Procedimento não invasivo, Radiocirurgia contra câncer de pulmão tem 89% de êxito
Foto: Ilustrativa

A Radioterapia Estereotáxica Corporal, conhecida como radiocirurgia, é um procedimento não invasivo, que obtem 89% de êxito na destruição de nódulos no pulmão em pessoas mais velhas, que tem outros problemas de saúde, segundo o estudo do Hospital Sírio-Libanês publicado no Journal of Global Oncology - revista científica da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (Asco). A pesquisa, que teve início em 2007 e durou até 2015, avaliou os resultados em 54 pacientes do hospital classificados como frágeis, geralmente idosos que já tiveram problemas de saúde, como doenças associadas ao cigarro ou cardíacas. Eles também precisavam estar com o tumor em fase inicial, com menos de 5 centímetros.

 

“A radiocirurgia traz oportunidade de cura que se aproxima do resultado de uma cirurgia. No nosso estudo, 89% tiveram um controle do tumor no local e, em dois anos, 80% dos pacientes estavam vivos”, diz Carlos Vita Abreu, radio-oncologista do Hospital Sírio-Libanês. A média de idade das pessoas submetidas ao procedimento era de 75 anos. O especialista diz que nenhum paciente morreu nem teve complicações graves após fazer o procedimento.

 

Ainda de acordo com o Estadão, o câncer de pulmão atinge principalmente fumantes e, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), é o tipo mais comum entre os tumores malignos - e altamente letal. Para este ano, a estimativa de novos casos, de acordo com o instituto, é de 31.270.

 

“A radiocirurgia é uma modalidade de radioterapia que, graças à precisão e a quantidade de dose de radiação utilizada, apresenta resultados semelhantes à cirurgia. Esta técnica consiste numa modalidade de tratamento não invasiva, sem necessidade de cortes na pele ou anestesia. Em virtude da grande potência deste tratamento, é indispensável a utilização de tecnologia de última geração para a sua realização e normalmente são realizadas de uma a cinco aplicações de radioterapia. Os pacientes submetidos a este tratamento não necessitam de internação”, explica Rafael Gadia, diretor de Radioterapia na unidade de Brasília do hospital.

 

SUS

O Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) tem o serviço de radiocirurgia desde 2011. Até agora, 264 pacientes já receberam o tratamento, dos quais 116 tinham câncer de pulmão. Os demais eram pacientes com câncer de fígado, nos ossos, sarcoma e no pâncreas. O Icesp afirma ter sido pioneiro nas técnicas de radiocirurgia intracraniana e radiocirurgia corpórea no Sistema Único de Saúde (SUS).

Sexo no casamento traz mais felicidade do que para os solteiros, revela pesquisa
Foto: Reprodução / Guiame

A rede social adulta Sexlog realizou uma pesquisa com seus usuários e revelou que as pessoas comprometidas estão mais felizes do que aquelas que estão sozinhas. De acordo com os dados, 22% dos casais deram nota dez para a vida sexual.


De acordo com o IG, a pesquisa indicou ainda que 75% dos parceiros garantem que têm melhorado a perfomance na cama após o casamento. As regiões com maior índice de aprovação da vida sexual conjugal é no Rio Grande do Sul (83%), seguido do Amazonas (81%).


Os casais demonstraram estar bastante otimistas e dedicados em não deixar as relações sexuais caírem na rotina. Dos entrevistados, 97% acreditam que é possível apimentar a relação mesmo depois de anos de casados.

Médica recebe hora extra por não repousar a cada 90 minutos
Foto: Reprodução / Akom News

A 6ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho condenou a Fundação da Universidade Federal do Paraná (Funpar) a pagar, como hora extra, os intervalos de 10 minutos a cada 90 minutos de serviço não usufruído por uma médica. A médica trabalhou num centro de urgência de Curitiba, no Paraná, de janeiro de 2010 a abril de 2012, em plantões de 6h ou 12h. O empregador não comprovou, mediante registro de ponto, que concedia o período de repouso de dez minutos que está previsto em lei.


O juízo da 14ª Vara do Trabalho em Curitiba julgou improcedente o pedido, afirmando que o empregador não registrava o ponto, mas a médica o aproveitava entre as consultas. O Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, ao negar o pedido de recurso no julgamento, entendeu que a médica deixou de comprovar a falta do intervalo.


De acordo como site Amo Direito, a médica questionou o entendimento e a relatora, ministra Kátia Magalhães Arruda, lhe deu a razão. Segundo Arruda, é dever do empregador comprovar a regular fruição do intervalo e manter os registros dos períodos destinados a repouso e descanso.

Disfunção erétil: Estudo indica que azeite é mais eficaz que viagra
Foto: Reprodução / Shutterstock

Uma pesquisa realizada pela Universidade de Atenas, na Grécia, sugeriu que os homens que consomem mais azeite tem um desempenho sexual melhor que os demais. Segundo o estudo, já foi comprovado que o azeite melhora a condição dos vasos sanguíneos e, consequentemente, a potência do homem. "O azeite e dieta mediterrânea já vêm sendo estudados há algum tempo, e o que se sabe é que o conjunto exercícios mais esta dieta melhora a saúde masculina e a disfunção erétil", diz o urologista da UNIFESP, Alex Meller.


No entanto, Meller afirma que não é possível comparar o azeite com o viagra, pois o medicamento é um tratamento pontual, já a dieta é algo que tem um efeito em longo prazo. De acordo com o IG, para o estudo fazer sentido, o especialista fala que é preciso apostar em uma mudança na alimentação e no estilo de vida, e o azeite está entre os alimentos que ajuda nesse processo.

Consumo de álcool cai no Brasil, mas deve voltar a subir até 2025, afirma OMS
Foto: Reprodução / Blog Beer

O relatório públicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) constatou que o consumo de bebidas alcóolicas no Brasil sofreu uma queda entre 2010 e 2016. A tendência de redução, porém, corre o risco de aumentar até 2025.


O consumo de álcool por pessoa caiu de 8,8 litros por ano em 2010 para 7,8 litros em 2016. Entre os homens, o consumo do álcool chegou, em média, a 13 litros por ano em 2016. Já entre as mulheres, a média era de apenas 2,4 litros. No total, a cerveja representa 62% desse consumo, enquanto os destilados respondem por 34% e o vinho 3%.


Para a OMS, o movimento de alta é esperado para o mundo todo nos próximos dez anos. A entidade afirma que a meta de reduzir o consumo em 10% até 2025 pode não ser atingido. 


Atualmente, 2,3 bilhões de pessoas bebem álcool no mundo. Em média, cada pessoa bebe por dia o equivalente a dois copos de vinhos de 150 ml, ou 750 ml de cerveja, o que representa 33 gramas de álcool puro por dia.


