Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Visitação em unidades de saúde da Bahia estão suspensas devido à pandemia
Foto: Elói Corrêa / GOVBA

O Centro de Operações de Emergência em Saúde (COES) atualizou as Notas Técnicas que trazem orientações sobre o funcionamento dos serviços de saúde públicos e privados na vigência da pandemia pela Covid-19.

 

Os documentos apontam recomendações sobre visitas nas unidades estaduais, acompanhantes, cirurgias eletivas e campanha vacinal contra a Covid-19.

 

De acordo com a Nota Técnica Nº 66, fica determinada a suspensão das visitas em todas as unidades de internação, sejam enfermarias ou em unidades fechadas como UTIs e Centro Cirúrgico por conta do aumento do número de casos de Covid-19 em toda Bahia.

 

“As unidades de saúde devem incentivar as visitas virtuais, através de videochamadas ou ligações, através da equipe multiprofissional, conforme o Manual de Orientações para reunião virtual com a equipe de assistência, disponível no site da Sesab”, indica o documento.

 

A Nota também informa a autorização da permanência de um acompanhante para pacientes acima de 60 anos, portadores de necessidades especiais, menores de 18 anos ou em cuidados paliativos.

 

A normativa técnica estabelece ainda que as unidades de saúde devem exigir comprovação de esquema vacinal completo, por meio de cartão de vacinação ou meio eletrônico, através do aplicativo ConecteSUS do Ministério da Saúde, ou aplicativo próprio do município de residência, caso exista. 

 

O esquema vacinal completo deve estar de acordo com o Plano Nacional de Imunização, que recomenda a primeira, segunda e terceira doses, com intervalos entre a segunda e terceira dose de 150 dias.

 

Não há orientação para a suspensão de cirurgias eletivas em virtude da Covid-19. A recomendação permanece a mesma desde maio de 2021, cuja recomendação é que sejam realizados procedimentos de modo seguro. 

 

Cada unidade deve estabelecer estratégias de priorização da agenda cirúrgica, observando sempre as características inerentes a cada especialidade cirúrgica e as condições clínicas do paciente, cuja espera possa piorar o prognóstico da doença.

 

Se não houver casos de urgência e emergência, os procedimentos devem ser cancelados, caso o paciente apresente febre ou qualquer outro sintoma respiratório nos últimos 10 dias, assim como tenha tido contato próximo com pessoa diagnosticada com Covid-19 nos 14 dias que antecederem a cirurgia.


 

Para acompanhantes de gestantes e puérperas, a informação é que cada paciente passa a ter direito a um acompanhante durante toda a evolução do trabalho de parto, desde que seja respeitado o distanciamento mínimo de 2 metros entre as pessoas presentes na sala, contando com a equipe de saúde e as outras parturientes. 

 

O acompanhante da gestante deve utilizar máscara cirúrgica durante todo o período que estiver na unidade de saúde e ser orientado quanto aos cuidados gerais de contato e higienização. Para as pacientes menores de 18 anos, o acompanhante deverá ser o pai, a mãe ou o responsável legal pelo mesmo

Ação de mamografia em Dias D'Ávila deve beneficiar cerca de 160 mulheres
Foto: Divulgação / INTS

 

Em comemoração ao Dia Nacional da Mamografia, no próximo dia 5 de fevereiro, o INTS (Instituto Nacional de Tecnologia e Saúde) vai oferecer 160 mamografias nos dias 01 e 02 de fevereiro, das 8h às 17h em Dias D’Ávila.

 

O objetivo é oferecer às mulheres com mais de 35 anos, sem acesso ao exame, a possibilidade do diagnóstico precoce. Pesquisas revelam que cerca de 95% dos casos de câncer de mama diagnosticados no início têm chance de cura.

 

O exame realizado é o de rastreio por imagem, tipo raio-X, que comprime a mama e gera imagens de alta qualidade, capazes de revelar a existência de lesão, nódulo e assimetrias e, assim, diagnosticar precocemente se houver câncer. 

 

Desde 2017, quando o projeto começou a ser realizado pelo Instituto, foram realizadas cerca de 12 mil mamografias em Salvador e Região Metropolitana.

Conselho de Saúde aciona Ministério Público sobre aumento da frota de ônibus em Salvador
Foto: Jefferson Peixoto/Secom/PMS

O Conselho Estadual de Saúde da Bahia (CES-BA), informou que enviou, na sexta-feira (21), um ofício ao Ministério Público da Bahia (MP-BA) solicitando intervenção para exigir o aumento da frota de ônibus em horários de pico em Salvador. 

 

De acordo com o Conselho, a medida é essencial para o controle da disseminação da Covid-19. 

