Terça, 26 de Março de 2019 - 11:30

Viver com beleza é uma das preocupações que perpassam todos os segmentos da sociedade

por Patrícia Barros

Viver com beleza é uma das preocupações que perpassam todos os segmentos da sociedade
Foto: Divulgação

As demarcações de um corpo e rosto bonito traduzem insígnias de uma nova ordem que se instaurou e que ganha destaque nestes últimos tempos: corpos fortes, torneados, magros e perfeitos. A sociedade de consumo atual não os exime das exigências quanto ao padrão de beleza que impõe, desconsiderando as inúmeras desigualdades e diversidades existentes.

 

A preocupação com o corpo e rosto saudável, e acima de tudo bonito atravessa contemporaneamente, os diferentes gêneros, faixas etárias e classes sociais.

 

Atualmente observa-se um crescimento da busca pela beleza e dos modelos propostos pelos segmentos da moda, de bens e serviços em torno do perfeito. O modelo de beleza corresponde a um rosto jovem, corpo magro, sem considerar aspectos relacionados à saúde. A imagem externa parece ser uma marca feminina, onde o número de mulheres que se submetem a dietas para o controle de peso e a procedimentos estéticos vem aumentando gradativamente.

 

O padrão de beleza é veiculado a mensagens de sucesso, controle, aceitação e felicidade. Assim, mulheres acreditam que sendo, jovens, lindas e magras, poderão alcançar todos os seus objetivos, sendo isso a solução para todos os seus problemas.

 

Entretanto, este padrão imposto como o ideal não respeita os diversos biótipos e renda existentes e induz mulheres a se sentirem feias e a desejarem os procedimentos. Para isso, diversas mulheres caem na armadilha e aderem práticas inadequadas, como o uso de remédios, laxantes, jejum prolongado, excesso de atividade física, realização de procedimentos cirúrgicos e estéticos em qualquer lugar e com qualquer profissional, entre outros métodos sem se preocupar com os danos que podem causar a vida.

 

Diante de tais considerações tenho por objetivo realizar uma revisão bibliográfica e avaliar a valorização da imagem através do cuidado emocional subsidiado pela prática da atenção profissional.

 

A imagem corporal é a maneira pela qual o corpo se apresenta para si próprio. A indústria cultural, pelos meios de comunicação, encarrega-se de criar desejos e reforçar a imagem padronizando corpos.

 

O hábito de fazer dietas e de consumir produtos estéticos são uma das preocupações mais marcantes do público feminino, embora demonstrem uma preocupação excessiva com a quantidade de gordura no corpo, elas evitam comidas que "engordam" e expressão o desejo de serem cada vez mais magras e jovens.

 

A importância dada à imagem, aparência, corpo, beleza e estética é notória nos dias atuais, onde o culto ao corpo e ao belo é predominante.

 

A sociedade contemporânea assiste deslumbrada à passagem dos corpos perfeitos, que invadem progressivamente todos os espaços da vida moderna.

 

Vivemos em um mundo em que os meios de comunicação veiculam ou produzem notícias, representações e expectativas nos indivíduos com propagandas, informações e noticiários. Sendo a televisão o veículo de comunicação mais utilizado para o entretenimento e para a educação, representa a maior fonte de informação sobre o mundo, sendo capaz de transmitir aos mais diversos lugares e culturas dados sobre como as pessoas se comportam, o que vestem, o que pensam, o que comem e o padrão de beleza. Os meios de comunicação padronizam corpos, que se vêem fora de medidas sentem-se cobrados e insatisfeitos. O reforço dado pela mídia em mostrar corpos atraentes, faz com que uma parte de nossa sociedade se lance na busca de uma aparência física idealizada.

 

Durante muito tempo, temas como beleza, corpo e estética foram considerados menores no campo das ciências sociais brasileiras. Apesar de alguns autores terem tratado destes temas, já no início do século XX, estes demoraram a surgir em nosso país. No entanto, no final do século XX e início do século XXI, parece ter ocorrido uma verdadeira explosão de trabalhos científicos, em diferentes áreas de conhecimento, que trazem como objetivo central discutir a singularidade do corpo, da construção da beleza e estética na nossa cultura.

