Resolução do Conselho de Medicina Veterinária proíbe inscrição de egressos de cursos EAD
Foto: Reprodução / Correio do Estado

Em decisão unânime, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) aprovou a resolução que proíbe a inscrição de egressos de cursos da área formados por ensino à distância (EAD). A Plenária do Conselho reconhece que a autorização para esses cursos é concedida pelo Ministério da Educação, mas entende que a modalidade impede a realização de aulas práticas consideradas essenciais para formar um bom profissional.

 

De acordo com a entidade, naquela época, as diretrizes curriculares do MEC admitem que 20% da grade horária da graduação de Medicina Veterinária seja realizada por aulas on-line, desde que restritas aos conteúdos meramente teóricos. Porém, o CFMV defende que os outros 80% das aulas sejam ministrados exclusivamente sob a modalidade presencial, inclusive, com estágio profissional.

 

O presidente do CFMV, Francisco Cavalcanti de Almeida, destaca que o curso de Medicina Veterinária demanda inúmeras atividades práticas e de campo, como anatomia, fisiologia, clínica, cirurgia, patologia, análises laboratoriais, entre outras operacionais e de manejo técnico, cuja aprendizagem só ocorrem por meio de aulas presenciais, conforme prevê a Resolução nº 595/1992.

 

“Já é um processo complexo de aprendizagem em aulas presenciais. Imagine como seria aprender isso virtualmente? Como seriam aulas on-line de auscultação do coração ou dos movimentos estomacais? ”, indaga, acrescentando que a educação inadequada prejudica a formação profissionalizante e impacta diretamente nos serviços prestados à sociedade.

 

Dessa forma, sem a inscrição no conselho, o médico veterinário formado à distância fica impedido de exercer a profissão em todo o país. Além disso, profissionais que ministrarem disciplinas ou estiverem envolvidos na gestão dos cursos a distância estão sujeitos à responsabilização ético-disciplinar. A resolução deve ser publicada no Diário Oficial nos próximos dias.

Sesab alerta municípios sobre epidemia de Dengue e pede realização de ações de combate
Foto: Divulgação

A Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) emitiu um alerta para os municípios baianos para combater o mosquito aedes aegypti, que transmite a dengue. De acordo com a Sesab, o número de casos da doença cresceu em 301,4% já neste ano de 2019, se comparado ao mesmo período de 2018. Até o dia 16 de fevereiro desse ano foram notificados 3.725 casos em 123 municípios. O município de Feira de Santana lidera com 1.520 registros e quatro óbitos. Outros dois óbitos foram confirmados, sendo um em Salvador e outro em Candeias.

 

A Sesab pediu aos municípios que promovam mutirões de limpeza, com atividades de vistoria e remoções de focos do vetor nas residências, juntamente com caminhadas de conscientização e distribuição de materiais informativos. O governo da Bahia já distribuiu 7,4 mil kits para serem utilizados pelos agentes de controle de endemias dos 417 municípios. Com investimento superior a R$ 2,6 milhões, cada kit é composto de 26 itens, como pesca larva, pipetas de vidro, tubos de ensaio, álcool, esponja, lanterna de led recarregável, bacia plástica, dentre outros materiais. “Os agentes de controle de endemias têm um papel fundamental na eliminação de focos do Aedes aegypti, pois na visita aos imóveis, eles eliminam criadouros, orientam moradores e realizam mobilizações”, afirma o secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas.

 

A distribuição desses kits se configura como um apoio essencial aos municípios, considerando que a maioria tem dificuldades para aquisição de bens e equipamentos, bem como escassez de recursos. “Os materiais e equipamentos adquiridos pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) são todos padronizados pelo Ministério da Saúde”, destaca o secretário.

 

SINTOMAS

O primeiro sintoma da Dengue é a febre alta, entre 39° e 40°C. Tem início repentino e geralmente dura de 2 a 7 dias, acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira no corpo. Também pode haver perda de peso, náuseas e vômitos. A população deve procurar a unidade básica de saúde mais próxima. A equipe de saúde pode realizar um teste rápido para detectar a doença.

Hemoba promove 'Sabadão Solidário' para abastecer estoque de sangue para Carnaval
Foto: Carol Garcia/ Secom-BA

Para garantir estoque de sangue para atender a demanda do Carnaval, a Fundação Hemobra promove neste sábado (23), até as 17h30, o último “Sabadão Solidário”. O atendimento acontece no hemocentro coordenador, localizado na Ladeira do HGE, em Brotas, na capital baiana.

 

O Sabadão Solidário é uma ação primordial para a Hemoba, devido a sua funcionalidade em captar e fidelizar doadores, através de estímulos em horários especiais. O objetivo é reforçar o estoque estratégico, para atender com segurança todos os pedidos de unidades de saúde e hospitais, além de sensibilizar a população sobre a importância das doações regulares.

 

A doação de sangue é simples, rápida e segura. O organismo repõe o volume de sangue doado nas primeiras 24 horas após a doação. Todo o material utilizado na coleta é descartável, o que elimina qualquer risco de contaminação para o doador. Para doar sangue, o voluntário deve estar em boas condições de saúde, pesar acima de 50 quilos, sendo necessário estar bem alimentado, tendo, preferencialmente, ingerido alimentos sem gordura. O doador precisa ter entre 16 e 69 anos de idade (menores de 18 anos devem estar acompanhados por um responsável legal) e apresentar documento original com foto, emitido por órgão oficial e válido em todo o território nacional.

Sábado, 23 de Fevereiro de 2019 - 00:00

Falta de humanidade ou terapia avançada? Proposta sobre 'eletrochoque' gera polêmica

por Renata Farias

Falta de humanidade ou terapia avançada? Proposta sobre 'eletrochoque' gera polêmica
Foto: Reprodução / The New York Times

Uma nota técnica do Ministério da Saúde (veja aqui), publicada no início deste mês, foi recebida com críticas que a classificaram como um retrocesso em relação à reforma psiquiátrica e lutas antimanicomiais no país. Entre as mudanças propostas na atual Política de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas está a ampliação da oferta da eletroconvulsoterapia (ECT), conhecida como “eletrochoque”, para o Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Os contrários à prática, regulada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) desde 2002, chegam a compará-la a tortura. “Essa é uma forma absurdamente invasiva e agressiva, apesar de hoje haver essa maquiagem. Dizem que dá anestesia, então é uma forma mais humanizada de tratamento, mas que a gente compreende que não é humanizada”, argumentou a psicóloga Laís Mendes, do Coletivo Baiano da Luta Antimanicomial.

 

O grupo defende as diretrizes estabelecidas na Reforma Psiquiátrica, de 2001, que dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais. Entre os dispositivos utilizados para tratamento de pacientes, de acordo com a lei, estão os Centros de Atenção Psicossocial (CAPs).

 

De acordo com a psicóloga, a ECT é capaz apenas de eliminar temporariamente os sintomas, não a doença mental. “No Centro de Atenção Psicossocial, a gente trabalha a questão social, da inclusão, do convívio. A gente trabalha os delírios, que são também uma forma de denunciar a dor psíquica, o sofrimento. Eliminar os sintomas não trata o que o sujeito sente”, acrescentou.

 

Nos CAPs, explicou Mendes, são utilizados medicamentos para controle dos sintomas, combinados com o atendimento voltado para a questão social e ressignificação da loucura. “Há maior eficácia do que em um tratamento invasivo e pontual, que atende principalmente a interesses lucrativos de alguns grupos, como a ‘indústria dos manicômios’ e dos que defendem o retorno da ‘psiquiatria clássica’, com suas práticas manicomiais, aproveitando o momento político propício a normatizações e higienização social”, criticou a profissional.

