Canadá é primeiro país a legalizar uso da maconha em todo território nacional
Foto: Agência Brasil

O Senado do Canadá aprovou nesta terça-feira (19) a legalização do uso recreativo de maconha em todo o território do país. Foram 52 votos favoráveis e 29 contrários. Com isso, segundo a Agência Brasil, o Canadá se tornou o primeiro país do mundo a legalizar a maconha nacionalmente. A legalização da maconha no país já havia sido aprovada no começo do mês, mas com a tramitação na Câmara e no Senado, foram feitas emendas e modificações, por ambas as casas. O projeto agora seguirá para sanção da governadora-geral do país, Julie Payette, representante da Coroa Britânica no Canadá. Segundo a imprensa local, o processo de legalização deve durar cerca de quatro meses.

Quarta, 20 de Junho de 2018 - 07:10

Bahia ainda precisa vacinar 680 mil pessoas contra gripe

Bahia ainda precisa vacinar 680 mil pessoas contra gripe
Foto: Shutterstock

Mais de 680 mil pessoas ainda não foram vacinadas contra gripe na Bahia, de acordo com boletim divulgado nesta terça-feira (19) pelo Ministério da Saúde. Até 18 de junho, 81,4% da população prioritária do estado foram vacinados. Os grupos prioritários têm até a próxima sexta-feira (22), quando se encerra a Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza, para se imunizar. Neste ano, a Bahia já notificou 199 casos de gripe, com 32 evoluções para morte. "A doença não tem cara, ela não manda recado e a melhor forma de evitar a gripe é com a prevenção. Por isso, é importante ressaltar que a saúde é responsabilidade de todos. Não basta que o governo federal disponibilize 60 milhões de doses da vacina. É necessário que a população também se proteja e perceba o risco de morte por complicações da gripe", alertou o ministro da Saúde, Gilberto Occhi. Até esta segunda, em todo o país, 80,7% da população prioritária (44,8 milhões de pessoas) buscaram os postos de saúde para receber a vacina contra a gripe. A meta do ministério é imunizar 54,4 milhões de pessoas. 

Relatório aponta violações de direitos em comunidades terapêuticas
Foto: Agência Brasil

Espaços que deveriam promover tratamentos terapêuticos registram também violações de direitos, como pessoas contidas pela força ou por meio de medicamentos, alocadas em condições precárias e em lugares distantes, sem comunicação externa e tratadas como doentes. As violações foram apontadas no Relatório da Inspeção Nacional em Comunidades Terapêuticos – 2017, resultado de inspeções realizadas pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura (MNPCT) e Conselho Federal de Psicologia (CFP). Ao todo, foram inspecionadas 28 comunidades em 11 estados de todas as regiões e no Distrito Federal. Para a procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, todas as instituições foram reprovadas porque não garantem inserção dos pacientes na comunidade, não estimulam o fortalecimento de laços com a vizinhança nem oferecem atividades produtivas. "Elas são instituições que trabalham com uma ideia de que a pessoa tem que ficar distante por um determinado período de tempo, alguns mais longos e outros mais curtos, mas todos por, pelo menos, 90 dias", afirmou à Agência Brasil. Duprat explicou que o confinamento de pessoas com transtornos mentais contraria a Convenção sobre Direitos das Pessoas com Deficiência e a Lei de Reforma Psiquiátrica e reforça uma estrutura que o Brasil tem trabalhado para extinguir: os manicômios. Isto porque, com a perspectiva de romper com a lógica manicomial, a reforma, feita em 2001 no Brasil, orienta que a abordagem de pessoas com transtornos mentais ocorra com a menor intervenção possível, valorizando a atenção de base comunitária e não a segregação em hospitais ou o tratamento em manicômios.

