Sexta, 14 de Dezembro de 2018 - 21:10

ANS lança programa de incentivo à atenção básica

ANS lança programa de incentivo à atenção básica
Foto: Divulgação

 Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) lançou, nesta sexta-feira (14), o Programa de Certificação de Boas Práticas em Atenção à Saúde. A iniciativa visa incentivar as operadoras de planos de saúde a desenvolverem um cuidado mais qualificado na atenção primária. 

 

Para isso, o programa quer implementar redes de atenção ou linhas de cuidados em atenção primária certificadas por entidades reconhecidas pela ANS. 

 

As operadoras que cumprirem os requisitos pré-estabelecidos terão direito à uma certificação, e assim poderão participar do programa. A participação é voluntária e pode acontecer de duas formas: por meio da certificação ou com a implantação de projetos-piloto que se enquadrem nessa finalidade. 

 

Os requisitos que devem ser cumpridos pelas operadoras interessadas em participar do projeto se enquadram em seis eixos: planejamento e estruturação técnica; ampliação e qualificação do acesso; integração e continuidade do cuidado; interações centradas no paciente; monitoramento e avaliação da qualidade; e modelos inovadores de remuneração baseados em valor.

 

A ANS também busca firmar uma parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para fomentar projetos na saúde suplementar por meio de recursos destinados à implementação de estruturas necessárias de atenção primária. 

Pesquisadores americanos apontam surgimento de anciconcepcional masculino
Foto: Trevor Adeline / Caiaimage / Getty Images

Pesquisadores dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos estão fazendo testes para o surgimento de um anticoncepcional masculino. 

 

Segundo o site da revista Veja, trata-se de um gel capaz de interromper a produção de espermatozoides. O produto, chamado NES/T, seria aplicado nas costas e nos ombros do homem. 

 

Na fórmula, há a presença de progestina, derivada da progesterona, que tem a funçao de suprimir a produção de espermatozoides. Para evitar a baixa de libido e a perda muscular causada pelo composto feminino, o produto também contém testosterona. 

 

Ainda de acordo com a publicação, os resultados finais dos testes devem ser divulgados em três anos. 

Mais Médicos: 59% das vagas não ocupadas está em distritos indígenas
Foto: Karina Zambrana / Fotos Públicas

Após a primeira etapa seleção de profissionais para o programa Mais Médicos, 63 das 106 vagas não ocupadas estão em Distritos Especiais de Saúde Indígena, os Dseis.  De acordo com o G1, oito distritos ficaram com vagas ociosas após o término das inscrições na última sexta-feira (7). Ao todo, no país, existem 34 distritos. 

Beneficiários do Bolsa Família têm até este sábado para realizar atualização obrigatória
Foto: Agência Brasil

Os beneficiários do Programa Bolsa Família têm até este sábado (15) para comparecer a uma unidade básica de saúde (UBS) para atualização dos dados. O acompanhamento de saúde está entre as exigências do governo federal para a manutenção do pagamento, e os indivíduos que não atenderem a condicionalidade poderão ter o benefício bloqueado em 2019.

 

Para garantir que todos os participantes do programa realizem a atualização no município, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) montará um esquema especial neste sábado, quando equipes estarão de prontidão em postos de referência da rede para atendimento exclusivo.

 

“É importante que as famílias compareçam aos postos até o sábado para evitar o transtorno de ter o benefício bloqueado. O atendimento é rápido e não precisa ser agendado. Nossa expectativa é atender todas as pessoas que ainda não compareceram às unidades de saúde até o momento”, afirmou Kênya Lima, técnica da Atenção Primária à Saúde de Salvador.

 

Em Salvador, cerca de 347 mil pessoas são beneficiadas pelo programa. Até o momento, 52 mil indivíduos compareceram nos postos para o acompanhamento da saúde. A atualização pode ser feita em qualquer unidade básica da capital de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Os beneficiários devem levar cartão SUS, caderneta de vacinação e carteira do pré-natal para as gestantes.

A um dia do prazo final, cerca de 3 mil inscritos no Mais Médicos ainda não se apresentaram
Foto: Agência Brasil

Balanço do Ministério da Saúde mostra que, até esta quinta-feira (13), cerca de 3 mil inscritos no Programa Mais Médicos ainda não se apresentaram nos municípios para os quais foram alocados. O prazo para que os profissionais comecem a trabalhar termina nesta sexta-feira (14).

 

Segundo informações da colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, os dados foram apresentados nesta quinta para representantes dos municípios, estados e União.

 

Os gestores estão preocupados, segundo a publicação, com a possibilidade de abandono dos cargos por parte dos profissionais que iniciarão residências médicas a partir de março.

Sexta, 14 de Dezembro de 2018 - 13:10

Bebê nasce durante voo para a Turquia, uma hora antes do pouso

por Folhapress

Bebê nasce durante voo para a Turquia, uma hora antes do pouso
Foto: Reprodução / Twitter

A congolesa Musuamba Michoukayembe, 21, deu à luz ao pequeno Bennel durante um voo de quatro horas que ia de Libreville, capital do Gabão, para Istambul, na Turquia, nesta quinta (13). A mulher entrou em trabalho de parto três horas após a decolagem e precisou fazer um parto emergencial com a ajuda do marido, que é médico. 

A tripulação liberou espaço no fundo da aeronave para os procedimentos médicos. Após o nascimento do bebê, os comissários de bordo se organizaram para trocar limpar e trocar a criança, enquanto Musuamba se recuperava com a ajuda do marido. 

Com a gestação de 28 semanas, ou sete meses, não era esperado que a congolesa entrasse em trabalho de parto. As companhias aéreas permitem que grávidas voem sem autorização médica até, justamente, os sete meses de gravidez. 

Mãe e filho foram encaminhados para um hospital assim que pousaram na Turquia. Ambos passam bem. 

O piloto Alper Akkaya pediu prioridade para fazer o pouso em Istambul, mas não cogitou aterrizar em outro aeroporto. "Como eles estavam saudáveis, nós continuamos o nosso voo de quatro horas", disse em entrevista ao portal de notícias turco Hurriyet.

"Decolamos com 144 passageiros e aterrisamos com 145", afirmou a comissária Fatma Akyuz para a publicação. "Foi um momento lindo para nós."

