Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Após EUA transplantar rim de porco para paciente com morte cerebral, USP deve iniciar testes
Foto: Divulgação / USP

Após ser realizado pela primeira vez no mundo o transplante do rim de um porco para um humano nos Estados Unidos da América  (EUA, a Universidade de São Paulo (USP), com linha semelhante de pesquisa semelhante, iniciou testes neste sentido. O grupo de pesquisa comandado por Silvano Raia, é pioneiro no transplante de fígado na América Latina. O cirurgião espera que ps primeiros testes com seres humanos no Brasil ocorram em dois anos, caso o estudo consiga investimento para construir um criadouro biosseguro (pig facility).

 

Em entrevista ao Correio Braziliense o pesquisador  disse que o trabalho nos EUA abre porta. "por mais que os dados de laboratório indicassem que estávamos no caminho certo, existiam os céticos. O fato de terem conseguido demonstra que essa linha de pesquisa é promissora", disse.  Para a geneticista Mayana Zatz, também envolvida na pesquisa, o sucesso americano facilita a aprovação de experimentos por comitês de ética brasileiros. "É importante no sentido de mostrar: 'Olha, já está sendo feito nos EUA'", disse.

 

Ainda de acordo com Coreio Braziliense, o estudo brasileiro foi concebido pelo pesquisador há quatro anos. A iniciativa teve apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da farmacêutica EMS. A parte de engenharia genética, segundo os cientistas, consiste na inativação de genes do porco e na adição de genes humanos, feita com a técnica CRISPR/Cas9 (no método, a Cas9, enzima do sistema de defesa das bactérias, junto a um RNA, usado como guia, recorta o trecho de interesse de um DNA). Com isso, foi possível criar os embriões geneticamente modificados, que precisam ser introduzidos em uma matriz e criados no pig Facility.

 

O pesquisador revelou que os primeiros filhotes serão gerados em um biotério comum. A partir daí, testes pré-clínicos serão tocados em perfusão isolada, sistema que permite manter a preservação de órgãos desde a coleta do doador até o transplante. É empregado usualmente o chamado líquido de preservação (perfusato). A experiência usará, porém, sangue humano como perfusato. "Se a perfusão do rim geneticamente modificado com sangue humano, durante 12 horas, não demonstrar rejeição tanto nas biópsias do órgão quanto do perfusato, ficará demonstrado que nosso produto é adequado para ser transplantado em pacientes", disse. 

Domingo, 24 de Outubro de 2021 - 15:20

Pandemia e alta do dólar empurram cerca de 50 mil para fila de cirurgia cardíaca no SUS

por Por: Raquel Lopes e Mateus Varga | Foplhapress

Pandemia e alta do dólar empurram cerca de 50 mil para fila de cirurgia cardíaca no SUS
Foto: Pedro Ventura / Agência Brasília

A pandemia da Covid-19 e a alta do dólar travaram ainda mais as cirurgias cardíacas no SUS. O problema da escassez de recursos para procedimentos eletivos é crônico, mas agora piorou.
 

Entidades médicas e gestores de hospitais relatam que estão suspendendo operações por não conseguirem comprar insumos como válvulas, cânulas e oxigenadores. A SBCCV (Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular) estima que cerca de 50 mil pessoas aguardam na fila por operações desse tipo, e o número de atendimentos cai a cada ano.
 

Com a disparada da moeda americana, insumos ficaram mais caros, alcançando valores muito acima do que o governo federal repassa aos hospitais.
 

Por conta disso, há estados com cirurgias paradas, como Goiás. Outros decidiram destinar recursos próprios para conseguir manter a realização dos procedimentos. A situação é mais crítica nas cirurgias cardiovasculares com circulação extracorpórea. São cirurgias cardíacas de alta complexidade em que o médico precisa abrir o peito do paciente.
 

Em 2020, foram realizadas 31.931 cirurgias desse tipo, 22,9% a menos que em 2019, segundo dados do Ministério da Saúde organizados pela SBCCV.
 

O Ministério da Saúde afirma que cabe aos estados e municípios gerenciarem as listas de espera. Informa ainda que faz estudos para avaliar possível reajuste nos valores repassados para esses procedimentos.
 

Eduardo Rocha, presidente da SBCCV, diz que essa fila foi criada por dois motivos. O primeiro é a pandemia que fez represar cirurgias de alta complexidade. Com a falta de leitos de UTI e vagas em hospitais, elas tiveram que ser suspensas.
 

"Em vez de abrir o peito do doente na pandemia, a gente optou por fazer procedimentos menos invasivos, que a longo prazo são piores. Fizemos isso para conseguir manter os doentes vivos e não gastar muito tempo de internação e UTI", afirma.
 

Outra razão é a falta de produtos para que essas cirurgias sejam realizadas. Há fornecedores que não querem vender para o SUS por conta do valor de tabela pago. Hospitais de nove estados já relataram problemas para a SBCCV. A "tabela SUS", que registra o valor pago pelo governo federal para diversos procedimentos no SUS, está defasada. Para cirurgias cardiovasculares com circulação extracorpórea, que exigem válvulas, cânulas, oxigenadores, não há reajuste desde 2002.
 

Em 2021, com a alta do dólar e inflação, a situação ficou insustentável, segundo gestores do SUS e entidades médicas.
 

Paulo Fraccaro, superintendente da Abimo (Associação Brasileira da Indústria de Dispositivos Médicos), diz que, das cinco empresas que fornecem esses produtos para o SUS, três deixaram de ofertar. Ele afirma que está em contato com o Ministério da Saúde para tentar resolver o problema.
 

"Com a pandemia diminuindo, o número de cirurgias que utilizam válvulas e oxigenadores está aumentando, e a demanda por insumos, também. As empresas não têm condição de atender essa demanda porque senão o prejuízo vai aumentar. Aumentou o preço da matéria-prima, energia elétrica, aumento de salários e aqueles que trabalham com produtos importados, o aumento do dólar", diz.
 

