Anvisa permite dobrar número de voluntários em testes de vacina da Pfizer no Brasil
Foto: Reprodução / G1

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou nesta sexta-feira (18) a ampliação, no Brasil, dos testes clínicos de uma potencial vacina contra a Covid-19 em desenvolvimento pela farmacêutica Pfizer.

 

Com a medida, o número de participantes brasileiros passará de 1.000 para 2.000, segundo a Folha de São Paulo. 

 

Os testes são feitos em São Paulo e Bahia. Inicialmente, o estudo previa envolver até 29 mil voluntários em diferentes países, incluindo o Brasil. Agora, a previsão é que o total de participantes seja ampliado para 44 mil, de acordo com a empresa.

 

Além da ampliação no número de voluntários, a agência deu aval também para uma mudança na faixa etária dos participantes, cuja idade mínima passa de 18 anos para 16 anos.

 

A mudança ocorre após solicitação do laboratório, que conduz testes em conjunto com a empresa alemã de biotecnologia BioNTech. Além da possível vacina da Pfizer, o Brasil tem outros três estudos clínicos em andamento de potenciais imunizantes contra a Covid.

 

O primeiro a obter aval para testes foi a vacina em desenvolvimento pela Universidade de Oxford com a farmacêutica AstraZeneca, o que ocorreu ainda em junho.

 

Em seguida, tiveram autorização para estudos a empresa chinesa Sinovac, que conduz pesquisas em parceria com o Instituto Butantan, a empresa norte-americana Pfizer e a Janssen, braço farmacêutico da Johnson & Johnson.

 

Essa não é a primeira mudança em testes clínicos de vacinas.

 

Na terça (15), a agência autorizou a ampliação do número de voluntários que devem fazer parte, no Brasil, de estudos da vacina em desenvolvimento pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca. Com isso, o total de participantes no país deve passar de 5 mil para 10 mil.

 

Além de permitir que seja ampliado o número de participantes, a agência também autorizou uma mudança na faixa etária de testes da vacina, que passa a incluir participantes maiores de 69 anos.

Brasil contabiliza 858 óbitos por Covid-19 em 24h, diz Ministério da Saúde
Foto: Reprodução

Dados atualizados pelo Ministério da Saúde sobre a Covid-19 no Brasil nesta sexta-feira (18) confirmam um acumulado de mais de 4,4 milhões de registros de infecções pela doença desde o início da pandemia. 


Deste total, 39.797 casos foram registrados nas últimas 24h. No mesmo período diário foram contabilizados 858 óbitos por agravamento da doença. 


O total de óbitos desde o início da pandemia é de 135.793. O índice de letalidade da doença está em 3%. 


VEJA SITUAÇÂO DA COVID-19 NOS ESTADOS: 

 

Santa Casa de Jequié inaugura maior estrutura de reabilitação do Norte e Nordeste
Foto: Divulgação

Um complexo poliesportivo foi inaugurado no Centro de Reabilitação Nice Aguiar da Santa Casa de Jequié, unidade da Fundação José Silveira (FJS), em uma cerimônia nesta sexta-feira (18). Com o novo equipamento, a unidade se tornou a maior estrutura de reabilitação do Norte e Nordeste, com capacidade de atendimentos ampliada de 20 mil para mais de 45 mil.

 

O novo espaço, construído com recursos próprios da Fundação José Silveira na ordem de mais de R$ 2,4 milhões, possui piscina semiolímpica e quadra poliesportiva, além de um ginásio de reabilitação multidisciplinar, consultórios médicos, pista para treino de marcha, piscina aquecida para fisioterapia aquática e sala para atividades terapêuticas.

 

Em seu pronunciamento, a superintendente da FJS, Leila Brito, relembrou a trajetória de expansão da Santa Casa de Jequié, a primeira unidade no país a atuar com o padrão nacional de excelência da AACD. Na oportunidade, a superintendente anunciou que a Santa Casa está se preparando para o processo de certificação da ONA e informou que a paratleta e medalhista olímpica Verônica Almeida, presente no evento, será treinadora do Centro de Reabilitação.

 

Estiverem presentes o superintendente administrativo-financeiro da Fundação José Silveira, Carlos Dumet, o Presidente da Comissão de Seguridade Social, Deputado Antônio Brito, o ex-coordenador da Santa Casa de Jequié, Alexandre Iossef, além da imprensa local, autoridades, colaboradores, pacientes e seus familiares.

Sexta, 18 de Setembro de 2020 - 18:45

USF é requalificada e entregue no Engenho Velho de Brotas

USF é requalificada e entregue no Engenho Velho de Brotas
Foto: Divulgação/Secom

A Unidade de Saúde da Família Santa Luzia, no Engenho Velho de Brotas, foi requalificado e entregue à população nesta sexta-feira (18) pelo secretário de Saúde do município, Leo Prates. A USF está equipada e conta com equipes completa.

 

A unidade tem capacidade para atender cerca de 800 pessoas por dia, através da atuação de cinco equipes de saúde da família e quatro para atendimentos odontológicos. O posto prestará assistência, prioritariamente, aos moradores da área do Engenho Velho de Brotas, com aproximadamente 20 mil pessoas.

 

Além das consultas, a unidade de saúde vai realizar serviços complementares como curativos, coleta de material para exames laboratoriais, vacinação, realização de visita domiciliar, marcações, dispensação de medicamentos e recadastramento do Cartão do SUS.

 

Com a entrega, a gestão municipal alcança a meta de requalificar 100% das unidades da rede soteropolitana nos últimos oito anos. Outro aspecto importante é que o posto de saúde já dispõe do Alvará Sanitário, documento que atesta que o equipamento cumpre todas as normas exigidas para dar melhores condições de trabalho aos servidores, bem como, garantir a segurança dos pacientes.

 

“Alcançamos duas marcas bastante significativas para população de Salvador. A primeira é ter conseguido requalificar e recuperar 100% das unidades básicas da capital, o que possibilita um atendimento às pessoas em nossa cidade. Também chegamos com a entrega dessa unidade a marca de 120 postos da atenção primária com o Alvará Sanitário, ou seja, nossos serviços cumprem os mesmos padrões de exigência estrutural de clínicas da rede privada, por exemplo”, destacou Prates.

Covid-19: Três bairros de Salvador tem medidas restritivas prorrogadas
Foto: Valter Pontes/Secom PMS

Os bairros do Nordeste de Amaralina, Águas Claras e Santa Cruz terão as medidas restritivas contra a Covid-19 prolongada por mais sete dias. O anúncio foi feito pelo prefeito ACM Neto nesta sexta-feira (18), durante a inauguração da Lagoa dos Pássaros, no Stiep.

 

As atividades econômicas dos três bairros vão continuar funcionando com limitações. Os estabelecimentos que não prestam serviços considerados essenciais só poderão funcionar das 10h às 16h, seguindo os protocolos de segurança para a prevenção do vírus. O comércio nos locais será fiscalizado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur).