 

“Estamos num novo momento de agravamento da pandemia, com muitos casos ativos e o transporte público tem ficado lotado. Isso é um risco para a vida das pessoas e para o sistema público de saúde. Precisamos de ações mais eficazes de prevenção e o aumento da frota garantirá distanciamento seguro nos ônibus para evitar o contágio”, explica Marcos Sampaio, presidente do CES-BA.

 

Na semana passada, o Conselho Estadual de Saúde emitiu um documento com uma série de recomendações ao governo estadual e às prefeituras a fim de exercer maior controle da pandemia.

 

Entre as recomendações feitas estão a distribuição gratuita de máscaras do tipo PFF2 ou N95 para a população, dispensa do termo de autorização ou prescrição médica para a vacinação das crianças contra a covid-19, extensão da cobrança de passaporte da vacina para outros ambientes fechados, como shopping centers, escolas e universidades, templos religiosos, hotéis, consultórios e transportes públicos, incluindo marítimos.

 

Também foi recomendada a criação de um Comitê Consultivo de Avaliação de Restrições e Flexibilizações, além da manutenção do afastamento de positivados por 10 dias e não 5 dias, e ainda foi feita uma cobrança do governo estadual para uma postura mais incisiva junto ao governo federal para a liberação de autotestes (veja aqui).

Documento do Ministério da Saúde defende efetividade da cloroquina
Foto: Cláudia Cardozo / Bahia Notícias

Uma nota técnica do Ministério da Saúde assinada pelo secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, Helio Angotti Neto, afirma que a hidroxicloroquina tem efetividade no combate à Covid-19 e a vacinação, não. A nota foi publicada na sexta-feira (21) e as informações são da CNN Brasil.

 

O posicionamento está no documento usado para impedir recomendações da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias ao SUS (Conitec) que contraindicavam o uso do “kit Covid”. 

 

Na nota, o ministério afirma que a hidroxicloroquina tem efetividade em estudos controlados e randomizados e que as vacinas não atendem a esses requisitos.


Tabela do documento do Ministério da Saúde / Reprodução
 

No final da tabela a pasta diz que as sociedades médicas recomendam a vacina e não recomendam a cloroquina.

 

“Treze estudos controlados e randomizados com direções de efeito favoráveis à hidroxicloroquina, com efeito médio de redução de risco relativo de 26% nas hospitalizações, altamente promissor para o uso discricionário e prosseguimento dos estudos”, afirma o ministério.

 

Ao analisar as vacinas, a pasta diz que há “dezoito ensaios não finalizados, dos quais, oito ainda em fase de recrutamento, nove ainda não finalizaram o seguimento e um finalizado, mas ainda em fase insuficiente para a avaliação de segurança”.

 

As menções favoráveis à cloroquina e críticas à vacina contrariam as avaliações de estudos científicos, de entidades médicas e da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)

Governo Federal não repassou recursos novos para vitimas da enchente, afirma Sesab
Foto: Divulgação

A secretária de Saúde da Bahia, Tereza Paim, afirmou que recebeu com surpresa e espanto a atitude do Governo Federal em anunciar, na última sexta-feira (21), recursos velhos como se fossem novos, direcionados a 155 municípios baianos em situação de emergência decorrente das enchentes que provocaram 27 mortes e desalojaram ou desabrigaram 86 mil pessoas. Segundo a gestora da Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab), o que se vê na portaria nº 80 do Ministério da Saúde, publicada no Diário Oficial da União, é uma antecipação de recursos que já eram de direito dos municípios e se desconta ao longo do ano.

 

“É com surpresa e espanto que vemos essa atitude. São mais de 800 mil pessoas afetadas e os municípios encontram-se com estruturas arrasadas, sendo necessário recursos adicionais, não uma antecipação do que já era de direito das prefeituras. O Governo da Bahia tem recuperado pontes, estradas, enviado insumos, medicamentos e profissionais de saúde com recursos próprios e até o momento, o Ministério da Saúde enviou apenas 58 médicos dos 109 prometidos”, afirma a secretária da Saúde da Bahia, Tereza Paim.

 

De acordo com a portaria ministerial, “o gestor municipal de saúde poderá manifestar interesse pelos percentuais de dedução mensal de 30%, 30%, 20% e 20% ou 40%, 30%, 20% e 10% dos valores [antecipados]”, afirma o documento assinado pelo ministro Marcelo Queiroga. O total estimado para essa antecipação é de R$ 104 milhões para 155 municípios baianos. Com a perda de equipamentos, insumos e até a destruição de Unidades Básicas de Saúde, os municípios lutam para reestruturar os serviços essenciais de saúde e evitar doenças como leptospirose, Dengue, Chikungunya, Influenza A e Covid-19 na população.