O caminhoneiro Geso Garcez Bueno, de 52 anos, espera há quatro meses na fila em Anápolis (GO) para realizar a cirurgia de revascularização do miocárdio. Ele sofreu dois infartos que o impossibilitaram, inclusive, de trabalhar. Após ficar sem resposta dos órgãos públicos sobre a data da cirurgia, Bueno buscou a Justiça, que deu ordem para a operação ser feita em até 15 dias.
 

"O laudo médico diz que eu sofro risco de vida e mesmo assim não marcam a cirurgia, acho que é Deus que ainda está me mantendo vivo. Toda vez que vou à prefeitura da cidade dizem que o SUS não está tendo insumo e não possuem dinheiro para cobrir a cirurgia", lamenta.
 

A presidente da Braile Biomédica, Patrícia Braile, avalia que está cada dia mais difícil o fornecimento dos produtos para a realização de cirurgias cardíacas no SUS. Ela explica que um kit usado em cirurgia com circulação extracorpórea é tabelado por R$ 1.581,63 pelo SUS desde 2002, ou seja, está há 19 anos sem reajuste.
 

"Há risco de desabastecimento. Muitos insumos e matérias-primas são importados dos Estados Unidos e Europa e os valores são em euro e em dólar, o que eleva muito os custos", constata.
 

Bruno Botelho Pinheiro, cirurgião cardiovascular e membro titular da SBCCV, diz que em Goiás as cirurgias cardiovasculares realizadas pelo SUS foram reduzidas por falta de insumos. Alguns hospitais chegaram a pagar a diferença para que pudessem continuar as operações. Mas cada local está lidando de uma maneira.
 

"Em Anápolis está totalmente parado desde 30 de março, apesar de 70 já estarem autorizadas. Já alguns hospitais de Goiânia estão complementando o valor em casos mais complexos", conta.
 

A CMB (Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas) alerta o Ministério da Saúde em junho sobre dificuldades para realizar as cirurgias.
 

No documento, a entidade aponta que reajustes feitos pela indústria aumentam a diferença entre o valor pago pelo governo federal e o registrado nas licitações dos insumos.
 

Diretor-executivo do hospital filantrópico Bruno Born, de Lajeado (RS), Cristiano Dickel afirma que teve de pedir ajuda ao município e até enviou pacientes a outras unidades por causa do aumento dos custos nas últimas semanas. Como exemplo, Dickel cita que o governo envia R$ 1.500 para a compra de válvulas biológicas, mas o custo do produto alcança R$ 3.700. A unidade de Lajeado é referência na região, e atende a pacientes de 37 cidades. "O aumento começou no último mês. E fornecedores dizem que o problema irá se agravar."
 

A cirurgiã cardiovascular Silvana Berwanger, da Santa Casa de Ijuí (RS), afirma que é inédito interromper cirurgias por falta de opção de insumos. A unidade em que ela trabalha cancelou as operações eletivas, e mantém reservado um kit de válvulas biológicas para cirurgias de emergência.
 

Procurado, o Ministério da Saúde disse, em nota, que na tabela SUS constam cinco procedimentos especiais relacionados ao material em questão, cujo custeio é financiado com recursos da pasta.
 

Entretanto, é de responsabilidade do gestor local o planejamento e gerenciamento dos repasses federais, e do estabelecimento de saúde, a aquisição e gestão das próteses e materiais, afirmou o ministério.
 

"A prótese valvular biológica teve o valor na tabela do SUS reajustado em 63%, em 2017. Para obter subsídios adicionais e complementares, considerando o alto grau de complexidade da situação, o Ministério da Saúde realiza estudo econômico para avaliar possível reajuste dos valores pagos pela União para as próteses e para os conjuntos de circulação extracorpórea", informou em nota.
 

O governo de Goiás afirmou, em nota, que as unidades que realizam cirurgias cardíacas de alta complexidade são localizadas em Goiânia. O encaminhamento é de responsabilidade da Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia. As prefeituras de Goiânia e Anápolis não responderam aos questionamentos da reportagem.
 

O Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) disse, em nota, que tem apresentado ao ministério e nas discussões com gestores do SUS "preocupação com o represamento das cirurgias eletivas, especialmente por causa da pandemia da Covid-19".
 

"A mortalidade e a morbidade por doenças cardiovasculares exigem que as ações integradas ocorram com celeridade", avaliou a entidade.
 

Para Diego Xavier, pesquisador do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde da Fiocruz, além de avaliar queda de 22% em parte das cirurgias cardíacas, é importante observar se houve excesso de morte na pandemia por problemas cardiovasculares.
 

"Agora que vamos retomar temos o passivo que ficou para trás e as demandas atuais. Muita gente vai acabar tendo problema porque se houver menos procedimento, mais gente vai morrer por não ter sido socorrido a tempo", conclui.

Após Wuhan registra 26 novos casos de Covid-19, governo chinês adia evento esportivo
Divulgação / PD China Sports

A maratona de Wuhan, que aconteceria neste  domingo (24), foi adiada parcialmente pelo governo chinês após os órgãos de saúde locais identificaram 26 novos casos da Covid-19. O evento foi adiado porque o país adotou o modelo de 'tolerância zero', em relação aos novos casos da infecção. A previsão do governo chinês era que 26 mil pessoas fossem à cidade para participar do evento. 

 

De acordo com o Portal G1, as autoridades  locais tentam conter o contágio do vírus com testes em larga escala e confinamentos direcionados. No entanto, com as confirmações do novo surto, os organizadores da maratona afirmaram através de um comunicado o adiamento da prova na cidade "para evitar o risco de uma propagação pandêmica".

 

O comitê organizador disse que irá devolver os valores do ingresso. O país conseguiu conseguiu reduzir drasticamente os contágios de Covid-19 com uma campanha agressiva de testes e um rígido controle das fronteiras.

Domingo, 24 de Outubro de 2021 - 12:40

Belém registra caso de subvariante delta da Covid-19 e emite alerta

por Folhapress

Belém registra caso de subvariante delta da Covid-19 e emite alerta
Foto: Reprodução / TV Liberal

A secretaria de saúde de Belém identificou a circulação da subvariante delta AY-33 na capital do Pará e emitiu um alerta aos hospitais para comunicação imediata de casos de Covid-19 oriundos de outros estados ou países, além de recomendar a manutenção dos protocolos de segurança à população. A subvariante preocupa porque ela pode não ser detectada por testes rápidos e pelos protocolos de RT-qPCR.
 