Mais Médicos: Ministério da Saúde prorroga inscrições para formados no exterior
Foto: Agência RBS

O Ministério da Saúde decidiu prorrogar as inscrições da segunda fase do Programa Mais Médicos. Os candidatos terão até o próximo domingo (16) para enviar a documentação necessária.

 

De acordo com a pasta, a medida foi tomada devido a picos de instabilidade do site do programa, o que pode ter causado dificuldades no momento da inscrição. Em nota, o ministério afirmou que o problema está relacionado ao grande número de acessos.

 

Nesta etapa, podem se inscrever médicos brasileiros e estrangeiros formados no exterior e sem registro em CRM no Brasil. É necessário o envio de 17 documentos, entre eles, o reconhecimento da instituição de ensino pela representação do país onde os profissionais obtiveram a formação.

 

Em balanço divulgado nesta quinta-feira (14), o Ministério da Saúde informou que 6.634 profissionais já se inscreveram nesta fase do edital (veja aqui).

Sexta, 14 de Dezembro de 2018 - 09:20

Esplanada: Bebês prematuros que aguardavam regulação são transferidos para Salvador

por Francis Juliano

Esplanada: Bebês prematuros que aguardavam regulação são transferidos para Salvador
Foto: Reprodução / Google Maps

Os gêmeos prematuros que aguardavam regulação em Esplanada, no agreste baiano, foram transferidos na noite desta quinta-feira (13) para Salvador. Segundo a Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), os bebês foram levados para a maternidade Albert Sabin. Nesta quinta, o Bahia Notícias informou o caso dos pequenos Cauã e Caio (ver aqui).

 

Os dois nasceram no dia 4 de dezembro e estavam internados na maternidade da Santa Casa de Misericórdia. Segundo relato da unidade, um dos bebês que nasceu com 1,4 kg já estava com quase 1 kg, necessitando da transferência para uma unidade com mais recursos e com neonatologista [especialista no atendimento a recém-nascidos].

Segunda etapa do Mais Médicos soma 6,6 mil inscrições de formados no exterior
Foto: Karina Zambrana / ASCOM MS

O Ministério da Saúde informou que, até as 18h desta quinta-feira (13), 6.634 profissionais se inscreveram na segunda etapa do Programa Mais Médicos. O prazo para inscrição se encerra nesta sexta.

 

Nesta etapa, podem se inscrever médicos brasileiros ou estrangeiros formados no exterior, mesmo sem revalidação do diploma. O governo exige uma lista de 17 documentos, entre eles, o reconhecimento da instituição de ensino pela representação do país onde os profissionais obtiveram a formação.

 

O ministério divulgou ainda um balanço da primeira fase do edital, na qual a pasta buscava preencher 8.517 vagas com profissionais com registro (CRM) no Brasil. Até agora, 5.352 médicos compareceram ou iniciaram as atividades nas localidades. O índice representa 62% de ocupação efetiva das vagas. Os profissionais têm até esta sexta para apresentação nas cidades selecionadas.

Governo federal entrega mil veículos para reforçar combate ao Aedes aegypti
Foto: Divulgação

O governo federal anunciou nesta quarta-feira (12) a entrega de mil caminhonetes para auxiliar no combate ao mosquito Aedes aegypti. Segundo a Agência Brasil, a cerimônia de entrega aconteceu no Palácio do Planalto, com a presença do presidente Michel Temer e do ministro da Saúde, Gilberto Occhi. Segundo o ministro, foram investidos R$ 109 milhões.

 

“Este é um investimento para a vigilância em saúde. É um veículo que será entregue para esse trabalho, um trabalho contínuo. Todos os estados brasileiros serão contemplados”, disse Occhi. Para a entrega das caminhonetes, será observado o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa). As regiões com maior risco de surto serão priorizadas na distribuição dos veículos.

 

O LIRAa mostra que, das 27 capitais em todo o país, Palmas, Boa Vista, Cuiabá e Rio Branco estão em risco de surto não apenas de dengue, mas também de zika e chikungunya.

 

Outras 12 capitais, de acordo com o estudo, registram situação de alerta: Manaus, Belo Horizonte, Recife, Rio de Janeiro, Brasília, São Luís, Belém, Vitória, Salvador, Porto Velho, Goiânia e Campo Grande.

 

O governo também lançou o Sistema Integrado de Controle de Vetores do mosquito Aedes aegypti. A partir do ano que vem o sistema detalhará em tempo real o monitoramento de doenças nos estados e municípios.

Hospital das Clínicas realiza mutirão de saúde em instituições de caridade
Foto: Divulgação

O Complexo Hospitalar Universitário Professor Edgard Santos (Hupes) realiza, na próxima quinta-feira (20), um mutirão de saúde em duas instituições de caridade de Salvador. A ação faz parte da Ebserh Solidária, que acontece em todo o país.

 

Uma equipe multiprofissional realizará atendimentos e oferecerá orientações de prevenção e cuidado à saúde no Orfanato Lar Vida, pela manhã, e no Asilo São Lázaro, no período da tarde. As duas instituições estão localizadas na Estrada Velha do Aeroporto.

 

De acordo com o superintendente do Hupes, Antônio Carlos Lemos, a proposta será também, após avaliação clínica, encaminhar alguns pacientes ao hospital para a realização de procedimentos e exames, caso sejam necessários. “Com isso, garantimos um atendimento mais integral para essas pessoas que têm dificuldades de acesso à rede pública na Bahia”, afirmou.

 

A ação envolve aproximadamente 40 profissionais da área de saúde, entre médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, nutricionistas e farmacêuticos. Também serão realizadas ações educacionais preventivas em saúde e doações de alimentos.

 

Em todo Brasil, a expectativa é de que sejam atendidas em torno de 1,3 mil crianças e 1,7 mil idosos. Participarão de aproximadamente 1,2 mil profissionais dos 40 hospitais vinculados à Rede Ebserh dentre assistenciais e administrativos, além de alunos e residentes.

 Ministério da Saúde libera R$ 4,9 milhões para reformas de UBS
Foto: Dênio Simões / Agência Brasília

O Ministério da Saúde liberou R$4,9 milhões para reformas de Unidades Básicas de Saúde (UBS) localizadas em 23 municípios de seis estados.

 

A quantia foi desembolsada para a execução de 24 propostas, que, segundo o órgão, visam adequações necessárias para modernizar os espaços físicos das UBS e promover melhor atendimento e cuidado aos pacientes do SUS. 