 

De acordo com o balanço da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), somente na última quinta-feira (17) foram feitos 42 testes rápidos para detecção do novo coronavírus no Nordeste de Amaralina, sete deles apresentaram resultados positivos. Em Águas Claras, dos 93 testes feitos, 18 foram positivos. Já em Santa Cruz, foram descobertos 26 casos positivos entre os 126 testes aplicados.

 

O prefeito também anunciou o fim das ações setorializadas nos bairros de Pernambués, Mata Escura e São Cristóvão.

Após um período em queda, número de casos ativos volta a crescer na Bahia
Foto: Divulgação/PMS

Após 13 dias com tendência de queda, o número de casos ativos na Bahia voltou a crescer pelo segundo dia consecutivo nesta sexta-feira (18). De acordo com boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde da Bahia, o estado tem 7.384 casos ativos. 


Nas últimas 24h foram registrados 2.364 novos casos, a uma taxa de crescimento de 0,8%. Com os novos casos, o total de infecções no estado durante a pandemia totalizam 292.019. 


Em relação ao número de óbitos, o total geral é de 6.181, tendo sido 49 nas últimas 24h. A taxa de letalidade da doença é de 2,12%. 

Sexta, 18 de Setembro de 2020 - 16:00

Rui quer 'trabalhar para não criar atrito com as bases' após apoio do PDT e PL ao DEM

por Francis Juliano/ Mari Leal

 Rui quer 'trabalhar para não criar atrito com as bases' após apoio do PDT e PL ao DEM
Foto: Mateus Pereira/ GOVBA

Questionado sobre mudanças no governo após a debandada do PDT e do PL para apoiar a candidatura de Bruno Reis (DEM), escolhido por ACM Neto (DEM) para disputar a sucessão em Salvador, o governador Rui Costa (PT), afirmou que vai trabalhar de forma a não criar atrito com as bases. A resposta foi dada pelo gestor durante vistoria de uma ponte que está sendo construída pelo governo do Estado no município de Barra. A ida à cidade marca a viagem 600 de Rui no território baiano. 


“Não vou agir de forma intempestiva, não é o meu estilo. Meu estilo é de serenidade e foco nos nossos objetivos. Nós vamos continuar assim e as alterações do governo vão seguir seu fluxo normal, na medida em que elas se tornarem necessárias”, diz o governador. 


Nos bastidores, a “ponderação” de Rui é vista como uma tática para evitar maiores interferências nos municípios do interior.  


Na última terça-feira (15), o governador garantiu que não prevê mudanças imediatas. “Não paramos para pensar neste momento em nenhuma mudança de governo a ser feita. Temos mudanças a serem feitas, como a Serin [Secretaria de Relações Institucionais] e a Casa Civil. Mas serão feitas no momento adequado que forem necessárias ao bom funcionamento do governo. Não tem nada refletido nesse momento de mudanças de curtíssimos prazos. Nós avaliaremos no momento adequado. Não tem nenhuma decisão tomada para mudanças nas próximas semanas e dias”, explicou Rui durante oficialização da indicação de Fabíola Mansur como vice na chama com a petista Major Denice (reveja). 

Após redução de 68% na pandemia, Hemoba promove dia D da doação de medula óssea
Foto: Divulgação / Sesab

Em virtude da pandemia do novo coronavírus, o número de doadores de medula óssea na Bahia reduziu 68%, em relação ao ano passado. Este sábado (19) marca o dia Mundial do Doador de Medula Óssea e a Hemoba realizará o evento em sua sede, com o objetivo de atentar as pessoas para esse ato tão importante.

 

A ação será na sede do órgão, na Avenida Vasco da Gama, com atendimento entre 7h e 16h.

 

No Brasil, a queda de doadores também é vista. De acordo com dados do Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome), de janeiro a agosto de 2019, o hemocentro registrou 14.595 mil pessoas cadastradas como doadoras. Com a pandemia, o número caiu para 4.589 mil.

 

O diretor geral da Hemoba, Fernando Araújo, explica essa queda no número de cadastros está ligada à ausência de novos doadores de sangue por conta da pandemia.

 

“Ano passado ultrapassamos o teto de 20 mil cadastros até dezembro, que é o determinado pelo Ministério da Saúde. Mas desde o começo da pandemia, temos recebido mais doadores de sangue fidelizados, que, por consequência, também já são cadastrados como doadores de medula. Nossa esperança é captar novos doadores com o dia D”, diz.

 

O presidente do GACC Roberto Sá Menezes ressalta que a diminuição do número de cadastros de doadores representa, também, a redução da esperança das pessoas em tratamento do câncer. “É uma luta contra o tempo e, em muitos casos, representa a única esperança de cura dos nossos pacientes”.

 

Alexandre Pimenta, servidor público e artista plástico, de 34 anos, fez seu cadastro em 2014 em um dos roteiros do Hemóvel sem esperar que entrassem em contato, já que a compatibilidade é rara – uma para cada 100 mil – e no início deste ano foi convocado para realizar a sua doação.

 

Ele conta que um ano depois do seu cadastro seu pai faleceu de leucemia. “Eu acompanhei de perto uma pessoa que poderia precisar de um transplante, então eu estava muito mais sensível à questão. Foi uma experiência incrível. Talvez eu nunca conheça meu receptor, se ele não quiser, mas eu sempre digo que essas coisas só chegam para quem tem o coração aberto”, relata.

 

Os doadores cadastrados têm sua amostra de sangue encaminhada para o Centro de Diagnóstico (CDG) do Grupo de Apoio à Criança com Câncer (GACC) e para o Hospital Universitário Professor Edgard Santos (HUPES) para tipagem de compatibilidade e aguardar até que um paciente com semelhança genética precise de transplante.

 

No caso de Alexandre, a compatibilidade ocorreu com um paciente de 33 anos com leucemia, que vive em Natal, no Rio Grande do Norte. Após o contato do Redome, ele precisou atualizar seus exames e testar compatibilidade outra vez para certificação de semelhança. O transplante foi feito no dia 28 de janeiro, com os todos os custos pagos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Na Bahia, mais de 189 mil pessoas são cadastradas no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome) e 794 baianos já receberam doação de medula desde 2009, quando foi publicada a portaria que regulamenta o cadastro junto ao Instituto Nacional de Câncer (Redome/INCA). Em Salvador, o procedimento é realizado no Hospital Universitário Professor Edgard Santos (HUPES) e no Hospital São Rafael, mas pessoas cadastradas na Bahia podem doar em qualquer estado brasileiro.

 

Para ser um doador de medula óssea, é preciso ter entre 18 e 55 anos incompletos, ter boas condições de saúde, preencher um formulário com dados pessoais e realizar a coleta de uma amostra de 5 ml de sangue para testes de compatibilidade.

 

Os dados pessoais e os resultados dos testes armazenados no sistema são cruzados com os dados dos pacientes que estão precisando do transplante. Em caso de compatibilidade, o doador é chamado para exames complementares e para efetivar a doação.