De acordo com o Estadão, a organização diz ainda que os governos precisam usar de forma mais pro-ativa impostos sobre as bebidas para salvar vidas, além de proibir publicidade.

Hapvida promove treino especial de valorização da vida neste sábado
Foto: Reprodução / Blog do Lauriberto

A rede de atendimento hospitalar Hapvida realiza neste sábado (22), o aulão "Alegria de Viver". O evento faz parte das ações do "Setembro Amarelo".


Na programação, estão previstos alongamentos, aulas de boxe, oficinas de corrida e caminhada, além de atividades para o público infantil. 


O evento acontecerá na Av. Otávio Mangabeira, próximo a antiga sede de praia do Bahia e terá início às 6h.

Existência de Caps reduz em até 14% taxa de suicídio nos municípios
Foto: Reprodução / G1

A incidência de suicídios é até 14% menos em municípios nos quais existem Centros de Atenção Psicossocial (Caps) – estruturas do Sistema Único de Saúde (SUS) compostas de equipes multidisciplinares que fazem o atendimento a pessoas com problemas de saúde mental.

 

De acordo com levantamento divulgado nesta quinta-feira (20) pelo Ministério da Saúde, em todo o país, foram registradas 106.374 mortes por suicídio, entre 2007 e 2016. No período analisado, constatou-se um aumento de 16,8% no número total de ocorrências – entre homens, o aumento chegou a 28%.

 

Somente em 2016, 11.433 mil pessoas interromperam a própria vida. Naquele ano, a taxa de mortalidade por suicídio foi de 5,8 pessoas a cada 100 mil habitantes.

 

De acordo com a pasta, no ano passado, 109 novos Caps foram inaugurados em 20 estados. O relatório aponta que as tentativas de suicídio por intoxicação intencional, de 2007 a 2017, resultaram em 12 mil internações por ano, que tiveram um impacto de R$ 3 milhões anuais no orçamento público. O valor equivale a recursos que cobririam a implementação de oito Caps a cada ano.

 

O suicídio é a quarta maior causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos. Entre os anos de 2011 a 2015, a maior taxa de mortes por suicídios é entre indígenas, com 15,2 casos a cada 100 mil habitantes.

 

De acordo com o governo, R$ 1,4 milhão foi destinado a projetos desenvolvidos nas Redes de Atenção Psicossocial (RAPS) nos estados do Amazonas, Mato Grosso do Sul, Roraima, Piauí, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, considerados prioritários, por apresentar taxas elevadas de suicídio.

Ação oferece exames gratuitos para prevenção de doenças cardíacas
Foto: Shutterstock

Em alusão ao Dia do Coração, o Plano Ambulatorial Boa Saúde promove na próxima segunda (24) e terça-feira (25) uma ação de saúde para prevenção de doenças cardíacas. Os participantes poderão aferir a pressão arterial e, no caso de níveis elevados, realizar exame de eletrocardiograma.

 

A ação acontece na clínica sede, situada no Jardim Baiano, no bairro de Nazaré. As avaliações serão feitas na segunda-feira, das 8h às 12h, e na terça-feira, das 14h às 17h. Os atendimentos são gratuitos.

Sexta, 21 de Setembro de 2018 - 09:20

Itabuna: TJ mantém liminar que obriga abertura de hospital; local funciona em parte

por Francis Juliano / Cláudia Cardozo

Itabuna: TJ mantém liminar que obriga abertura de hospital; local funciona em parte
Foto: Reprodução / TV Santa Cruz

O presidente do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), Gesilvado Britto, negou uma liminar da prefeitura de Itabuna, no sul, que queria o fechamento do Hospital São Lucas por alegar falta de recursos. A decisão foi publicada no Diário Eletrônico da Justiça nesta sexta-feira (21). Neste ano, o hospital – que pertence à Santa Casa de Misericórdia – ficou fechado totalmente entre 31 de maio e 23 de julho. Em Itabuna, a gestão de recursos do Sistema Único da Saúde (SUS) é gerida pela prefeitura.

 

Na mesma unidade de saúde, o pronto-socorro não atende à população desde 9 de janeiro passado. O fato faz sobrecarregar os atendimentos no Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães e na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade. Atualmente, o Hospital São Lucas funciona apenas com internação nos 50 leitos disponíveis após um acordo feito entre a prefeitura e a Santa Casa de Misericórdia de Itabuna.

Aplicativo do SUS já é utilizado por 1,2 milhão de pessoas
Foto: Marcos Santos / USP Imagens

O aplicativo gratuito para os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), Meu DigiSUS, está há três anos em funcionamento e já foi baixado por 1,2 milhão de pessoas. Criado pelo Ministério da Saúde, a ferramenta permite que a população acompanhe, via celular, consultas, histórico de solicitações e a posição na fila do Sistema Nacional de Transplantes, entre outras funcionalidades relacionadas à saúde pública. 

 

O aplicativo também permite que os pacientes do SUS atuem como fiscais dos serviços prestados por meio da avaliação do atendimento realizado, assim como denunciar fraudes de qualquer local do país. Além disso, o cidadão consegue encontrar hospitais, unidades de saúde e outros estabelecimentos próximos de sua residência; identificar farmácias participantes do Aqui tem Farmácia Popular e acompanhar os medicamentos que o cidadão retirou.

 

A plataforma é interligada às 19.788 Unidades Básicas em Saúde (UBS) já informatizadas em 3.780 municípios, totalizando 106.179.196 usuários. Ao todo, 11 sistemas estão integrados no aplicativo, entre eles o Cadastro Nacional de Usuário do SUS (CADSUS), Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), Farmácia Popular e os Sistemas Nacional de Transplantes (SNT), de Regulação (SISREG), de Atenção Básica (e-SUS AB) e o Hemovida.

Sexta, 21 de Setembro de 2018 - 07:10

Ministro é convocado para explicar patente que barra genérico contra hepatite C

por Patrícia Campos Mello | Folhapress

Ministro é convocado para explicar patente que barra genérico contra hepatite C
Foto: Agência Brasil

O senador José Serra (PSDB-SP) convocou o ministro da Indústria, Marcos Jorge, a comparecer à comissão de assuntos econômicos do Senado para dar explicações sobre a concessão da patente ao medicamento sofosbuvir (veja aqui). Conforme revelou a Folha de S.Paulo, o INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial) concedeu à farmacêutica americana Gilead a patente sobre o sofosbuvir, medicamento que cura a hepatite C em mais de 95% dos casos.