 

A verba está prevista em emendas de parlamentares aprovadas pelo Congresso Nacional e será transferida em parcela única para os fundos municipais. 

 

Serão R$ 3 milhões para 14 municípios de Alagoas, R$ 89 mil para Iguatu (CE), R$ 190 mil para Governador Lindenberg (ES), R$ 929,5 mil para cinco municípios de Minas Gerais, R$ 250 mil para Dourados (MS), e R$ 250 mil para o município de Mariano Moro (RS).

Brasil confirma 10.262 casos de sarampo, diz boletim do Ministério da Saúde
Foto: Venilton Küchler

O Brasil confirmou, até 10 de dezembro, 10.262 casos de sarampo. De acordo com boletim do Ministério da Saúde divulgado nesta quarta-feira (12), o número de mortes relacionadas à doença permanece em 12: quatro em Roraima, seis no Amazonas e dois no Pará.

 

No Amazonas foram confirmados 9.779 casos e, em Roraima, 349. Os dois estados registram surtos de sarampo. Há ainda casos isolados e, segundo o ministério, relacionados à importação nos estados de São Paulo (3), Rio de Janeiro (19), Rio Grande do Sul (45), Rondônia (2), Bahia (2), Pernambuco (4), Pará (54), Distrito Federal (1) e Sergipe (4).

Hospital da Mulher inaugura espaço para adolescentes expostas à violência sexual
Foto: Divulgação / Ascom

O hospital da Mulher inaugurou, nesta quarta-feira (12), a ludoteca do Serviço de Atenção às Mulheres Expostas à Violência Sexual (AME). O espaço, composto por jogos, bonecas e outros recursos lúdicos, foi criado para auxiliar no atendimento de adolescentes expostas à violência sexual.  

 

O Serviço AME, localizado no Largo de Roma, Salvador, presta atendimento 24 horas por dia, em todos os dias da semana.

 

As pacientes podem chegar ao AME por meio da chamada ‘porta aberta’ – que abrange toda a demanda espontânea do serviço - através de órgão judicial e policial ou ainda referenciadas pela Central de Urgências do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Quinta, 13 de Dezembro de 2018 - 15:10

Especialista em doenças tropicais, médico Vicente Amato Neto morre aos 91 anos

por Reinaldo José Lopes | Folhapress

Especialista em doenças tropicais, médico Vicente Amato Neto morre aos 91 anos
Foto: Reprodução / TV Globo

Morreu nesta terça-feira (11), aos 91 anos, o infectologista especialista em doenças tropicais e professor emérito da USP Vicente Amato Neto. 

Em sua sala no Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, ligado à USP,  Amato Neto costumava abrigar um batalhão dos que apelidava jocosamente de seus "amigos" -centenas de bichos-barbeiros, os insetos que são os vetores do micro-organismo Trypanosoma cruzi, causador do mal de Chagas.

A colônia de insetos é um dos exemplos da paixão do médico pela pesquisa sobre doenças tropicais -de fato, seu trabalho de livre-docência, concluído em 1958, já versava sobre a forma aguda da doença de Chagas. 

Ao longo de décadas de carreira, ele investigou outros parasitas que ainda afligem a população pobre do interior do Brasil, como os causadores da leishmaniose e da esquistossomose, bem como doenças infecciosas com perfil mais urbano, como a Aids. 

Amato Neto nasceu na capital paulista em 24 de julho de 1927, numa família de imigrantes italianos que morava no centro da cidade. Curiosamente, no entanto, a principal presença de imigrantes nas vizinhanças da casa de seus pais, o alfaiate Arturo e a dona de casa Aída, era a de famílias de japoneses, que então estavam chegando a São Paulo em grande número.

Por conta dos imigrantes do Japão, Amato Neto e outros garotos da região jogavam bola no time de várzea Mikado Futebol Club. A equipe teve de mudar de nome para Sarzedas FC durante a Segunda Guerra Mundial, quando Brasil e Japão ficaram em lados opostos do conflito e a colônia nipônica passou a ser vista com desconfiança.

Essa paixão pelo futebol, e em especial pelo Palmeiras, foi herdada do pai, o qual, segundo o infectologista declarou à Folha em entrevista de 2003, "só pensava no seu Palestra Itália". Amato Neto capitaneou, por exemplo, a Confraria Alviverde, grupo de médicos palmeirenses. Quando estava na faculdade, logo entrou no "Peito Nu", time de universitários que, como o nome deixa claro, jogavam sem camisa. E, mesmo quando já era professor emérito da USP, fazia questão de visitar a Associação Atlética Acadêmica Oswaldo Cruz, órgão esportivo da faculdade, e ajudava a organizar partidas.

Ao ingressar na Faculdade de Medicina da USP, em 1946, tornou-se o primeiro membro da família a cursar uma universidade. Depois de se formar, em 1951, participou da primeira turma de residência médica do país, junto com 28 outros formandos.

Prevenção A experiência no Hospital das Clínicas de São Paulo logo fez com que Amato Neto se interessasse pela área de doenças infecciosas e parasitárias. 

No trabalho como médico e pesquisador, o infectologista centrou seus esforços em técnicas para investigar os mecanismos básicos dessas doenças e usar tal conhecimento para a prevenção. 

No caso do mal de Chagas, por exemplo, Amato Neto desenvolveu técnicas para flagrar a presença do Trypanosoma cruzi em sangue destinado a transfusões e evitar a transmissão da doença por essa via. Também se dedicou a entender o processo de infecção pelo parasita da toxoplasmose, o micróbio Toxoplasma gondii. 

Durante sua gestão como superintendente no Hospital das Clínicas, de 1987 a 1992, chegou a ser sondado para assumir o Ministério da Saúde e recusou. 

No entanto acabaria aceitando chefiar a Secretaria da Saúde de São Paulo, ficando menos de um ano no cargo. Mais tarde, afirmou que deixou a secretaria por protestar contra irregularidades no órgão. Também dirigiu o Instituto de Medicina Tropical de São Paulo (de 1985 a 1988) e ajudou a fundar a Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 

Foi colaborador frequente desta Folha, em geral por meio de artigos escritos em parceria com Jacyr Pasternak, abordando questões de saúde pública e, principalmente, os avanços no tratamento e na prevenção da Aids. 

