Após mastectomia, mulheres viram modelos em exposição com renda revertida para HAM
Foto: Divulgação

Mulheres com histórias de vida marcadas pela luta contra o câncer de mama se tornaram modelos na exposição fotográfica que compõem o calendário de mulheres que passaram pela remoção parcial ou total da mama em decorrência do câncer, uma iniciativa do Grupo De Apoio À Mulher Mastectomizada (Gamma).

 

As fotografias foram feitas pelo fotógrafo Wilson Sena Militão, voluntário no Gamma que buscou retratar os sentimentos das mulheres na sua forma natural e verdadeira. Ele afirma que nas imagens traz um olhar fotográfico descontraído das "Garotas" que venceram o câncer e hoje são inspiração para mostrar a sociedade que “Existe Vida Após o Câncer”.

 

O calendário 2020 e a exposição serão lançados nesta sexta (18), às 19h, no 2° piso do Shopping Da Bahia em Salvador. As fotos ficarão disponíveis para visitação até 31 de outubro. O calendário estará à venda no balcão ao lado da exposição e toda a renda será revertida ao Hospital Aristides Maltez.

Ministério da Saúde estuda estratégias para produção nacional da pentavalente
Foto: Reprodução/ShutterStock

O Brasil estuda a possibilidade de começar a produzir a vacina pentavalente. De acordo com o Ministério da Saúde, o objetivo é buscar uma medida sustentável para garantir o abastecimento da vacina no Sistema Único de Saúde (SUS) e manter a população protegida contra doenças.

 

Para isso, representantes da pasta se reuniram, nesta segunda-feira (14), em Brasília, com representantes de laboratórios públicos nacionais com objetivo de traçar estratégias para produção nacional da vacina pentavalente. Atualmente, o Brasil não produz a vacina e compra de laboratórios internacionais.

 

Durante a reunião, o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, ouviu técnicos dos laboratórios públicos Butantan, Bio-Manguinhos, Tecpar e Fiocruz e propôs ideias diante do problema da escassez de fornecedores internacionais para aquisição de vacina.

 

Wanderson defendeu a automatização da cadeia produtiva brasileira de soros e vacinas para que haja autonomia, sustentabilidade e para construir uma política de planejamento, expansão e monitoramento. “Um parque produtor forte representa um país forte. É necessário buscar medidas sustentáveis para garantir a oferta de vacinas no SUS e proteger a população contra doenças que podem ser evitadas com efetiva imunização”, destacou.

 

A Bahia tem enfrentado problema de desabastecimento da vacina pentavalente, que protege contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e hemófilo B. A Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), que recebe a imunização do Ministério da Saúde e repassa para as gestões municipais, reconhece um problema no recebimento de lotes do imunizante e atribui a responsabilidade ao governo federal (leia mais aqui).

Em meio a ações para reduzir acidentes na BA, secretários lamentam suspensão de radares
Foto: Reprodução / Jornal NH

As discussões em torno do combate aos acidentes de trânsito não deixam de passar pela decisão do presidente Jair Bolsonaro (PSL) de suspender os radares móveis das rodovias federais. Anunciada em agosto, a medida visa evitar o "desvirtuamento do caráter educativo" e "a utilização meramente arrecadatória dos aparelhos", de acordo com justificativa apresentada pelo próprio governo.

 

Para o secretário de Saúde da Bahia (Sesab), Fábio Vilas-Boas, que está à frente do Simpósio Internacional Trânsito Seguro (saiba mais aqui), a suspensão é "lamentável". Dados apresentados pela pasta indicam que, de 2009 a 2018, foram registradas 24.479 mortes por acidentes de trânsito no estado e que, além disso, cerca de 40% das internações hospitalares na Bahia são fruto de ocorrências do tipo.

 

"É lamentável que se reduza o número de radares nas rodovias federais. Isso está indo na contramão do movimento que existe na área da saúde, de buscar reduzir a quantidade de acidentes", ressalta o secretário em entrevista ao Bahia Notícias.