Com isso, a Fiocruz-Farmanguinhos ficou impedida de produzir o sofosbuvir genérico, que já estava registrado pela Anvisa e geraria uma economia, segundo mostrou reportagem da Folha de S.Paulo, de R$ 1 bilhão para o Ministério da Saúde.O INPI é subordinado ao Ministério da Indústria.

"O Congresso vai impedir esse absurdo, a convocação é só um primeiro passo", disse Serra à Folha. "Trata-se da capitulação da política de remédios baratos no Brasil."

Quando era ministro da Saúde, Serra defendeu políticas que resultaram na produção de medicamentos genéricos para combate ao HIV, que controlaram a doença no Brasil. "A aids só está sob controle no Brasil hoje por causa dos genéricos", disse. "O monopólio da Gilead poderá arruinar o plano do Ministério da Saúde de eliminar a hepatite C até 2030; milhares de vidas podem ser perdidas sem o medicamento genérico."

O assunto também virou pauta da campanha eleitoral. A candidata da Rede à presidência, Marina Silva, e o vice em sua chapa, Eduardo Jorge, criticaram a patente em declarações em redes sociais. 

"O caso do sofosbuvir, cujo genérico já foi sintetizado pela Fiocruz e autorizado pela Anvisa, é de interesse de saúde pública. O governo deveria liberar imediatamente a fabricação do genérico. Se não o fizer, eu e Eduardo Jorge quebraremos a patente", disse Marina.

O candidato do PSOL à presidência, Guilherme Boulos, também se pronunciou. "Absurda a decisão de conceder a patente do Sofosbuvir para a empresa americana Gilead. A solução é quebrar a patente e autorizar a produção do genérico via Fiocruz, com um custo 4 vezes menor. É vida de milhares de brasileiros com Hepatite C que está em jogo."

A assessoria de imprensa do Ministério da Indústria afirmou que o ministro não recebeu o requerimento do senador Serra e irá se pronunciar quando receber. .O Ministério da Saúde anunciou um plano para eliminar a hepatite C até 2030, e o SUS passou a tratar todos os pacientes com os novos antivirais, e não apenas os doentes mais graves.

Mas o tratamento que usa o sofosbuvir chega a custar R$ 35 mil por paciente no Brasil, o que limita o número de pessoastratadas. O convênio BMK, entre Farmanguinhos-Fiocruz, Blanver e Microbiológica Química e Farmacêutica, obteve registro da Anvisa para fabricar o sofosbuvir genérico.

Em reunião no início de julho no Ministério da Saúde, a Gilead ofereceu o sofosbuvir a US$ 34,32 (R$ 140,40) por comprimido, e a Farmanguinhos ofertou o genérico a US$ 8,50 (R$ 34,80). Hoje, o ministério paga US$ 6.905 (R$ 28.241) pela combinação sofosbuvir e daclatasvir de marca.

Com a nova proposta, o governo passaria a pagar US$ 1.506 (R$ 6.160), com a Fiocruz e a Bristol. Dada a meta de tratar 50 mil pessoas em 2019, isso significaria uma economia de US$ 269.961.859 (R$ 1,1 bilhão) em relação aos gastos com a combinação sem o genérico. A Gilead já faturou US$ 55 bilhões desde 2015 com seus remédios contra hepatite C. Quando foi lançado, um comprimido do sofosbuvir custava US$ 84 mil.

Em nota, a empresa afirmou: "O sofosbuvir é protegido por várias patentes, concedidas em muitos países, fato esse que reflete os avanços científicos inovadores que levaram ao desenvolvimento dos medicamentos da Gilead voltados para o tratamento da Hepatite C.".

A Gilead disse também que confia "na avaliação técnica dos órgãos responsáveis pela concessão e registro de patentes, visto que o dever desses órgãos é de avaliar pedidos de patente de forma estritamente técnica, promovendo, dessa forma, o vital estímulo para a pesquisa e desenvolvimento no plano nacional e internacional."

Países como Egito, Argentina e China não concederam a patente à Gilead e produzem os genéricos. Outros países, como o Chile, estudam quebrar a patente (licenciamento compulsório) do sofosbuvir. "Como em todo exame de patentes, a decisão do INPI sobre o pedido relacionado ao sofosbuvir se baseou nos critérios técnicos previstos na Lei da Propriedade Industrial", disse o INPI em nota.

O instituto afirma que "África do Sul, Colômbia, Escritório Europeu de Patentes, Estados Unidos, Índia, Japão e Rússia concederam patentes semelhantes à que foi agora deferida pelo INPI."

No entanto, o INPI omite que a Índia só concedeu a patente porque a Gilead ofereceu licenciar o sofosbuvir para fabricantes de genéricos, a baixos preços, e a Colômbia regula o preço máximo para comercialização do sofosbuvir.

Quinta, 20 de Setembro de 2018 - 21:10

Estudo revela nova forma de estimular orgasmo feminino

Estudo revela nova forma de estimular orgasmo feminino
Foto: Reprodução / Shutterstock

Pesquisadores da Universidade de Michigan nos Estados Unidos revelaram que tratamentos de neuromodulação para disfunção da bexiga também influenciam positivamente as funções sexuais das mulheres.

 

De acordo com o site Womens Health Brasil, a estimulação acontece em um ponto próximo ao nervo tibial, encontrado no tornozelo. Apesar de os pesquiadores ainda não saberem ao certo como e porque isso acontece, eles acreditam que exista uma interação entre os nervos de ambas as áreas.


O estudo foi realizado inicialmente em ratos, com estímulos nos nervos do tornozelo e das regiões genitais. Após 15 a 30 minutos, houve um aumento significativo no fluxo sanguíneo vaginal, aumentando a sensibilidade da região.


Com isso, os pesquisadores também realizaram a terapia com nove mulheres que se submeteram a 12 sessões de meia hora de estímulo. O resultado foi que oito delas relataram uma excitação mais intensa, melhora na lubrificação vaginal ou capacidade de atingir novamente o orgasmo.

Serviço de desospitalização pelo SUS vai liberar 600 vagas para a regulação
Foto: Divulgação

Com o investimento do Governo do Estado de R$ 26,6 milhões para execução de serviços de saúde no domicílio, juntamente com a abertura do Hospital Alayde Costa e do Centro de Hemodiálise do Subúrbio, o serviço de atenção domiciliar vai oferecer cerca de 800 leitos à Central Estadual de Regulação. O programa foi apresentado num encontro com diretores de hospitais estaduais nesta quinta-feira (20), em Salvador.


O credenciamento das empresas de serviço domiciliar abrange as nove macrorregiões do estado e já está ativo em 31 municípios. As equipes dos serviços credenciados estão vinculadas às unidades hospitalares habilitadas pelo Ministério da Saúde e tem a garantia de retorno à unidade de referência sempre que necessário.