Em nota, a secretaria informou que a descoberta foi feita através do sequenciamento de 116 amostras do vírus SARS-CoV-2 obtidas de pacientes de Belém. Nas análises, uma amostra da Delta AY.33 foi detectada. Mas o órgão não deu mais detalhes sobre o caso, nem informações do paciente, sua nacionalidade ou origem.
 

Em suas redes sociais, a secretaria reforçou que qualquer pessoa que apresente sintomas compatíveis com covid-19 deve ser orientada a manter isolamento social por 14 dias.
 

Alerta de notificação
 

A capital paraense vive uma estabilidade no número de casos da doença. Segundo o último balanço, divulgado ontem, não há nenhum leito clínico ou de UTI ocupado com pacientes acometidos pela Covid. Nos últimos sete dias, houve 21 casos da doença. Os casos acumulados desde o início da pandemia somam 106.635.
 

Mesmo com a estabilidade, a secretaria orientou que as unidades notificadoras estejam atentas ao atendimento de casos suspeitos, assim como de outros agravos de notificação compulsória, realizando a notificação imediata dos casos suspeitos e confirmados oriundos de outros países ou estados brasileiros para que a Divisão de Vigilância possa adotar as medidas de controle.
 

O órgão também reforçou as orientações para que a população siga as medidas de prevenção e controle, como isolamento domiciliar da pessoa que estiver com suspeita ou em período de transmissão da doença, lavagem frequente das mãos com água e sabão ou álcool em gel, além do uso obrigatório de máscara e manutenção do distanciamento social.
 

Balanço
 

A secretaria de saúde de Belém também divulgou um balanço das análises de casos de covid-19 realizadas nos últimos três meses. Em julho e agosto, foram notificados em Belém 1.612 casos. Foram enviadas para sequenciamento 72 (4%) amostras de pacientes sintomáticos e que apresentaram RT-qPCR positivo, resultando em 84,7% dos provocados pela variante gama, enquanto os da variante delta representaram 9,7%. As variantes beta e zeta também foram detectadas, cada uma com 2,8%.
 

Em setembro, foram 332 casos de covid-19. De 24 (7%) pacientes sintomáticos, metade foi infectada com a variante delta e o restante, com a gama.
 

Nos primeiros vinte dias de outubro, foram notificados 152 casos. As 20 amostras genotipadas (13%) revelaram uma inversão, com a predominância da variante delta, responsável por 75% dos casos, enquanto a gama foi identificada em 25% dos casos positivos da doença.

Prefeitura vai realizar 'arrastão da segunda dose' a partir desta segunda
Foto: Bruno Concha/Secom

A prefeitura de Salvador vai realizar o "Arrastão da 2ª Dose" para viabilizar a população acima de 18 anos seja totalmente imunizada contra a Covid-19. A iniciativa, que acontece nesta segunda-feira (25) e na terça-feira (26), foi anunciada pelo prefeito Bruno Reis durante a inauguração do Complexo Esportivo Jay Márcio Neves, neste sábado (23), em Paripe.

 

"Estamos fazendo isso porque vacinamos a última faixa etária das pessoas adultas no dia 20 de agosto. Portanto, toda a população adulta de Salvador já poderá ser imunizada. No entanto, nós temos hoje 170 mil pessoas que ainda não voltaram para tomar a segunda dose", afirmou o prefeito.

 

Bruno Reis ressaltou que a imunização de toda a população com as duas doses é imprescindível para que decisões importantes para a economia da cidade sejam tomadas. “Quem quer a normalidade precisa se vacinar, porque só aí teremos condições de tomar decisões sobre tantos eventos e iniciativas importantes para a economia da cidade. Por isso, eu faço esse apelo para que as pessoas voltem, tomem a segunda dose e concluam o ciclo vacinal”, acrescentou.

 

O Arrastão da 2ª Dose acontecerá de forma escalonada, de acordo com a data prevista para cada imunizante. Os postos da estratégia serão divulgados em breve. Nesses dois dias, não haverá vacinação para os demais públicos.

 

Confira a organização dos públicos por data e imunizante:

 

SEGUNDA-FEIRA (25)

Das 8h às 12h:

- CoronaVac com data indicada no cartão até 25/10/2021;

- Oxford com data indicada no cartão até 16/11/2021;

- Pfizer com data indicada no cartão até 16/11/2021.

 

Das 13h às 16h:

- CoronaVac com data indicada no cartão até 26/10/2021;

- Oxford com data indicada no cartão até 17/11/2021;

- Pfizer com data indicada no cartão até 17/11/2021.

 

Das 17h às 21h:

- CoronaVac com data indicada no cartão até 27/10/2021;

- Oxford com data indicada no cartão até 18/11/2021;

- Pfizer com data indicada no cartão até 18/11/2021.

 

TERÇA-FEIRA (26)

Das 8h às 12h:

- CoronaVac com data indicada no cartão até 28/10/2021;

- Oxford com data indicada no cartão até 19/11/2021;

- Pfizer com data indicada no cartão até 19/11/2021.

 

Das 13h às 16h:

- CoronaVac com data indicada no cartão até 29/10/2021;

- Oxford com data indicada no cartão até 20/11/2021;

- Pfizer com data indicada no cartão até 20/11/2021.

 

Das 17h às 21h:

- CoronaVac com data indicada no cartão até 30/10/2021;

- Oxford com data indicada no cartão até 21/11/2021;

- Pfizer com data indicada no cartão até 21/11/2021.

Sábado, 23 de Outubro de 2021 - 18:20

Salvador realiza 'Arrastão da 2ª Dose' a partir de segunda

Salvador realiza 'Arrastão da 2ª Dose' a partir de segunda
Foto: Myke Sena / MS

Salvador vai realizar o “Arrastão da 2ª Dose” a partir da segunda-feira (25). O objetivo é fazer com que toda a população acima de 18 anos seja totalmente imunizada contra a Covid-19 nos próximos dias. A iniciativa, que acontece na segunda e terça-feira (26), e foi anunciada pelo prefeito Bruno Reis neste sábado (23).