Internações por problemas cardíacos aumentam em 30% durante período de frio
Foto: Agência Brasil

Um estudo inédito concluiu que, nos meses marcados por temperaturas mais frias, as internações por insuficiência cardíaca e infarto em hospitais públicos da cidade de São Paulo chegam a ser 30% maiores do que no verão. Desenvolvida por médicos da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein, a pesquisa considerou todas as internações por insuficiência cardíaca (76.474 casos) e infarto agudo do miocárdio (54.561 casos) registradas em 61 hospitais públicos da capital paulista entre janeiro de 2008 e abril de 2015. Os dados fazem parte do Cadastro Nacional de Saúde, do Sistema Único de Saúde (SUS). Foram consideradas também as temperaturas mínima, máxima e média em cada período ao longo desses sete anos, registradas pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). "Provavelmente isso se dá por fenômenos múltiplos como o frio e a qualidade de ar como principais aspectos de risco. As pessoas que estão em maior risco e que já são doentes, com pressão alta, diabetes, devem ter uma atenção especial nesse período e maior controle como tomar corretamente o remédio e medir a pressão", aconselhou o cardiologista Eduardo Pesaro, líder do estudo, em entrevista à Agência Brasil. Os resultados mostraram ainda que o número médio de internações por insuficiência cardíaca no inverno foi maior em pacientes com mais de 40 anos. Já as hospitalizações por infarto foram registradas em maior número em pacientes com idade superior a 50 anos. De acordo com o cardiologista, as causas do aumento do risco cardiovascular no inverno não estão apenas ligadas à queda do ponteiro do termômetro, mas às condições ambientais e socioeconômicas de São Paulo. "Inverno não significa só frio, mesmo porque em São Paulo ele é ameno, com temperatura média de 18 graus e variação de apenas 5 graus. Ele também significa poluição aumentada, crescimento de epidemias provocadas pelo vírus da gripe, o Influenza, além do tempo seco", explicou Pesaro.

Campanha de Vacinação contra Gripe termina nesta quinta; Salvador imunizou 87%
Foto: Tânia Rego / Agência Brasil

A dois dias do fim da Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza, aproximadamente 470 mil pessoas foram imunizadas em Salvador. O número corresponde a 87% do público alvo da capital baiana. De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde (SMS), os grupos com menor adesão à estratégia são crianças (67%) e gestantes (69%). "Estamos próximos de alcançar a meta estipulada (90%), mas o número de crianças e gestantes que ainda precisam da dose ainda está muito abaixo do esperado. Estamos às vésperas dos festejos juninos quando muitas pessoas irão participar de eventos com grandes aglomerações e é necessário que os indivíduos com maior vulnerabilidade à patologia estejam devidamente protegidos para evitar complicações mais graves da influenza", afirmou Doiane Lemos, subcoordenadora de Doenças Imunopreveníveis. A dose do imunobiológico segue disponível até a próxima quinta-feira (21) para as mais de 70 mil pessoas residentes em Salvador que ainda não procuraram os postos de saúde.

OMS retira transexualidade da lista de transtornos mentais
Foto: Agência Brasil

A transexualidade não é mais considerada um transtorno mental. A alteração faz parte da nova Classificação Internacional de Doenças (CID), publicada nesta segunda-feira (18) pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A última revisão da norma foi realizada há 28 anos. Segundo o El País, a revisão mantém a transexualidade na CID, mas agora em uma categoria denominada "saúde sexual". Dessa forma, a pessoa poderá obter ajuda médica se achar necessário. "Não há evidências de que uma pessoa com um transtorno de identidade de gênero deva ter automaticamente um transtorno mental, embora aconteça muito frequentemente seja acompanhado de ansiedade ou depressão", explicou o diretor do departamento de Saúde Mental e Abuso de Substâncias da OMS, Shekhar Saxena. Ele ressaltou que a mudança busca evitar a estigmatização de pessoas transexuais.

Vício em videogames é classificado como distúrbio de saúde mental pela OMS
Foto: Divulgação

A Organização Mundial da Saúde (OMS) decidiu nesta segunda-feira (18) classificar a compulsividade por videogames como uma nova condição de saúde mental. Avaliada desde 2014, a decisão está incluída na nova Classificação Internacional de Doenças (CID). A definição para "gaming disorder" (transtorno de jogo) tem o objetivo de orientar a identificação do problema. De acordo com o diretor do Departamento de Saúde Mental da OMS, Shekhar Saxena, há demanda para tratamento do transtorno em várias partes do mundo. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, a porta-voz da British Psychological Society, Joan Havey, alertou que a nova classificação pode levar a preocupações desnecessárias entre os pais. Por outro lado, outros pesquisadores consideram a decisão pertinente. "Nós lidamos com pais que estão preocupados, não só porque eles estão vendo as suas crianças largarem a escola, mas porque eles estão vendo toda a estrutura familiar colapsar", afirmou Henrietta Bowden-Jones, da Britain's Royal College of Psychiatrists. Para o diagnóstico do vício em videogame, a OMS diz que é necessário haver um comportamento extremo com consequências sobre as "atividades pessoais, familiares, sociais, educativas ou profissionais" e, "em princípio, manifestar-se claramente sobre um período de pelo menos 12 meses".