Os pacientes assistidos em casa terão um conjunto de ações de prevenção e tratamento de doenças, reabilitação, paliação e promoção à saúde.


Para ter acesso ao programa, os pacientes deverão estar internados em unidades hospitalares da rede estadual, com diagnóstico confirmado, quadro clínico estável e plano terapêutico definido.

Feira de Santana: Idosa perde visão à espera de cirurgia para glaucoma
Foto: Reprodução / Bahia no Ar

Uma idosa perdeu a visão do olho esquerdo enquanto esperava uma cirurgia para tratar o glaucoma em Feira de Santana. Josefa Alves de Oliveira, 66 anos, adquiriu a doença após combater um quadro de câncer de colo e intestino.


Segundo a família da idosa, um dos medicamentos usados no tratamento provocou o aumento da pressão ocular, configurando o glaucoma. A doença foi descoberta após uma consulta com um oftalmologista que recomendou a cirurgia.


A cirurgia, no entanto, custa mais de R$ 8 mil e consiste na implantação de uma válvula no olho afetado. O Sistema Único de Saúde (SUS) cobre a cirurgia, mas não fornece a válvula.


De acordo com o G1, a família de Josefa, sem ter como pagar o procedimento, recorreu à Justiça em junho deste ano, que determinou que o procedimento fosse feito pelo estado, em um prazo de 30 dias. A cirurgia ainda não foi realizada.


Na época em que procurou a Justiça, a idosa ainda tinha 60% da visão do olho esquerdo. Contudo, com a demora para realizar o procedimento, Josefa acabou perdendo completamente a visão.


Em nota, a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) informou que o Hospital das Clínicas (Hupes), que pertence a Universidade Federal da Bahia (UFBA), foi autorizado a adquirir a válvula e realizar o procedimento em 16 de agosto. A família, no entanto, alegou que não foi avisada sobre a autorização.

Ações da Fundação José Silveira chamam a atenção para luta das pessoas com deficiência
Foto: Divulgação

Familiares e pacientes com transtorno do espectro autista atendidos no Centro Pestalozzi de Reabilitação, unidade da Fundação José Silveira (FJS), participam de caminhada no Largo do Papagaio, nesta sexta-feira (21), Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência. O ato contará ainda com apresentação de capoeira, atividades lúdicas e funcionais.

 

Com o objetivo de conscientizar as pessoas sobre a causa e reforçar a promoção da saúde e da inclusão social, serão realizadas no IBR, unidade da FJS que atende pessoas com deficiência física e intelectual, oficinas de arte, nutrição e palestras educativas. Consideradas referência na assistência à saúde e ações complementares de saúde, o IBR e o Centro Pestalozzi realizam anualmente mais de 161 mil procedimentos filantrópicos e pelo SUS.

Quinta, 20 de Setembro de 2018 - 18:20

Brasil registra 11 mil casos de suicídio por ano, diz Ministério da Saúde

por Natália Cancian | Folhapress

Brasil registra 11 mil casos de suicídio por ano, diz Ministério da Saúde
Foto: Reprodução / Ombrelo

O Brasil registrou 11.433 mortes por suicídio em 2016, o equivalente a 31 casos por dia. Os dados, que representam um aumento de 2,3% em relação ao ano anterior, fazem parte do novo boletim epidemiológico do Ministério da Saúde que foi divulgado nesta quinta-feira (20).

O governo, porém, estima que o número real de casos seja maior devido à subnotificação nos registros. "Estimamos um subdiagnóstico de 20% de mortes por suicídio. Temos ainda mortes que são classificadas como de intenção não determinada, e não sabemos se foi um acidente ou uma tentativa de suicídio que levou à morte", afirma a diretora de vigilância de doenças e agravos não transmissíveis, Fátima Marinho.

Essa é a segunda vez que os dados nacionais sobre suicídio são divulgados pelo Ministério da Saúde. A primeira foi em 2017, quando foram registrados 11.178 casos no país. O objetivo é alertar para a necessidade de discutir o problema e alternativas de prevenção.

Em 2016, a taxa de mortalidade por suicídio no Brasil foi 5,8 casos a cada 100 mil habitantes. Para comparação, em 2007, esse índice era de 4,9 mortes a cada 100 mil habitantes -um aumento de 17%.

"É um importante problema de saúde pública, não só no Brasil como no mundo. E temos visto um aumento, o que traz a necessidade de discutir o tema e os vários determinantes que levam ao sofrimento na população", afirma a diretora.

Ela lembra que a taxa de mortalidade tem sido maior entre homens, grupo que apresentou crescimento de 28% na taxa de mortalidade em dez anos. Atualmente, a taxa de mortalidade entre esse grupo é de 9,2 casos a cada 100 mil habitantes. Já entre as mulheres, a taxa é de 2,4 a cada 100 mil habitantes. Quando observadas as tentativas de suicídio, mulheres são maioria.

Segundo Marinho, a pasta pretende aprofundar os estudos sobre fatores de risco. Entre alguns deles, estão o desemprego e casos de violência contra as mulheres. 

Quinta, 20 de Setembro de 2018 - 18:10

Dor crônica afeta pelo menos 60 milhões de brasileiros

Dor crônica afeta pelo menos 60 milhões de brasileiros
Foto: Marcos Santos / USP Imagens

A dor crônica atinge pelo menos 37% da população brasileira, de acordo com estudo feito pela Sociedade Brasileira de Estudos da Dor (SBED), a Universidade Federal de Santa Catarina, Faculdade de Medicina do ABC e uma clínica de tratamento da dor. O índice é equivalente a 60 milhões de pessoas. 

 

Segundo a Agência Brasil, a região Sul é a mais afetada (42%), seguida do Sudeste (38%), Norte (36%), Centro-Oeste (24%) e do Nordeste (28%). Foram entrevistadas 919 pessoas em todas as regiões. 

 

Dor crônica é aquela que persiste por mais de três meses. Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Médicos Intervencionistas em Dor (Sobramid), Paulo Renato Fonseca, a dor crônica é tão nociva que pode prejudicar a rotina do indivíduo e estar ligada à depressão, a transtornos de ansiedade e até ao suicídio. 

 

"A dor, de modo geral, talvez seja umas das situações humanas que mais causam sofrimento. Não só a dor causa um sintoma desagradável em quem está doente, mas traz repercussões biológicas, psicológicas, sociais, espirituais, isolamento, sentimento negativo e problemas de ordem familiar", afirmou.