 

Pode-se afirmar que o final do século XX e o início do século XXI serão lembrados como o momento em que o culto ao corpo se tornou uma verdadeira obsessão. E a associação corpo e prestígio se tornou um elemento fundamental da nossa cultura brasileira. A busca por um modelo ideal de beleza, nunca foi tão estimulado e valorizado.

 

Ao longo dos séculos, os padrões de beleza mudaram. Nos anos 80, ocorreu um crescimento considerável do mercado relacionado à manutenção do corpo. Nas últimas décadas, além de ter se estabelecido um fascínio pela imagem, que é medida pelo culto ao corpo, passa a ter um espaço privilegiado na publicidade.

 

O aumento da exigência por um padrão de beleza esguio pode ocasionar no indivíduo uma relação entre seu estado emocional, com uma visão não condizente, e a auto percepção da sua imagem corporal, com algum sentimento de insatisfação. A idealização da magreza e beleza pode influenciar o comportamento das pessoas a fazerem ´procedimentos e dietas que prometem rápido resultado.

 

A mídia veicula um modelo de beleza, que é possível apenas para uma parcela da população mundial, já que para conseguir estes padrões envolve custos para diferentes classes sócias e culturais. Além disso, as propagandas existentes, principalmente nas revistas, de uma forma indireta, afirmam que a aparência física é responsável pela felicidade e sucesso, formando uma ilusão de bem-estar que para ser conquistado, será necessário que a pessoa se enquadre no padrão de beleza estabelecida.

 

Diante desta preocupação com o corpo, a imagem corporal se torna um tema de interesse da nossa sociedade, sendo tão preponderante que leva as pessoas a se preocuparem excessivamente com ela. Desse ponto de vista, a noção de estética nos assola, já que, sobretudo na sociedade atual, ela é determinada por padrões culturais que variará de acordo com cada concepção de mundo, fazendo com que haja um corpo típico para cada sociedade. É esse corpo que pode variar de acordo com o contexto histórico e cultural, é o corpo que entra e sai da moda.

 

O estilo de vida contemporâneo evidencia uma necessidade crescente dos indivíduos procurarem formas de se manterem nos padrões estéticos exigidos pela cultura em que, no que se refere ao corpo, prevalecem processos simbólicos funcionais a um mercado controlado por setores hegemônicos que ditem a maneira de ser aceito.

 

Dentre os fenômenos da procura pela beleza, o crescimento da cirurgia plástica estética merece destaque pelo impacto que as alterações corporais, propostas pela medicina da beleza, causam em relação à imagem corporal.

 

Segundo a sociedade brasileira de cirurgia plástica, o brasileiro, especialmente a mulher, se tornou logo após o norte-americano, o povo que mais faz plástica no mundo. A lipoaspiração é a cirurgia mais realizada, seguida da operação das mamas, abdômen, pálpebras e nariz. Dados recentes demonstram que a mulher brasileira é campeã na busca de um corpo e rosto perfeito.

 

 

 

Percebe-se que a preocupação com a beleza é alvo das atenções de toda humanidade, e o cuidado estético tem se expandido a cada dia. Esse processo tem um impacto negativo sobre a autoimagem, principalmente das mulheres que se sentem obrigadas a serem perfeitas.

 

Ressalto a importância que tem a dimensão educativa dos profissionais da área da saúde para a população em geral, particularmente para as mulheres. Orientar e informar sobre hábitos e perigos em procedimentos independentes de lucros financeiros é um desafio que se impõe àqueles que acreditam que a beleza pode e deve ser visto em suas diferentes formas, não se restringindo a padrões modulares estéticos. Dentro de todo esse contexto o ser humano precisa sim, buscar e está satisfeito consigo. Por isso em meu consultório sigo todos os conceitos humanísticos, emocionais e psicológicos, a fim de unir o belo com saúde e possibilidades.

 

* Patrícia Barros é formada em Odontologia e especialista em Implantodontia, Ortodontia,Clinica Geral, Laserterapia e Harmonização Facial

 

* Os artigos reproduzidos neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do Bahia Notícias

Histórico de Conteúdo