 

MANIPULAÇÃO POLÍTICA?

Por outro lado, a eletroconvulsoterapia é apontada como o melhor tratamento para casos graves de depressão. A terapia é indicada inclusive para idosos e mulheres grávidas, por evitar a intoxicação do bebê por medicamentos. No entanto, é oferecida atualmente, no Brasil, apenas no setor privado de saúde, com altos custos.

 

Para o psiquiatra Luiz Fernando Pedroso, as críticas ao procedimento estão relacionadas a “manipulação política”.  “Nas últimas décadas, há um excesso de ativismo social, e as pessoas buscam uma causa para levantar uma bandeira qualquer e vão manipulando a realidade a seu bel-prazer”, afirmou.

 

O profissional explicou que o efeito terapêutico não está relacionado à eletricidade, mas à convulsão provocada. “Esse tratamento começa a ser concebido já no século XVIII. As pessoas com transtornos mentais que apresentavam convulsão melhoravam do transtorno mental”, pontuou. Segundo o especialista, a corrente elétrica, nessa situação, funciona como um estímulo para produzir “uma convulsão de qualidade”.

 

Quanto aos efeitos colaterais, é normal que a ECT provoque náusea e perda de memória. No entanto, Pedroso ressaltou que a terapia não causa lesões no cérebro. Pelo contrário, teria efeito neuroprotetor. “As pesquisas mostram que as doenças crônicas, as depressões vão produzindo atrofias no cérebro, afetando as conexões interneuronais, e tanto medicamentos quanto a eletroconvulsoterapia restabelecem essas conexões”.

 

Os equipamentos usados atualmente para o tratamento seriam ainda menos danosos. “Hoje a gente usa uma aparelhagem mais moderna, com um estímulo elétrico com corrente especial próxima à corrente fisiológica normal do neurônio, e isso reduz efeitos colaterais”, disse o psiquiatra. “Isso não significa que os procedimentos antigos são ruins. Muito pelo contrário, a eletroconvulsoterapia foi o primeiro grande agente antimanicomial, foi a primeira terapia realmente efetiva para reduzir as internações psiquiátricas”, defendeu.

Com krav magá e corrida, Hapvida +1K promove aulão de combate ao alcoolismo
Foto: Divulgação

Com o objetivo de combater e conscientizar sobre os riscos do consumo excessivo de bebida alcoólica, o Hapvida +1K realiza neste sábado (23) o primeiro aulão do ano. Os interessados poderão participar de uma programação com aula de krav maga, treino de caminhada e corrida, além de atividades para o público infantil.

 

De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), 3,3 milhões de pessoas morrem todos os anos em consequência de problemas com o excesso de bebidas alcoólicas. O tema do evento foi pensado para combater essa realidade, que está presente em todo o país.

 

Para a psicóloga do Sistema Hapvida Saúde, Amanda Ranuza, além do apoio dos amigos e da família, a prática de exercícios físicos é muito importante na recuperação de pessoas que sofrem com qualquer tipo de vício. “Praticar exercícios estimula a produção dos chamados ‘hormônios da felicidade’, como, por exemplo, dopamina, endorfina, ocitocina e serotonina. Eles estimulam a busca por recompensas, ajudam o corpo a superar dores físicas, colaboram na construção de laços sociais e promovem a sensação de bem-estar e prazer”, explicou. “Com isso, a pessoa passa a ser mais autoconfiante, resgata a autoestima, tem mais disposição, aumenta a estabilidade emocional e ainda contribui para um bom relacionamento interpessoal e um melhor comportamento social”.

 

O aulão acontece a partir das 15h, na Av. Otávio Mangabeira, próximo à antiga sede de praia do Bahia. A entrada é gratuita.

CFM revoga resolução que regulamentava atendimento à distância
Foto: Shutterstock

O Conselho Federal de Medicina (CFM) revogou nesta sexta-feira (22) a resolução que regulamentava a Telemedicina (veja aqui). Em informe direcionado aos médicos e à população, a entidade aponta como uma das razões o "clamor de inúmeras entidades médicas, que pedem mais tempo para analisar o documento e enviar também suas sugestões".

 

O CFM ainda argumenta que será necessário tempo para concluir as etapas de recebimento, compilação, estudo, organização, apresentação e deliberação sobre todo material enviado sobre a proposta. A revogação será oficializada e referendada em sessão plenária extraordinária, convocada para a próxima terça-feira (26), em Brasília.

 

Até a elaboração e aprovação de um novo texto para regulamentação da telemedicina, a prática ficará subordinada aos termos da Resolução CFM nº 1.643/2002, atualmente em vigor.

Sexta, 22 de Fevereiro de 2019 - 13:00

Prevenção ao HIV conscientiza sem desrespeitar famílias, diz Mandetta

por Renata Farias / Ailma Teixeira

Prevenção ao HIV conscientiza sem desrespeitar famílias, diz Mandetta
Foto: Rodrigo Nunes / ASCOM MS

Após dizer que a campanha de prevenção ao HIV deve conscientizar sem desrespeitar a família, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, acredita que a publicidade da pasta cumpriu o propósito. Em Salvador, na manhã desta sexta-feira (22), ele apresenta a campanha, que costuma abrir o calendário de ações da pasta, no Carnaval.

 

"A campanha é bonita, leve e respeitar as famílias, como a gente fala, é respeitar todo mundo, respeitar a sociedade como um todo. A gente não está aqui falando de qualquer coisa que não seja levar uma mensagem extremamente horizontal. Essa mensagem tem que chegar lá no Brasil profundo, lá no Acre, no interior da Amazônia, e ela tem que chegar dentro de São Paulo", defende o ministro.

 

Mandetta ressalta que o problema se encontra no espaço entre a informação e a promoção sobre a importância do uso e o ato de usar o preservativo.

Sexta, 22 de Fevereiro de 2019 - 12:40

Secretário de Saúde anuncia redução do número de pacientes na fila da regulação

por Renata Farias / Rodrigo Daniel Silva

Secretário de Saúde anuncia redução do número de pacientes na fila da regulação
Foto: Reprodução / Facebook

O secretário estadual da Saúde (Sesab), Fábio Vilas Boas, anunciou, nesta sexta-feira (22), a redução do número de pacientes na fila da regulação.

De acordo com o titular da Sesab, em outubro do ano passado, 2,2 mil aguardavam atendimento. Agora, o número caiu para 998.

"É um momento histórico da regulação. Acabamos de atingir a barreira de menos de mil pacientes", declarou Fábio Vilas Boas, em entrevista ao Bahia Notícias, durante o lançamento da campanha "Pare, pense e use camisinha" para conscientizar os foliões que irão pular o carnaval.

Sexta, 22 de Fevereiro de 2019 - 11:50

Em Salvador, ministro lança campanha para conscientizar foliões no carnaval

por Renata Farias / Rodrigo Daniel Silva

Em Salvador, ministro lança campanha para conscientizar foliões no carnaval
Foto: Renata Farias / Bahia Notícias

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, lançou, nesta sexta-feira (22), em Salvador, a campanha "Pare, pense e use camisinha" para conscientizar os foliões que irão pular o carnaval. A ideia é estimular o uso de preservativo, principalmente, entre os homens na faixa etária de 15 a 39 anos.

Na capital baiana, três milhões de camisinhas serão distribuídas durante a festa momesca e a prévia da folia. Além disso, três milhões de testes rápidos de HIV estarão disponíveis. No ano passado, os dois postos do "Fique Sabendo" atenderam 1,8 mil pessoas, e 2 milhões de preservativos foram distribuídos. "A gente aumentou muito o número de preservativos que é para fazer chegar na ponta", declarou Mandetta.