 

O mesmo foi repetido pelo titular da Secretaria de Infraestrutura, Marcus Cavalcanti. Ao se apresentar no simpósio, realizado nesta terça-feira (15) na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), o secretário criticou as ações do governo no sentido de flexibilizar as regras de trânsito. Um exemplo citado por ele foi o projeto de lei que visa extinguir a multa para quem não usar a “cadeirinha” ao transportar crianças de até sete anos em carros de passeio.

 

"Eu fico preocupado com essas ações do governo federal", afirma. "Se o início [do processo] é educação, nós temos que ter uma atividade punitiva às pessoas que cometem infrações, mas, infelizmente a sociedade vê isso como uma 'indústria da multa'", lamenta.

 

De acordo com a representante da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) no evento, Kátia de Pinho, tanto nas rodovias federais quanto nas cidades, os radares são uma medida comprovadamente efetiva. Segundo ela, a Organização Mundial de Saúde (OMS) os avalia como "um instrumento importante da política nacional de segurança viárias".

 

Também da Opas, o assessor de Segurança Viária Victor Pavarino preferiu não tecer críticas à suspensão, pois "todas as decisões dos países membros são soberanas". Ainda assim, ele defendeu que os governantes repensem alternativas aos meios eletrônicos de fiscalização.

Unir educação, fiscalização e infraestrutura é essencial para redução de acidentes de trânsito
Vilas-Boas, Cavalcanti e Rodrigues | Foto: Ailma Teixeira / Bahia Notícias

A necessidade de uma maior integração entre órgãos de governo da administração municipal, estadual e federal no combate aos altos índices de acidentes de trânsito é reconhecida por diversos entes. Então, a fim de proporcionar esse encontro, o Simpósio Internacional Trânsito Seguro, organizado pela Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), em parceria com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), conta com a presença de representantes do Detran, Transalvador, Ministério da Saúde, Polícia Militar e outros órgãos.

 

Realizado no auditório jornalista Jorge Calmon, na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), o evento teve início por volta das 9h30 desta terça (15). No turno da manhã, a programação foi composta por palestras, abertas ao público. Já no turno da tarde, os membros das entidades participantes formam grupos de trabalho para sugerir propostas que serão adotadas pelo governo estadual.

 

Foto: Ailma Teixeira / Bahia Notícias

 

À frente do evento, o titular da Sesab, Fábio Vilas-Boas, explica que a Secretaria de Segurança Pública (SSP) coordena as ações de curto prazo, que começam pela fiscalização e repressão das irregularidades, a Secretaria de Infraestrutura (Seinfra) atua com as ações estruturais, como obras em estradas, para atingir efeitos no médio prazo, e a Secretaria de Educação (SEC) assume as medidas de longo prazo, que visam conscientizar crianças e adolescentes sobre o tema.

 

“Assim como a minha geração venceu o tabagismo, eu quero que essa geração vença os acidentes de trânsito”, ressalta o secretário de Saúde. Para tanto, ele adianta que será necessário incluir essa questão no Orçamento do governo para o próximo ano. Com isso, as pastas poderão ampliar os investimentos na aquisição de bafômetros e no pagamento de hora extra dos agentes que vão atuar nas blitzes, exemplifica.

 

Representante da Polícia Militar no evento, o tenente coronel Jarbas reforçou o plano. Para ele, a união entre essas secretarias também é essencial para reduzir as ocorrências de trânsito, já que elas englobam as bases que garantem a segurança viária. “Ela é sustentada num trinômio, que é a educação, o esforço legal, que envolve a questão dos órgãos de fiscalização e justiça, e a engenharia, que seria a infraestrutura”, analisa o militar. Jarbas ressalta que a PM já atua em parceria com órgãos como o Detran e a Seinfra.