Além de mais de dez livros voltados para o público acadêmico, publicou dois volumes autobiográficos, com o título de "Memórias Seletivas".

O velório será nesta quinta (13), das 10h às 14h, no Teatro da Faculdade de Medicina da USP, na av. Dr. Arnaldo, 455. O sepultamento será no Cemitério do Araçá, na av. Dr. Arnaldo, 666. 

Quinta, 13 de Dezembro de 2018 - 12:20

Esplanada: Gêmeos prematuros aguardam transferência de hospital há quase 10 dias

por Francis Juliano

Esplanada: Gêmeos prematuros aguardam transferência de hospital há quase 10 dias
Foto: Reprodução / Google Maps

Dois bebês prematuros seguem internados nesta quinta-feira (13|) na Santa Casa de Misericórdia de Esplanada, no nordeste baiano, no aguardo de serem transferidos. Os pequenos Cauã e Caio nasceram no último dia 4 de dezembro, mesmo dia em que a direção da unidade de saúde solicitou a transferência dos dois para a Central de Regulação. Conforme a técnica de enfermagem Josivânia Santos de Matos, um dos bebês, que nasceu com 1,4 kg, já perdeu peso e atualmente está com 1,1 kg.

 

"A gente faz um apelo para que essa regulação saia logo, porque eles estão lutando para viver a cada dia", disse ao Bahia Notícias. Segundo a maternidade, as crianças precisam ser transferidas para uma unidade de saúde com mais recursos e com neonatologista [médico especialista no atendimento de recém-nascidos] , situação que poderia ser solucionada com transferência para Salvador, ou mesmo Feira de Santana, que abriga os hospitais da Criança e da Mulher.

Quinta, 13 de Dezembro de 2018 - 11:40

Viver Bem: O uso da terapia para tratar o medo de avião

Viver Bem: O uso da terapia para tratar o medo de avião
Foto: Divulgação

É muito comum que algumas pessoas apresentem o medo excessivo de viajar de avião. A aerofobia, como é cientificamente conhecida, é registrada entre 20 a 40% da população adulta mundial. Mas, para os que apresentam sintomas da fobia uma notícia positiva: há possibilidades de tratamento.

 

A fobia é o conjunto de medos associados a um fator de ansiedade. No caso do medo de voar, ela não escolhe idade nem profissão. A pessoa sente-se insegura, sem controle e com sintomas físicos de ansiedade, como tremor, suor nas mãos e pés, dores de estômago, tensão muscular, inquietação, arritmia. Vale destacar que os sintomas são associados ao medo e causados pelo fator emocional.

 

“Medos podem ser superados quando compreendidos com autoconhecimento, tratamento psicológico e enfrentamento da demanda causadora. Dependendo da amplitude e prejuízo que o medo cause, pode ser necessária, inclusive, a introdução de medicação em casos mais extremos, associando a terapia ao acompanhando psiquiátrico”, explicou o psicólogo do Hapvida Saúde, André Assunção.

 

Para Assunção, o caminho mais direto para o tratamento é a compreensão da própria fobia. “A dica é aprender a lidar com o medo e com a insegurança causada por ele. Buscar autocontrole das emoções e saber quando procurar ajuda profissional. Afinal, o medo é um sentido e não uma doença”, avalia o profissional.

 

MEDOS COMPLEMENTARES

A terapia é um processo de reconhecimento das dificuldades que pode auxiliar consideravelmente no tratamento das fobias. Entretanto, no caso do medo de viajar de avião, existem outros medos complementares, como fobia à altura, turbulência e acidentes. No caso deste último, as companhias aéreas e agências de viagens costumam também dar dicas que tendem a atenuar essa tensão. Explicação do funcionamento da aeronave, de quais são os melhores lugares para se sentar, técnicas de relaxamento e meditação e utilização de voos curtos auxiliam na progressiva perda da fobia do indivíduo.

Bahia busca ampliar repasses federais para saúde em mais R$ 520 milhões
Foto: Divulgação

O secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, se reuniu nesta quarta-feira (12), em Brasília, com o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, a fim de ampliar os repasses federais para saúde da Bahia em mais de R$ 520 milhões por ano. Os recursos adicionais seriam direcionados à operação de novas unidades hospitalares estaduais e policlínicas, ampliação de leitos e serviços de diagnóstico, bem como a recomposição do custeio de instituições federais como o Hospital Universitário Professor Edgard Santos (Hupes).

 

De acordo com o secretário, o Ministério da Saúde reconhece o esforço do governo da Bahia para ampliar e descentralizar a assistência à saúde, sobretudo, em um momento de restrições orçamentárias e financeiras. "O tesouro estadual vem mantendo unidades hospitalares operacionais, como o HGE 2, Hospital da Mulher e Instituto Couto Maia, todos em Salvador, além do Hospital da Chapada, em Seabra, e o Hospital Regional Costa do Cacau, em Ilhéus. Neste cenário, o governo federal deveria aportar, no mínimo, R$ 241 milhões", ressaltou. O gestor estava acompanhado dos deputados Cacá Leão e Mário Negromonte Jr.

 

Com mais de 270 mil atendimentos nas regiões de Irecê, Guanambi, Jequié, Alagoinhas, Feira de Santana, Valença, Santo Antônio de Jesus e Teixeira de Freitas, as oito policlínicas inauguradas entre o final de 2017 e o primeiro semestre de 2018 devem receber o aporte de R$ 89,8 milhões do Governo Federal para cobrir parte dos custos da operação, visto a ampliação de serviços especializados e exames de alta complexidade como ressonância magnética.

Bahia tem 255 cidades em alerta ou risco de surto de dengue, zika e chikungunya
Foto: Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas

Divulgado nesta quarta-feira (12), o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) de 2018 apontou 186 cidades baianas em alerta e 69 com risco. Salvador faz parte da lista de municípios em situação de alerta.

 

No estado, a maior parte dos criadouros foi encontrada em depósito de água (5.427), seguida de depósitos domiciliares (1.735) e lixo (490).

 

Em todo o país, 5.358 municípios - 96,2% da totalidade - realizaram algum tipo de monitoramento do mosquito transmissor dessas doenças, sendo 5.013 por levantamento de infestação (LIRAa/LIA) e 345 por armadilha. A metodologia armadilha é utilizada quando a infestação do mosquito é muito baixa ou inexistente.