 

O Arrastão da 2ª Dose acontecerá de forma escalonada, de acordo com a data prevista para cada imunizante. Nesses dois dias, não haverá vacinação para os demais públicos. Os postos da estratégia ainda não foram divulgados pela gestão.

 

“Estamos fazendo isso porque vacinamos a última faixa etária das pessoas adultas no dia 20 de agosto. Portanto, toda a população adulta de Salvador já poderá ser imunizada. No entanto, nós temos hoje 170 mil pessoas que ainda não voltaram para tomar a segunda dose”, afirmou o prefeito.

 

SEGUNDA-FEIRA (25)

Das 8h às 12h:

- CoronaVac com data indicada no cartão até 25/10/2021;

- Oxford com data indicada no cartão até 16/11/2021;

- Pfizer com data indicada no cartão até 16/11/2021.

 

Das 13h às 16h:

- CoronaVac com data indicada no cartão até 26/10/2021;

- Oxford com data indicada no cartão até 17/11/2021;

- Pfizer com data indicada no cartão até 17/11/2021.

 

Das 17h às 21h:

- CoronaVac com data indicada no cartão até 27/10/2021;

- Oxford com data indicada no cartão até 18/11/2021;

- Pfizer com data indicada no cartão até 18/11/2021.

 

TERÇA-FEIRA (26)

Das 8h às 12h:

- CoronaVac com data indicada no cartão até 28/10/2021;

- Oxford com data indicada no cartão até 19/11/2021;

- Pfizer com data indicada no cartão até 19/11/2021.

 

Das 13h às 16h:

- CoronaVac com data indicada no cartão até 29/10/2021;

- Oxford com data indicada no cartão até 20/11/2021;

- Pfizer com data indicada no cartão até 20/11/2021.

 

Das 17h às 21h:

- CoronaVac com data indicada no cartão até 30/10/2021;

- Oxford com data indicada no cartão até 21/11/2021;

- Pfizer com data indicada no cartão até 21/11/2021.

Sábado, 23 de Outubro de 2021 - 17:50

Salvador suspende vacinação contra Covid-19 neste domingo

Salvador suspende vacinação contra Covid-19 neste domingo
Foto: Myke Sena / MS

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) informou que não haverá vacinação contra a Covid-19 em Salvador neste domingo (24). A estratégia será retomada na segunda-feira (25), com o “Arrastão da 2ª Dose”.

 

A capital baiana aplicou, até este sábado (23) 3.509.105 doses de vacina. 

Parceria leva exames de prevenção ao câncer a mulheres ambulantes de Salvador
Foto: Jefferson Peixoto / Secom / PMS

Nesta sexta-feira (22), 50 exames de mamografia e de ultrassonografia de mamas foram disponibilizados para mulheres trabalhadoras do comércio informal de Salvador, como parte das ações de mobilização do Outubro Rosa. O cadastro para o exame foi disponibilizado através do site da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop).

 

As primeiras 50 mulheres a realizar o procedimento, preenchendo no site as informações solicitadas, foram contempladas. O exame pode ser feito por mulheres com idade a partir de 40 anos e será agendado de acordo com a disponibilidade de dia e horário do Labchecap de São Marcos, parceiro da iniciativa.

 

A ação é promovida pela Semop e pela Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ). “Nós, mulheres guerreiras, precisamos aprender a nos preservar e saber a importância de fazer exames periodicamente, para que nada venha a acontecer. Essa iniciativa e parceria com a SPMJ me deixou muito feliz, pois poder cuidar um pouco das ambulantes enche a Semop de esperança em poder fazer a diferença”, pontuou a titular de Ordem Pública, Marise Chastinet.

Com incidência de câncer em pets, especialistas aconselham castração no Outubro Rosa
Foto: Divulgação

O Outubro Rosa é marcado pelas campanhas de prevenção e combate ao câncer de mama, mas este problema não é uma exclusividade dos humanos. A doença também pode acometer cães e gatos, por isso, especialistas aconselham a realização de consultas com veterinários e a castração dos pets.

 

Em Salvador e Região Metropolitana, os cuidadores podem se informar sobre exames e demais cuidados necessários para preservar a saúde dos bichinhos com a Centervet, que possui unidades em diversas localidades. 

 

Confira os contatos: Graça (24H) : 71 3013-3841; Stella Maris: 71 2132-6922; Stiep: 71 3565-8100; e Vilas do Atlântico: 71 3508-1251.

Com crise hídrica e pandemia, casos de dengue caem 47% e de zika 19%
Foto: Reprodução/Pixabay

O último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde aponta que os adoecimentos por dengue diminuíram 47,8% em relação ao mesmo período do ano passado. Até setembro, dado mais recente, foram 477,2 mil casos. No mesmo período de 2020, tinham sido registrados mais de 700 mil casos.

 

Segundo publicação do Metrópoles, a redução pode estar ocorrendo por uma série de fatores, como as medidas de restrição por causa da Covid-19, a conscientização da população para a mitigação de criadouros do mosquito, o impacto da crise hídrica ou o comportamento sazonal da doença.

 

As infecções por Zika vírus, outra doença provocada pelo Aedes, que causou uma epidemia entre 2015 e 2016, levando o Brasil para as manchetes internacionais, também caíram. Nesse caso, os adoecimentos computados somam 5.361 até setembro de 2021. No ano passado, até o mesmo mês, foram 6,4 mil.

Intercambialidade: Certificado para quem tomou vacinas diferentes é liberado
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O Ministério da Saúde anunciou nesta sexta-feira (22) a liberação de emissão do certificado de vacinação contra a Covid-19 para pessoas que tomaram duas doses de marcas diferentes, a chamada intercambialidade. A emissão poderá ser realizada por meio do aplicativo ConecteSUS. A informação é da Agência Brasil.

 

Essa alternativa estava proibida no app. Em nota no início do mês, o ministério reconheceu que o sistema impedia a emissão do certificado e informou que buscaria uma solução para evitar essa limitação.