A campanha tem o cantor Gabriel Diniz – cantor da música Jenifer – como embaixador. "Tenho certeza que a Jenifer pode até fazer as paradas, mas ela pede sempre camisinha", brincou o ministro.

Sexta, 22 de Fevereiro de 2019 - 09:10

Saúde privada registra aumento de 3,4% nas contratações

Saúde privada registra aumento de 3,4% nas contratações
Foto: Marcos Santos / USP Imagens

O emprego formal no setor de saúde privada terminou 2018 com 114,1 mil vagas em todo o país. As contratações cresceram 3,4% na comparação com 2017. O resultado faz parte do Relatório de Emprego na Cadeia da Saúde Suplementar, divulgado pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (Iess).

 

“Mesmo com a economia crescendo 1% [em 2018], o mercado formal no setor de saúde privada cresceu mais de 3%. Isso mostra que é um setor da economia que tem ganho mais expressão nos últimos anos”, comparou o superintendente executivo da entidade, Luiz Augusto Carneiro.

 

Segundo a Agência Brasil, o superintendente aponta que uma das causas para o crescimento do setor é a mudança do perfil demográfico da população, que está envelhecendo rápido, o que eleva os gastos individuais com saúde. “Isso gera mais oferta de serviços e mais emprego formal”. Essa é uma tendência que se observa em vários países. Nos Estados Unidos, a saúde suplementar é um dos setores que mais empregam.

 

Desde 2013, a faixa acima dos 59 anos é a que mais cresce; a de 0 a 18 anos já começa a ter crescimento negativo. “Estamos passando por um período de envelhecimento muito rápido da população. Há uma concentração cada vez maior de pessoas idosas com planos de saúde, que demandam mais serviços de saúde, que são mais complexos e mais caros, o que exige ajuste dos prestadores de saúde a essa necessidade.”

 

O superintendente do Iess destacou que 47 milhões de brasileiros têm alguma cobertura privada de saúde. “Isso viabiliza você ter uma cadeia produtiva, com hospitais, clínicas, médicos, laboratórios, e todos esses prestadores de serviços de saúde consomem materiais, equipamentos, medicamentos”. Ao todo, 65% dos beneficiários de planos de saúde estão em planos coletivos empresariais. O setor de saúde suplementar emprega 3,5 milhões de pessoas, ou o correspondente a 8,1% da força de trabalho brasileira.

 

O relatório mostra que todas as regiões tiveram aumento nas contratações em 2018, com destaque para o Sudeste, com 62,868 mil postos. “É no Sudeste que está [concentrado] o Produto Interno Bruto [soma de todos os bens e serviços produzidos no país]. Há correlação forte”. O Nordeste detém o segundo lugar em vagas formais geradas (19,268 mil), mas foi a Região Centro-Oeste que mais sobressaiu porque o saldo de contratações foi mais que o dobro do ano anterior, ao passar de 7,5 mil postos, em 2017, para 16,4 mil, no ano seguinte.

Sexta, 22 de Fevereiro de 2019 - 09:05

Dicas da Blogueira: Rotina Skincare com preços acessíveis

por Rafaela Santos

Dicas da Blogueira: Rotina Skincare com preços acessíveis

Demaquilante, tônico, hidratante facial e protetor solar são só alguns dos indispensáveis da rotina de pele básica. E isso inclui todos os tipos cutâneos: seco, normal, misto, oleoso, acne e sensível. Limpar, tonificar, hidratar e proteger são os 4 passos poderosos que devem ser colocados em prática diariamente. Mas se você acha que precisa despender um super investimento para garantir a rotina de beauté, está enganada! Existem alguns produtos acessíveis que cuidam da pele e não pesam tanto no bolso. 

 

1 Passo: Limpar x demaquilante
O demaquilante é o primeiro passo de qualquer skincare. Ele remove a maquiagem e outros resíduos que se acumulam na pele ao longo do dia. A Água Micelar, da L'Oréal, é uma ótima opção “baratex”. A fórmula limpa profundamente sem deixar o rosto melecado. A água é ideal para remover a make superficial, principalmente da pele. 

2 Passo: Sabonete facial

O sabonete facial é o responsável por limpar os resíduos de impureza, inclusive o restinho de demaquilante que fica na pele. O importante é escolher uma fórmula de acordo com a sua necessidade, produtos adstringentes são ideais para o rosto misto e oleoso, já o hidratante é poderoso na pele ressecada. A linha Clean & Clear é uma das melhores opções “baratex” nas prateleiras, ela equilibra o pH e controla a produção de sebo ao longo do dia. 

3 Passo:  Esfoliantes

O esfoliante pode ser aplicado no rosto de uma a duas vezes por semana para garantir uma limpeza mais profunda com a remoção das células mortas. Além disso, o produto também controla a produção de sebo e melhora as manchas.

4 Passo: Tonificar

O tônico é o responsável por finalizar a etapa da limpeza. A loção deve ser aplicada na pele diariamente para remover todos as impurezas que restaram nos poros. A fórmula também consegue controlar o pH, purificar e manter a pele mais sequinha ao longo do dia. Outro fator essencial: o tônico prepara o rosto para receber o hidratante e protetor solar. Uma aposta das boas é o tônico de Tea Trea, da The Body Shop, com óleo puro de Melaleuca, um agente bactericida e cicatrizante.

5 Passo:  HIDRATAR

Sim! Todos os tipos de pele precisam de hidratação, inclusive as oleosas que podem cair no efeito rebote com produtos extremamente adstringentes. Sempre bom consultar um dermatologista, ok?

O hidratante deve ser aplicado antes do protetor solar para ser absorvido completamente nos poros.

6 Passo: Creme para olhos

O cuidado com os olhos também é essencial. A região é bem mais sensível do que o resto do rosto e precisa de um hidratante com fórmula de toque leve e, ao mesmo tempo, intensa. A atenção com a área é fundamental para evitar linhas finas, bolsas e olheiras.

7 Passo: Proteção

Óbvio que o protetor solar não pode estar de fora. Responsável por evitar manchas, envelhecimento precoce e doenças de pele, o produto deve ser aplicado e reaplicado diariamente. O preço não é tão “baratex” assim, mas é questão d esaúde e vale a pena o investimento.

9 Passo: BB Cream 

Por último, mas não menos importante, o bb cream! O poderoso da beleza é mil e uma utilidades e substitui dois poderosos: hidratante e protetor solar. Além disso, ele também homogeniza o tom da pele e é ideal para o dia a dia. Por sorte, as prateleiras estão recheadas de opções acessíveis com diversas promessas diferentes que vão de controle de oleosidade à melhora de manchas. 

RAFAELA SANTOS
@RAFAFRANCISCABLOG

Sexta, 22 de Fevereiro de 2019 - 07:30

Casal de empresários doa R$ 40 milhões para hospital que atende SUS

por Paula Sperb | Folhapress

Casal de empresários doa R$ 40 milhões para hospital que atende SUS
Foto: Divulgação

Fundado em 1803 com a autorização do príncipe regente dom João 6º, desde sua origem o hospital mais antigo do Rio Grande do Sul conta com donativos para manter o atendimento à população. Recentemente, a Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre recebeu a maior doação individual de sua história. 

Um casal de empresários gaúchos doou R$ 40 milhões à instituição no último dia 13. Com a verba, o hospital vai construir uma nova emergência para atendimento gratuito do Sistema Único de Saúde (SUS). 