Especialistas indicam que reabertura das praias no litoral paulista aumentou casos da Covid-19
Foto: Alex Ferraz / Jornal A Tribuna

Localizada no litoral de São Paulo, a Baixada Santista registrou aumento no número de casos da Covid-19 após a reabertura das praias.  

 

De acordo com informações do jornal Estado de S. Paulo, especialistas acreditam que o aumento se dá por causa da lotação das praias entre o último fim de semana de agosto e o feriadão de 7 de setembro.

 

A média diária de casos era de 149 na semana do dia 2 ao dia 8 de setembro. Entre 9 e 15 deste mês, subiu para 196, de acordo com os boletins divulgados pelas prefeituras das cidades litorâneas.

 

O número médio de mortes diárias também subiu, de 5 para 8. Os últimos números apontam que a Baixada Santista contabiliza 52,3 mil casos do novo coronavírus, que resultaram em 1.892 mortes.

 

As cidades com mais casos são: Santos (19.089 casos e 596 óbitos), Guarujá (7.910 casos e 372 óbitos), Praia Grande (7.869 casos e 225 óbitos) e São Vicente (6.158 casos e 387 óbiyos). O estado de São Paulo registra 916.821 infecções e 33.472 mortes.

 

Segundo a Secretaria de Logística e Transportes do Estado, 2,5 milhões de carros estiveram nas rodovias estaduais para viajarem para o interior e para o litoral paulista.

  

No último fim de semana de agosto, esse número foi 1,63% menor, sendo que tinha sido o mais movimentado da pandemia.

 

No entanto, Marco Vinholi, secretário estadual de Desenvolvimento Regional, afirma que é cedo para determinar que as praias foram o fator efetivo para o aumento de casos. "Ainda se compararmos a quantidade de casos e internações dos dias anteriores com os dias posteriores ao feriado, teremos números absolutamente estáveis na região", disse ele, ao Estadão. 
 

Sexta, 18 de Setembro de 2020 - 08:40

Brasil pede mais tempo para decidir se entra em aliança internacional por vacina

por Natália Cancian e Daniel Car | Folhapress

Brasil pede mais tempo para decidir se entra em aliança internacional por vacina
Foto: Foto: Reprodução/ G1

O governo federal informou nesta quinta-feira (17) ter pedido mais prazo para decidir se o Brasil fará parte da Covax Facility, uma iniciativa global para facilitar o acesso de países a vacinas contra Covid-19.O prazo divulgado pela OMS (Organização Mundial de Saúde) para que países informem se vão aderir à iniciativa termina nesta sexta-feira (18).

 

A Covax é uma espécie de aliança e consórcio entre países que visa garantir investimentos para pesquisa, produção e oferta equitativa de vacinas contra a Covid-19. Atualmente, a estratégia acompanha nove estudos clínicos de possíveis imunizantes. O compromisso prevê que, caso alguma delas tenha eficácia, haja o fornecimento de doses para pelo menos 20% da população de cada país vinculado à aliança.

 

A medida também tem apoio de recursos de instituições e doadores internacionais, o que visa ajudar países de menor renda, segundo a OMS. Em nota, a Secretaria de Comunicação do governo diz que "estuda criteriosamente" a participação do Brasil na Covax Facility e que, "assim como outros países, segue em tratativas junto à Aliança Global de Vacinação para a extensão do prazo" para a adesão.

 

"Tal medida se faz necessária para obter mais informações sobre as condições para a aprovação regulatória, instrumento jurídico aplicável, vacinas em desenvolvimento, suas características de armazenamento e transporte logístico", aponta. "Essas definições são especialmente importantes em um país como o Brasil, de dimensões continentais."

 

A Secom, no entanto, não informou quais os pontos em análise. A Folha de S.Paulo apurou que um desses fatores seria o possível custo da adesão, pelo fato do Brasil ser um dos países mais populosos -e a iniciativa prever a oferta de vacina para até 20%. Além disso, caso haja adesão, a ideia que os países façam investimentos iniciais até 9 de outubro. Isso ocorre porque a estratégia prevê a possibilidade de que fabricantes façam investimentos precoces na capacidade de produção, aumentando a chance de uma oferta mais rápida da vacina caso haja eficácia.

 

Na última semana, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, já havia dito que o Brasil ainda estudava aderir ao programa. "Caso optemos pela adesão, o Brasil poderá ser o maior contribuinte", disse o ministro. Atualmente, o Ministério da Saúde já possui um acordo que prevê a compra de 100 milhões de doses de uma vacina em desenvolvimento pela Universidade de Oxford com a AstraZeneca --uma das nove vacinas cujo estudo clínico é acompanhado pela Covax.

 

Ainda não está claro se a medida poderia trazer uma interferência no acordo. A avaliação inicial de membros que acompanham o processo ouvidos pela Folha é que a adesão seria complementar, já que a iniciativa da Covax envolve também outras oito opções de vacinas, mas que a medida ainda precisa ser avaliada.

Famílias de 2 profissionais da saúde da BA mortos pela Covid perderam prazo de seguro
Foto: Paula Fróes/GOVBA

Famílias de dois profissionais da saúde estadual mortos pela Covid-19 perderam o prazo para solicitar o seguro de até R$ 300 mil a que teriam direito com base na Lei n° 14.266, de 22 de maio de 2020. O pagamento do benefício não é automático, a burocracia é grande e inclui uma lista de documentos exigidos que devem ser encaminhadas à Secretaria da Saúde (Sesab) pelos dependentes em um prazo máximo de 30 dias a partir da data do óbito.

 

Para entrar com o pedido do seguro as famílias de trabalhadores da saúde mortos devem reunir um comunicado de falecimento do profissional emitido pela contratada ou pelo(s) dependente(s); cópia do RG e CPF do profissional falecido; dados funcionais do profissional; as escalas de serviço, prevista e executada, atestadas pelo coordenador do serviço e pelo diretor da unidade; documento que comprovem a situação de dependente; atestado de óbito com causa confirmada da Covid-19, comprovado com apresentação de exame realizado ou validado exclusivamente pelo Laboratório Central de Saúde Pública Professor Gonçalo Moniz (Lacen-BA). 

 

A Lei prevê o pagamento do auxílio excepcional e temporário aos profissionais de saúde e de assistência social que atuem em setores ou unidades da rede pública estadual voltadas ao tratamento da Covid-19. O benefício é concedido em duas situações. Tem direito o profissional afastado do trabalho em razão da Covid-19 e com exame comprobatório realizado no Lacen, que tem direito a uma parcela correspondente à diferença entre o valor integral da remuneração, salário ou contraprestação mensal e o benefício previdenciário a que tenha direito em razão do afastamento, limitada ao valor máximo de R$ 30 mil.

 

A outra situação é em caso de confirmação de óbito por Covid-19, em que os dependentes tem direito, uma única vez, ao valor equivalente a 30 vezes o montante da remuneração recebida pelo profissional. Vale lembrar que o auxílio não passa a integrar a remuneração, salário, proventos de aposentadoria ou qualquer forma de contraprestação recebida.