 

O certificado de vacinação é um documento que o cidadão pode emitir para comprovar que concluiu o ciclo vacinal, seja por meio do recebimento de duas doses na maioria dos casos ou da dose única em se tratando da vacina da Janssen.

 

De acordo com a nota técnica do Ministério da Saúde, de maneira geral as vacinas contra a covid-19 não são intercambiáveis, ou seja, indivíduos que iniciaram a vacinação devem completar o esquema com a mesma vacina. No entanto, em situações de exceção, onde não for possível administrar a segunda dose com uma vacina do mesmo fabricante, seja por contraindicações específicas ou por ausência daquele imunizante no país, poderá ser administrada uma de outro laboratório.

 

A segunda dose deverá ser administrada respeitando o intervalo adotado para o imunizante utilizado na primeira dose.

 

As mulheres que receberam a primeira dose da vacina AstraZeneca/Fiocruz e que estejam gestantes ou no puerpério (até 45 dias pós-parto), no momento de receber a segunda dose da vacina, deverá ser ofertada, preferencialmente, a Pfizer/Wyeth. Caso esse imunizante não esteja disponível na localidade, poderá ser utilizada a vacina Sinovac/Butantan.

Incor pede autorização à Anvisa para testes clínicos de vacina spray
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O Instituto do Coração (Incor) em São Paulo enviou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), nesta quinta-feira (21), o pedido de autorização para os testes clínicos da vacina em spray contra a covid-19. A ideia é iniciar as fases 1 e 2 do estudo em 2022. O documento detalha aspectos técnicos e metodológicos do imunizante em avaliação. A informação é da Agência Brasil.

 

De acordo com o Incor, a vacina spray “é  inédita no mundo não apenas pela sua forma de administração pelas narinas, mas também pelos componentes derivados do vírus que ele utiliza  para a imunização e pelo veículo que os transporta (nanopartículas)”, aponta nota da instituição.

 

O imunizante é desenvolvido pelo Laboratório de Imunologia do InCor e tem como parceiros a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e a Universidade de São Paulo (USP), especificamente a Faculdade de Medicina, o Instituto de Ciências Biomédica e a Faculdade de Ciências Farmacêuticas. 

 

Os resultados iniciais são promissores. Os experimentos mostram que animais imunizados com a vacina spray tiveram altos níveis de anticorpos IgA e IgG e também uma resposta celular protetora. 

 

Serão 280 participantes divididos em sete grupos, seis deles vão tomar doses diferentes entre si e o último vai receber placebo. A dose diferenciada é para testar a melhor dosagem. Essas fases devem durar até três meses. O objetivo é avaliar a segurança, a resposta imune e o esquema vacinal (dose) mais adequado.

 

O Incor aponta que, diferentemente das vacinas existentes, que usam a proteína spike para induzir a resposta imune do organismo, o imunizante que está em desenvolvimento utiliza peptídios sequenciais derivados de proteínas que compõem o vírus. A forma de administrar o medicamento, pelas narinas, utiliza uma nanopartícula que consegue ultrapassar a barreira protetora dos cílios e do muco.

Sábado, 23 de Outubro de 2021 - 00:00

Descubra quais crenças são mitos e quais são verdades sobre o câncer de mama

por Gabriela Icó

Descubra quais crenças são mitos e quais são verdades sobre o câncer de mama
Foto: divulgação / Sociedade Brasileira de Mastologia

Quantas vezes você já ouviu que usar desodorante pode causar câncer de mama? Você já deixou de usar o produto por isso? Será que isso é mesmo verdade? A doença, razão de muito temor, é o tumor que mais matou mulheres no Brasil com 18.068 óbitos, 16,4% das mortes por câncer entre mulheres em 2019, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA). Além disso, é o segundo tipo de câncer mais comum entre as brasileiras, com 66.280 casos (29,7%) em 2020.

 

Embora o assunto seja muito conhecido e divulgado no Brasil, especialmente durante o Outubro Rosa, ainda há muitas crenças populares sobre a doença. A médica especialista em mastologista pelo Hospital Sírio Libanês e professora do internato de Medicina da UniFTC, Narjara Monteiro, comentou algumas crenças populares sobre o câncer de mama e apontou quais são mitos ou verdades.

 

DESODORANTE CAUSA CÂNCER DE MAMA

Mito. "Não tem nenhuma relação, o desodorante pode ser usado. O que pode acontecer é que, a depender do tipo de desodorante, do quanto de álcool tem concentrado, pode causar uma irritação na axila. Eventualmente, a irritação pode causar aumento ganglionar e a paciente pode sentir a presença de um linfonodo, que a gente chama de ‘íngua’. A especialista explica que seria uma reação, um linfonodo palpável na axila, mas sem relação com nenhum tipo de câncer. "É absolutamente seguro usar qualquer tipo de desodorante".

 

Narjara diz que o que não é recomendado é o uso de talco na véspera da mamografia. "Porque às vezes aparece no exame como uma microcalcificação, algo que pode ser um fator de confusão no laudo, causando um resultado incorreto. Não há nenhum ensaio clínico randomizado, com nível de evidência A, de que isso cause câncer de mama". A médica afirma que a doença é resultado de uma lesão no DNA. "Então, tem que ter algo muito mais forte, mais de risco, para causar essa alteração genética".

 

SÓ TEM CÂNCER DE MAMA QUEM TEM HISTÓRICO FAMILIAR

Mito. A maioria dos casos de mama não tem origem hereditária. Segundo o INCA, de 5% a 10% dos casos de câncer de mama são hereditários (mutações germinativas).

 

"Nos outros 90% a 95% dos casos, isso é desenvolvido ao longo da vida (mutações somáticas). O que vai causar essas alterações são os hábitos e outros fatores. Para evitar o câncer, são prevenções primárias, como alimentação saudável, atividade física regular e o não uso excessivo de estímulo hormonal por longo período", explica a mastologista.

 

QUEM FAZ AUTOEXAME NÃO PRECISA FAZER MAMOGRAFIA

Mito. O autoexame ajuda o acompanhamento, mas não substitui a mamografia para detecção precoce. "O autoexame, quando detecta, já está com, pelo menos, 1,5 ou 2 cm. E não é o que a gente quer, a gente quer pegar lesões que ainda não são palpáveis, mas que podem ser vistas na mamografia".