A previsão é que a unidade fique pronta em 2022, gerando 500 postos de trabalho. As obras começam em março. O prédio de treze andares abrigará a emergência no térreo, ampliando a área atual de 600 m² para 2.325 m². O custo total é de R$ 177 milhões. 

Por unanimidade, o conselho da entidade decidiu batizar a estrutura de Hospital Nora Teixeira, nome da empresária que doou a verba. Ela é casada com Alexandre Grendene, que apoiou a ação voluntária. 

"Há anos eu visitava a emergência e queria fazer alguma coisa. Se é difícil ficar doente com dinheiro, imagina sem. A situação é o caos e não é culpa da Santa Casa, simplesmente não tem mais lugar. Conversei com a diretoria e explicaram que a solução seria construir um novo prédio. Vou tentar assumir, pensei. Falei com meu marido. 'Vamos ter que fazer. Tu vai ter que me dar [o dinheiro]', risos. Ele é uma pessoa muito generosa, me ajuda em todos os projetos", contou Teixeira, 52, à reportagem. 

Desde os 18 anos a empresária, que tem uma casa de eventos na capital gaúcha, faz voluntariado. Ela começou acompanhando a avó no Educandário São João Batista, que atende crianças com deficiência. Ela também colabora com o Pão dos Pobres, onde organiza atividades para as crianças abrigadas. 

A maior parte dos atendimentos da Santa Casa (66%) é prestada pelo SUS. O diretor geral da instituição, o médico Júlio Matos, explica que de cada R$ 100 gastos no SUS, o hospital recebe R$ 46 do governo. Por isso, em 2018, o déficit gerado pelo SUS foi de R$ 164 milhões. 

Segundo Matos, o equilíbrio nas contas é alcançado com os atendimentos privados, por planos de saúde e ações como cobrança de estacionamento e funcionamento da cafeteria. No entanto, não há margem para investimentos. Por isso, o novo prédio é planejado para ser autossustentável financeiramente, com a emergência gratuita e leitos que gerem renda ao hospital. 

Não é a primeira vez que Teixeira ajuda a Santa Casa. Liderando um grupo de mulheres, o Voluntárias pela Vida, ela arrecadou R$ 5,8 milhões para a UTI pediátrica ampliar o número de leitos, em 2014. 

"Jantávamos entre amigos quando um cirurgião Fernando Lucchese contou que tinha tido um dia terrível. O hospital recebeu uma ordem judicial que determinava internação de um bebê. 'Todos leitos estão ocupados, se eu desligar o aparelho de alguma criança para abrir vaga, ela morre. Como vou escolher quem sobrevive ou não?', ele falou. Ali percebi que precisávamos agir", relembra a empresária.

Com as obras da pediatria entregues rapidamente, os doadores se sentiram confiantes para colaborar com o grupo. Depois chegaram R$ 6,2 milhões para a área de neurologia, onde a fila por cirurgia diminuiu de meses para dias. Teixeira ainda auxiliou uma casa que serve de abrigo temporário para as mães de outras cidades que acompanham os filhos internados no hospital. 

Segundo o diretor, 51% de toda assistência SUS no país é feita por santas casas ou hospitais filantrópicos e 150 milhões de brasileiros contam apenas com o atendimento gratuito. Esses são bons motivos para os empresários contribuírem com esse tipo de estabelecimento, defende. 

"O empresariado deve fazer um esforço para ajudar essas instituições. Vão estar, de alguma forma, retribuindo a contribuição que a população dá aos seus negócios, por exemplo, ao adquirirem seus produtos ou prestação de serviços. Vale a pena", diz o diretor.

Quinta, 21 de Fevereiro de 2019 - 13:30

ParaPraia volta com ação itinerante na praia de Ondina

ParaPraia volta com ação itinerante na praia de Ondina
Foto: Divulgação

Nos dias 23 e 24 de fevereiro, das 08h às 12h, a praia de Ondina será o local para fechar a sexta temporada do ParaPraia que, mais uma vez, vai promover o verão inclusivo para deficientes físicos e com mobilidade reduzida.

 

Desde que começou, o ParaPraia já passou por diversas locais como Itapuã, Arembepe e Boa Viagem, em uma ação itinerante de sucesso, realizando o sonho de muita gente de, pela primeira vez, poder tomar um banho de mar.

 

Com o banho assistido, feito através de cadeiras anfíbias, muitos se emocionam ao entrar na água salgada pela primeira vez, comovendo a todos, sobretudo, alunos e professores dos cursos de fisioterapia, enfermagem da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, voluntários que levam segurança, conforto e assistência aos participantes.

 

O Projeto é patrocinado pela Brakem e o Salvador Shopping, além de contar com o apoio da Cetrel, Alta Forma, Itmov, Citelum e da Escola Bahiana de Medicina, e é promovido pela Prefeitura de Salvador, através da Secretaria Municipal de Sustentabilidade, Inovação e Resiliência (SECIS), com produção da Outros 500 Marketing e Nossa Agência Marketing.

Contraída em banheiro público, bactéria faz pele de mulher 'apodrecer e cair'
Foto: Reprodução / Daily Mail

Um ano após ser diagnosticada com acne, uma mulher de 33 anos descobriu que os sintomas dos quais reclamava eram, na verdade, consequência de uma infecção por uma bactéria. Moradora da Carolina do Sul (EUA), Rachel Star Wthers foi infectada pela Klebsiella oxytoca ao lavar um rosto em um banheiro público.

 

Apenas após pedir desesperadamente aos médicos e apresentar sintomas sérios, a paciente passou por exames. Rachel apresentava, segundo Daily Mail, reações em todo o corpo, incluindo feridas que sangravam e deixavam buracos em seu rosto.

 

"Notei que meu tórax começou a ficar vermelho aleatoriamente, por cerca de cinco a 10 minutos, antes de se dissipar", contou Rachel. "Eu me tornei constantemente exausta e comer era difícil, porque tudo me deixava enjoada. No total, perdi 9,5 kg".

 

 

Os profissionais deciram, então, colocá-la em uma área de isolamento, por suspeita de peste ou lepra. A paciente passou oito noites isolada, com soro e morfina para a dor.

 

"Eu deveria ter as partes infectadas do meu rosto cortadas para testes, mas enquanto esperava pelo cirurgião plástico, as partes mortas do meu rosto e da minha perna apodreceram e caíram. Novo tecido começou a crescer nos primeiros dias", acrescentou.

 

Apesar do sucesso do tratamento, os médicos não tinham certeza da infecção contraída pela paciente. Os profissionais indicavam que ela foi infectada por uma bactéria que não é encontrada nos EUA, durante uma viagem à Ásia algumas semanas antes do início dos sintomas. A maior probabilidade era Klebsiella oxytoca.

 

"Meus documentos de alta hospitalar têm apenas 'infecção' como diagnóstico final", criticou Rachel. "Antes de ser admitido no hospital, vi 10 médicos diferentes e, depois que entrei no hospital, tive cinco médicos observando meu caso".

 

Após o tratamento, a paciente ficou com algumas cicatrizes no rosto. Ela acrescentou que precisa de medicação para dormir e ainda apresenta, em alguns momentos, manchas vermelhas que desaparecem, no tórax e nas cicatrizes.

Viver Bem: Fevereiro Roxo conscientiza as pessoas sobre a fibromialgia
Foto: Pixabay

O segundo mês do ano é marcado por diferentes lutas e conscientizações em relação à saúde. Uma das causas levantadas é a da fibromialgia. Considerada a maior causa de dor crônica entre os brasileiros, a doença é caracterizada por quadro de dor musculoesquelética crônica associada a variados sintomas, que podem ser facilmente confundida com diversas outras doenças quando estas apresentam quadros de dor difusa, fadiga crônica, indisposição e alteração no sono.