 

De acordo com o médico, é preciso tratar a dor com vários profissionais da saúde e médicos intervencionistas que fazem procedimentos para melhorar o sintoma, que interfere diretamente na capacidade de trabalho do indivíduo. Todos os tratamentos estão disponíveis tanto no Sistema Único de Saúde (SUS) quanto nos planos de saúde. 

Quinta, 20 de Setembro de 2018 - 17:10

Médicos encontram tartaruga morta em vagina de paciente

Médicos encontram tartaruga morta em vagina de paciente
Foto: Reprodução / El Día

Médicos de um pronto-socorro em Arona, na Espanha, encontraram uma pequena tartaruga morta na vagina de uma paciente. 

 

De acordo com o Extra, a mulher procurou o hospital se queixando de fortes dores na área genital na noite do último sábado (15) e afirmou não ter a menor ideia de como o animal foi parar na sua vagina. 

 

A polícia foi acionada e a mulher contou que, na noite anterior, havia saído para beber com um grupo de amigos. A mulher foi examinada, tratou a infecção e foi liberada.

Governo lançará campanha de combate às fake news sobre vacinação
Foto: Shutterstock

O governo federal decidiu lançar uma campanha para combate às fake news relacionadas à vacinação. A medida está relacionada à baixa cobertura de algumas vacinas registrada recentemente.

 

Segundo o jornal O Globo, a campanha terá peças gráficas e vídeos sobre a importância de não acreditar em boatos e checar as informações. No material, haverá exemplos de boatos relacionados à vacinação.

Uma criança morre no mundo a cada cinco segundos, aponta relatório da OMS
Foto: iStock

A cada cinco segundos, uma criança com menos de cinco anos morre no mundo. A maioria dos casos está relacionada a causas preveníveis, segundo relatório "Mortalidade Infantil", divulgado nesta semana pela Organização Mundial da Saúde, Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), ONU e Banco Mundial.

 

As entidades apontam que, sem uma ação urgente, 56 milhões de crianças com menos de cinco anos devem morrer até 2030. De acordo com o documento, 6,3 milhões de crianças morreram em 2017. Deste total, 5,4 milhões tinham menos de cinco anos, sendo metade deste número referente a recém-nascidos.

 

"Nós conseguimos progresso marcante para salvar as crianças desde 1990, mas milhões ainda estão morrendo por quem são e por onde nasceram. Com soluções simples como medicamentos, água limpa, eletricidade e vacinas, podemos mudar a realidade para cada criança", afirmou Laurence Chandy, diretora de Dados, Pesquisas e Políticas do Unicef.

 

Entre as crianças com menos de cinco anos, a maioria de mortes está relacionada a causas preveníveis ou tratáveis, como complicações no parto, pneumonia, diarreia, sepse neonatal e malária. No caso de crianças entre cinco e 14 anos, ferimentos são a principal causa de morte, especialmente por afogamento e acidentes de trânsito.

 

Metade de todas as mortes registradas entre menores de cinco anos estão concentradas na África Subsaariana. Em média, uma em cada 13 crianças morreram antes do quinto aniversário em países dessa região, contra a taxa de uma para cada 185 nos países ricos. Outros 30% das mortes registradas em todo o mundo acontecem no Sul da Ásia. 

SUS gasta R$ 100 mi anuais com doenças ligadas à falta de saneamento básico
Foto: Agência Brasil

A falta de saneamento básico e acesso à água de qualidade geraram um custo de R$ 100 milhões ao Sistema Único de Saúde (SUS), ao longo de 2017. Dados do Ministério da Saúde apontam que foram registradas 263,4 mil internações por doenças relacionadas ao problema. O número ainda é elevado, segundo a Agência Brasil, mesmo com o decréscimo em comparação aos casos registrados no ano anterior, quando 350,9 mil internações geraram custo de R$ 129 milhões.

 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cada dólar investido em água e saneamento resultaria em uma economia de US$ 4,3 em custos de saúde no mundo. Recentemente, organizações ligadas ao setor privado de saneamento, reunidas em São Paulo, reforçaram a teoria da economia produzida por este investimento. Pelas contas do grupo, a universalização do saneamento básico no Brasil geraria uma economia anual de R$ 1,4 bilhão em gastos na área da saúde.

 

No mesmo evento - Encontro Nacional das Águas – os representantes das empresas apontaram que dos 5.570 municípios do país, apenas 1.600 têm pelo menos uma estação de tratamento de esgoto e 100 milhões de brasileiros ainda não têm acesso à tratamento de esgoto.

 

Atualmente, de acordo com o Instituto Trata Brasil, apenas 44,92% dos esgotos coletados no país são tratados. O Brasil tem uma meta de universalização do saneamento até 2033. Este objetivo previsto no Plano Nacional de Saneamento Básico, representaria um gasto de cerca de R$ 15 milhões anuais, ao longo de 20 anos.

Quinta, 20 de Setembro de 2018 - 10:00

Viver Bem: Como prevenir estrias?

Viver Bem: Como prevenir estrias?
Foto: Divulgação

Famosas ou não, as mulheres em geral sofrem com um problema estético: as estrias. Elas são alterações cutâneas bastante frequentes, em especial, no período gestacional, quando a incidência é de aproximadamente 70% das mamães. Para além da gravidez, quando se é jovem, a estria é fininha e clara. Mas a gestação pode levar a um estiramento rápido e agressivo, por isso aparecem estrias nos seios, no abdômen e em outras partes do corpo que aumentam de tamanho. 

 

Vale destacar que quanto mais jovem é a mulher, maior a chance de haver uma distensão da pele, inclusive na gestação. De acordo com a dermatologista do Hapvida, Eline Weba, isso acontece porque a pele jovem não tem uma distensibilidade tão grande, pois é mais dura e enrijecida. "Normalmente quando as meninas se tornam adolescentes, acabam percebendo o surgimento de algumas estrias pelo corpo”, explicou.

 

PREVENÇÃO

Durante a gestação, o ideal é que a mulher faça uso de cremes hidratantes, já que a pele está sendo alterada por causa das mudanças hormonais fisiológicas. Nesse período, o tecido epitelial precisa de uma hidratação maior por causa do estiramento agressivo. Nos demais casos, a profissional alerta para a preferência pelo uso de produtos neutros. “A mulher deve preferir utilizar produtos para tomar banho ou se higienizar menos agressivos, utilizando sabonetes mais suaves. Por mais que não se use o sabonete para o banho, só a chuveirada, no calor, já ajuda, pois as temperaturas elevadas ressecam a pele”, explicou a dermatologista.

 

A água do banho e o controle do peso também precisam ser vistas com cautela. De preferência, o banho deve ser feito com a água fria e o cuidado com o ganho de peso acaba interferindo negativamente nesse processo. No caso das gestantes, o ideal é que o aumento de peso seja de até 15 kg, mas isso depende de cada caso. 