 

De acordo com dados consultados pelo Bahia Notícias junto à Secretaria da Saúde (Sesab), no período entre 30 de março e 17 de agosto seis profissionais que atendiam aos critérios do seguro tiveram óbitos confirmados.  

 

No entanto, até esta quinta-feira (17), houve apenas quatro manifestações de dependentes solicitando o pagamento do seguro por morte. 

 

Em relação ao pagamento de benefício aos profissionais da saúde com diagnóstico positivo para Covid-19 e que ficaram afastados do trabalho, constam 35 processos abertos em tramitação na Secretaria da Saúde. 

 

Assim como o seguro por morte, o auxílio por afastamento também não é automático. É necessário que o profissional reúna uma série de documentos e faça a solicitação. A lista de exigências inclui: comunicado de afastamento do profissional pela contratada; cópia do RG e CPF do profissional; dados funcionais; escalas de serviço, prevista e executada, atestadas pelo Coordenador do Serviço e pelo Diretor da Unidade; e ainda cópia do exame do diagnóstico da Covid-19 realizado ou validado pelo Lacen-BA no caso de afastamento sem internação hospitalar; e para afastamento com internação hospitalar é exigido um atestado de internação. 

Grávidas com Covid-19 tem mais chance de parto prematuro, diz estudo
Foto: TV Brasil

Apesar de ter menos chance de apresentar sintomas da doença, grávidas com Covid-19 podem ter mais chance de ter um parto prematuro e correm mais risco de precisarem ser internadas em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do que mulheres não gestantes da mesma faixa etária. Isso é o que concluiu um estudo conduzido por cientistas europeus e chineses publicado na revista científica britânica The BMJ este mês.

 

Segundo a Revista Galileu, os pesquisadores levaram em conta outros 77 artigos que relatam taxas, características clínicas (sintomas, resultados laboratoriais e radiológicos), fatores de risco e resultados para 11.432 gestantes, puérperas e mulheres não grávidas que testaram positivo para Covid-19 ou estavam sob suspeita de infecção do vírus.

 

Durante a pesquisa, puérperas (com até 45 dias pós-parto) e gestantes se mostraram menos propensas a desenvolver sintomas de febre e dores musculares (mialgia) do que mulheres não gestantes em idade reprodutiva. Em contrapartida, apresentaram maior chance de precisar de internação em UTI e da ajuda de aparelhos para respirar.

 

A probabilidade de parto prematuro foi maior em grávidas e puérperas com Covid-19, em comparação com as que não contraíram o vírus. De acordo com os cientistas, um quarto dos bebês nascidos de mães com o novo coronavírus ficaram em uma UTI neonatal. O índice é maior do que entre os recém-nascidos de mães sem a infecção. As taxas de natimortos (fetos mortos após 20 semanas de gestação) e mortalidade neonatal registradas foram consideradas baixas.

 

O estudo concluiu que fatores de risco maternos associados a quadros graves da Covid-19 em gestantes e puérperas crescem de acordo com a idade. O alto índice de massa corporal, a hipertensão crônica e a diabetes pré-existente também apresentam risco. Os cientistas acreditam que, mesmo com algumas limitações, o estudo reforça a importância dos profissionais da saúde se manterem atentos a grávidas e puérperas com Covid-19, especialmente as que fazem parte do grupo de risco.

Covid-19: Pandemia não deve ser transformada em 'futebol político', diz OMS
Foto: Christopher Black/OMS

O especialista em emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS), Michael Ryan, disse que seria importante para todos os países ter "mensagens consistentes" sobre a pandemia da Covid-19, não transformá-la em um "futebol político". De acordo com o Estadão, a declaração foi dada nesta quinta-feira (17), durante um evento do Dia Mundial da Segurança do Paciente.

 

“O que é importante é que os governos e instituições científicas deem um passo para trás, revisem as evidências e forneçam as informações mais abrangentes e fáceis de entender para que as pessoas possam tomar as medidas adequadas”, disse o especialista ao comentar declarações contraditórias do presidente Donald Trump e das autoridade de saúde dos Estados Unidos. "É entender a confusão, preocupação e apreensão. E não rir disso e transformar em algum tipo de futebol político", criticou.

 

Na última quarta-feira (16), Trump se opôs às declarações do diretor dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, Robert Redfield. Ele afirmou que uma vacina para a Covid-19 poderia ser amplamente lançada em meados de 2021 e que máscaras poderiam ser ainda mais eficazes. 

Bahia vai receber R$ 26 mi para intensificar atenção primária em grupos específicos
Foto: Valter Pontes/Secom

A Bahia será contemplada com mais de R$ 26,3 milhões de um incentivo instituído pelo Ministério da Saúde aos municípios e Distrito Federal para o fortalecimento das equipes e serviços da Atenção Primária à Saúde no cuidado às populações específicas, no contexto da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) decorrente da Covid-19. A medida foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (17).

 

O recurso de custeio se dá em caráter excepcional e temporário e vai beneficiar os 417 municípios baianos.

 

As populações específicas que a medida pretende beneficiar são: população indígena não aldeada; populações dispersas; populações do campo, da floresta e das águas; população ribeirinha; população assentada; população quilombola; população em situação de rua; povo cigano; população circense; população privada de liberdade; adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa; população residente em áreas de comunidades e favela; grupos populacionais que estejam em situação de vulnerabilidade socioeconômica; e demais povos e comunidades tradicionais.

 

De acordo com o Ministério, o incentivo financeiro tem a finalidade de apoiar a gestão local na qualificação da identificação precoce, do acompanhamento e monitoramento de populações específicas com síndrome gripal, suspeita ou confirmação de Covid-19.

Máscaras usadas por profissionais da saúde protegem menos as mulheres, mostra estudo
Foto: Divulgação/PMS

Equipamento imprescindível aos profissionais de saúde principalmente na pandemia, as máscaras são menos adaptadas a forma do rosto de mulheres e pessoas asiáticas. Como consequência disso, esses grupos estão mais expostos a uma infecção pelo novo coronavírus, por exemplo. O fato foi identificado em um estudo publicado em uma revista médica nesta quarta-feira (16), e acende um alerta, uma vez que estimativas de entidades no mundo inteiro indicam que as mulheres representam aproximadamente dois terços do total dos profissionais da saúde em diversos países.

 

Uma das autoras do estudo, a cientista Britta von Ungern Sternberg explica que a eficácia das máscaras filtrantes depende do equipamento estar hermeticamente ajustado, para que o ar não filtrado não passe. 

 

Os autores também ressaltam que a boa adaptação ao rosto da pessoa que usa a máscara é mais importante, em termos de proteção, que sua capacidade de filtração. 

 

Para chegar aos resultados, os cientistas analisaram estudos realizados em diversos países antes da epidemia da Covid-19 para avaliar Equipamentos de Proteção Individual (EPI) dos tipos N95 e N99.