De acordo com a fisioterapeuta do Hapvida Saúde, Luana Neres, a doença acomete principalmente mulheres, na faixa etária entre os 35 e 50 anos. A profissional destaca ainda que para a detecção da fibromialgia existem ao menos nove pontos fundamentais que funcionam como um trilho de dor no mesmo lado do corpo no processo de observação clínica e funcional no paciente que possui a doença - atrás da cabeça, no pescoço, no esterno, no ombro, no braço, no cotovelo, no quadril, no glúteo e no joelho. “A observação deste trilho de dor crônica, somado à fadiga, indisposição e alteração do sono levam, após investigação negativa para outras doenças, ao diagnóstico de Fibromialgia”, explica.

 

TRATAMENTO
A Fisioterapia tem papel importante no tratamento, principalmente por manter o corpo ativo e diminuir o quadro de dor com atividades de baixo impacto. “Cinesioterapia, hidroterapia, RPG, dry needling, acupuntura e tantas outras técnicas são utilizadas durante o tratamento fisioterapêutico. Por se tratar de uma doença de origem neurocentral de modulação da dor, é preciso que este paciente seja assistido de forma multidisciplinar com atendimento médico, nutricional, farmacológico, biopsicossocial e de atividade física regular para manutenção da qualidade de vida”, pontua Luana.


Mas, por se tratar de uma doença prioritariamente musculoesquelética, a especialista explica que em momentos de crise, o paciente apresenta dor intensa e generalizada, principalmente em um dos lados do corpo, o que pode levar em alguns casos de limitação de movimento de uma ou muitas articulação do corpo, de forma temporária, associando-se à fraqueza e à indisposição causada pela doença e fatores individuais. “Neste estágio, muitos pacientes relatam não conseguirem sequer sair da cama, gerando um impacto social e laboral que precisa ser acompanhado/tratado por uma equipe multidisciplinar de saúde”, elucida

MP-BA pede restabelecimento de urgência ginecológica no Hospital Clériston Andrade
Foto: Divulgação

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) ajuizou uma ação civil, com pedido de tutela de urgência, na qual solicita o restabelecimento do serviço de urgência e emergência ginecológica no Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA), em Feira de Santana. O prazo estabelecido foi de 10 dias.

 

“Constatamos que a interrupção do atendimento de urgência/emergência ginecológica do HGCA se deu por decisão unilateral da administração local após a transferência do serviço de Obstetrícia para o Hospital Estadual da Criança (HEC). Com a cessão dos profissionais médicos estatutários que atendiam no HGCA para o HEC, o serviço foi indevidamente interrompido, gerando grande instabilidade aos usuários e aos diversos outros estabelecimentos de saúde do Município”, destacou o promotor de Justiça Audo da Silva Rodrigues.

 

Rodrigues ressaltou que, além de Feira de Santana, a população de 126 municípios da região ficou sem atendimento na especialidade. “Com a transferência da obstetrícia para o Hospital Estadual da Criança, este acabou por absorver o material humano para o desenvolvimento das atividades de obstetrícia de alto risco, que até então eram desempenhadas pelo HGCA”, acrescentou. No entanto, segundo o promotor, o HGCA a única credenciada para o atendimento de ginecologia de urgência e emergência de alto risco em Feira de Santana.

Quinta, 21 de Fevereiro de 2019 - 09:10

Lei no Havaí pode elevar para cem anos idade mínima para comprar cigarro

por Danielle Brant | Folhapress

Lei no Havaí pode elevar para cem anos idade mínima para comprar cigarro
Foto: Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas

Uma lei apresentada no Havaí pode virtualmente banir a venda de cigarros no estado a partir de 2024, ao estabelecer uma idade mínima de cem anos para quem quiser comprar o produto. A medida foi elogiada por especialistas em saúde, mas deve encontrar ferrenha oposição da indústria tabagista.

A legislação foi apresentada pelos democratas Richard Creagan, John Mizuno e Cynthia Thielen, membros da Câmara baixa da legislatura havaiana. Um deles, Creagan, além de político, trabalha como médico em uma emergência no Havaí.

Em entrevista ao Hawaii Tribune-Herald, Creagan afirmou que há um grupo de pessoas "pesadamente viciadas -na minha opinião, escravizadas por uma indústria ridiculamente ruim, que as escravizou ao desenhar um cigarro que é altamente viciante, sabendo que é altamente letal. E é."

A proposta, espera, servirá para dar um fim aos malefícios provocados pelo cigarro. Os legisladores abrem o texto afirmando que o produto é considerado o "artefato mais mortal da história humana" e que, no Havaí, causou mais doenças preveníveis, morte e incapacidades do que qualquer outro problema de saúde.

O estado foi o primeiro nos EUA a fixar a idade mínima de 21 anos para comprar cigarros, em 2017. Agora, a intenção é subir ainda mais a régua. "A legislatura acredita que banir as vendas de cigarro deveria ser visto como um esforço de boa fé para libertar fumantes da escravidão desse vício poderoso, e não [como] uma violação de liberdades individuais."

Para isso, propõe escalar, ao longo de cinco anos, o aumento da idade mínima exigida para comprar cigarro no estado. A partir de janeiro de 2020, seria proibido vender o produto a menores de 30 anos. Em 2021, a exigência iria para 40 anos. No ano seguinte, alcançaria 50 anos, e bateria 60 anos em 2023. No último ano, 2024, só quem tivesse cem anos ou mais poderia comprar cigarro.

Segundo estudo realizado pela revista Journal of the American Medical Association, a expectativa média de vida no estado em 2016 era de 81 anos.

Nos Estados Unidos, as leis federais definem 18 anos como a idade mínima para comprar cigarro, mas os governos estaduais têm prerrogativa de aumentar esse piso. A maioria fixa 18 anos. Em alguns, como no Alabama, o patamar é de 19, e em outros, como o Havaí e Massachusetts, de 21 anos.

As restrições seriam aplicáveis apenas a produtos tradicionais, deixando de fora cigarros eletrônicos e outros derivados do tabaco.

A regra reconhece o impacto que a medida poderia ter sobre as receitas obtidas pelo estado com a taxação da venda de cigarro, estimadas em US$ 100 milhões (cerca de R$ 370 milhões) por ano.

"Portanto, enquanto seria ideal e poderia salvar mais vidas proibir a venda de cigarros a todas as idades imediatamente, a legislatura acredita que uma proibição mais gradual, focada inicialmente em grupos de idade mais jovens que provavelmente se beneficiariam mais de uma proibição das vendas de cigarro, vai permitir que o estado seja afastado desse vício e encontrar fontes para substituir esses recursos."

A medida está em apreciação na Câmara baixa havaiana. Caso seja aprovada, vai para o Senado. Depois, teria que ser sancionada pelo governador, o democrata David Ige.

Para Jidong Huang, professor associado do departamento de políticas de saúde e ciências comportamentais da universidade estadual da Geórgia, a medida é bem vinda. "Há pesquisas que mostram que 90% dos fumantes começam a fumar antes dos 18 anos. Se pudermos impedir que as pessoas fumem antes dos 18 ou 21 anos, a maioria não vai começar depois disso. É provável que elas não fumem pelo resto da vida", diz.

O especialista acredita que, ao escalar a idade para comprar cigarro, o estado pode ter uma geração livre do consumo do produto. Além da proibição, Huang sugere que seria necessário adotar políticas para educar sobre os riscos do tabagismo e implementar programas de apoio a quem quer largar o vício.