 

TRATAMENTOS 

Para quem não consegue lidar com o estriamento pelo corpo, um alívio: tem tratamento. Peeling de cristal ou peeling de ácido glicólico, por exemplo, são procedimentos usados em baixa concentração. Mas, caso a estria seja muito vermelha e aparente estar irritada, o tratamento pode ser com ácido retinóico, cremes, ácido glicólico e mais uma hidratação mais profunda. Microdermoabrasão leve, peeling de cristal, lasers, microagulhamento (com microagulhas em um rolo, para induzir a produção de colágeno), são outras opções de tratamentos. Quanto mais cedo o início do tratamento, melhor será o resultado.

Pará registra primeira morte por sarampo; casos confirmados ultrapassam 1,7 mil
Foto: Agência Brasil

O Brasil confirmou mais uma morte por sarampo, desta vez no estado do Pará. De acordo com boletim divulgado nesta quarta-feira (19) pelo Ministério da Saúde, o número de óbitos chegou a nove, dos quais quatro foram registrados em Roraima (três em estrangeiros e um em brasileiro), quatro no Amazonas (todos brasileiros) e um no Pará (um indígena venezuelano).

 

Foram confirmados, até a última segunda-feira (17), 1.735 casos da doença em todo o país. Outros 7.812 permanecem em investigação. Dois estados da região Norte enfrentam surtos de sarampo: Amazonas (1.358 casos e 7.711 em investigação) e Roraima (310 casos e 54 em investigação).

 

Casos isolados e, segundo a pasta, relacionados à importação foram identificados em São Paulo (2), Rio de Janeiro (18), Rio Grande do Sul (24), Rondônia (2), Pernambuco (4), Pará (13) e Sergipe (4). Apesar de não constar no boletim, a Bahia também já confirmou um caso da doença (veja aqui).

Quinta, 20 de Setembro de 2018 - 07:10

Vaginas viram alvo de produtos que vão de cosméticos a ovos de cristais

por Marcella Franco | Folhapress

Vaginas viram alvo de produtos que vão de cosméticos a ovos de cristais
Foto: Shutterstock

Por muito tempo, o espaço relegado às vaginas era dar prazer aos homens. Agora, as mulheres vêm sendo estimuladas a dar à sua intimidade o valor merecido, olhando para ela sem pudores, e investindo em cuidados e terapias específicos. A consequência disso é que, ávidas por itens que vão de cosméticos a cristais e vapores, as vaginas viraram o alvo do mercado medicinal.

Trata-se de um nicho poderoso, no qual cabem produtos voltados a atender às mais variadas necessidades. Começou com o lançamento dos copos coletores, uma alternativa aos tampões durante o período menstrual. Há um ano, surgiram, também, as calcinhas absorventes, e as mulheres passaram a buscar diferentes maneiras de cuidar de sua vagina e se relacionar com ela diariamente, ao invés de apenas uma vez por mês.

Agora, inspirados pelo resgate do "sagrado feminino", centenas de perfis nas redes sociais oferecem cosméticos naturais próprios para a vagina e o útero. É o caso, por exemplo, da Pachamama, marca mineira que tem em sua linha sabonete íntimo, bálsamo para alívio da TPM e até um kit menarca para celebrar a primeira menstruação das meninas.

"Nós participávamos de círculos de mulheres e víamos muita dor, falta de aceitação dos ciclos, da menstruação, falta de libido, e queríamos tanto solucionar essas questões quanto oferecer produtos que ainda não existiam", relembra Caroline Neves, diretora geral da marca, com oito anos de história e agora presente em 22 estados.

"No começo, algumas coisas assustavam muito as mulheres, como o coletor e o absorvente de pano. Elas gostavam dos cosméticos, e a gente ia entrando com a ideologia", explica. "Fizemos um trabalho de formiguinha para elas entenderem a transformação que precisava ser feita, e por isso é maravilhoso hoje ver tanta gente falando sobre essa conexão com a própria vagina, o útero e o prazer."

Melhora na vida sexual, aliás, é um dos benefícios que a terapia com ovos de yoni (vagina em sânscrito) promete . Depois de uma avaliação do histórico médico e emocional da mulher, uma especialista desenvolve uma gema de cristal polido em forma de ovo personalizada para cada paciente, que então introduz a pedra no canal vaginal.

Lourdes Pedretti Anahata, terapeuta especializada na prática, explica que os ovos ajudam, por exemplo, no equilíbrio hormonal, a reduzir cólicas, fortalecer o assoalho pélvico, prevenir a incontinência urinária, reduzir cólicas, além de colaborar com a fertilidade e favorecer o autoconhecimento.

"É crucial para todas as mulheres desenvolverem um relacionamento profundo com sua própria yoni, dar a ela muito amor diariamente", acredita. "A maioria das mulheres sabe muito pouco sobre suas yonis. Existe uma enorme desconexão, e elas ficam entorpecidas. Isso pode acontecer por trauma sexual ou emocional, ou simplesmente em virtude da cultura sexualmente reprimida".

A prática, de acordo com a terapeuta, teria surgido na China há mais de 5.000 anos e era chamada de kung fu vaginal. Em setembro, Anahata promove um workshop em São Paulo em que ensinará os cuidados básicos com as gemas, além de exercícios de pompoarismo e atalhos para o orgasmo.

Na internet, é possível encontrar gemas por 80 reais a unidade. Anahata, por exemplo, só oferece o ovo com o workshop. O curso, que dura um dia, custa cerca de R$ 500.

Na última semana, os "ovos de yoni" protagonizaram uma polêmica nos Estados Unidos. Em um site, propagandas da terapia traziam como chamariz a atriz Gwyneth Paltrow, que falava sobre aumento da libido e orgasmos, e acabou criticada pela classe médica internacional.

No Brasil, a ginecologista e obstetra Ana Lúcia Beltrame também recomenda cautela. "Não há nenhum estudo que comprove os benefícios dessa ação nem os malefícios a médio e longo prazo para a saúde íntima da mulher. A introdução de substâncias como uma pedra pode ocasionar lesões no canal vaginal e alergias".

A médica também comenta a terapia da "vaporização do útero", prática na qual se usa água fervente em um recipiente com ervas terapêuticas para realizar uma espécie de "sauna íntima", e a "respiração ovariana", que visa tratar problemas como miomas, endometriose e infertilidade.

"Essas práticas não têm nenhuma comprovação científica e não são tratamentos. Do ponto de vista médico, não há recomendação para que a mulher continue utilizando estes vapores. Se deseja ter melhora na saúde íntima, ela deve buscar ajuda de um ginecologista, que poderá orientar de forma adequada sobre o tratamento", esclarece.

