Centro de Controle de Zoonoses inspeciona bairros para combate ao Aedes aegypti
Foto: Alexandre Carvalho

A Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) realiza, até a próxima sexta-feira (21), inspeção em imóveis e bocas de lobo para combate ao mosquito Aedes aegypti. A ação acontecerá em localidades com o índice de infestação de risco de acordo com o último Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) divulgado em outubro.

 

"Esse é o momento do ano em que é mais propício tanto para o desenvolvimento mais rápido do mosquito quanto para a transmissão mais rápida da doença, que é o favorecimento desse clima de sol com chuvas espaçadas. O objetivo é deixar o ambiente na melhor condição possível para erradicar os focos de Aedes", explicou a subgerente das Arboviroses do CCZ, Isolina Miguez.

 

Até esta quarta, as visitas acontecem em imóveis dos bairros de Guarani, Engomadeira, Tancredo Neves, Vale dos Lagos, Lobato, São João do Cabrito, Fazenda Coutos, Coutos e Vista Alegre. Já na quinta e sexta-feira, será realizada inspeção e borrifação em bocas de lobo nos bairros de Caminho das Árvores, Itaigara, Pituba e Rio Vermelho.

 

Apesar da redução do LIRAa, Salvador permanece em estado de alerta para ocorrência de uma epidemia de dengue, zika vírus e chikungunya. Segundo a Secretaria Municipal da Saúde (SMS), de janeiro a outubro, a capital baiana registrou 1.310 casos prováveis de dengue, sendo 41 confirmados. Foram notificados ainda, 82 casos de Chikungunya e 75 de Zika, com confirmação de 11 e 18 casos, respectivamente.

Surtos e baixa vacinação: Brasil pode perder certificado de erradicação do sarampo em 2019
Foto: André Borges / Agência Brasil

O Brasil pode perder o certificado de erradicação do sarampo caso novos casos sejam registrados até fevereiro de 2019. A doença estava erradicada no país desde 2016, quando o certificado foi concedido pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

 

Até o último dia 10, foram confirmados mais de 10 mil casos de sarampo (veja aqui). Somado a isso, o país tem registrado queda na cobertura vacinal da população. Em 2017, o Ministério da Saúde registrou o menor índice de vacinação em crianças menores de um anos dos últimos 16 anos. Todas as vacinas recomendadas para adultos também estão abaixo da meta de cobertura ideal.

 

Em 2018, a campanha de vacinação contra sarampo e poliomielite para crianças de um a cinco anos atingiu a meta de 95%. No entanto, a cobertura em adultos permanece baixa, assim como o acumulado para outras vacinas. Segundo o G1, a taxa de cobertura da tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) é de apenas 4,7% no acumulado entre 1994 e 2018. A meta é 95%.

 

Para Renato Kfouri, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunização, o surto de sarampo está diretamente associado à queda na cobertura vacinal. "A nossa última epidemia foi no Ceará em 2016. Foi no encerramento dessa epidemia que recebemos a certificação da eliminação do vírus. Essa era a nossa situação até o surto na Venezuela e a migração na nossa fronteira em Roraima primeiro e depois no Amazonas", afirmou.

 

"A cobertura vacinal não estava adequada, indivíduos da Venezuela com sarampo, encontraram vários suscetíveis. Isso reflete a nossa baixa cobertura e não é culpa dos venezuelanos, se fosse um italiano, um russo ou americano... a responsabilidade é nossa que não estávamos devidamente vacinados", avaliou Kfouri.

Campanha Dezembro Laranja chama atenção para a prevenção e o diagnóstico do câncer de pele
Foto: Divulgação

Um sinal vermelho pequeno nas costas serviu de alerta para a administradora Iara Barreto, 28, procurar um dermatologista. Após biopsia, veio o resultado: melanoma maligno de pele, o tipo mais raro e grave do câncer de pele. O diagnóstico assustou, mas o tratamento foi muito mais simples e tranquilo do que ela imaginava.