 

PLANO ESTADUAL

As ações extraídas do simpósio vão compor um plano estadual para reduzir em 20% o número de mortes e lesões provocadas por acidentes de trânsito. O foco inicial será as ocorrências com motocicleta, já que elas representam quase 60% dos mais de 24 mil óbitos do tipo ocorridos na Bahia de 2009 a 2018. A meta da Sesab é, dentro de seis meses, já mensurar os primeiros resultados (saiba mais aqui).

Atenção Primária: 293 municípios de 17 estados já contam com gerentes credenciados
Foto: Reprodução/Cpaps

As Unidades de Saúde da Família (USF) passarão a contar com gerentes na Atenção Primária (APS). A previsão do Ministério da Saúde é de que esses profissionais administrem as unidades, garantindo maior organização do serviço e, com isso, maior acesso e qualificação do atendimento ao cidadão que procura o Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Os primeiros profissionais começaram a ser credenciados neste ano e, agora, já são 1.266 gerentes em 293 municípios de 17 estados. A Bahia conta com 6 agentes em dois municípios. Para apoiar a contratação desses profissionais, o Ministério da Saúde vai repassar aos municípios que já aderiram à iniciativa R$ 4,4 milhões ainda em 2019, podendo chegar a R$ 21,5 milhões a partir de 2020.

 

Segundo o secretário de Atenção Primária à Saúde, Erno Harzheim, a direção de cada unidade ficava a cargo de enfermeiros (as) ou médicos, que eram deslocados do atendimento ao cidadão na unidade para exercer atividades administrativas.

 

“A atuação do gerente é necessária para a rotina do atendimento nas unidades. As funções que serão atribuídas aos gerentes, por muitas vezes, eram realizadas por profissionais que integram as equipes assistenciais ou que tinham outras funções estratégicas na unidade. E, com isso, acabavam deixando seu posto para realizar outras tarefas. Agora, com o gerente, todos os profissionais de saúde poderão se dedicar plenamente à suas funções”, esclareceu.

SBC defende envolvimento de agentes de saúde para acelerar diagnóstico de câncer
Foto: Roberto Navarro/Alesp

A Sociedade Brasileira de Cancerologia (SBC), acredita que envolvimento de agentes comunitários de saúde no fluxo de atendimento ao paciente pode reduzir o tempo para o diagnóstico de câncer e aumentar a sua chance de cura. A afirmação foi feita pela oncologista e vice-presidente da entidade Nise Yamaguchi, que defende a fila zero no atendimento ao câncer de mama no Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Para a oncologista, o desafio é ter um sistema integrado e melhorar o fluxo da paciente ainda na atenção básica.

 

“Acontece muito, pacientes fazem mamografia, dão alteradíssimas, mas elas não voltam para pegar o exame e ninguém vai atrás. O sistema deveria acender a luz vermelha, a equipe deveria ligar, ir atrás da paciente, se já está começando a suspeita de câncer já pode entrar no sistema”, explicou. “Com a proatividade já se resolve”, ressaltou.

 

A SBC destacou que 90% dos cânceres de mama podem ser curados quando detectados em estágios iniciais. O diagnóstico precoce também permite tratamentos menos agressivos e maior possibilidade de preservação da mama, conforme reportagem da Agência Brasil.

 

À reportagem, Nise explica que é preciso também melhorar o fluxo de atendimento na saúde suplementar, de planos privados de saúde. “Falta ainda a consciência de como a paciente tem que navegar rapidamente dentro do sistema, das consultas, aos exames e tratamento”, disse, contando que já existe uma inciativa da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) sobre um modelo de cuidado em oncologia.