 

Os resultados mostram que as máscaras se ajustavam corretamente em 95% dos homens e em 85% das mulheres. Além disso, a proteção se adaptava a 90% de pessoas de origem caucasiana contra somente 84% de pessoas de origem asiática. A proporção era particularmente baixa, 60% em média, no caso de mulheres asiáticas, resalta reportagem do G1.

Araci: Após morte de bebê, duas pessoas são diagnosticadas com rotavírus em povoado
Moradores teriam sido contaminados pela água | Foto: Reprodução / TV Bahia

Duas das mais de 30 pessoas que passaram mal e foram hospitalizadas depois de beberem água no povoado de Lagoa do Boi, município de Araci, na região sisaleira, foram diagnosticadas com o rotavírus, doença provocada pela ingestão de água ou alimentos contaminados. Um bebê morreu após apresentar sintomas (veja aqui) e um inquérito policial foi aberto para apurar o caso. As informações são do portal G1.

 

Inicialmente, a suspeita era de que a água que abastece a localidade, há cerca de um ano, estivesse contaminada. A Empresa Baiana de Águas e Abastecimento (Embasa), responsável pelo fornecimento de água na região, no entanto, disse que os testes não apontaram contaminação. Por isso, a prefeitura da cidade investiga se a caixa d'água está contaminada.

 

Os sintomas apresentados por alguns moradores foram: vômitos, diarreia e dores abdominais. Vinte e três deles precisaram ser internados, incluindo crianças. Até esta quarta-feira (16), 11 continuavam no Hospital municipal de Araci. Outras cinco estão no Hospital Estadual da Criança, em Feira de Santana.

 

O resultado para o rotavírus, no entanto, foi dos pacientes que estão internados em Salvador. "É um vírus que é muito comum na infância, mas também acomete os adultos", disse Ana Ofélia Marques, secretária de Saúde de Araci.

 

O bebê que morreu após ingerir a água e passar mal se chamava David Raí dos Santos e tinha 1 ano e 8 meses. O óbito foi no dia 9 de setembro. A tia da criança fala da dor da família. "Foi muita tristeza para a família toda. Perder um bebezinho tão sabido. Conversando tudo", disse Joseane dos Santos.

 

As amostras da água foram colhidas pela prefeitura e encaminhadas para serem examinadas no Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), em Salvador. Ainda não há previsão para divulgação do resultado.

 

A prefeitura solicitou e a Embasa suspendeu o abastecimento de água na zona rural do município, até que se descubra o que causou os sintomas nos moradores. Carros-pipa do Exército foram enviados para o local para abastecer a população. Desde que o fornecimento foi interrompido, não houve registro de novos pacientes com os sintomas.

Com leitos Covid desativados na BA, ocupação aumenta, mas internados permanecem estáveis
Foto: Fernando Vivas/GOVBA

A ocupação de leitos de Covid-19 na Bahia cresceu de 41% para 46% nesta quinta-feira (17). A alteração no índice se dá por causa da desativação de leitos exclusivos para a doença. O número de internados segue estável com 1104 pacientes internados. 

 

O boletim desta quinta informa que a Bahia chegou a 6.132 mortes e 289.655 casos confirmados desde o início da pandemia.

 

O número de casos ativos aumentou em relação aos dados da quarta-feira (16) e fechou em 7.021. O índice estava em queda há oito dias. 

Quinta, 17 de Setembro de 2020 - 16:20

Cipó: MP-BA pede que prefeitura assegure direito de doar sangue à população LGBTI

por Cláudia Cardozo / Francis Juliano

Cipó: MP-BA pede que prefeitura assegure direito de doar sangue à população LGBTI
Foto: Reprodução / Pinterest

O Ministério Público do Estado (MP-BA) vai verificar se o município de Cipó, no Nordeste baiano, garante à população LGBTI o direito de fazer doações de sangue. Noticiado nesta quinta-feira (17), o trabalho, além de acompanhar, vai recomendar que seja cumprida uma decisão do Supremo Tribunal Federal (PRF-BA), a Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) nº 5543.

 

Segundo a Adin, o veto ao direito de doar sangue baseado na orientação sexual é discriminatório e injustificável. Para o STF, a permanência da proibição estigmatiza pessoas, além de restringir o direito à pratica de um ato solidário como a doação sanguínea, em prol de preconceitos insustentáveis.

 

A recomendação será enviada não só à prefeitura de Cipó como também aos demais órgãos públicos ou privados responsáveis por assegurar a doação e os estoques de sangue. O MP cobra também que a prefeitura local adote, de imediato, todas as medidas necessárias para garantir o acesso à realização de doação sanguínea por pessoas homossexuais e toda população LGBTI (gays, bissexuais, transexuais, travestis, intersexo,…), sem discriminação.

'3 em Pauta': Fato ou Fake? Descubra que notícias são falsas ou verdadeiras sobre a Covid
Foto: Bahia Notícias

Com a facilidade de se espalhar informações, durante a pandemia do novo coronavírus muitas inverdades foram contadas, gerando dúvidas na população. Com o vírus disseminado pelo mundo, formas de prevenção e cuidados verdadeiros devem ser expostos para todos, pensando no cuidado da população. O 3 em Pauta desta quinta-feira (17) faz uma checagem de fatos para ajudar você a descobrir o que é "fato ou fake". Assista o episódio completo:

 

Prefeitura de Salvador começa a desativar leitos de tratamento para Covid-19
Foto: Valter Pontes/Secom PMS

Por causa da queda estabilizada no número de pacientes com Covid-19, a prefeitura de Salvador começou a desativar leitos clínicos e de UTI exclusivos para tratamento desses casos nas unidades próprias e contratadas. Nesta quinta-feira (17), dez dos 20 leitos de terapia intensiva e 30 leitos de enfermaria do Hospital Municipal de Salvador, destinados aos pacientes com o novo coronavírus, foram liberados para outras demandas.

 

Salvador registrou taxa de 39% na ocupação de leitos de UTI para pacientes com Covid-19 na última quarta-feira (16). Desde o início da pandemia, foram implementados 253 leitos de urgência e emergência e 271 leitos clínicos pela prefeitura.

 

"Estamos começando a fazer a reversão desses leitos exclusivos para Covid-19 nos hospitais, a começar pelo Hospital Municipal de Salvador e naqueles contratualizados pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Agora, essas estruturas passam a atender pacientes com outras enfermidades", disse o prefeito ACM Neto nesta quinta-feira, durante a inauguração do Prato Amigo, em Brotas. O gestor contou que o próximo passo é dar início a desmobilização dos hospitais temporários e de campanha, mas ainda não há data prevista para a ação.

 

"Mas isso não significa que a doença acabou na cidade, por conta da desmontagem dos leitos exclusivos. O coronavírus ainda está aí e temos que continuar tomando todos os cuidados para que ele não volte a crescer. Essa é uma responsabilidade de todos nós, e não só da Prefeitura. Precisamos ter consciência disso e continuar seguindo as normas sanitárias e os protocolos de segurança", alertou. Neto afirmou que a desativação dos leitos vai acontecer com diálogo com os técnicos da gestão estadual.