 

“Como estava muito recente, tinha aproximadamente três meses, não precisei fazer tratamento com imunoterapia, nem com radioterapia ou quimioterapia. As margens do sinal vermelho estavam livres, sinal de que o câncer não tinha se espalhado para outras partes do corpo. Então, a cirurgia foi mais para garantir que nada tivesse se espalhado”, conta a jovem.

 

O procedimento foi realizado, há pouco mais de um ano, e a cura veio justamente por causa do diagnóstico precoce. Segundo o dermatologista Ricardo Libório, professor do curso de Medicina da FTC, ao perceber sinais diferentes dos demais no corpo a pessoa deve procurar um dermatologista, como fez Iara. “Tumores pequenos, de um centímetro no máximo, têm grande chance de cura com uma pequena cirurgia. Se o diagnóstico de melanoma for tardio, pode ser fatal”, alerta. Ainda de acordo com o médico, o mais comum é o tumor não provocar dor, mas, em alguns casos, pode apresentar sangramento e a atenção do paciente tem que ser ainda maior.

 

Para estimular a população para a prevenção e o diagnóstico do câncer de pele, a Sociedade Brasileira de Dermatologia realiza a campanha “Dezembro Laranja”, que terá ações de conscientização até março de 2019, ou seja, ao longo de todo o verão. A estimativa do Instituto Nacional de Câncer (INCA), é de que 6.260 novos casos de melanoma cutâneo, que é o tipo de câncer de pele originado nos melanócitos (células produtoras de melanina, substância que dá cor à pele), sejam detectados no país em 2018. Já os carcinomas basocelular e espinocelular, que são os dois tipos menos graves e que correspondem a cerca de 30% de todos os tumores malignos registrados no Brasil, devem somar 165.580 casos este ano.

 

De acordo com Dr. Libório, o fator genético é importante, mas a exposição aos raios ultravioleta é o principal fator de risco para desenvolvimento do câncer de pele. Para o especialista, o movimento Dezembro Laranja é super importante e traz uma mensagem orientadora. “Não é para você deixar de tomar sol agora no verão, mas tem como se prevenir da exposição excessiva. A Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda se expor ao sol até 10h ou após as 16h. É preciso evitar os momentos de maior incidência. Além disso, usar protetor solar, no mínimo, fator 30 e repor de três em três horas”, orienta Libório.

Estudo indica resultados positivos de vacina contra HIV após testes em macacos
Foto: Creative Commons

Uma vacina contra HIV apresentou resultados positivos em testes realizados por pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos EUA, em primatas não-humanos. Embora ainda distante de testes clínicos em humanos, o estudo prova que a estratégia, desenvolvida desde a década de 1990, está no caminho certo.

 

"Descobrimos que anticorpos neutralizantes que foram induzidos pela vacinação podem proteger os animais contra vírus que se parecem muito com o HIV no mundo real", diz Dennis Burton, presidente do Departamento de Imunologia e Microbiologia da Scripps Research e diretor científico da Iniciativa International de Vacina contra a Aids (IAVI).

 

Segundo o G1, o estudo mostra que os macacos rhesus podem ser estimulados a produzir anticorpos neutralizantes contra uma cepa do HIV similar à forma que comumente infecta pessoas. A pesquisa também fornece a primeira estimativa de níveis de anticorpos neutralizantes induzidos pela vacina necessários para proteger contra o HIV.

 

A vacina foi testada em dois grupos de macacos rhesus. A mesma substância já havia sido usada anteriormente em macacos que desenvolveram naturalmente baixos níveis de anticorpos.

 

"Desde que o HIV surgiu, esta é a primeira evidência que temos de proteção baseada em anticorpos contra um vírus Tier 2 após a vacinação. Uma questão agora é como podemos obter esses altos níveis em todos os animais?"- Matthias Pauthner, pesquisador associado da Scripps Research e co-autor do estudo.

Empresária cria cerveja que ajuda no combate a efeitos colaterais do tratamento
Foto: Divulgação

Usada no tratamento de câncer, a quimioterapia pode causar muitos efeitos colaterais, a exemplo da disgeusia, que reduz o paladar do paciente. Dessa forma, todos os alimentos acabam com sabor amargo.