Mas o especialista não espera que a proibição entre em vigor sem qualquer tipo de contra-ataque das produtoras de cigarro. "A indústria do tabaco é muito poderosa, e há um histórico que mostra que elas vão se opor a qualquer política de controle de tabaco", reconhece.

"Há uma luta com eles toda vez que um governo ou cidade quer aumentar os impostos. Eles vão fazer o que puderem, usar lobby, dar dinheiro a políticos, entrar com ações judiciais."

Huang acha provável que, se a proposta for aprovada, as empresas decidam processar o governo do Havaí em tribunais federais.

Já Stephanie Morain, professora assistente do centro para ética médica e políticas de saúde do Baylor College of Medicine, questiona como o cumprimento da proibição seria fiscalizado.

"Poderia ser criado um mercado negro. Além disso, seria preciso ver como ajudar as lojas que vendem cigarro a repor essa receita. Pode convencer os comerciantes a não vender os produtos? Porque pode ser uma parte importante de sua receita", diz.

"Muitos governos dependem de financiamento da indústria do tabaco. Acho que não deveríamos ter esse tipo de relação com um produto tão nocivo, mas é preciso medir o impacto nos negócios e na economia."

Morain afirma também que a indústria do cigarro, nos últimos anos, já tem se antecipado às mudanças e apostado mais nos cigarros eletrônicos. "Não sabemos os riscos do cigarro eletrônico, mas não queremos que as pessoas comecem a usá-lo", complementa.

Governo do Estado inaugura duas classes hospitalares no bairro de Cajazeiras
Foto: Divulgação

Com o objetivo de garantir o acesso à educação para estudantes que estão em tratamento e não podem deixar o ambiente hospitalar, o governo do Estado inaugurou nesta quarta-feira (20) duas classes hospitalares nos hospitais Eládio Lassere e Instituto Couto Maia, ambos no bairro de Cajazeiras. Os equipamentos beneficiarão, mensalmente, uma média de 400 estudantes.

 

"A modalidade busca atender as necessidades específicas desses alunos, porque não podemos trabalhar com a mesma lógica de uma sala de aula. Para obtermos resultados eficientes, precisamos respeitar as especificidades que encontramos aqui com um tempo de aula mais adequado, diferentes formas de abordagem e acompanhamento", explicou o secretário estadual da Educação, Jerônimo Rodrigues.

 

"Além de ter um efeito importante em manter o nível de educação, existe a autoestima e o estimulo intelectual, que são fundamentais para a recuperação", acrescentou o secretário da Saúde, Fábio Vilas-Boas.

 

Na capital, também já está em funcionamento a Classe Hospitalar do Hospital Geral Roberto Santos, inaugurada em junho de 2018. A iniciativa faz parte do Serviço de Atendimento à Rede em Ambiências Hospitalares e Domiciliares (SARAHDO), que já beneficiou 2.182 estudantes em Salvador, Ilhéus, Itabuna e Feira de Santana.

 

O programa leva professores da rede estadual para dar aulas dentro dos hospitais, possibilitando que os alunos continuem os seus estudos. O projeto também atende em domicílio aqueles estudantes que, igualmente, estão impedidos de frequentar a escola.

Quarta, 20 de Fevereiro de 2019 - 19:10

Exames de bombeiros que trabalham em Brumadinho apresentam alteração para metais

por Folhapress

Exames de bombeiros que trabalham em Brumadinho apresentam alteração para metais
Foto: Divulgação / Corpo de Bombeiros

Os exames médicos de quatro bombeiros que trabalham nas operações de buscas e resgates em Brumadinho (MG) apresentaram alterações para parâmetros de metais no sangue. Três deles apontaram a presença de alumínio. Um quarto bombeiro teve apontada a presença de cobre. A informação foi divulgada pelo governo de Minas Gerais nesta terça-feira (19).

Segundo nota oficial, a alteração não significa intoxicação e os quatro profissionais permanecem assintomáticos. Desde o início das operações de buscas e salvamento na região do rompimento de barragens da mina Córrego do Feijão, no dia 25 de janeiro, vêm sendo feito monitoramento da dosagem de metais no sangue e na urina de quem trabalha no local.

A manifestação diz ainda que "é esperado que após a interrupção da exposição, os níveis de metal no organismo sejam normalizados".

Já haviam sido feitas análises de amostras da lama de rejeitos coletadas da água do rio Paraopeba, que detectaram a presença de metais. Em um comunicado, seis dias depois da tragédia, o governo afirmou então que a água do rio apresentava riscos à saúde humana e animal. A recomendação era para que a população evitasse consumir a água e respeitasse uma área de 100 metros a partir das margens.

Na sexta-feira (15), a AGU (Advocacia Geral da União) e a Vale firmaram acordo preliminar para que a empresa contrate laboratórios encarregados de realizar testes em ao menos 100 pontos próximos ao Paraopeba, para medir a presença de metais como mercúrio, chumbo e arsênio.

A AGU entrou com uma ação para pedir que a Vale pagasse pelos exames. O SUS já fez coleta e avaliação de dezenas de pontos na bacia mas, devido às proporções da tragédia, foi avaliado que haveria necessidade de ampliar os pontos de coleta da água e a frequência dos testes.

A previsão é que o acordo definitivo, com fixação do laboratório responsável, seja firmado até o dia 1º de março.

TJ-BA libera matrícula para internato médico, mas derruba contrapartida de particulares
Foto: Reprodução / G1

A Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) conseguiu, na Justiça, reformar a decisão liminar que suspendeu a matrícula para os estágios obrigatórios de alunos do curso de Medicina nos hospitais do estado.

 

De acordo com liminar do desembargador Baltazar Miranda Saraiva do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), o governo não poderá cobrar de alunos de faculdades particulares a contrapartida criada para bancar insumos daqueles que optarem por realizar o internato dentro de um hospital público. A matrícula, no entanto, foi permitida por meio de um mandado de segurança. 

 

Estudantes de medicina de todas as universidades públicas e privadas da Bahia estavam impedidos legalmente de iniciarem os estágios obrigatórios, conhecidos como internato, no começo deste ano. 

 

Um mandado de segurança a favor do bloqueio foi concedido pelo TJ-BA no início do mês após questionamento da faculdade privada Instituto Avançado de Ensino Superior de Barreiras (IASB) (lembre aqui). 

 

Na nova decisão, o desembargador entendeu que a suspensão completa do edital de internato, que criou a contrapartida para instituições particulares, poderia prejudicar cerca de 10 mil alunos baianos de Medicina e os hospitais em que eles colaboram. O edital foi mantido, mas a cobrança foi suspensa pela liminar. 

Casal é preso por quase matar filho de fome; criança comia apenas fórmula de batatas
Foto: Reprodução / Ric Mais

Um casal foi detido nos Estados Unidos após autoridades locais descobrirem que seu bebê de cinco meses quase morreu de fome. Julia French, 20 anos, e Robert Buskey, 31 anos, foram acusados de negligência por decidirem, segundo o jornal The Sun, alimentar o filho apenas com uma mistura de purê de batata.

 

Os investigadores descobriram que, depois do nascimento, o menino engordou apenas um quilo. "Em um ponto, quando a criança estava se saindo bem e saudável e ganhando peso, ele estava comendo a fórmula orgânica e eles a modificaram por conta própria. Eu nunca vi uma criança neste nível, tão perto da possível morte", disse o detetive da polícia de Titusville, Lauren Watson.

 

Os pais da criança são veganos e receberam de um médico a prescrição de uma fórmula para alimentação do filho. O Departamento de Crianças e Famílias da Flórida (DCF) disse que o menino estava obviamente desnutrido, com as costelas visíveis e os olhos parecendo afundados.

