um milagreiro, o publicitário recorre até ao nazismo para exemplificar porque suas estratégias de campanha sempre se baseiam na verdade, o que facilita o trabalho. Sidônio, assim como boa parte da base governista, questionou as pesquisas, que apontavam derrota do PT para o governo do estado e para o Senado, mas se revelaram incorretas, notoriamente as do Ibope. Sobre Rui Costa, o marqueteiro é só elogios, chamando-o de “estudioso, trabalhador, CDF e correria” para fazer valer as promessas de campanha.

Veja mais

Multimidia

Veja o gol de Bahia 0x1 Chapecoense

Veja mais

Sexta, 14 de Setembro de 2012 - 08:00

Nova York proíbe venda de refrigerantes em tamanho grande

Nova York proíbe venda de refrigerantes em tamanho grande
O conselho de saúde da cidade de Nova York aprovou, por oito votos a favor e uma abstenção, a proibição da venda de refrigerantes de tamanho grande – com mais de 16 onças fluídas (aproximadamente 470 ml) em praticamente todos os locais em que o produto é comercializado, com exceção das lojas de conveniência e mercados. Quem desrespeitar a proibição, que não inclui os refrigerantes diet, poderá pagar multa de 200 dólares. Adotada como forma de combate à obesidade, a medida provocou reações de grupos, que defendem que a decisão viola a liberdade pessoal e chamaram o prefeito Michael Bloomberg de “babá”. Os opositores prometeram uma campanha para tentar barrar ou derrubar judicialmente a medida, que entra em vigor em março do próximo ano.

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

O que achou da renovação de 33% na Assembleia Legislativa?

Artigos

Samuelita Santana Santana
A força da indignação

"Não temos mais ilusões em relação ao governo, mas temos fé em nós mesmos. E estamos dispostos a pagar o preço da democracia." Essa frase, dita ontem pelo jovem chinês Alex Chow, da Federação de Estudantes de Hong Kong, me golpeou. Cá com meus botões brasileiros, fiquei refletindo sobre a greve dos milhares de estudantes de Hong Kong que invadiram as ruas em protesto contra a decisão de Pequim de limitar as reformas eleitorais. As imagens estampadas na mídia hoje impressionaram pela força da manifestação. A luta dos universitários de Hong Kong é pela democracia, pela legítima representatividade política.

Veja mais

Viagem no tempo

Samuel Celestino, anos atrás
Publicado no jornal A Tarde em 22 de março de 1989 - A semelhança dos grandes

Os dois principais partidos políticos brasileiros vivem praticamente o mesmo drama: não têm candidatos à Presidência da República e estão imersos numa grande crise. Ulysses Guimarães está para o PMDB assim como Aureliano Chaves está para o PFL. São dois políticos experientes e hábeis e ambos se julgam em condições de representar suas legendas, mas há generalizada opinião de que as duas agremiações estão fadadas a um insucesso eleitoral se eles forem, de fato, candidatos.

Veja mais