 

Na tentativa de melhorar a qualidade de vida dos pacientes nesse sentido, uma empresa da República Tcheca chamada Mamma Beer decidiu lançar uma cerveja especial para esse público.

 

Segundo o site Hypeness, o produto foi criado pela CEO da Mamma Beer, Jana Drexlerova. Ela é uma sobrevivente do câncer e, durante a luta contra a doença, teve muita dificuldade para se alimentar.

 

"Quando finalmente recuperei o apetite, tudo o que eu podia comer era uma sopa fria de tomate, e mesmo isso não tinha sabor", afirmou em entrevista ao site Oddity Central.

 

Além de ajudar a superar a disgeusia, a cerveja possui várias vitaminas e sais minerais fundamentais para recuperação da imunidade dos pacientes. Em parceria com uma cervejaria local, a Zatec, Jana lançará uma versão limitada da cerveja, que será distribuída exclusivamente em farmácias e hospitais do país.

Anvisa identifica e proíbe quatro novas drogas sintéticas com efeitos alucinógenos
Foto: Shutterstock

Quatro novas substâncias ilícitas foram proibidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). De acordo com nota do órgão, as drogas sintéticas identificadas causam efeitos alucinógenos e já foram apreendidas pela Polícia Federal e por algumas Polícias Civis, sob a forma de selos, pó ou comprimidos.

 

"Essas drogas apresentam estrutura molecular e efeitos similares aos de outras já conhecidas e proibidas, como os alucinógenos LSD e NBOMe (também conhecido como N-bomb ou Smiles), que apresentam alto potencial para uso abusivo, representando risco à saúde dos usuários", diz a nota.

 

As substâncias foram identificadas como 25B-NBOH, 25C-NBOH, 25E-NBOH e 25H-NBOH.

 

As drogas proibidas pela Anvisa são identificadas como novas substâncias psicoativas (NSPs), da classe das feniletilaminas, e não apresentam nenhum uso medicinal reconhecido. Conforme definição adotada pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), as NSP são substâncias de abuso não controladas internacionalmente, mas que podem causar riscos à saúde pública.

 

A Anvisa ressaltou que os usuários desses produtos ficam expostos a altos riscos e a efeitos imprevisíveis, como convulsões, psicose aguda, dependência e morte. "Ainda há pouca informação científica disponível sobre as NSPs. Isto porque, geralmente, a real composição do produto consumido é mascarada ou desconhecida, pois pode ser vendido com o mesmo nome da droga cujo efeito busca imitar", explicou a agência.

Ministério da Saúde faz alerta sobre importância da vacinação antes de viagens
Foto: Diogo Moreira / A2img

Com a proximidade das festas de final de ano, o Ministério da Saúde emitiu um alerta para as pessoas que pretendem viajar sobre a importância de manter a caderneta de vacinação atualizada. A pasta ressaltou que, pelo menos 10 dias antes da viagem, o turista deve atualizar a vacinação de acordo com as orientações do Calendário Nacional de Vacinação.

 

De acordo com o comunicado, os viajantes devem dar atenção especial ao sarampo, hepatites A e B, e a febre amarela. Orientações sobre a preparação, durante e pós-viagem, estão disponíveis no Portal do Viajante (clique aqui), que traz informações valiosas para quem pretende passar um tempo fora de casa e até do país.

 

A pasta lembrou ainda que uma das doenças de maior risco de transmissão no verão, e que é totalmente prevenível com a vacina, é a febre amarela. Desde 2017, com o registro da doença em áreas com grande contingente populacional, a vacina é recomendada não só para quem vai a áreas consideradas endêmicas, como a região amazônica. Hoje mais de 4 mil municípios são considerados áreas com recomendação de vacinação.