Álcool é uma das maiores causas de internamento por traumas em hospitais
Foto: Freepik

Uma pesquisa mostrou que 31,4% das pessoas internadas por trauma no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina (HC/FM-USP) apresentavam traços de consumo de substâncias psicoativas.O estudo foi realizado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e colaboração de pesquisadores do Hospital Universitário de Oslo, na Noruega.

 

O álcool foi a substância mais encontrada, com 23%, seguido da cocaína (12%) e da maconha (5%). Em 9% das amostras de sangue foram encontrados sinais de mais de uma droga. O estudo foi feito entre julho de 2018 e junho de 2019 com pacientes maiores de 18 anos que tiveram lesões traumáticas por acidentes de trânsito, quedas e episódios de violência, como agressões, armas de fogo e esfaqueamentos.

 

Entre os pesquisados, 44% apresentaram algum padrão de consumo prejudicial de álcool. Com idade média de 36 anos, os 376 participantes do estudo, dos quais 80% eram homens, foram recrutados dentro do próprio Hospital das Clínicas. As amostras de sangue eram coletadas depois de os pacientes já estarem estabilizados, no máximo seis horas depois do acidente. Os voluntários também responderam questões socioeconômicas.

 

Segundo a pesquisa, das hospitalizações analisadas, 56% foram causadas por acidentes de trânsito, e quase metade delas envolveu motociclistas. Entre estas pessoas, 31% tiveram resultado positivo em testes sobre uso de entorpecentes. Entre os voluntários do estudo, a prevalência de consumo de substâncias psicoativas era maior em homens (35%), indivíduos entre 18 e 39 anos (41%), solteiros (43%) e pacientes que sofreram traumas no período noturno (44%).

 

“São grupos que tendem a consumir mais drogas e a se expor mais a situações de risco. O álcool ainda é a substância de maior preocupação em relação à saúde pública. O dado interessante é que os mais impactados por esses acidentes foram os motociclistas. Pela primeira vez, motociclistas ultrapassaram pedestres em taxa de letalidade, porque eram o principal grupo atingido. Desde 2018, eles ocupam a primeira colocação, talvez pelo aumento do número de aplicativos de entrega”, disse Henrique Bombana, um dos autores do estudo e pesquisador colaborador do Centro de Ciências Forenses da FM-USP.

 

Bombana destacou que, quanto mais grave o acidente, maior a prevalência do uso de drogas. “Alguns estudos já demonstram que pacientes com lesões traumáticas que fizeram uso de substâncias estimulantes, como cocaína, tendem a ter lesões mais graves do que aqueles que não usaram nada. Nós conseguimos observar, comparando com outros estudos, que também com motoristas no trânsito, a sequência do uso do álcool e drogas aumenta com relação a acidentes e mortes."

 

Treze por cento dos participantes da pesquisa foram hospitalizados em decorrência de atos violentos. Metade apresentava lesões por armas de fogo, um quarto por agressões físicas e um quinto por traumas penetrantes, como esfaqueamentos. Nesse grupo, foi maior a prevalência de uso de álcool e drogas ilícitas (44%) e mais baixa a média de idade (31 anos). Nas agressões físicas, as amostras positivas para entorpecentes chegaram a 75%.

 

As internações provenientes de quedas representaram 32% dos indivíduos, com idade média de 42 anos, dos quais 29% haviam consumido álcool ou drogas ilícitas. O estudo também indicou que a prevalência do uso de cocaína foi maior entre os pacientes e que a combinação entre álcool e cocaína foi a mais encontrada nas amostras dessa investigação.

Diretores da Anvisa recebem ameaças após aprovação de uso da Coronavac em crianças
Foto: Reprodução / Marcelo Camargo / Agência Brasil

Diretores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), voltaram a receber ameaças devido à vacinação de crianças.

 

Momentos após a aprovação do uso da Coronavac em crianças, ameaças e ofensas foram enviadas para os e-mails institucionais.

 

De acordo com o jornal 'O Globo', em um deles, a pessoa se identifica como Nilza e acusa os funcionário da Anvisa de colocarem "vida inocentes numa grande roleta russa" e afirma que os servidores são vitimas de uma "maldição":

 

"(...) o preço a ser pago será terrível não quero estar na sua pele e oro a Deus em desfavor de todos que tem causado dor e sofrimentos ao seu próximo, lembre se o próximo pode ser dentro de sua família (sic.)".

