Segunda, 13 de Julho de 2020 - 09:30

Como tratar as dores provocadas pela Chikungunya

por Anita Rocha

Como tratar as dores provocadas pela Chikungunya
Foto: Divulgação

Dores intensas nas articulações durante semanas, meses e até anos. Essa é a realidade de milhares de pessoas infectadas pela Chikungunya, vírus transmitido pela picada do mosquito Aedes aegypti. A Bahia registrou um aumento de 434% casos da doença, pulando de 4.365 entre dezembro de 2018 e junho de 2019, para 23.311 entre dezembro de 2019 e 2 de junho de 2020. Com esse crescimento expressivo, a preocupação das pessoas é como tratar a dor que perdura no pós-Chikungunya.


Esse crescimento assustador de casos tem sido um desafio na qualidade de vida dessas pessoas. As sequelas da Chikungunya têm se traduzido em um grande sofrimento para os pacientes, muitas vezes incapacitantes, impossibilitando a realização de atividades simples, até mesmo caminhar.


Mas como lidar com essa dor? Existe algum tipo de tratamento que possa amenizar o problema? É fundamental avaliar cada caso individualmente, mas, além das medicações analgésicas, a aplicação de técnicas específicas no tratamento da dor pode contribuir para a redução significativa das dores e melhoria da qualidade de vida dessas pessoas.


Sessões de acupuntura, fisioterapia e bloqueios periféricos e venosos são alguns exemplos de tratamentos que podem ser aliados no alívio da dor provocada pela Chikungunya. 


O sofrimento causado pela Chikungunya de maneira tão intensa na vida das pessoas torna fundamental a abordagem do paciente de forma multidisciplinar, o que pode incluir até mesmo um acompanhamento psicológico, que auxilie o paciente a lidar com as dificuldades provocadas pelas dores, melhorando a sua qualidade de vida e possibilitando o retorno às atividades de maneira mais prazerosa e menos dolorosa.


O Itaigara Memorial Clínica da Dor, inaugurado em junho no Itaigara Memorial Hospital Dia, no bairro do itaigara, oferece um atendimento integral para quem sofre com dores, incluindo as causadas pela Chikungunya, em diversas especialidades, como Fisioterapia, Psicologia, Psiquiatria, Ortopedia, Neurologia, Nutrição e Algologia (médico da dor).

 

*Anita Rocha é médica anestesiologista e responsável técnica do Itaigara Memorial Clínica da Dor.

 

*Os artigos reproduzidos neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do Bahia Notícias

Histórico de Conteúdo