Ministro da Saúde assina documento que prevê eliminação do comércio ilícito de tabaco
Foto: Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas

O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, assinou na última sexta-feira (15), durante a 42ª Reunião Ordinária de Ministros de Saúde do Mercosul, uma declaração que ratifica a eliminação do Comércio Ilegal de Produtos de Tabaco. Além do Brasil, Argentina, Uruguai, Chile e Paraguai, também assinaram o documento, que declara a necessidade do acordo para todos os países que compõem o bloco. "O combate ao contrabando é uma importante iniciativa para avançarmos ainda mais na queda do uso de tabaco. O Brasil firmou seu compromisso junto às Nações Unidas e reforça essa decisão junto aos países do Mercosul", afirmou Occhi. As medidas previstas no documento têm como objetivo tornar a cadeia de oferta de produtos de tabaco segura. O documento prevê, por exemplo, que se estabeleçam mecanismos de rastreamento dos produtos, de forma que sejam controlados desde a fábrica até os pontos de venda. No Brasil, esse tipo de ferramenta já foi implementada pelo governo federal. Outras exigências presentes no protocolo são o licenciamento dos participantes da cadeia de suprimento, obrigações de manutenção de registros e regulação das vendas na internet e em duty free, bem como do trânsito internacional dos produtos. Também está prevista o fortalecimento de medidas para cooperação entre os países na investigação e no litígio contra os ilícitos, e para mútua assistência legal. De acordo com o Balanço Aduaneiro da Receita Federal, em 2017 foram apreendidos mais de R$ 1 bilhão em cigarros e similares. Já em 2016, foram apreendidos R$ 910,2 milhões.

OMS alerta que um em cada seis idosos sofreu algum tipo de abuso no último ano
Foto: Shutterstock

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontaram que cerca de um em cada seis idosos sofreu algum tipo de abuso no último ano. O índice representa um total de 141 milhões de idosos em situação de abuso em todo o planeta. Segundo a Agência Brasil, a entidade alertou que, caso a proporção de abusos se mantenha, o número de pessoas afetadas deve aumentar rapidamente, em razão do envelhecimento da população, podendo chegar a 320 milhões de vítimas até 2050. A OMS acrescentou que as taxas de abuso em instituições como asilos e instalações que oferecem cuidados a longo prazo são maiores, quando comparadas a situações nas quais os idosos são mantidos em meio à comunidade - dois em cada três cuidadores reportam ter cometido abusos nesse tipo de instituição ao longo do último ano. "Enquanto muitas instituições se esforçam para oferecer aos residentes cuidado de qualidade, as evidências sugerem que um número inadequado de cuidadores, condições difíceis de trabalho (exigência física e emocional), baixos salários e treinamento inadequado em direitos humanos das pessoas idosas pode contribuir para o aumento das taxas de abuso em instituições", informou a OMS. Atos abusivos registrados em instituições incluem restringir fisicamente os pacientes, privá-los de dignidade (deixando-os vestidos com roupa suja, por exemplo), fornecer cuidados insuficientes de forma intencional (como permitir que eles desenvolvam feridas), medicar em excesso ou não medicar os residentes, negligência emocional e abuso.

Anvisa deve realizar consulta pública sobre uso medicinal de maconha
Foto: Shutterstock

O diretor-geral da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Jarbas Barbosa, quer que a possibilidade de uso medicinal de maconha seja avaliada pela população. De acordo com o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, Barbosa deve apresentar a proposta de consulta pública na próxima reunião da diretoria colegiada. Apesar da relatoria de Renato Porto, o diretor-geral deseja deixar o assunto resolvido até o fim do seu mandato, em julho. No entanto, ele avalia que, no momento, a consulta pública é o passo a ser dado.

Histórico de Conteúdo