 

Nesta sexta-feira (18), o prefeito deve anunciar a flexibilização de novas atividades ou espaços suspensos como medida de controle do coronavírus durante a inauguração das obras de requalificação da Lagoa dos Patos, no Stiep. Neto afirmou que o protocolo setorial de reabertura das praias, por exemplo, já está sendo concluído.

Secretaria promove evento para discutir prevenção do suicídio entre LGBTQIA+
Foto: Divulgação

Na esteira de ações do Setembro Amarelo, a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social da Bahia (SJDHDS) promoverá, nesta sexta-feira (18), às 16h, a live "Do cuidado da Saúde à Prevenção do Suicídio".

 

O evento é parte da programação da Semana da Diversidade 2020, realizada anualmente pela pasta, com objetivo de "reafirmar, refletir e fomentar os direitos da população LGBTQIA+".

 

Para falar sobre o tema, estarão presentes Gabriel Teixeira, coordenador de políticas LGBTQIA+ da SJDHDS, Fabiana Brandão, integrante da área técnica de Saúde LGBTQIA+ da Sesab, além de outros especialistas. 

 

Para assistir à live “Do cuidado da Saúde à Prevenção ao Suicídio”, é necessário acessar o link no horário do evento.

 

A Semana da Diversidade costuma coincidir com a Parada Gay de Salvador, porém este evento não acontecerá devido à pandemia do novo coronavírus.

 

Confira quem estará presente na live desta sexta:

 

Gabriel Teixeira – Coordenador de Políticas LGBT – SJDHDS
Antônio da Purificação – Coordenador da CPES/SESAB
Fabiana Brandão – Área Técnica de Saúde LGBT/SESAB
Profª Dra. Liliane Lis Kusterer – Famed/ UFBA
Profª Psicóloga Débora Ferraz – Núcleo AMADO – Unijorge
Profº Psicólogo Paulo Vitor Palma Navasconi – Coletivo Yalodê Bada

Estudo indica que falta de vitamina D pode aumentar risco de infecção pela Covid-19
Foto: Marcello Casal jr. / Agência Brasil

A falta de vitamina D no corpo pode aumentar o risco de contrair a Covid-19. Foi essa a conclusão de um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Medicina de Chigado (EUA). De acordo com informações do jornal O Globo, a pesquisa envolveu 489 pacientes, e publicada no JAMA Network Open no início de setembro.

 

Os pacientes que não tiveram tratamento com vitamina D, após constatada a deficiência do composto no sangue, ficaram duas vezes mais suscetíveis a testarem positivo para a Covid-19 em relação àqueles que possuíam bons níveis da vitamina no sangue.

 

"A vitamina D é importante para a função do sistema imunológico e os suplementos de vitamina D já se mostraram capazes de reduzir o risco de infecções virais do trato respiratório. Nossa análise estatística sugere que isso pode ser verdade para a infecção de Covid-19", analisou o chefe de Medicina Hospitalar da Universidade de Chigago e principal autor do estudo, David Meltzer. Ele ofereceu entrevista ao portal da instituição.

 

Porém, o estudioso fez a ressalva de que ainda é preciso realizar pesquisas experimentais para confirmar o que foi obtido com o resultado em questão.

 

De acordo com um outro artigo, publicado por membros da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, a vitamina D diminui o risco de infecções respiratórias e melhora a eficiência de trocas gasosas no pulmão. Além disso, é fundamental para o fortalecimento ósseo, para a saúde do coração e controle da diabetes.

 

Como a pandemia do novo coronavírus prejudicou a exposição ao sol, em virtude da quarentena, os cientistas indicam que as pessoas devem procurar suplementação para atingir os níveis ideais de vitamina D. Com prescrição médica em mãos, o ideal é usar 400 a 2 mil unidades diárias do composto, variando de acordo com idade e condições clínicas.

 

A vitamina D também pode ser encontrada em alimentos derivados do leite, peixes e na gema do ovo. Esta última, porém, deve ser consumida com moderação, pois aumenta o nível do colesterol.

Quinta, 17 de Setembro de 2020 - 11:00

Viver Bem: Flores, espirros & primavera

Viver Bem: Flores, espirros & primavera
Foto: Divulgação

No próximo dia 22 uma nova estação passa a orientar o calendário anual e para quem gosta de flores, elas ficarão mais evidentes neste período. Entretanto, os pais já devem acender o alerta, porque bebês e crianças são acometidos por doenças específicas ao longo da primavera.

 

Nono mês do ano e as ruas começam a florescer. Este é o cenário da nova estação que se aproxima, mas que também traz consigo algumas complicações para a saúde, entre elas a catapora e doenças alérgicas. Além destas, o cuidado neste ano também é direcionado ao coronavírus e para os pequenos, a recomendação do pediatra do Sistema Hapvida, Marcus Vinicius Silva, é de manter a casa sempre arejada e reforçar o aleitamento, no caso dos lactentes.

 

Sobre as alergias, o especialista explica o porquê de ser tão comum a ocorrência da rinite e conjuntivite alérgica juntas. "As duas doenças costumam acontecer concomitantemente por serem no mesmo tecido epitelial. Com a coceira causada pela rinite, é favorecida também a inflamação conjuntival", aponta. Nestes casos, o uso do soro fisiológico na lavagem dos olhos é indicado pelo pediatra como opção para aliviar o prurido.

 

Outra doença bastante temida e com alta incidência neste período é a catapora. Transmitida pelo vírus Varicela-Zoster, ela é altamente contagiosa e caracteriza-se por lesões na pele e coceiras. Hidratação, cuidados com a higiene e uso de uma loção anti-pruriginosa nas lesões são as formas de tratamento elencadas por Souza. "Independente da doença, é importante que todos os sintomas infantis sejam observados com atenção para perceber se há piora no quadro clínico", destaca.

Após 5 meses, Bahia não recebe nenhum real em multas pela lei que obriga uso de máscaras
Foto: Rennan Calixto/GOVBA

Completando 5 meses de vigor, nesta quarta-feira (16), a lei estadual nº 14.258, que obriga o uso e fornecimento de máscaras para os funcionários de estabelecimentos públicos e privados da Bahia, não foi revertida em nenhuma multa ou centavo para o governo da Bahia. As multas são aplicadas pelo descumprimento da lei, e caso arrecade algum valor, a quantia seria convertida em ações de combate ao novo coronavírus no estado.

 

De acordo com o governo, inicialmente, a operação teve um caráter educativo. Antes da aplicação das punições previstas, os fiscais orientaram os empregadores para o cumprimento das exigências que visam proteger funcionários e clientes do contágio do vírus. As secretarias estaduais responsáveis pela fiscalização desta lei são a da Saúde (Sesab) e do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), com apoio da Polícia Militar da Bahia (PMBA).