 

Em dezembro de 2021, o presidente Jair Bolsonaro ameaçou divulgar os nomes dos técnicos que aprovaram a vacina da Pfizer contra a Covid-19. Desde então, técnicos e diretores da Anvisa afirmam que estão sendo vítimas de perseguições e ameaças.

 

Segundo o g1, ao todo, os funcionários da agência já receberam mais de 300 e-mails ameaçadores.

Aristides Maltez suspende atendimento a novos pacientes após surto de Covid na Bahia
Foto: Reprodução / Divulgação

O Hospital Aristides Maltez (HAM) irá suspender o atendimento a novos pacientes, A realização de cirurgias eletivas e visitas hospitalares a pacientes internados em enfermarias a partir da segunda-feira (24), após o aumento de casos de Covid-19 na Bahia.

 

Em nota oficial, a direção do hospital afirma que a medida foi tomada para garantir o atendimento aos casos graves que já ocupam leitos na unidade, neste caso, pacientes de quimioterapia e radioterapia.

 

"Infelizmente, estamos sendo obrigados a suspender a triagem, ou seja, durante a próxima semana, não receberemos novos pacientes e não realizaremos cirurgias eletivas. Assim, podemos garantir o atendimento aos pacientes mais graves, como aqueles internados, os que realizam Quimioterapia e Radioterapia, os que precisam passar por cirurgias de emergência e urgência, e os que necessitam de UTI", afirmou o diretor administrativo do hospital, Washington Couto.

 

A suspensão de consultas agendadas para o ambulatório será mantida até o dia 28 de janeiro.

 

"Os pacientes agendados para ambulatório , terão as consultas suspensas entre os dias 24 e 28 de janeiro. Esperamos conseguir reduzir número de pessoas com COVID-19, inclusive, entre o nosso quadro de colaboradores".

 

O atendimento nos ambulatórios gerais será restrito aos pacientes em revisão de pós-operatório, Cuidados Paliativos, Clínica de Dor, PAPO (distribuição de bolsas) e Ambulatório de PICC. As novas medidas poderão ser revistas a qualquer tempo. 

Leões são diagnosticados com Covid-19 na África do Sul e preocupam pesquisadores
Foto: Pixabay / Pexels

Leões de um zoológico da África do Sul foram infectados pelo novo coronavírus através de seus tratadores e desenvolveram sintomas graves da doença. O estudo que revelou o caso foi finalizado na última terça-feira (18) e preocupa pesquisadores, que temem que o vírus se espalhe entre os animais na natureza e crie novas mutações, mais resistentes às vacinas. As informações são da Época Negócios.

 

Por meio de amostras sequenciadas dos leões e dos humanos infectados, os pesquisadores conseguiram determinar que tanto os animais quanto os tratadores estavam infectados com a variante Delta.Os leões se recuperaram após 25 dias, mas apresentaram PCR positivo por mais de três semanas adicionais.

 

Em certos locais, os leões são frequentemente alimentados por humanos em vez de caçar por si mesmos, o que aumenta a chance de exposição ao vírus. Apesar do estudo não deixar claro quanto de carga viral os leões estavam carregando ou se eles foram capazes de transmitir o vírus durante todo o período em que testaram positivo, períodos prolongados de infecção em grandes felinos aumentariam o risco de um surto na natureza se espalhar mais amplamente e infectar outras espécies, disseram os pesquisadores.

 

Isso poderia eventualmente tornar o vírus endêmico entre os animais selvagens e, na pior das hipóteses, dar origem a novas variantes que podem retornar aos humanos.

 

"Se você não souber que é covid, existe o risco de que possa se espalhar para outros animais e depois voltar para os humanos", disse Marietjie Venter, professora de virologia médica, que se uniu a um cientista veterinário de vida selvagem para o estudo. Os animais foram infectados por tempo suficiente "para que o vírus pudesse realmente sofrer mutações", disse ela.

Governo federal tem interesse na compra da Coronavac para crianças, diz Butantan
Foto: Geovana Albuquerque / Agência Saúde DF

O Instituto Butantan confirmou nesta sexta-feira (21) que o Ministério da Saúde tem interesse na compra de sete milhões de doses da vacina Coronavac. As informações são da CNN Brasil.

 

De acordo com o Instituto, o Ministério da Saúde enviou um ofício solicitando informações de quantas doses estariam disponíveis e manifestando interesse na encomenda do imunizante. De acordo com a pasta, o interesse é de se comprar sete milhões de doses do imunizante.  

 

Na tarde de ontem, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso da vacina Coronavac contra a Covid-19 em crianças e adolescentes de 6 a 17 anos, com restrição em imunossuprimidos (veja aqui). 

Histórico de Conteúdo