 

A polícia informou que o casal tinha condições financeiras para pagar a fórmula prescrita. Eles não apresentaram nenhuma razão para não fornecer o alimento à criança.

 

O bebê está sob custódia do DCF e internado em um hospital para recuperação. Desde o último dia 14, ele ganhou meio quilo apenas com fluidos. De acordo com documentos do tribunal, quando foi encontrado, ele estava "letárgico e não chorava" e "apresentou dificuldades em manter sua temperatura e açúcar devido à desidratação e desnutrição".

Em vídeo gravado no Amazonas, médico agride mulher em trabalho de parto
Foto: Reprodução / Facebook

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra um médico agredindo uma mulher em trabalho de parto. Segundo a Secretaria de Saúde do Amazonas (Susam), as imagens foram gravadas em 2018, na Maternidade Balbina Mestrinho, em Manaus.

 

No vídeo, é possível ver o médico Armando Andrade Araújo, 70 anos, batendo na virilha da paciente, que está em trabalho de parto. Além disso, a paciente está completamente nua, não com o avental hospitalar específico para a situação.

 

Em nota, a pasta informou que, apesar de não haver qualquer registro na maternidade ou na Ouvidoria, "irá solicitar à direção do Instituto de Ginecologia e Obstetrícia do Amazonas (Igoam), empresa ao qual o profissional é cooperado, o seu afastamento". A Susam ainda acrescentou que "já tramita um processo administrativo para apurar outra denúncia contra o médico".

 

 

Armando já foi preso em 2015, na Operação Jaleco da Polícia Civil, por suspeita de participação em um esquema de cobrança ilegal de cirurgias em unidades públicas de saúde. Eles chegavam a cobrar entre R$ 1 mil e R$ 2,8 mil para procedimentos como partos e laqueaduras.

 

O Conselho Regional de Medicina do Amazonas (Cremam) afirmou, em nota, que será aberta uma "Sindicância ex officio". "Se houver alguma infração ao Código de Ética Médica, será aberto um Processo Ético Profissional", explicou.

Quarta, 20 de Fevereiro de 2019 - 14:30

Sinta-se leve: Diga espelho meu se há na avenida alguém mais feliz do que eu

por Lidiane Angelim

Sinta-se leve: Diga espelho meu se há na avenida alguém mais feliz do que eu
Foto: Divulgação

Basta perguntar a algumas pessoas qual o objetivo de vida delas e, na maioria das vezes, a resposta é “ser feliz”. Felicidade é uma das prioridades do ser humano e essa busca pode ser confirmada na quantidade de compostos produzidos pelos laboratórios farmacêuticos para combater ansiedade, depressão e tantas outras mazelas do mundo moderno. Além disso, técnicas como yoga e meditação se tornaram alternativas para o alcance do tão almejado status “Be happy”.

 

Quando começamos a entender essa busca, percebemos que não devemos buscar a felicidade e sim ter uma vida mais significativa, criando, descobrindo e estudando. Precisamos encontrar o nosso propósito, a felicidade é uma consequência e quando deixa de ser o objetivo, acredite, tudo se torna mais fácil. Como disse Nietzsche “a felicidade acompanha, a felicidade não se move”.

 

Se no passado a felicidade era algo muito mais corriqueiro, hoje, a busca incessante pela perfeição faz com que a gente esteja cada vez mais distante dela. Precisamos parar de pensar um pouco no futuro, viver o presente da sua melhor forma e não pensar no “como poderia ter sido”. A regra para a felicidade está na aceitação.

 

Isso não quer dizer que você não possa e não deva buscar a sua evolução, mas sim que deve viver o momento atual de tal forma que ele não seja uma frustração. Preencha sua vida com momentos alegres de forma que eles sejam tão bons que mereçam ser eternos.

 

Direcionando o assunto para o âmbito da qualidade de vida, da saúde e da busca pelo corpo que deseja ter me deparo diariamente no meu consultório com pacientes que estão insatisfeitos e querem a qualquer custo atingir os objetivos desejados. O processo nem sempre é tão simples, exige dedicação, comprometimento, capacidade para lidar com as derrotas, maturidade para encarar as vitórias por etapas. Nunca disse que é fácil. Mas sempre alertei para o fato que a velha frase “um passo de cada vez”, comemorando cada passo dado é imprescindível para o sucesso em qualquer tratamento. E quando você se dispõe a compreender isso, a conquista tem um sabor muito especial. Acredite, você encontrará felicidade também na caminhada. Viva, experimente, ouse, aprenda e faça acontecer.

Quarta, 20 de Fevereiro de 2019 - 13:20

UPB orienta gestores sobre terceirização na saúde

UPB orienta gestores sobre terceirização na saúde
Foto: Divulgação / UPB

Um evento realizado na sede da União dos Municípios da Bahia (UPB) nesta terça-feira (19) orientou gestores sobre a administração da saúde. Itens como contratação de organizações sociais, Oscip e cooperativas, fizeram parte do UPB Debate cujo tema foi “Terceirização e Contratação dos Serviços de Saúde”. Participaram do evento gestores, representantes dos órgãos de controle, do Conselho Estadual de Secretários Municipais de Saúde (Cosems-BA) e a assessoria jurídica da UPB.

 

“O município, lá na ponta, sente a necessidade deste auxílio. Tivemos mais de 400 inscritos, o que demonstra a importância em tratar esse tema, esclarecer dúvidas e buscar soluções no fortalecimento do municipalismo”, disse o superintendente da UPB, Leornardo Minho, na abertura do debate. Na mesa, a prefeita de Itaparica, Marlylda Barbuda, aconselhou que os gestores “se apoiem na UPB, buscando o atendimento da legalidade para que lá na frente não sejamos punidos”.

 

Já a presidente do Conselho Estadual de Secretários Municipais de Saúde (Cosems-BA), Stela Souza declarou que o evento é “um passo extremamente importante para esclarecer essa resolução do TCM sobre terceirização, que deixou vago algumas questões”. Ao logo das palestras, a plateia tomou conhecimento sobre o modelo de contratação do terceiro setor, a necessidade de legislação municipal, chamamento público, concurso, credenciamento de entidades e aspectos relevantes da Instrução Normativa 02 e 03/2018 do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM/BA).

Mais Médicos: Saúde antecipa início das atividades de formados no exterior
Foto: Agência RBS

O Ministério da Saúde alterou, mais uma vez, o cronograma do Programa Mais Médicos. De acordo com nota publicada pela pasta nesta quarta-feira (20), os brasileiros formados no exterior selecionados para as vagas remanescentes devem iniciar oficialmente as atividades nos municípios entre os dias 28 e 29 de março. A data anterior era de 16 a 18 de abril.

 

A pasta ressalta que a antecipação do cronograma tem o objetivo de agilizar a assistência à população.

 

A próxima etapa do programa, realização do módulo de acolhimento, acontecerá entre 12 e 26 de março. Neste módulo, são abordados assuntos como a legislação referente ao sistema de saúde brasileiro, o funcionamento e atribuições do SUS, Atenção Básica em saúde, protocolos clínicos de atendimento definidos pelo Ministério da Saúde, Língua Portuguesa e Código de Ética Médica serão tratados durante o treinamento destes profissionais.

 

A lista de profissionais com os respectivos municípios selecionados foi divulgada no site do programa Mais Médicos. Os 1.397 brasileiros formados no exterior selecionaram vagas remanescentes em 667 localidades.