 

Segundo o texto da lei, as multas variam de R$ 1 mil por cada funcionário, servidor ou colaborador que descumprir a determinação, até para quem não garantir o acesso a locais para higienização das mãos com água corrente e sabonete líquido ou a pontos com álcool gel a 70%. O valor da multa é limitado ao máximo de R$ 30 mil e a cada reincidência a multa será duplicada. 

 

Segundo a Setre, no período de 23/04 à 03/09 foram realizadas 689 ações de fiscalização, com média de aproximadamente oito inspeções por dia. Do total de ações realizadas não foi flagrado nenhum caso de descumprimento dessa lei por parte das empresas fiscalizadas. No período, foram feitas abordagens em 50 municípios, realizadas em 39 tipos de segmentos econômicos, sendo supermercados (41%), farmácias (28%), indústrias (2%), bancos (1%), meios de transporte (1%), com maior foco das fiscalizações.

Quarta, 16 de Setembro de 2020 - 21:40

SUS não entrou nem vai entrar em colapso, diz Pazuello em posse como ministro

por Natália Cancian e Gustavo Uribe|Folhapress

SUS não entrou nem vai entrar em colapso, diz Pazuello em posse como ministro
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Ao tomar posse como ministro efetivo da Saúde, o general Eduardo Pazuello afirmou nesta quarta-feira (16) que o receio de que o SUS entraria em colapso devido à pandemia do novo coronavírus "não aconteceu e não vai acontecer", mas que uma solução definitiva só virá com uma vacina.

Pazuello disse ainda avaliar que o país chegou a uma situação de estabilidade de casos da Covid, com números "em total declínio" no Norte e Nordeste e tendência de queda nas outras regiões.

Para ele, a população terá que conviver em breve com um "novo normal", o qual, defendeu, deve incluir "novos hábitos", medidas de prevenção, tratamento precoce e "principalmente, naturalidade em conviver com uma nova doença assim como todas as outras do nosso cotidiano".

A solução definitiva, porém, só "virá com uma vacina".

Alçado ao cargo como interino em maio em meio a atritos do presidente Jair Bolsonaro com seus antecessores, Pazuello assumiu o cargo de ministro efetivo em uma cerimônia marcada por aglomeração de membros da pasta, ministros e aliados do governo.

A medida encerra um período de quatro meses em que o Ministério da Saúde estava sem titular, ao mesmo tempo em que o general já era visto como "provisório eterno".

Com a mudança, Pazuello se torna oficialmente o 48º ministro da área no país --e o 3o durante a pandemia do novo coronavírus, que já deixa 4,4 milhão de casos e 133 mil mortes desde fevereiro.

Em seu discurso, Bolsonaro disse que, em meio a uma crise sanitária, é menos complicado ser presidente da República do que ministro da Saúde.

O presidente ressaltou que a responsabilidade de Pazuello é "enorme" e agradeceu-lhe por ter aceitado assumir em definitivo o posto. Inicialmente, o general da ativa havia resistido ao convite de Bolsonaro.

"Eu não sou um palpiteiro. E converso com meus ministros, de maneira reservada, onde procuramos nos acertar", disse o presidente. "E eu aprendi que pior que uma decisão mal tomada é uma indecisão", ressaltou.

Bolsonaro voltou a defender a prescrição da hidroxicloroquina na fase inicial do tratamento do coronavírus. O medicamento, no entanto, não tem comprovação científica de eficácia no combate à doença.

"Nada mais justo, sagrado e legal que um médico, na ponta da linha, decidir o que aplicar em seu paciente na ausência de um remédio com comprovação cientifica. A responsabilidade é do médico", afirmou.

Em entrevista após a cerimônia de posse, o ministro disse que a chegada da vacina ao Brasil pode ser antecipada caso os testes sejam concluídos antes do esperado.

Ele explicou que, no contrato de compra, há uma cláusula de antecipação. O cronograma atual estabelece como janeiro o mês de entrega das doses e início da vacinação para grupos de risco.

"O programa assinado é a partir de janeiro, com possibilidade de antecipar caso os testes e a conclusão da vacina sejam antecipados", disse.

Pazuello disse ainda que a pasta tem discutido a possibilidade de oferecer a hidroxicloroquina pelo programa Farmácia Popular, que disponibiliza medicamentos de maneira gratuita ou com desconto.

"Não só cloroquina. Todos os medicamentos do kit Covid estão sendo discutidos para distribuir também na Farmácia Popular", afirmou.

Cientistas de 12 países fazem carta em que expressam 'preocupação' com vacina Russa
Foto: Reprodução/Pixabay

Cientistas de universidades em 12 países divulgaram uma carta aberta em que sinalizam “preocupação” com os resultados dos primeiros testes da vacina russa da Covid-19, a “Sputnik V”, produzida pelo Instituto Gamaleya.

 

O documento é assinado por 37 cientistas.

 

O fundo estatal russo que coordena a produção da vacina nega haver problemas nos dados, destaca reportagem do G1.

 

A carta foi publicada no blog de um dos cientistas participantes do grupo no dia 7 de setembro. Depois a manifestação foi reportada pela revista científica "Nature".

 

A hipótese de existência de resultados duplicados nos ensaios da vacina é levantada pelos cientistas, que pedem que os dados numéricos de todos os experimentos e os arquivos originais das análises feitas sejam divulgados, para que outros cientistas possam examiná-los.

 

“Embora a pesquisa descrita neste estudo seja potencialmente significativa, a apresentação dos dados levanta várias questões que requerem acesso aos dados originais para uma investigação completa”, afirma o texto no blog, que pertence ao biólogo italiano Enrico Bucci, professor adjunto da Universidade Temple, no estado americano da Pensilvânia.

Bolsonaro volta a defender cloroquina e a criticar isolamento social na posse de Pazuello
Foto: Reprodução/TV Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) utilizou o discurso de efetivação de Eduardo Pazzuelo no cargo de ministro da Saúde para reforçar os seus posicionamentos durante todo o período da pandemia. Além de criticar a imprensa pela cobertura e críticas às suas posturas, Bolsonaro reforçou o uso da cloroquina mesmo sem confirmação científica, assim como responsabilizou a decisão de governadores e prefeitos sobre as restrições sociais. 


“Com o primeiro ministro foi a questão da hidroxicloroquina. A decisão não foi da minha cabeça. Resolvi apostar. Estudos demonstram a eficácia da cloroquina. Se não tivesse indícios não iriam estudar. Particularmente, passei a defender a hidroxicloroquina  a partir da experiência de médicos que usavam e tinham resultados. Não consegui com o primeiro ministro tirar do protocolo que a clocoquina fosse usada  só em casos graves. Nada melhor do que um médico na ponta da linha decidir se vai usar um medicamento com seu paciente. Assim como é o militar na ponta da linha decidir se vai atacar ou recuar”, disse o presidente. 


Ao reforçar suas críticas ao isolamento social, o presidente acusou a imprensa brasileira de causar “pânico” e influenciar a decisão dos gestores. “Não é uma crítica, é uma constatação”, enfatizou o presidente. 