Outro forte movimento feminino atual resvala justamente neste aspecto médico ao se apoiar na chamada "ginecologia natural" para tratar patologias por meio de ervas medicinais, aromaterapia banhos de assento, óleos, entre outros. Divya Prem, naturóloga, entende que é possível, por exemplo, que toda mulher se cure naturalmente da candidíase.

"Para isso existem muitos recursos naturais, como a violeta genciana. Além disso, é importante cuidar da alimentação, cortar doces e o excesso de carboidratos. Ficar sem calcinha ajuda muito também", receita.

"A ginecologia natural individualiza os tratamentos. É necessária uma longa escuta, compreender cada caso, conhecer a mulher. Cada uma será beneficiada de um tratamento diferente. Prescrever plantas não é como prescrever comprimidos", completa Bel Saide, ginecologista natural.  

A terapeuta Janaina Fellini, fundadora do espaço A Sala Rosa, famoso nas redes sociais, enxerga o atual momento feminino com otimismo. "Todas as ferramentas são bem-vindas, não podemos negar a evolução nem a eficácia dos remédios quando necessários. No entanto, agora podemos retomar nosso poder de escolha", avalia.

"Agora, temos a chance de conectar essa mulher contemporânea com a mulher ancestral, consagrando essa celebração com o conhecimento, a informação e o amor pelos nossos corpos e ciclos. É um privilégio viver um tempo de transição, com acesso à informação e ainda estar dentro de um corpo com um organismo que se limpa e regula todo mês. A revolução é feminina e começa do lado de dentro".

INTS oferece atendimentos oftalmológicos gratuitos no bairro do Cabula
Foto: Divulgação

O Instituto Nacional de Amparo à Pesquisa, Tecnologia e Inovação na Gestão Pública (INTS) promove, na próxima terça-feira (25), atendimentos oftalmológicos gratuitos no bairro do Cabula. Serão oferecidos 360 exames e consultas oftalmológicas para os moradores da região.

 

A unidade móvel estará, das 7h às 17h, no estacionamento do GBarbosa do Cabula, localizado na Estrada das Barreiras. Para o atendimento, os interessados devem ter acima de 30 anos e portar RG, CPF, comprovante de residência e cartão do SUS. A ação é capitaneada pelo projeto De Olho na Saúde do INTS.

Sindimed promove curso sobre risco suicida para médicos e estudantes
Foto: Divulgação

Como parte da campanha Setembro Amarelo, o Sindicato dos Médicos do Estado da Bahia (Sindimed-Ba) realiza no próximo sábado (22) o curso "Risco Suicida: Uma Emergência Médica". O evento tem o objetivo de qualificar emergencistas para identificação do risco suicida, orientando sobre a melhor maneira de tratar esta emergência e encaminhar os pacientes.

 

Ministrado pelos médicos psiquiatras Sandra Peu, Miriam Gorender, Ana Paola Robato e Lucas Alves, o curso abordará as especificidades do risco de suicídio em crianças, adolescentes e idosos, grupos cuja incidência de suicídio vem crescendo. 

 

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas através da plataforma Sympla (clique aqui), com vagas limitadas. Voltado para médicos e estudantes de Medicina, o evento acontece das 8h30 às 12h30, no auditório do Sindimed, localizado em Ondina.

Quarta, 19 de Setembro de 2018 - 17:10

Debate sobre drogas é pobre no Brasil, diz criador de curso de ciência psicodélica

por Fernando Tadeu Moraes | Folhapress

Debate sobre drogas é pobre no Brasil, diz criador de curso de ciência psicodélica
Foto: Divulgação

Elevar o nível do debate público sobre as drogas e desfazer mitos e tabus associados a elas. Esse é o objetivo do curso online "Que droga é essa?", lançado nesta terça-feira (18).

Composto de 25 videoaulas divididas em cinco módulos, a iniciativa busca oferecer uma abordagem não apologética do assunto, calcada em pesquisas científicas. O idealizador do curso, produzido em parceria com a escola Perestroika, é o pesquisador Eduardo Schenberg.

Mestre em psicofarmacologia pela Unifesp e doutor em neurociências pela USP, ele se especializou no estudo das chamadas substâncias psicodélicas, como a ayahuasca, o MDMA, a mescalina e a psilocibina. Schenberg conduz atualmente pesquisas para testar o efeito do MDMA sobre pessoas que sofrem de estresse pós-traumático.

"A questão das drogas afeta toda a sociedade: jovens, velhos, policiais, médicos, políticos", explica Schenberg. "Apesar disso", prossegue, "o debate público é paupérrimo, dominado pela superficialidade e por preconceitos. Minha intenção foi abordar esse tema de maneira rigorosa e fugir da dicotomia libera tudo ou fica tudo como está."

O próprio pesquisador adota uma posição intermediária no tema. "Sou totalmente a favor da legalização da maconha, mas tenho sérias dúvidas sobre liberar o crack, por exemplo".

Segundo o pesquisador, a proibição internacional que dá suporte a uma guerra planetária às drogas parte do pressuposto de que existem drogas sem nenhum potencial terapêutico, que são altamente viciantes, e drogas do bem, os remédios. "Isso, no entanto, não faz sentido à luz da farmacologia."

Em teoria, ressalta, toda droga pode apresentar algum potencial terapêutico, pois ela, em princípio, é uma substância que afeta alguma função fisiológica do corpo, e as doenças são distúrbios da fisiologia do corpo. "Mas você só vai descobrir se estudá-la, do contrário, você não descobre e acaba demonizando".

O curso começa com um módulo introdutório. "A palavra droga vem de uma expressão holandesa que significa especiarias", diz. Os outros módulos tratam das populações que usam ou usaram drogas e em que lugares do planeta e desde quando, da relação das drogas com o corpo (as diversas maneiras com as quais se pode ingerir drogas e quais os riscos de cada uma delas), dos propósitos por trás do uso de drogas e de como isso influencia os efeitos delas.

"Eu falo da diferença entre uso, abuso e dependência química. Explico a dependência tanto do ponto de vista neurocientífico como do ponto de vista social, psicológico e econômico".

Haverá aulas ministradas também pelo jornalista Denis Burgierman, que falará sobre outras formas de regular o uso de drogas, e pelo professor da USP Henrique Carneiro, que contará a história da utilização dessas substâncias, desde a antiguidade até os tempos modernos.

Segundo Schenberg, ainda predomina a visão de que a droga tem um poder maléfico de sequestrar o cérebro das pessoas e torná-las zumbis. "Para desfazer ideias como essa, eu mostro como esse mito vem sendo recontado de diversas formas desde o século 19."