Com apoio de artistas, campanha da Hemoba busca garantir estoques de sangue no Carnaval
Foto: Divulgação

A Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia (Hemoba) inicia nesta terça-feira (19) a campanha para captação de doadores de sangue para o Carnaval 2019. Com o slogan “Essa letra não pode faltar no Carnaval – Doe Sangue”, a ação tem o apoio dos cantores Márcio Vitor, Léo Santana, Bell Marques e Ivete Sangalo.

 

A ideia da campanha é sensibilizar a população sobre a importância de manter o estoque seguro, fazendo uma associação das letras que identificam os tipos sanguíneos com as letras de músicas da festa.

 

 

“O carnaval sempre promove uma grande movimentação de pessoas nas ruas da cidade e nas estradas baianas. Em decorrência do alto fluxo de foliões e viajantes, é preciso chamar atenção para o risco iminente de acidentes, que geram a necessidade de ação imediata, além disto, ainda existe a demanda de sangue para pacientes que realizam tratamento hemoterápico, que precisa ser garantida”, explicou o diretor-geral da Hemoba, Fernando Araújo.

 

Os interessados em doar sangue devem ter entre 16 e 69 anos de idade, sendo que os menores de 18 anos devem estar acompanhados por um responsável legal e pessoas com mais de 60 anos só poderão doar caso já tenham realizado alguma doação anteriormente. Além disso, é obrigatório estar em boas condições de saúde, bem alimentado, ter mais de 50 quilos e apresentar documento oficial com foto.

Surto contagioso em navio de show de Safadão pode ter sido sarampo; rubéola é descartada
Foto: Reprodução / Instagram

No último final de semana, o navio MSC Seaview, que atracou no Porto de Santos (SP), passou por uma investigação epidemiológica de equipes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), do Grupo de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo (GVE) e da Seção de Vigilância Epidemiológica (Seviep) de Santos após suspeitas de que tripulantes da embarcação tivessem contraído rubéola (relembre aqui). Porém, em nova atualização, as autoridades sanitárias determinaram a quarentena de ao menos 16 tripulantes, sendo que oito deles foram diagnosticados com sarampo.

 

O cruzeiro tinha um show do cantor Wesley Safadão na programação. A princípio, a MSC Cruzeiros, responsável pela embarcação, não confirmou se o artista permanece no navio. O jornal O Estado de S. Paulo, porém, diz que Safadão segue a bordo, isolado dos passageiros em quarentena. Na tarde desta terça-feira (19), o forrozeiro postou uma foto em uma piscina, aparentemente do navio, em suas redes sociais, mas não falou sobre o incidente. O Seaview é um dos maiores navios de cruzeiro a operar na costa brasileira. A embarcação tem 22 andares, além de subpiso, e capacidade para 5.400 passageiros e para 1.500 tripulantes.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

??????????

Uma publicação compartilhada por Wesley Safadão (@wesleysafadao) em

Como estratégia de bloqueio dos casos de sarampo, o Ministério da Saúde, em conjunto com as secretarias de saúde envolvidas e a Anvisa irão vacinar com a tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba) 10 mil passageiros de seis meses a 49 anos no porto de Santos (SP), nesta quarta-feira (20). A ação de bloqueio vacinal ocorrerá com os cerca de 5 mil passageiros que deixarão o navio nesta quarta-feira (20) e outros cerca de 5 mil que embarcarão no mesmo dia para uma viagem de Cruzeiro. A estratégia foi definida nesta terça-feira (19) em videoconferência com os órgãos envolvidos. 

Quarta, 20 de Fevereiro de 2019 - 07:30

Após 4 dias em coma, jovem descobre que teve um bebê

Após 4 dias em coma, jovem descobre que teve um bebê
Foto: Arquivo pessoal

Uma jovem de 18 anos entrou em coma induzido, em 2 de dezembro de 2018, depois de sentir fortes dores de cabeça. Ao acordar, quatro dias depois, ela descobriu que tinha se tornado mãe. O caso aconteceu em Manchester, Inglaterra.

 

Ebony Stevenson é estudante de Fisioterapia Esportiva e, segundo reportagem do Daily Mirror, não fazia ideia de que estava grávida. Os médicos descobriram, durante o coma, que as dores de cabeça estavam relacionadas a um quadro de pré-eclâmpsia, grave complicação da gravidez.

 

Por conta do problema, os profissionais decidiram realizar o parto imediatamente, em 3 de dezembro. Ebony apenas descobriu que era mãe de uma menina no dia 6. Elodie nasceu saudável.

 

"Eu nem pensava que quisesse ser mãe, pelo menos por uns dez anos. Jamais imaginei que seria mãe jovem. Foi um grande milagre. Não trocaria Elodie por todo o mundo", comentou Ebony.

 

A avó da bebê, Sheree, também ficou muito surpresa. "Foi um momento estranho, pois não tinha me preparado para ele. Eu insistia que ela não poderia estar grávida, mas os médicos insistiam que estava. Eles disseram que Elodie foi um milagre", disse.

 

De acordo com os médicos, a barriga de Ebony não ficou aparente porque ela tem dois úteros, um deles voltado para as costas.

Livro de Nelson Cadena marca comemoração pelos 470 anos da Santa Casa da Bahia
Foto: Divulgação

Em 2019, Salvador e a Santa Casa de Misericórdia da Bahia celebram 470 anos. A relação da trajetória desses dois locais é tema do livro "Uma História da Santa Casa da Bahia - 1549-2019", escrito pelo jornalista e pesquisador Nelson Cadena. 

 

O lançamento da obra literária para convidados irá acontecer nesta quarta-feira (20), a partir das 18h, no Museu da Misericórdia. 

 

O livro aborda a participação da instituição no processo de formação da sociedade soteropolitana e seus principais feitos através dos séculos, até os dias atuais, ao falar sobre a estrutura de funcionamento e as realizações da Santa Casa na contemporaneidade. A publicação é ilustrada por sete fotos de Pierre Verger. 

 

Além disso, o livro descreve a visita de D.Pedro II à Santa Casa, a partir de informações encontradas no diário do próprio imperador e também apresenta a relação completa dos Irmãos da Santa Casa da Bahia ao longo de 470 anos, por meio de um arquivo em QR Code. A obra, ainda fala sobre personalidades históricas que trabalharam como funcionários da Santa Casa, como Amélia Rodrigues, Juliano Moreira, Ruy Barbosa e Aristides Maltez. 

 

“O grande diferencial do livro é que a maior parte do seu conteúdo foi desenvolvido a partir de fontes primárias do próprio arquivo histórico da Santa Casa, o Centro de Memória Jorge Calmon”, explica Nelson Cadena. 

 

Uma exposição fotográfica, que receberá o mesmo nome do livro, também será lançada nesta quarta-feira (20) e ficará em cartaz até o dia 31 de março. 

 

O publico poderá apreciar 52 fotos que ilustram a obra escrita por Cadena. As imagens compõem o acervo da própria Santa Casa, da Fundação Gregório de Mattos, do Museu Tempostal e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Encerramento do ParaPraia acontece na praia de Ondina no próximo fim de semana
Foto: Divulgação

O projeto ParaPraia promove, no próximo final de semana, banho de mar assistido na praia de Ondina. A iniciativa é voltada para deficientes físicos e pessoas com mobilidade reduzida.

 

Essa é a última edição da sexta temporada do projeto, que levou a ação para as praias de Itapuã, Arembete e Boa Viagem. O encerramento será na pra de Ondina, em frente ao Instituto Bahiano de Reabilitação (IBR), no próximo sábado (23) e domingo (24), das 8h às 12h.

 

Com o uso de cadeiras anfíbias, o banho é promovido com segurança, conforto e a assistência dos alunos e professores dos cursos de fisioterapia, enfermagem da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública.

Histórico de Conteúdo