 

A especialista defende que o autocuidado deve ser estimulado, especialmente nos casos em que as pacientes que não tem acesso fácil ao exame. “Mas, por exemplo, o fato de a paciente não sentir nada palpável não significa que não precisa fazer a mamografia aos 40 anos. É o exame que provocou redução de mortalidade por câncer de mama”, detalha.

 

A RADIAÇÃO DA MAMOGRAFIA CAUSA CÂNCER

Mito. A radiação da mamografia não causa câncer. O exame não é invasivo e deve ser feito inclusive por quem tem próteses mamárias. Segundo o Colégio Brasileiro de Radiografia, o procedimento tem uma quantidade de radiação pequena e segura. "É uma vez por ano. Então, não justifica a paciente deixar de fazer o exame por conta dessa radiação, que é anual", avalia a mastologista.

 

Narjara também alerta que a mamografia não evita o câncer. "O exame tem missão secundária, de diagnosticar pequenas lesões na fase inicial, ou lesões de risco para a doença", orienta, dizendo ser uma crença comum entre as pacientes.

 

PÍLULA ANTICONCEPCIONAL CAUSA CÂNCER

Mito. A mastologista explica que não, mas há uma ressalva. "Já existe um risco para as pacientes que utilizam a pílula há mais de dez anos. É preciso ter acompanhamento. Por exemplo, para meus pacientes que têm histórico de câncer de mama ou que já fizeram alguma biópsia prévia, com alguma alteração de risco, não sugiro". A especialista aponta que, nesses casos, é mais um fator para a doença.

 

CÂNCER DE MAMA TEM CURA

Verdade. Mas a cura depende do estágio do câncer e do diagnóstico precoce. "O grande problema do Brasil hoje é que o diagnóstico é tardio. E há uma impressão que a doença é um quadro que leva à morte, mas não é bem assim. Quanto mais cedo for identificado, maior é a chance de cura", afirma.

 

Apesar de muitas crenças populares e afirmações que circulam nas redes sociais serem falsas, a especialista alerta: há alguns fatores de risco para a doença que já foram comprovados: obesidade, início precoce da menstruação e o início tardio da menopausa, falta de atividade física e o alto consumo de álcool. Além disso, a amamentação protege do câncer de mama.  "Quanto maior o tempo, maior a proteção", explica a mastologista.

Sábado, 23 de Outubro de 2021 - 00:00

Exercícios físicos ajudam a prevenir e no tratamento do câncer de mama

por Nuno Krause

Exercícios físicos ajudam a prevenir e no tratamento do câncer de mama
Foto: Divulgação

A prática regular de atividade física possui impacto favorável no tratamento do câncer de mama. De acordo com especialistas, uma a cada 11 mortes pela doença poderia ser evitada com 150 minutos de exercícios por semana. "O condicionamento crônico prévio dá melhor condição de tolerar o tratamento quimioterápico, bem como ajuda no emocional do paciente. A própria estrutura celular é favorecida com a atividade física. Isso já é bem documentado", destaca o coordenador de mastologia do Hospital da Mulher, André Dias.  

 

Além disso, exercícios constantes também podem auxiliar na prevenção da doença. "Quando a gente observa a prática com dieta saudável, evitando bebidas alcóolicas, gorduras saturadas, você tem uma capacidade de reduzir em 33% a chance de câncer de mama", pontua André. 

 

Durante o Outubro Rosa, há um esforço ainda maior para conscientizar as mulheres sobre a importância do diagnóstico precoce e da prevenção ao câncer de mama. Em 2020, ano duramente afetado pela pandemia de Covid-19, o número de mamografias, exame mais importante na detecção da doença, caiu 40% em todo o país. 

 

Os dados são do sistema de registro dos gestores municipais e estaduais de informações de atendimento do SUS, o SIA-SUS, e foram divulgados pelo portal Viva Bem, do Uol. Em 2019, foram 3 milhões de exames de radiografia de mamas. Em 2020, o número teve queda para 1,8 milhão. 

 

A prática de atividades físicas também teve redução. Segundo levantamento do Projeto Convid - Pesquisa de Comportamento, aproximadamente 62% dos brasileiros deixaram de fazer qualquer tipo de exercício durante a pandemia. Os dados são uma parceria da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e foram divulgados pela CNN Brasil. Ao todo, 44.062 brasileiros foram entrevistados. 

 

Para André Dias, ainda não é possível afirmar que a diminuição dos exercícios será fator preponderante para o aumento de casos pós-pandemia, justamente porque a redução no número de mamografias é um fator de influência mais direto.

 

"Quando a gente tenta cruzar esse dado, para ver um desfecho agora, fica muito contaminada essa análise. Nos centros, houve uma redução de 40% das pacientes que procurariam os diagnósticos e preventivos. Quando você joga isso na magnitude do Brasil, são 66 mil novos casos por ano. Como 40% não foram ao mastologista, à realização de mamografia, há uma expectativa que 4 mil casos dos 66 mil não tenham o diagnóstico. Contamina um pouco essa avaliação. Agora, é muito estabelecido que [a atividade física] protege para câncer, já está bem documentado", pondera. 

 

O tipo de exercício mais indicado, de acordo com o mastologista, é o aeróbico. "O que os estudos mostram ter melhor eficiência são as atividades aeróbicas. Claro que você pode fazer um misto de atividades, mas a aeróbica tem esse impacto", diz. 

 

GUARDA ALTA

Seguindo a esteira do Outubro Rosa e ressaltando a importância das atividades físicas em relação ao câncer de mama, a boxeadora Adriana Araújo, primeira medalhista olímpica do Brasil na modalidade - bronze em Londres-2012 - participará, neste sábado, do evento "Guarda Alta Contra o Câncer de Mama" (saiba detalhes aqui). O evento começa às 8h, na Arena Fonte Nova. 

 

"Para mim, é muito importante dar prioridade a esse evento. A gente vê muitas mulheres sofrendo com câncer de mama, e a prática de exercício é muito importante para todas as situações. Principalmente no trabalho corporal e psicológico. As mulheres se fortalecem mentalmente. O boxe traz essa questão da força mental, para mostrar que podemos tudo", afirmou, em entrevista ao Bahia Notícias.