 

DADOS EPIDEMIOLÓGICOS NACIONAIS
Foram notificados, até 10 de novembro, 228.042 casos de dengue em todo o país, um pequeno aumento em relação ao mesmo período de 2017 (226.675). Os casos notificados de chikungunya caíram 55% em relação a 2017: 82.382 contra 183.281, respectivamente. Por sua vez, o Zika causou 7.544 infecções, uma redução de 54% em relação ao mesmo período de 2017 (16.616).

Quinta, 13 de Dezembro de 2018 - 07:20

Vacina da dengue: Butantan receberá mais de US$ 100 milhões de empresa dos EUA

por Gabriel Alves | Folhapress

Vacina da dengue: Butantan receberá mais de US$ 100 milhões de empresa dos EUA
Foto: Camilla Carvalho / Acervo Instituto Butantan

O Instituto Butantan e a farmacêuticeutica MSD (Merk, nos EUA) anunciaram nesta quarta-feira (11) um acordo de colaboração para o desenvolvimento da vacina da dengue, que pode render mais de US$ 100 milhões (cerca de R$ 390 milhões) à instituição brasileira, além de royalties.

O plano envolve troca de informações com relação à fabricação da vacina com base no vírus da dengue atenuado TV003 obtido dos NIH (Institutos Nacionais de Saúde dos EUA). A vacina do Butantan está em fase 3 de desenvolvimento, a última antes do lançamento final do produto ao passo que a versão da empresa americana ainda está na primeira etapa de testes com humanos.

Para a MSD, as informações podem garantir um lançamento mais ágil da imunização. Pelo acordo, a empresa distribuirá o produto, caso venha a ser comercializado, em mercados da América do Norte e Europa, entre outros. No Brasil a distribuição permanecerá com o Butantan.

O Butantan receberia royaties por essas vendas e poderia se beneficiar de alguns testes a serem desenvolvidos em localidades em que circulam vírus diferentes daqueles do Brasil, onde a vacina do instituto foi testada, como em locais da Ásia onde circula o subtipo 4 do vírus, mais raro no Brasil.

Além disso, de entrada, a MSD pagaria US$ 26 milhões (R$ 100 milhões) para o Butantan e, a depender dos marcos que a vacina da companhia atinja (chegar a fase 2 e 3 de estudos clínicos, por exemplo), mais US$ 75 milhões (R$ 290 milhões).

"É um grande dia para nós. O trabalho que o Butantan fez até aqui foi ótimo, de excelência científica. Estamos orgulhosos de fazer essa colaboração aberta e de aprender com eles", disse Mike Nally, presidente global de vacinas da MSD, que também desenvolve parcerias com o instituto para o desenvolvimento de vacinas de HPV e Hepatite A.

Dimas Tadeu Covas, diretor-presidente do Butantan afirma que a produção da vacina no país deverá ter início no próximo ano, mas que ainda será necessário a aprovação da Anvisa. A expectativa é que a droga supere a marca dos 80% de eficácia observada nas fases iniciais de estudo.

O ex-diretor do Butantan e imunologista Jorge Kalil, atualmente professor em Harvard, embora não tenha participado da fase final do desenho da colaboração, se diz bastante entusiasmado com a colaboração e a transferência de tecnologia no sentido sul-norte, iniciado em sua gestão.

Um ano e meio atrás conforme noticiou a Folha, a expectativa era de um acordo que equivaleria a um ganho de US$ 1,5 bilhão (cerca de R$ 5,7 bilhões) em dez anos para o Butantan (royalties inclusos). Quanto a isso, Covas afirma que existe a possibilidade de haver um ganho maior que os R$ 100 milhões, a depender das vendas da vacina da MSD em outras partes do mundo.

O estudo contou com quase 17 mil participantes entre sadios e pessoas que tiveram dengue alguma vez ou que nunca tiveram contato com o vírus. A partir dos vírus atenuados, o Butantan produziu uma vacina liofilizada (em pó), que está sendo testada em 16 centros em todas as regiões do país A iniciativa contou com o apoio do BNDES e ao todo demandou um investimento de R$ 224 milhões.

Mais Médicos: 10 dos 19 inscritos para distritos indígenas na Bahia desistiram de vagas
Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Apesar de balanço do Ministério da Saúde apontar que todas as vagas do Programa Mais Médicos na Bahia foram preenchidas na primeira etapa de inscrições (veja aqui), a realidade se mostra diferente, especialmente nos Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs). Do total de 19 vagas abertas no edital, 10 já foram recusadas pelos profissionais.

 

De acordo com Itana Miranda, chefe da Divisão de Atenção à Saúde Indígena do DSEI Bahia, além das desistências, há ainda um médico com um pedido não previsto no edital, de iniciar sua atividade apenas em janeiro de 2019. Dessa forma, apenas oito profissionais estão atuando nas comunidades indígenas baianas.

 

“Nós tínhamos necessidade de 19 médicos. No total, tínhamos 20 médicos do programa, sendo uma brasileira. Quando foram abertas as inscrições, tivemos adesão de 100%. Todos os 19 foram inscritos, compareceram e, quando fizemos o processo de explicar como funciona a saúde indígena e onde eles iriam ficar - não nos municípios, mas nas aldeias -, muitos desistiram”, explicou, em entrevista ao Bahia Notícias.

 

No estado, vivem 23 etnias indígenas, distribuídas em nove distritos sanitários: Euclides da Cunha, Ibotirama, Ilhéus, Itamaraju, Juazeiro, Pau Brasil, Paulo Afonso, Porto Seguro e Ribeira do Pombal. Os DSEIs com maior adesão no Mais Médicos foram aqueles localizados em municípios mais desenvolvidos, como Ilhéus e Porto Seguro.

 

“A maioria já chega com pensamento de ir para uma cidade mais centralizada, como Ilhéus e Porto Seguro, mas nós temos lugares como Ibotirama, onde as aldeias ficam distantes e com difícil acesso”, afirmou o presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena da Bahia (Condisi-BA), Sérgio Bute.

 

 

COMO FICA A SAÚDE?

No período em que os médicos cubanos atuaram, 80% das demandas eram resolvidas dentro das próprias aldeias, de acordo com Itana. Devido à desassistência, os indígenas precisam recorrer às sedes atualmente. No entanto, a situação nos municípios não está muito diferente.

