Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Depois de iludir o Galego (Jaques Wagner) e fazê-lo acreditar que Piligrino seria prefeito de Salvador, o tal do Marcelo Nilo, fanfarrão de ofício, vem pra cá com a conversinha de que não é dono do Datanilo. Ora, garanto que se o PT ganhasse as eleições ele não estaria dizendo isso. Dizer que o Datanilo não lhe pertence é, no mínimo, ser muito dissimulado. Falando em fanfarrão, o Romano Coletor de Impostos, mais conhecido como Mauro Ricardo, está me saindo um expert. Depois de alardear que só paga a quem não está no Cadin e a quem o prefeito determinar, continuo achando o seguinte: Romano deve explicações à sociedade soteropolitana, pois ainda não disse qual foi a empresa que JH pagou R$ 90 milhões em duplicidade. Não deixe de ler as Curtas do poder!

Veja mais

Pérola do dia

Luiz Inácio Lula da Silva

"Em vez de ficar reclamando daquilo que os outros fazem, daquilo que os outros têm, acho que temos que trabalhar para coisas concretas."

Ex-presidente da República, em resposta aos reclames nas redes sociais contra sua gestão.

Veja mais

Francamente

Na ausência de Souto, Lúcio Vieira Lima, irmão de Geddel, dá as mãos a Rui Costa

No fundo todos são iguais. Essas brigas são de fachada.

22/07/2014 - 10:57

daniel

Veja mais

Entrevistas

Marcelo Nilo

Concorrente ao sétimo mandato na Assembleia Legislativa em outubro, o presidente da Casa, Marcelo Nilo (PDT), admite dificuldades para se reeleger. No seu entendimento, um atual deputado federal da oposição que tenta regressar à AL-BA é o favorito a liderar a disputa. "Acho que o filho de Paulo Souto [Fábio Souto], por ser filho do candidato, provavelmente será o mais votado. Eu não estou preocupado se serei o mais votado e sim se vou me eleger. Porque o mar é feito de gotas d’águas e cada voto é uma gota d’água", comparou, em entrevista ao Bahia Notícias. Ele diz já ter superado a derrota na disputa a membro da chapa majoritária, devido à escolha do petista pelo governador Jaques Wagner (PT). Nilo revela que foi chamado pelo prefeito ACM Neto (DEM) para integrar a chapa oposicionista, capitaneada por Paulo Souto (DEM), mas declinou do convite. “Ser convidado pelo outro lado para fazer parte da chapa fez me sentir honrado. Agradeci e disse que ficava muito feliz, mas, infelizmente, não poderia ir porque estou há 24 anos fazendo política de um lado”, justificou. O chefe do Legislativo baiano ainda opinou sobre o imbróglio administrativo entre Neto e Wagner, gerado com a criação da Entidade Metropolitana, e prometeu que a Casa deve fazer um mutirão para aprovar projetos pendentes antes de o plenário ser esvaziado com a proximidade da eleição.

Veja mais

Multimidia

Veja os lances de Vitória 0x0 Corinthians

Veja mais

Segunda, 03 de Setembro de 2012 - 12:40

Rio do Antônio: Prefeito nega envolvimento em negociata de candidato correligionário

por Juliana Almirante

O prefeito de Rio do Antônio, Antônio Oliveira Novais (DEM), afirma que irá processar o candidato a vereador pelo PT André Rogério Berkovitz por calúnia, em resposta à acusação que o petista protocolou na Procuradoria Regional Eleitoral na Bahia (PRE). Berkovitz denunciou o prefeiturável democrata Humberto Célio Guimarães, e seu vice, Murilo Martins (PSB), de promover uma suposta negociata para conquistar a adesão do PT à coligação “União, Liberdade e Progresso”. Também conforme a denúncia ao Ministério Público (MPE), Guimarães, que recebe o apoio do atual prefeito para a sucessão municipal, contaria com o aval da máquina pública para conceder benefícios. O atual gestor defendeu, em nota enviada ao Bahia Notícias, que o candidato do PT não tem provas das acusações contra ele e a secretária de Saúde, Maria da Glória Borges, também citada na denúncia como parte do esquema. Antônio Oliveira destacou que a indicação do democrata e do vice do PSB teria sido resultado do consenso por unanimidade das lideranças políticas que compõem a coligação, pois teria “consciência das vedações dispostas em legislações vigentes”. O prefeito classifica a acusação como uma atitude “irresponsável” do petista, para tentar ofender a “dignidade e a honra” dele e da secretária Maria Glória Borges Lauton, que pretendem pedir indenização por danos morais supostamente causados por Berkovitz. Confira aqui a nota de resposta na íntegra.

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

Qual a principal mudança a ser atendida na licitação de ônibus?