“Ouvi críticas da imprensa de que o comércio não poderia ser fechado como foi. Eu disse que o isolamento aumentaria violência doméstica, abuso de crianças, contra a mulher, suicídio. Todas as medidas tomadas no Brasil não visava que pessoas não fossem contaminadas. Mas que as pessoas não fossem contaminadas em pouco tempo porque os hospitais poderiam não ter condição de atender. Hoje vemos que a situação poderia ser sido tratada de forma diferente.”


Retomando a ideia de uso da cloroquina ao final do discurso, Bolsonaro relatou que no prédio do Planalto 200 pessoas se contaminaram com a Covid-19 e “nenhuma sequer” chegou a apresentar sintomas mais graves da doença. Bolsonaro insinuou que todos fizeram uso da medicação.  “Não tomaram o remédio do Bolsonaro. Tomaram o remédio que tinha”. 


Para o presidente, arriscar utilizar uma medicação sem a devida comprovação científica é “ousar”. Com esta máxima, o presidente parabenizou a classe médica “especialmente aqueles que adotaram” a medicação em seus tratamentos da doença. 


Em referência ao novo ministro, o presidente afirmou que ele “ganhou” a simpatia de governadores e prefeitos nos meses em que esteve como interino. 

Casos ativos da Covid na Bahia ficam abaixo 7 mil pela primeira vez desde maio
Foto: Mateus Pereira/GOVBA

O número de casos ativos da Covid-19 na Bahia nesta quarta-feira (16) ficou abaixo dos 7 mil pela primeira vez desde 18 de maio. O boletim da Secretaria da Saúde (Sesab) mostra que o estado soma 6.983 pessoas ainda doentes.

 

Os casos confirmados da doença na Bahia são 287.685 e as mortes 6.085. Nas últimas 24 horas o estado contabilizou 2.237 novos casos e 45 óbitos causados pela  Covid-19.

 

A ocupação total dos leitos Covid na Bahia nesta quarta está em 41%. Em relação aos leitos de UTI a taxa é de 48%.

Beneficiários Planserv passam a pagar parcela de risco de idade a partir de outubro
Foto: Divulgação

A partir de 26 de outubro as mensalidades do Planserv passam a contar com uma parcela de risco, prevista na Lei nº 13.450, de 26 de outubro de 2015, que introduziu alterações na gestão da assistência aos servidores estaduais. A gestão do plano explica que a parcela de risco é uma medida necessária ao equilíbrio financeiro. "É uma forma de corrigirmos uma antiga distorção. Quando mais novos, os servidores aderem a planos privados sem o devido acompanhamento de sua saúde pelo Planserv. Quando mais velhos, sem conseguir mais arcar com as altas parcelas do plano privado, solicitam a sua adesão à assistência, muitas vezes com complicações de saúde", afirma a coordenadora-geral do Planserv, Socorro Brito, salientando que esta prática compromete o equilíbrio econômico-financeiro do plano, que é solidário à medida que o beneficiário paga mensalidade com base em sua faixa salarial e não de acordo com a sua idade.

 

A medida vale para quem ingressou no serviço público a partir da data de publicação da lei e não fizer adesão à assistência no prazo de cinco anos. E, ainda, para aqueles que já estavam no serviço público antes da publicação da lei e optem por fazer adesão ao plano após o 26 de outubro. Não haverá nenhum tipo de acréscimo à mensalidade dos atuais beneficiários.

 

A lei, em vigor desde 2015, previu um prazo de cinco anos, a partir do ingresso no serviço público estadual, para aderir ao Planserv sem a parcela de risco. A lei também assegurou o prazo de cinco anos, contados da sua data de vigência, para aqueles que já eram servidores ou pensionistas do Estado, que poderão aderir até 26 de outubro com isenção da parcela de risco. As mudanças foram amplamente divulgadas pelo Planserv e pela mídia local e têm como finalidade principal a sustentabilidade do plano.

 

O recolhimento da parcela de risco, que será cobrado conforme faixa etária dos beneficiários, é um valor cumulativo à contribuição dos titulares, bem como de seus dependentes e agregados, quando a adesão ao Sistema de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos Estaduais ocorra após o prazo de cinco anos, contados da data de investidura no cargo de provimento permanente ou temporário, ou de instituição do benefício de pensão (Lei nº 13.450).

 

A parcela de risco será acrescida à contribuição de servidores públicos civis ativos ou inativos de todos os órgãos da administração direta, autarquias e fundações dos Poderes do Estado, os servidores militares ativos, da reserva remunerada ou reformados; os pensionistas do Estado; os servidores que, mantendo o vínculo funcional, estejam legalmente afastados do exercício do cargo; os pensionistas de empresas públicas, sociedades de economia mista do Estado e fundações instituídas pelo Estado com personalidade jurídica de direito privado.

 

É importante destacar que, ao contrário da maioria dos planos de saúde,  a contribuição ao Planserv não varia de acordo com taxas inflacionárias ou outras variações financeiras do mercado. Em 2015, a nova legislação assegurou mais equidade entre faixa salarial e valor do desconto. Antes, o último reajuste havia sido aplicado em 2011.

 

Para mais informações, o Planserv disponibiliza seus canais de comunicação: Central de Relacionamento pelos telefones 0800 056 6066 (telefone fixo) ou 3402-3700 (telefone celular). A central funciona 24 horas por dia, sete dias por semana.

Detentas imigrantes nos EUA tiveram úteros retirados sem permissão, denuncia enfermeira
Foto: Reprodução / Arquivo Pessoal / Dawn Wooten

Detentas de um centro para imigrantes clandestinos em Irwin, na Geórgia (EUA), podem ter sofrido cirurgias irregulares para a retirada completa ou parcial de seus úteros. A denúncia foi feita por uma enfermeira que trabalhava no local, e será apurada pelas autoridades migratórias e parlamentares dos Estados Unidos.

 

De acordo com o G1, a denunciante, que se identificou como Dawn Wooten, afirma que um ginecologista era responsável pelas histerectomias em massa. O centro também se recusava a fazer testes da Covid-19 nos imigrantes que estavam presos no local.

 

Segundo a enfermeira, "muitas disseram que não entendiam o que estava sendo feito com elas. Ninguém explicava". Presidente da Câmara, a deputada Nancy Pelosi deixou claro seu repúdio à situação.

 

"Se for verdade, as condições horríveis descritas são uma violação assustadora dos direitos humanos", afirmou ela, por meio de nota.

 

Por outro lado, o Serviço de Alfândegas e Imigração (ICE) dos EUA nega as irregularidades. Segundo a diretora médica do ICE, Ada Rivera, o centro em questão só realizou duas cirurgias para retirada de útero desde 2018, e ambas tiveram aprovação após exames.

 

A empresa LaSalle Corrections, responsável pelo centro da Geórgia, repudiou, em nota, "as denúncias e qualquer suspeita de má conduta". 

Histórico de Conteúdo