Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Isolamento social torna necessário que pais e escolas se reinventem na educação das crianças
Foto: Arquivo Pessoal

O isolamento social causado pelo novo Coronavírus tornou necessário que as escolas e que os pais precisassem se reinventar para dar continuidade à educação das crianças no formato home office. De acordo com pesquisa realizada pelo estudo “Educação em Pausa”, da Unicef, a pandemia atrasou em quatro anos a educação no Brasil. Estamos passando por um momento atípico e, por mais que alunos e professores tenham se destacado e se reinventado frente aos novos desafios, é preciso estar atentos e oferecer suporte para que continuem realizando trocas significativas e intencionais para a aquisição de novos e importantes conhecimentos.

 

De acordo com estudo feito pelo Banco Mundial sobre o impacto da Covid-19 na Educação dos países da América Latina e Caribe, dois a cada três alunos não sabem ler adequadamente um texto simples aos 10 anos. O acompanhamento pedagógico se torna um grande aliado, auxiliando a compreender as necessidades dos alunos, suas limitações e potencialidades. Diante desse cenário, no Grupo Perfil adotamos o Plano de Acompanhamento Personalizado, que nos permite dar uma maior assistência e acompanhamento nas Práticas de Leitura, Escrita e Oralidade, além de desenvolver habilidades importantes para a matemática.

 

O envolvimento dos pais nesse processo é o diferencial para o sucesso no desenvolvimento infantil. Os pais costumam trazer demandas, como percepção de dificuldades comportamentais/emocionais percebidas em casa e juntos trabalhamos para o bem-estar da criança em questão.

 

O acompanhamento mais profundo da escola com os estudantes no processo pós-pandemia também é importante para os desdobramentos psicológicos e sociais dos alunos. Viver no coletivo, respeitar regras, colegas e profissionais. Esse auxílio também chega no desenvolvimento da inteligência socioemocional e do senso crítico, assim como  na organização de material, comprometimento com os estudos e construção de rotina.

 

*Joelma Figueiredo é Psicopedagoga no Grupo Perfil e Especialista em Neuropsicologia da Educação

 

*Os artigos reproduzidos neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do Bahia Notícias

Histórico de Conteúdo