Atualmente, explica Schenberg, esse mito aparece relacionado a substâncias pouco conhecidas, que ganham notoriedade, causam celeuma e somem. "A última vez, salvo engano, aconteceu com a metilona, anunciada como a droga do canibalismo. Mas isso já ocorreu com a heroína nos EUA, com o crack no Brasil, com a cocaína, já foi feito com a maconha e, lá atrás, com o álcool, durante o período da lei seca americana."

No fim, o pesquisador coloca a pergunta: é possível fazer um uso seguro de drogas? "Essa questão, só de ser posta, já ofende setores da população, mas se trata de algo fundamental. E a resposta é que sim, é possível. Eu faço então uma comparação entre as drogas ilícitas e as drogas lícitas e explico que, dada a falta de controle das proibidas, é mais difícil existir um uso seguro delas".

Schenberg convida os alunos a refletirem sobre o fato de que a proibição às drogas é, no fundo, uma profecia autorrealizável.

"Proíbem-nas sob o argumento de que elas são perigosas. A proibição piora o mercado, a dose fica sempre desconhecida, os produtos não têm controle de qualidade e tornam-se mais contaminados. A consequência da proibição, assim, é aumentar o perigo dessas substâncias, justamente a justificativa para proibi-las."

O curso, que custa R$ 147, pode ser acessado no seguinte endereço: https://bit.ly/2NqhxDi.

Salvador registra queda de 42,4% em número de mortes no trânsito
Foto: Agência Brasil

As mortes por acidentes de trânsito reduziram consideravelmente em Salvador. De acordo com levantamento inédito divulgado nesta terça-feira (18) pelo Ministério da Saúde, houve queda de 42,4% em seis anos. Foram 309 em 2010, contra 178 em 2016.

 

Os números nacionais apresentaram redução de 27,4%. Foram registrados 7.952 óbitos em 2010 e 5.773 em 2016, o que representa uma diminuição de 2,1 mil mortes no período. Salvador é a quarta capital com maior queda, atrás de Aracaju (57,1%), Natal (45,9%) e Porto Velho (43,5%), segundo dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM).

 

A divulgação do levantamento marca o início da Semana Nacional do Trânsito. Para o Ministério da Saúde, a  redução dos óbitos pode estar relacionada às ações de fiscalização após a Lei Seca, que neste ano completou 10 anos de vigência. Além de mudar os hábitos dos brasileiros, a lei trouxe um maior rigor na punição e no bolso de quem a desobedece, com regras mais severas para quem misturar bebida com direção.

 

“Houve um aprimoramento da Legislação, aumento na fiscalização e alguns programas estratégicos, como o Vida no Trânsito. No entanto, o número de óbitos e internações ainda preocupa, especialmente os de motociclistas. Precisamos avançar na mobilidade segura para reduzir esses números”, enfatizou Maria de Fátima Marinho, diretora do Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde da pasta.

 

O documento detalhou ainda que as mortes em pedestres tiveram a maior redução (44,7%), quando comparado os mesmos anos. Os ocupantes de automóveis e os motociclistas apresentaram queda de 18% e 8%, respectivamente.

Fisiculturista baiano com síndrome de Down se prepara para disputar primeiro torneio
Foto: Reprodução / TV Santa Cruz

O baiano Tiago Vieira Pinto vai disputar a sua primeira competição de fisiculturismo no sábado (22), em Fortaleza, durante uma feira de nutrição esportiva. Ele tem síndrome de Down e, de acordo com a Confederação Brasileira de Musculação, Fisiculturismo e Fitness (CBMFF), é o primeiro a ser registrado no país.

 

Aos 36 anos, Tiago se prepara há três meses para a competição. Morador de Ilhéus, o atleta se apaixonou pela modalidade após começar a frequentar a academia. Quem conta é a treinadora do baiano Tamy Gonçalves, que também é fisiculturista.

 

"Tiago sempre foi muito curioso e observador. Então, ele ficava sempre aqui pela academia e queria fazer todos os aparelhos de uma vez. E a gente foi observando. E uma vez só que a gente corrigia um movimento ou outro ele passava a fazer com perfeição", disse em entrevista ao site G1.

Foto: Reprodução / TV Santa Cruz

 

Por causa da síndrome de Down, Tiago não desenvolveu bem a fala. Porém, ele não tem limitação nenhuma para ter uma rotina de treinamentos. O atleta bate ponto de domingo a domingo na academia desde que decidiu participar da competição. Além da determinação e prática, ele conseguiu obter bons resultados no corpo devido a facilidade de ganhar massa muscular. Como explica outro treinador do rapaz, Victor Farias.

 

"Ele tem uma maturidade muscular muito boa. Tiago tem 36 anos, não é um garoto de 15 anos", falou.

 

A síndrome de Down não é uma doença, mas uma condição inerente à pessoa, portanto não se deve falar em tratamento ou cura. Ela está associada a algumas questões de saúde que devem ser observadas desde o nascimento da criança.

 

A síndrome de Down é causada pela presença de três cromossomos 21 em todas ou na maior parte das células de um indivíduo. A pessoa com síndrome tem 47 cromossomos no núcleo das células em vez de 46, como é comum. O Brasil tem uma população de 350 mil pessoas com síndrome de Down.

Feira de Santana: Licitação para novo Hospital Clériston Andrade é lançada pelo governo
Foto: Divulgação

O governo do Estado publicou no Diário Oficial desta terça-feira (19) o edital de licitação do novo Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA), que será construído no município de Feira de Santana. Com expectativa de conclusão em até 12 meses, o investimento estimado é de R$ 67,5 milhões entre obras (R$ 50 milhões) e equipamentos (R$ 17,5 milhões).

 

De acordo com a Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab), a unidade terá 40 leitos de terapia intensiva (UTI), centro cirúrgico com 11 salas, além de um Centro de Hemorragia Digestiva. Haverá ainda um novo setor de Bioimagem com ressonância magnética, dois tomógrafos, raio-X, ultrassom, Doppler e ecocardiograma.

 

"Neste novo hospital teremos um sistema digital de integração, fazendo com que a unidade funcione sem a necessidade de papel e seja o primeiro hospital público 4.0 da Bahia", destacou o secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas, durante coletiva para apresentação de detalhes do projeto.

 

Segundo o secretário, a transferência de parte dos serviços do atual HGCA para o novo possibilitará a ampliação dos leitos de enfermaria, que terá cerca de 400 leitos. O novo HGCA terá mais de 5,7 mil metros quadrados de área construída, distribuídos em três pavimentos. As intervenções ainda contemplam mais de 17 mil metros quadrados de urbanização, paisagismo e praça de alimentação.

Histórico de Conteúdo