'Atitude deselegante': Promotores não assinam termo de absolvição de Kátia Vargas
Foto: Leitor/ Whatsapp/ Bahia Notícias

Os promotores de justiça Davi Gallo e Luciano Assis não assinaram a ata que promulgou a sentença pela absolvição da médica Katia Vargas, acusada  de matar os irmãos Emanuel e Emanuelle Gomes Dias, em outubro de 2013, em Ondina, em Salvador. A absolvição foi proferida nesta quarta-feira (6), às 19h40, quando o julgamento foi encerrado. Para a juíza Gelzi Maria Almeida Souza, que presidiu a sessão, a atitude foi "deselegante e desrespeitosa com o tribunal do juri". Os promotores deixaram as dependências do Fórum pouco tempo depois em que o resultado foi apurado na sala secreta. Eles deram uma entrevista para a Rede Bahia antecipando a decisão do conselho de sentença e foram embora, não falando com os demais veículos de imprensa, que aguardavam o pronunciamento oficial do resultado do julgamento. A magistrada fez constar em ata a atitude desrespeitosa por parte dos membros do parquet baiano.

Histórico de Conteúdo