 

Em Pau Brasil, por exemplo, foram abertas cinco vagas do Programa Mais Médicos, três para o município e duas para o distrito indígena. Até o momento, nenhum profissional se apresentou, informou o secretário da Saúde de Pau Brasil, Adenilson Sena. Por conta disso, apenas um médico, com contrato municipal, é responsável pelo atendimento no local.

 

Houve ainda, segundo Sena, uma tentativa de burlar as regras do edital no município. “Entre esses cinco, uma entrou em contato e queria que a gente deixasse ela trabalhar em ‘turnões’. Eu falei que, para a gente, não era interessante”, contou. O programa prevê carga horária de 40 horas semanais, sendo 32 horas de atuação nas unidades básicas de saúde e 8 horas dedicadas a ações de educação.

 

“Essa questão de falta dos médicos é muito complicada, porque estamos falando do atendimento básico, do primeiro atendimento antes da média e alta complexidade”, lembrou Bute. “A gente tem pacientes hipertensos, diabéticos, gestantes, crianças em condições crônicas e uma série de especificidades. A gente está com a saúde fragilizada por conta desse déficit de médicos”, acrescentou Itana.

 

SOLUÇÃO

Para o presidente do Condisi-BA, o governo federal deveria oferecer condições diferenciadas para os médicos que, por ventura, escolham trabalhar nos DSEIs. Ele argumentou que o salário de R$ 11,5 mil não é atrativo quando o trabalho é realizado em uma região de difícil acesso, como alguns distritos indígenas.

 

“O médico aqui no Brasil se forma na certeza de que ele vai enricar. Ele vê um trabalho de R$ 11 mil com compromisso de 40 horas e não tem interesse. Se ele tivesse uma carga horária com facilidade de ter outro vínculo, ele poderia juntar os dois. Esse salário não é realmente o que eles estão querendo”, argumentou. “O salário de R$ 11 mil é bom, mas o médico brasileiro já cria o hábito de que tem como ganhar mais”.

 

Bute lembrou que os médicos cubanos levavam “uma saúde diferenciada” para os indígenas, com relação à dedicação e humanização do trabalho. “Eles iam até montados em animais”, disse. Na opinião dele, dificilmente profissionais brasileiros aceitarão algumas situações que estão postas.

 

Na tentativa de ocupar as vagas já recusadas pelos inscritos, o DSEI Bahia vai recorrer agora ao cadastro reserva. Itana afirmou que a equipe entrará em contato com outros profissionais para apresentação dos postos de trabalho vagos. “O importante é que venha e rápido, porque saúde não espera”.

Jovens LGBT são mais vulneráveis à depressão e autoflagelação
Foto: Getty Images

Jovens LGBT apresentam mais sintomas de depressão e casos de autoflagelação do que heterossexuais, de acordo com estudo realizado no Reino Unido. Os pesquisadores analisaram dados de 4.843 adolescentes nascidos entre abril de 1991 e dezembro de 1992 que relataram sua orientação sexual aos 16 anos.

 

O levantamento mostrou que jovens de minorias sexuais têm quatro vezes mais chances de praticarem atos de autoflagelação entre os 16 e 21 anos, em comparação aos heterossexuais. Há também maior risco de sintomas de depressão a partir dos dez anos de idade.

 

Segundo o jornal O Globo, pesquisas anteriores mostraram que, entre 2001 e 2014, anualmente, 37 de cada 10 mil garotas e 12 de cada 10 mil garotos do Reino Unido receberam tratamento por ferimentos autoinfligidos.

 

"É muito preocupante ver que apesar das mudanças na percepção e atitudes públicas, os jovens de minorias sexuais continuam sob um maior risco de problemas de saúde mental no longo prazo", afirmou a líder do estudo, Gemma Lewis, do University College London.

 

"Nossos achados destacam a importância de tratar a saúde mental em vista da autoidentificação e rotulagem de orientações sexuais minoritárias. É imperativo que encontremos novas maneiras de alcançar estes adolescentes e que eles tenham acesso a serviços de apoio de alta qualidade desde muito jovens", acrescentou.

 

Os sintomas depressivos dos jovens que participaram do estudo foram analisados por meio de questionários aplicados sete vezes entre os dez e 21 anos. Por se tratar de um estudo observacional, os pesquisadores não tiveram conclusões de causa e efeito. No entanto, eles acreditam que o pior estado de saúde mental entre esses jovens está relacionado a um meio social hostil e estressante.

Hemóveis realizam coleta de sangue e cadastro de medula óssea em shoppings de Salvador
Foto: Divulgação

As unidades móveis da Fundação Hematologia e Hemoterapia da Bahia (Hemoba) realizam atendimentos durante esta semana em dois centros comerciais de Salvador.

 

Os Hemóveis estarão estacionados nos shoppings Ponto Alto, na Av. São Rafael, e Salvador Norte (entrada principal). Os atendimentos acontecem das 8h às 17h, até sexta-feira (14).

 

Para doar sangue, é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade, sendo que os menores de 18 anos devem estar acompanhados por um responsável legal. Pessoas com mais de 60 anos só poderão doar caso já tenham realizado alguma doação anteriormente. Além disso, o voluntário deve portar documento oficial com foto, estar em boas condições de saúde e pesar acima de 50 quilos.

 

Já os interessados em participar do cadastro de medula óssea devem ter entre 18 e 55 anos incompletos e ter boa saúde. Para o cadastro, é necessário preencher um formulário com dados pessoais e realizar a coleta de uma amostra de sangue com 5ml para testes de compatibilidade.

Mais Médicos: Mais de 3,7 mil profissionais ainda não se apresentaram nos municípios
Foto: Divulgação / Portal Brasil

Até as 17h desta terça-feira (11), 4.649 profissionais se apresentaram nos municípios onde trabalharão por meio do Programa Mais Médicos, de acordo com balanço do Ministério da Saúde. O número corresponde a aproximadamente 55% do total de 8.411 aprovados na primeira etapa do edital. Os médicos têm até esta sexta-feira (14) para comparecer às cidades.

