Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Pediatras poderão 'prescrever' livros para crianças menores de três anos
Foto: Reprodução
A prática da leitura para os pequenos, especialmente menores de três anos, pode fazer tanto bem que já virou prescrição médica. Uma nova recomendação da Academia Americana de Pediatria (APP) aconselha os médicos a orientar os pais a lerem em voz alta para os bebês. A ideia é estimular a linguagem, o desenvolvimento da alfabetização e o fortalecimento das relações afetivas entre eles. Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, a norma deve ser seguida aqui também. "Nas consultas, é fundamental que se faça esse tipo de orientação aos pais. A leitura tem papel fundamental no aprendizado e é base para todos os conhecimentos", afirma Christian Muller, neuropediatra da SBP. De acordo com a determinação, o enfoque dado às crianças pequenas (até três anos) se dá por conta de que os primeiros 36 meses de vida são cruciais para o desenvolvimento do cérebro e de habilidades como falar, aprender e pensar. A APP, para editar a medida, tomou como base estudos que demonstram que bebês e crianças pequenas expostas à leitura têm melhores competências linguísticas quando ingressam na escola. Segundo o Plano Nacional de Educação, mais da metade (56,5%) das crianças com oito anos de idade no Brasil chega à terceira série do ensino fundamental sem aprendizagem adequada para a leitura. Outras 70% não sabem escrever de modo correto corretamente. Informações da Folha.


Histórico de Conteúdo