Terça, 15 de Outubro de 2019 - 09:50

São 'significativas' as ações de Salvador para reduzir violência no trânsito, diz ministério

por Ailma Teixeira / Rodrigo Daniel Silva

São 'significativas' as ações de Salvador para reduzir violência no trânsito, diz ministério
Foto: Ailma Teixeira / Bahia Notícias

O diretor do Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (MS), Eduardo Macário, disse, nesta terça-feira (15), que Salvador tem adotado ações "bastante significativas" para reduzir a violência no trânsito. Segundo ele, a capital baiana diminuiu em 42% os acidentes – no geral, o Brasil ficou em 17%.

"Isso é bastante significativo. Mostra que ações integradas entre saúde, infraestrutura conseguem prevenir o acidente", afirmou Macário, em entrevista ao Bahia Notícias, durante Simpósio Internacional Trânsito Seguro na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA). 

Macário se mostrou contra a retirada de radares de rodovias, como defende o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL). "A questão da velocidade é um dos fatores que mais contribue para ocorrência de acidentes graves e fatais. As medidas devem ser tomadas para tentar reduzir a velocidade nas estradas e vias e para garantir a segurança. Qualquer tipo de medida contrária deve ser analisada e estudada", pontuou. 

Em visita ao Martagão Gesteira, Leo Prates promete tentar ajudar a conseguir repactuação
Foto: Divulgação

Durante visita ao Hospital Martagão Gesteira, o secretário de Saúde do município de Salvador, Leo Prates, prometeu trabalhar para ajudar a “conseguir uma repactuação da instituição com o Ministério da Saúde”. “Tudo que nós pudermos fazer de atuação política para ajudar o hospital nós faremos”, disse o secretário nesta segunda-feira (14).

 

O diretor-presidente da Liga Álvaro Bahia Contra a Mortalidade Infantil, mantenedora do Martagão Gesteira, Carlos Emanuel Melo, ressaltou a importância do encontro. “Estamos muito felizes com a visita do secretário. Ele vem ajudar num esforço que vem sendo feito pela recomposição do custeio do Martagão junto ao Ministério da Saúde”, frisou Melo.

 

Prates aproveitou a oportunidade para visitar as instalações do hospital, que é referência em pediatria na Bahia há 54 anos. “Ver o trabalho e para quem o Martagão trabalha é o mais importante. Trabalha para crianças em vulnerabilidade, com risco de morte. É muito feliz ver que o município de Salvador está apoiando um trabalho tão bonito e o que a gente puder ajudar e colaborar para melhorar e ampliar esse trabalho a gente vai fazer”, acrescentou.

Mortes no trânsito: Acidentes com motos são responsáveis por quase 60% dos casos na BA
Foto: Dict / Divulgação

Os acidentes de trânsito registrados na Bahia fizeram 24.479 vítimas fatais de 2009 a 2018. Desse total, a Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) indica que aproximadamente 60% das ocorrências foram com o uso de motocicletas. Por isso, o veículo sobre duas rodas será o tema principal do Simpósio Internacional Trânsito Seguro, que será realizado a partir das 8h30 desta terça-feira (15) na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA).

 

Aberto ao público, o evento vai contar com a presença de palestrantes nacionais e internacionais, que vão debater estratégias para garantir a redução desses acidentes.

 

Titular da Sesab, o secretário Fábio Vilas-Boas explica que a atenção maior às motocicletas será feita porque as ocorrências com os demais veículos deixam menos sequelas. "O resultado de um acidente de moto costuma ser muito maior do que um acidente de carro, então nosso objetivo é reduzir a mortalidade e a gravidade deles inicialmente", adianta em entrevista ao Bahia Notícias.

 

Como exemplo, o secretário pontua que, especialmente no interior baiano, se usa pouco capacete e os motociclistas usam sandálias de dedo para pilotar o veículo. "Aí quando tem um acidente, a primeira coisa que é lesionada é o pé. Com torção e a pessoa fica sequelada para sempre", exemplifica. Vilas-Boas cita ainda a indumentária do motociclista, "que precisa ser repensada", e as irregularidades, como veículos ilegais e motoristas sem habilitação.