 

Após o fim da primeira etapa de inscrições, 106 vagas não foram ocupadas. Para preenchê-las, a pasta lançou uma segunda etapa (veja aqui), que aceitará também profissionais sem revalidação do diploma. O Ministério da Saúde informou que já recebeu 2.277 inscrições de médicos sem CRM brasileiro. Os profissionais têm até sexta para enviar a documentação necessária.

Vírus Zika pode provocar infertilidade em homens, aponta estudo
Foto: Fiocruz

Um estudo promovido pelo Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo sugere que a infecção pelo vírus Zika pode causar infertilidade nos homens.

 

Liderada pela infectologista Vivian Avelino-Silva, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), a pesquisa analisou 14 homens infectados pelo vírus em 2016. Cinco deles fizeram o exame de espermograma e, em quatro, os resultados ficaram fora dos parâmetros de normalidade estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

“Observamos que, dentre os cinco homens em que fizemos a coleta de sêmen, quatro tinham o valor fora do normal, considerando a normalidade com referência da OMS. Isso sugere que pode existir um efeito de infecção por Zika que a gente ainda não conhecia, que é uma alteração prolongada, talvez até permanente, de infertilidade entre os homens”, disse Vivian, em entrevista à Agência Brasil.

 

A pesquisadora ressaltou que novas pesquisas são necessárias para um resultado conclusivo. De acordo com ela, a amostra era pequena e a equipe não tinha exames desses cinco homens antes da infecção para comprovar que a alteração foi feita pelo Zika.

 

“Não conseguimos provar, mas já existem estudos em animais que sugerem resultados semelhantes. Por isso achamos que o resultado é importante para que seja feito um estudo com um número maior de homens”, ressaltou a pesquisadora do Departamento de Moléstias Infecciosas e Parasitárias.

Quarta, 12 de Dezembro de 2018 - 07:20

Índios isolados recebem próteses dentárias feitas com impressoras 3D

por Leão Serva | Folhapress

Índios isolados recebem próteses dentárias feitas com impressoras 3D
Foto: Divulgação / Sesai

Uma técnica nova de produção de próteses dentárias com impressora 3D acaba de ser usada para beneficiar índios da etnia suruwahá, habitantes do sul do Amazonas, que vivem em estado de quase isolamento. A ação para resolver problemas odontológicos do grupo foi promovida pela Sesai (Secretaria de Saúde Indígena) e pela ONG Doutores Sem Fronteiras.

O equipamento usa a tecnologia Cad-cam (sigla em inglês para "Desenho e manufatura auxiliados por computador") para produzir a prótese exata necessária à boca de cada pessoa. Um computador escaneia a arcada dentária do paciente, indica as lacunas e o tamanho preciso do elemento substituto para que o encaixe de toda a arcada (chamado "oclusão") não seja prejudicado; em seguida, ele comanda uma impressora 3D que produz a prótese a partir de um bloco de cerâmica.

Depois do encaixe, o dente artificial é iluminado por alguns instantes com uma espécie de caneta com uma lâmpada azul na ponta, que tem como propriedade acelerar o seu endurecimento. Em minutos, o material cerâmico fica rígido como um dente natural.

Graças à impressora 3D, o processo de identificação, desenho e moldagem de um bloco correspondente a três dentes pode ser feito em 20 minutos e implantado até no mesmo dia em que o paciente tratou um canal dentário, por exemplo.

"Estamos atendendo a uma demanda da própria população e com uma tecnologia que é difícil de encontrar até em grandes centros urbanos, evitando que estas pessoas, de recente contato, precisem ser deslocadas até a cidade para realizar o tratamento", destacou o secretário de Saúde Indígena do Ministério da Saúde, Marco Antônio Toccolini, que acompanhou o inicio dos trabalhos em novembro.

Até o dia 29 passado, quando a reportagem chegou à área indígena, foram beneficiadas 32 pessoas com próteses e 19 com tratamentos de canal. Um dentista permanece na comunidade até o dia 20 de dezembro para monitorar a evolução do tratamento e realizar ajustes de oclusão que forem necessários.

Os suruwahá tendem a ter grande desgaste dentário porque usam intensamente os dentes em diversas atividades: na caça, quando preparam os dardos de suas zarabatanas; e no artesanato, ao amolecer fibras vegetais de confeccionar redes, flechas e arcos, etc.

Esses índios tiveram contato regular com a sociedade nacional só a partir dos anos 1980 e 1990. Até hoje, vivem com mínimo relacionamento com pessoas de fora do grupo. São acompanhados por um departamento da Funai que monitora "grupos isolados e de recente contato", cuja base fica a cerca de cinco horas de barco da comunidade. Essa política chamada de "não contato" procura preservar a cultura indígena do impacto do relacionamento com não índios e também evitar contágios de doenças. Um simples resfriado, leve para brancos, pode abater muito um suruwahá e até matar velhos ou crianças.

Desde o contato, eles se tornaram conhecidos pelo alto índice de suicídios, um comportamento entranhado em sua cultura provavelmente desde o início do século 20, segundo estudos antropológicos.

Por isso o grupo se tornou prioritário para a realização da ação odontológica, uma vez que funcionários da Funai e da Sesai narram casos de pessoas que apontam a falta de dentes ou dores agudas como causa de angústia, pela incapacidade de realizar tarefas básicas do cotidiano.

Em abril passado, numa primeira parte da ação, dentistas enviados para a comunidade suruwahá realizaram consultas com todos os 154 moradores, quando diagnosticaram que 50 pessoas tinham necessidade de próteses ou cirurgias de canal.

A ação de tratamento foi realizada na área da base da Funai na terra indígena e envolveu a preparação de um gabinete odontológico completo e um acampamento provisório para os pacientes e suas famílias (123 índios no total). Cerca de 50 pessoas, entre funcionários da Funai, da Sesai, dos Doutores Sem Fronteiras e militares que apoiaram a ação, além de uma tonelada de equipamento, foram transportados para a região pelo Exército e pela Força Aérea.

Os suruwahá foram tema da terceira reportagem especial da série "Sebastião Salgado na Amazônia", publicada pela Folha de S.Paulo.

Campanha de Natal: Sindimed recolhe doações para abrigo de idosos

O Sindicato dos Médicos da Bahia (Sindimed-BA) realiza, durante o mês de dezembro, a campanha "Sindimed solidário, espírito de Natal". Até 20 de dezembro, a instituição receberá doações que serão destinadas a um abrigo de idosos de Salvador.

