Lauro de Freitas: Servidores recebem 13°, mas decidem manter ação contra a prefeitura
Foto: Divulgação

A situação entre professores da rede municipal de Lauro de Freitas e a administração do município continua tensa. O Sindicato dos Trabalhadores em Educação da rede municipal resolveu manter a ação contra a prefeitura (veja aqui), instaurada nesta quinta-feira (21), após o vencimento do prazo de pagamento da segunda parcela do 13º dos servidores. A remuneração foi compensada nesta tarde (22), às 12h, dois dias após o prazo final marcado para esta quarta-feira (20). A prefeitura alegou que um problema no sistema da Caixa Econômica Federal atrasou os depósitos (leia aqui). Mesmo com o pagamento, o Sindicato resolveu manter a representação contra a prefeitura no Tribunal de Conta dos Municípios (TCM), no Ministério Público e Estadual (MPE) e Federal (MPF) alegando “desrespeito com as contas dos trabalhadores”. “Os professores não trabalham para a Caixa, trabalhamos para a prefeitura”, declarou Vladimir Santos, coordenador do Sindicato, ao defender a manutenção da ação. Além do atraso do 13°, os servidores municipais acusam a administração de Moema Gramacho (PT) de atrasar outros benefícios como o 1/3 de férias e o de avaliação dos professores, atrasado há 3 anos, segundo o sindicato. “Outros profissionais do Estado foram pagos e a gente continua sem saber o que acontece”, bradou o coordenador ao reclamar da falta de diálogo entre Educação e município. 

Histórico de Conteúdo