Viver Bem: Alerta de componentes em produtos é ponto de partida para mudança de hábitos
Foto: Divulgação

Na correria do dia a dia, ir ao supermercado tende a ser uma tarefa rápida. Isso muda no caso das pessoas portadoras de alguma doença ou intolerância alimentar que, por conta da necessidade de ler atentamente os rótulos dos produtos, costumam demorar muito mais do que o usual para fazer as compras. Mas esse cenário pode mudar para melhor em breve.

 

Aprovado na última semana pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado Federal, o projeto de lei (PL) redigido pelo senador Jorge Kajuru (PSB-GO) prevê que alimentos com alto teor de açúcar, sódio e gorduras devem ter um aviso na parte frontal da embalagem alertando para essa composição nutricional. A nutricionista do Hapvida Saúde, Geilma Rocha, destaca o cenário positivo caso o projeto entre em vigor. “Comparar a quantidade de um determinado ingrediente e assegurar uma alimentação saudável será um dos principais impactos dessa PL. É importante frisar que a reeducação alimentar deve ser uma das premissas básicas para o controle das doenças crônicas não transmissíveis”, destaca.

 

A proposta ainda passará pela Comissão de Transparência e, se aprovada novamente, seguirá para a Câmara dos Deputados. Caso entre em vigor, um dos principais beneficiados serão os diabéticos, que terão uma informação mais rápida e precisa sobre a presença do açúcar nos alimentos. “Nem todo produto diet está isento de açúcar. Neste novo contexto, a adesão ou exclusão do alimento na dieta será facilitado”, explica.

 

VIVER BEM É POSSÍVEL

Com o intuito de oferecer qualidade de vida a quem foi diagnosticado com o diabetes, o Hapvida conta com o projeto Viver Bem. Com funcionamento na capital baiana, o programa capta os pacientes com exames alterados que indiquem que ele seja portador da doença. São selecionados os pacientes Hapvida maiores de 18 anos residentes em Salvador e região metropolitana que tenham exame de Glicemia de jejum acima de 126mg/dL, Glicemia pós-prandial acima de 200mg/dL ou Hemoglobina Glicada acima de 6,5%. O acompanhamento é feito com consultas periódicas com enfermeiro e atendimento com médico especializado em Medicina de Família, que fará um tratamento dirigido ao diabetes e às doenças mais comumente associadas, como a hipertensão arterial e a dislipidemia.

Histórico de Conteúdo