 

Podem ser doados alimentos não-perecíveis, itens de vestuário, fraldas geriátricas, sapatos e material de higiene pessoal. O Sindimed receberá as doações de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Caso seja necessário, a doação pode ser entregue a um funcionário de plantão.

Pesquisadores descobrem marcador que auxilia no prognóstico do câncer de boca
Foto: Shutterstock

Pesquisadores brasileiros identificaram uma correlação entre a progressão do câncer de boca e a quantidade de proteínas presentes no tecido tumoral e na saliva.

 

“O conjunto de dados nos levou a ter um resultado robusto e bastante promissor na definição da gravidade da doença. Além de sugerirmos marcadores potenciais da doença em uma primeira fase, também verificamos esses marcadores em uma segunda fase da pesquisa, o que confere mais confiabilidade aos achados, mostrando que esses marcadores são eficientes para classificar o paciente com metástase em linfonodo cervical”, disse Adriana Franco Paes Leme, pesquisadora do Laboratório Nacional de Biociências (LNBio), no Centro Nacional de Pesquisas em Energia e Materiais (CNPEM), em entrevista à Agência Fapesp.

 

O câncer de boca, também chamado de carcinoma espinocelular (CEC), é o tipo mais comum de tumor maligno de cabeça e pescoço. Tem alta prevalência e mortalidade, com cerca de 300 mil novos casos diagnosticados por ano no mundo e 145 mil mortes. Embora seja relativamente fácil de ser detectado, por feridas na boca identificadas por dentistas, geralmente o diagnóstico é feito quando a doença já está em estágio avançado.

 

O estudo durou cinco anos e foi dividido em duas fases. “A saliva é uma fonte promissora de marcadores, além de ser um fluido obtido por meio de coleta não invasiva. Para tanto, foram verificadas as proteínas na saliva de 40 pacientes e, para obter maior confiabilidade do resultado nessa fase do estudo, as análises foram feitas em triplicatas técnicas”, explicou Paes Leme.

 

Após a análise em amostras de saliva de pacientes, os pesquisadores utilizaram técnicas de bioinformática e de aprendizado de máquina para chegar à assinatura de prognóstico – verificar quais as proteínas ou peptídeos selecionados na primeira fase poderiam separar os pacientes com e sem metástase em linfonodo cervical.

 

A partir desse resultado foi possível definir a assinatura de três peptídeos específicos de LTA4H, COL6A1 e CSTB, capazes de classificar os pacientes com e sem metástase em linfonodos cervicais, com grande potencial de ajudar os clínicos a superar as limitações dos exames e guiar as estratégias de tratamento personalizado.

Terça, 11 de Dezembro de 2018 - 15:10

Ministra de Bolsonaro defende aprovação do estatuto do nascituro

por Letícia Casado | Folhapress

Ministra de Bolsonaro defende aprovação do estatuto do nascituro
Foto: Agência Brasil

Futura chefe do Ministério de Mulher, Família e Direitos Humanos, a pastora Damares Alves disse nesta terça-feira (11) que o projeto mais importante em tramitação no Congresso Nacional é o estatuto do nascituro.

O projeto está na Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Câmara e restringe os direitos da mulher em relação ao aborto.

"Temos projetos interessantes no Congresso. O mais importante que vamos estar trabalhando é a questão do estatuto do nascituro. Vamos estabelecer políticas públicas para o bebê na barriga da mãe", disse Damares ao sair de para reunião com a equipe de transição do novo governo no CCBB (Centro Cultural do Banco do Brasil).

O estatuto classifica o nascituro como ser humano concebido, incluindo os "in vitro", antes da transferência para o útero da mulher, ainda que não nascido. Embora haja críticas ao aborto em relatórios apresentados por deputados sobre o tema, o projeto não cita alterações para a interrupção da gravidez nos casos já garantidos em lei -feto anencefálico, risco de vida para a mãe e gravidez decorrente de estupro.

Segundo o projeto, em casos de gravidez decorrente de estupro, a mulher poderá encaminhar o bebê à adoção. Quando o pai biológico da criança for identificado, este terá de pagar pensão alimentícia à criança. Caso não haja identificação e a mulher não tenha condições financeiras de criar o filho, o Estado deverá ficar responsável pelos custos. O formato do repasse teria de ser regulamentado.

Assessora no gabinete do senador Magno Malta (PR-ES), Damares foi anunciada para o cargo pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), na semana passada. 

Damares disse ainda que a secretaria da família vai integrar políticas públicas de outros ministérios.

"Qual o ministério que faz saúde da mulher? Como isso está sendo feito? Como lidar com a saúde da mulher dentro da secretaria da família? Qual o ministério que está cuidando da alfabetização de adultos? Os temas família são enormes e diversos. Essa secretaria vem para interagir com todos os ministérios que já desenvolvem políticas para as famílias", afirmou.

Outra prioridade da nova ministra é combater a automutilação. Segundo ela, 20% dos adolescentes se cortam.

A pasta também vai abrigar a Funai (Fundação Nacional do Índio), que hoje está na Justiça. Damares disse que o novo presidente da Funai ainda não foi definido, mas que será alguém que "ame índio".

O nome será escolhido em conjunto com o presidente eleito, acrescentou. 

Damares voltou a dizer que sua gestão vai fortalecer o papel da mulher indígena, em especial as grávidas, cuidar dos índios com deficiência e dos idosos. 

Na semana passada, a futura ministra afirmou que concorda com Bolsonaro sobre a necessidade de rever a política de isolamento de indígenas.

Site do Mais Médicos apresenta instabilidade em 1º dia de inscrições da 2ª etapa
Foto: Divulgação

O site para inscrições no Programa Mais Médicos ficou fora do ar na manhã desta terça-feira (11), quando foi aberto o processo para profissionais formados no exterior, mesmo sem revalidação do diploma. Estão abertas 106 vagas remanescentes da primeira etapa.

 

O Ministério da Saúde informou, em nota, que a instabilidade do site está relacionada ao grande número de acessos. Na primeira etapa de inscrições, o portal também apresentou problemas, creditados pela pasta a ataques cibernéticos.

 

O edital da segunda etapa de seleção foi publicado nesta segunda (10). Os profissionais têm até a próxima sexta-feira (14) para envio dos documentos necessários.

Histórico de Conteúdo