 

A pugilista destaca, ainda, a quantidade de exercícios aeróbicos que o boxe oferece. "O boxe move tudo. Quando a gente está fazendo manopla, trabalho dirigido, faz um trabalho aeróbico. Tem toquinho, o saco, o trabalho de push ball. Tudo isso fortalece tanto a parte superior quanto a parte inferior", comenta. 

 

O convite para Adriana partiu do professor Jailson Santos, ex-pugilista que treinou grandes ícones do MMA, a exemplo de Vitor Belfort, Minotauro e Minotouro. Com a experiência de já ministrar classes para vários alunos, o professor foi bicampeão baiano, brasileiro e do Norte-Nordeste de Boxe. 

 

Até as 12h, três turmas de boxe, divididas por 200 alunos em cada, aprenderão os passos básicos do boxe. O evento aproveita a fama que o esporte ganha a cada dia para dar visibilidade à prevenção contra a doença. Com público formado por alunos das escolas públicas estaduais, professores, educadores e amantes do esporte, as aulas são gratuitas, mas com vagas limitadas.

 

Antes, uma palestra com especialista apresentará os cuidados e a atenção contra o câncer de mama. O evento terá transmissão on-line e contará também com o tour guiado nas dependências do estádio, uma volta pelo centro histórico pelo Salvador Bus e chute ao gol na arena. 

Sexta, 22 de Outubro de 2021 - 21:00

Entidades criticam decreto que acelera a aprovação de agrotóxicos

por Claudia Rolli | Folhapress

Entidades criticam decreto que acelera a aprovação de agrotóxicos
Foto: Agência Brasil

O decreto recente que flexibiliza regras sobre agrotóxicos é visto como mais um retrocesso nas políticas ambientais e de saúde. Para organizações que lutam pela redução do uso, o que ocorre em outros países, o Brasil está na contramão do mundo.
 

Do outro lado, indústria, agronegócio e governo veem as alterações como necessárias para desburocratizar o registro de novos defensivos à medida que a agricultura avança.
 

O Brasil é o terceiro país que mais usa agrotóxicos em números absolutos, depois de China e EUA, segundo dados da FAO, agência da ONU para alimentação e agricultura.
 

Com a terceira maior área agropecuária, ocupa a 27ª posição no uso por área plantada, entre 155 nações –5,94 kg por hectare, segundo o ranking da FAO de 2019.
 

Pesquisadores contestam o cálculo e dizem que grande parte da área é destinada a pastos, não a alimentos, o que faria o país subir no ranking.
 

Foram vendidas no Brasil 620 mil toneladas de agrotóxicos em 2019, informa o último boletim do Ibama. Do total, 38,3% são ‘‘altamente’’ ou ‘‘muito perigosos’’, e 59,3%, ‘‘perigosos’’. O restante, 2,4%, ‘‘pouco perigosos’’.
 

O decreto de 7 de outubro (10.833/2021) faz mudanças semelhantes às que já propunha o projeto de lei 6.299/2002, parado no Congresso, conhecido por "pacote de veneno" e alvo de 320 entidades unidas na Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida.
 

Mas o governo Bolsonaro mudou a lei por decreto. Entre os pontos comuns ao decreto e ao projeto de lei estão novos prazos para acelerar a aprovação de agrotóxicos, maior participação do Ministério da Agricultura nas liberações de produtos e criação de "limites seguros" para que substâncias antes proibidas sejam aprovadas.
 

A flexibilização do registro é um dos pontos preocupantes, apontam Abrasco (Associação Brasileira de Saúde Coletiva), Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), Greenpeace e Inca (Instituto Nacional de Câncer).
 

"Substâncias que causam câncer, mutação genética e má formação fetal não eram aprovadas no país sob qualquer hipótese, como prevê a lei criada em 1989. O decreto muda isso, ao dizer que, se for possível determinar doses seguras, podem ser registradas. Na prática, acabou a proibição", diz a médica Karen Friedrich, da Fiocruz e da Abrasco.
 

Na visão do governo, a mudança aumentará a concorrência, com produtos mais modernos, menos tóxicos e de menor custo para produtores.
 

O decreto também se alinha a propostas do setor privado que o Ministério da Economia já encaminhara à pasta do Meio Ambiente para análise. Uma delas pede redução de exigências para fabricar agrotóxicos voltados à exportação e assim tornar o Brasil um polo exportador.
 

Ao explicar o decreto, o Ministério da Agricultura destaca que o registro de agrotóxicos destinados exclusivamente à exportação foi simplificado. ‘‘Agora, não será mais necessário que esses produtos estejam registrados para uso no Brasil. Isso aumentará a atratividade de investimentos em plantas industriais de produção para exportação".
 

Segundo a Abrasco, a mudança abre espaço para fabricar agrotóxicos no país sem a avaliação dos seus impactos para a saúde e o ambiente.
 

"O país tem potencial para exportar biodefensivos, um mercado crescente, e não agrotóxicos", diz a engenheira química Sonia Corina Hess, pesquisadora da Universidade Federal de Santa Catarina. "O governo deveria banir o que já foi banido em outros países, em vez de aceitar ser a lixeira do mundo", diz.
 

Sobre essa alternativa dos biodefensivos, a pasta da Agricultura afirma ter ampliado as equipes que analisam produtos de base biológica parar acelerar suas aprovações, mais rápidas que as de agrotóxicos. Para o órgão, a redução do uso de químicos dependerá da velocidade de pesquisas que identifiquem agentes naturais de controle de pragas.
 

Segundo a CropLife Brasil, que representa a indústria do setor, defensivos químicos são fundamentais para assegurar a competitividade do agronegócio. ‘‘Tiveram papel crucial no aumento de 360% da produção de grãos, com crescimento de apenas 50% de área plantada, observados no Brasil nos últimos 30 anos".
 