 

“Apesar de alerta permanente, ainda existem locais com grande quantidade de pessoas não vacinadas, ou seja, que estão sob risco de infecção”, reforçou Carla Domingues, coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Mais Médicos: 30% dos selecionados ainda não se apresentaram nos municípios
Foto: Divulgação / Portal Brasil

O Ministério da Saúde informou que, até as 10h desta segunda-feira (17), cerca de 30% (2.476) dos profissionais selecionados para o Programa Mais Médicos ainda não se apresentaram nos municípios onde foram alocados. O prazo se encerra nesta terça, após prorrogação definida pela pasta.

 

De acordo com o balanço, 5.935 profissionais já compareceram aos municípios. No total, 8.411 médicos se inscreveram na primeira fase de seleção do programa.

 

Após o fim da primeira etapa de seleção, 106 vagas não foram preenchidas, a maioria em distritos indígenas. Para ocupar essas vagas, o Ministério da Saúde lançou a segunda etapa do edital, para brasileiros e estrangeiros formados no exterior sem revalidação do diploma (veja aqui).

Pesquisadores identificam importante fator genético para desenvolvimento de acne
Foto: iStock

O uso de cosméticos é comum entre pessoas que sofrem com acne. No entanto, para muitos, o problema é apenas amenizado, já que as espinhas podem estar relacionadas a fatores genéticos. Cientistas europeus do Instituto Nacional de Pesquisa em Saúde (NIHR) descobriram que a acne está relacionada às características dos folículos pilosos, de onde nascem os pelos.

 

O estudo analisou 26.722 indivíduos, dos quais 5.602 tinham acne grave. Foram identificadas, segundo a revista Super Interessante, 15 regiões do genoma humano ligadas a esse problema, sendo que 12 nunca haviam sido relacionadas a essa condição. Nessas áreas, foram identificadas variantes que alteram a formação dos pelos.

 

“Essas variantes podem indicar caminhos para a criação de novos medicamentos ou tratamentos que realmente ajudariam os pacientes”, disse Michael Simpson, que participou da pesquisa. Os cientistas esperam que a nova descoberta ajude no desenvolvimento de terapias para o problema.

Spray com compostos de maconha alivia sintomas de doenças neuromotoras
Foto: Divulgação

Estudo desenvolvido por pesquisadores italianos concluiu que um spray com dois compostos derivados da maconha – combinado com drogas antiespasmódicas – é capaz de aliviar sintomas de pacientes com doenças neuromotoras. Maior causa de incapacitação entre esses pacientes, a chamada espasticidade causa rigidez muscular e fortes contrações involuntárias (espasmos).

 

Liderada por Nilo Riva, do Instituto Científica San Raffaele, a equipe realizou um ensaio clínico com 60 adultos voluntários para investigar se o spray nabiximols poderia ajudar pessoas com esclerose lateral amiotrófica (ELA). O produto é comercializado no Reino Unido com o nome Sativex e contém partes iguais de delta-9-tetrahidrocanabinol (THC) e canabidiol (CBD). Ele é indicado para aliviar sintomas de esclerose múltipla.

 

"Nosso ensaio de prova de conceito mostrou um efeito benéfico do THC-CBD em pessoas resistentes aos tratamentos para a espasticidade e com dor. Mas apesar dos resultados encorajadores, ainda precisamos confirmar que o spray de THC-CBD é eficaz e seguro em um ensaio maior e de mais longo prazo de fase 3", afirmou Riva, segundo o jornal O Globo.

 

Os voluntários do estudo tinham idade entre 18 e 80 anos, com diagnóstico de ELA ou esclerose lateral primária e sintomas de espasticidade há pelo menos três meses. Eles foram divididos em dois grupos: um foi tratado com o spray, enquanto o outro recebeu um placebo.

 

Ao final de seis semanas, os cientistas concluíram que a espasticidade foi significativamente aliviada no grupo que usou o spray. Para análise, foi usada uma escala padronizada conhecida como Escala Modificada Ashworth e diários dos pacientes sobre os sintomas. Os níveis relatados de dor também foram menores entre os pacientes que utilizaram o spray.

Histórico de Conteúdo