 

Diante desse quadro, a pasta compreende que é necessário um esforço conjunto entre diversos órgãos da gestão estadual e também dos demais níveis da administração pública. Considerando apenas os impactos na área da saúde, os acidentes de trânsito no geral são a causa de cerca de 40% das internações hospitalares na Bahia. De 2015 para cá, a Sesab afirma que essas despesas consumiram R$ 50 milhões do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

"Além de ser um problema econômico, ele é um problema social porque nós estamos vendo uma geração se transformar em pessoas sequeladas. Nós já tínhamos pautado esse problema, inclusive nacionalmente. Estamos em discussão com o Congresso, a Câmara, para reescrever o Código Nacional de Trânsito e passar algumas medidas que irão ajudar a reduzir o volume, mas, enquanto isso não acontece, nós decidimos aqui no governo do estado adotar medidas com o objetivo de coibir esse excesso de acidentes", destaca.

 

A principal medida é a elaboração de um plano estadual, que visa reduzir em 20% as mortes e lesões por acidentes no trânsito. A ideia é integrar um pacote de medidas, ancorado nas ações prioritárias definidas pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) - gestão da velocidade; projeto e melhoria da infraestrutura; fiscalização do cumprimento das leis de trânsito; liderança na segurança no trânsito; normas de segurança veicular; e sobrevivência pós-acidente.

 

Esse plano, inclusive, é fruto da Década de Ação pela Segurança no Trânsito, que se encerra em 2020. A meta para os países que compõem as Nações Unidas era reduzir a mortalidade no trânsito em 50%, mas a organização admite que essa meta está longe de ser cumprida.

 

"O máximo que a gente conseguiu, em nível global, foi estabilizar, mas isso está longe de ser uma notícia boa porque o número ainda é muito alto", reconhece Victor Pavarino, assessor de Segurança Viária da Opas. Um dos representantes da organização confirmados no seminário, ele ressalta que a realidade do Brasil não é muito diferente dos outros países. "Se a gente pensar nos últimos 10 anos, o país vem, sim, apresentando uma tendência de queda, mas isso está longe de ser satisfatório".

 

Com essa mesma avaliação em mente, o secretário Vilas-Boas pontua que estão sendo pensadas ações de curto, médio e longo prazo com o apoio de instâncias governamentais de saúde, segurança e educação para adotar múltiplas medidas. A expectativa é de, em seis meses, já poder mensurar os efeitos das ações imediatas.

Com um investimento de R$ 4,5 milhões, Ilhéus ganhará nova UPA tipo II
Foto: Ilustrativa/Camila Domingues/Palácio Piratini

Uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) será construída na cidade de Ilhéus, no sul do estado. De acordo com o governo da Bahia, a unidade contará com um investimento de R$ 4,5 milhões, sendo R$ 3,1 milhões financiados pelo Ministério da Saúde e R$ 1,4 milhão pelo tesouro estadual. A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) construirá uma unidade tipo II. A licitação ocorrerá em até 60 dias e a confirmação do recurso ministerial foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) de sexta-feira (11).

 

“Esta é uma janela de oportunidade única para reverter a deficiência crônica do seu sistema de saúde do município”, ressaltou o secretario de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas.

 

A UPA 24h tipo 2 tem capacidade para atender 250 pacientes por dia. A equipe é formada por mais de 100 profissionais, sendo pelo menos seis médicos por dia. A estrutura conta com raio-X, eletrocardiografia, pediatria, laboratório de exames e leitos de observação. Além disso, a unidade presta o primeiro atendimento aos casos de natureza cirúrgica e de trauma, estabilizando os pacientes e realizando a investigação diagnóstica inicial, de modo a definir, em todos os casos, a necessidade ou não de encaminhamento aos serviços hospitalares de maior complexidade. Nas localidades que contam com uma UPA, 97% dos casos são solucionados na própria unidade.

Histórico de Conteúdo