Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Agência europeia emite alerta sobre relação da cloroquina com distúrbio mental
Bolsonaro defende uso do medicamento para Covid | Foto: Sérgio Lima/Poder360

O uso de cloroquina ou hidroxicloroquina foi relacionado a distúrbios psiquiátricos e comportamentos suicidas em um comunicado da agência reguladora de medicamentos da União Europeia (EMA, na sigla em inglês). 

 

As atribuições do órgão europeu são semelhantes às da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). 

 

O alerta da EMA foi divulgado na Sexta-feira (27) pelo comitê de segurança da entidae, após uma revisão de todos os dados disponíveis sobre os remédios. As informações são de reportagem do portal Viva Bem, da Uol.

 

Logo nos primeiros meses da pandemia os medicamentos começaram a ser defendidos por alguns médicos e principalmente políticos, a exemplo do presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido). O Ministério da Saúde chegou a defender um "kit Covid" com os medicamentos e outras drogas. Até o momento, nenhum remédio se mostrou totalmente eficaz no combate à infecção.

 

A cloroquina e hidroxicloroquina são substâncias utilizadas no tratamento de malária e lúpus. 

 

"A revisão havia sido iniciada em maio de 2020, após a EMA ter sido informada pela Agência de Medicamentos da Espanha sobre seis casos de desordens psiquiátricas em pacientes com covid-19 que haviam recebido doses de hidroxicloroquina acima do autorizado", diz o comunicado. 

 

A reportagem ressalta ainda que a agência não permite o uso dos dois remédios para tratar a Covid-19 e ainda lembra que estudos clínicos de larga escala não mostraram "nenhum efeito benéfico" em sua utilização contra a doença.

Histórico de Conteúdo