A mudança, para a CropLife, dará mais transparência e segurança jurídica ao processo. ‘‘Não é razoável aguardar dez anos para a aprovação de um novo pesticida. No cenário atual, quando um defensivo é autorizado para ser utilizado pelo produtor brasileiro, já existem outros mais modernos sendo usados em outros países. Um prejuízo para as lavouras, os produtores, a economia e o consumidor. É isso que a nova lei deve evitar".
 

Marcelo Morandi, chefe da Embrapa (Empresa de Pesquisa Agropecuária) Meio Ambiente, diz que os químicos usados hoje são mais eficientes e permitem a redução de doses.
 

"Apesar do avanço do setor de biodefensivos, ainda não há produtos biológicos que atuam contra ervas daninhas. Esse é um desafio não só no Brasil, mas no mundo".
 

De janeiro de 2019 a setembro deste ano, 1.215 agrotóxicos foram liberados no país, segundo dados publicados no Diário da União e compilados por Hess. O ritmo de aprovação chama a atenção. De 2005 a 2015, eram cerca de 140 por ano. Só neste ano foram 345.
 

Dos produtos aprovados e usados no Brasil, 30% têm substâncias ativas já proibidas em países europeus.
 

Apoiadas em pesquisas, Abrasco, Fiocruz e Inca consideram não haver limite seguro para uso de agrotóxicos.
 

"Um problema é que apenas as intoxicações agudas por agrotóxicos têm visibilidade e recebem atenção. O adoecimento crônico não é monitorado", afirma a médica Lia Giraldo, pesquisadora da Fiocruz e da Abrasco. Outro ponto é a mistura de agrotóxicos. Testes em animais avaliam um tipo de químico por vez e não consideram dados clínicos nem epidemiológicos.
 

O "Dossiê Abrasco: um alerta sobre os impactos dos agroto?xicos na sau?de" lista os principais problemas relacionados ao uso, que vão de câncer, mutação genética e malformações fetais a alterações hormonais e reprodutivas.
 

"Agrotóxicos muito usados no Brasil, como atrazina, acefato e paraquate, foram proibidos há anos na União Europeia por serem neurotóxicos, provocando Parkinson e distúrbios respiratórios graves, além do potencial carcinogênico", explica a médica.
 

O acefato e a atrazina são os dois componentes de agrotóxicos mais vendidos aqui. O primeiro já é banido em 30 países. Foi ligado a casos de câncer e ação neurotóxica, o que levou a Anvisa a adotar novas regras para uso em 2013, proibindo sua aplicação manual.
 

Segundo a Anvisa, o uso da atrazina é monitorado desde 2001 no Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos. O controle, suspenso na pandemia, deve ser retomado em 2022.
 

O paraquete, herbicida usado em culturas de algodão, milho e soja, foi vetado em 2017, mas teve o prazo para uso de estoques estendido até julho deste ano. Ligado à incidência de Parkinson entre agricultores, foi proibido em 37 países, informa a Pestice Action Network, organização mundial de ação contra agrotóxicos.
 

A Anvisa informa ter reavaliado, nos últimos dez anos, 13 ingredientes ativos de agrotóxicos, e proibido 8. "Diversas restrições foram estabelecidas com o objetivo de mitigar os riscos identificados."
 

A análise para liberação de agrotóxicos é dividida entre Ministério da Agricultura (avalia a eficácia), Anvisa (avalia impactos na saúde) e Ibama (avalia riscos ambientais).
 

Pelo PL 6.299/2002, a decisão final passa a ser da pasta da Agricultura. Os demais órgãos perdem poder de veto. A Anvisa já se posicionou contra o projeto, que prevê ainda substituir o termo ‘‘agrotóxico’’ por ‘‘pesticida’’ e criar registro temporário para novos produtos não analisados no prazo de até dois anos.
 

Essas mudanças não constam no decreto editado por Bolsonaro, mas podem vir com a aprovação do ‘‘pacote do veneno’’, temem entidades ligadas ao ambiente e à saúde.
 

A agrônoma Marina Lacôrte, do Greenpeace, diz que mudar o termo para pesticida é mascarar a nocividade, e ‘‘pode dar a ideia equivocada de que é menos tóxico".
 

O Greenpeace e as organizações que integram a campanha contra os agrotóxicos defendem uma Política Nacional de Redução de Agrotóxicos, por meio do projeto de lei 6.670, de 2016, também parado no Congresso.
 

Em contraposição ao "pacote do veneno", esse projeto prega a transição para sistemas agroecológicos. "São práticas que precisam ganhar escala e atenção dos governos, com políticas públicas não voltadas somente ao modelo exportador de commodities. A indústria do setor precisa se reestruturar, e os insumos biológicos terem incentivos", diz Lacôrte.
 

Agrotóxicos recebem incentivos fiscais do governo desde 1997. Levantamento da Abrasco de 2020 mostra que, em média, os estados deixam de arrecadar R$ 6 bilhões por ano, com acordos que permitem a desoneração de até 60% do ICMS nas vendas dos venenos.
 


 

620 mil...
 

... toneladas de agrotóxicos foram vendidas no Brasil em 2019, segundo o último boletim disponível do Ibama
 


 

38,3%...
 

...dos agrotóxicos vendidos são ‘altamente’ ou ‘muito perigosos’
 


 

59,3%... .
 

..são classificados como ‘perigosos’ e 2,4%, ‘pouco perigosos’
 

 

Salvador aplica primeira e segunda dose da vacina contra a Covid-19 neste sábado
Foto: Igor Santos/Secom

A capital baiana seguirá com a aplicação da primeira dose da vacina contra a Covid-19 neste sábado (23). Serão vacinados, entre 8h e 16h, pessoas com 18 anos ou mais, gestantes e puérperas com 12 anos ou mais, além dos jovens de 12 a 17 anos com e sem comorbidades ou deficiência. Todos deverão estar com o nome na lista da Secretaria Municipal da Saúde.

 

A aplicação das 2ª doses Oxford, Pfizer e CoronaVac segue normalmente o fluxo. Os idosos com 60 anos ou mais, trabalhadores da saúde e pacientes em hemodiálise com nome na lista da SMS também seguem com acesso à 3ª dose normalmente. Quem completou o esquema vacinal em casa, através do serviço do Vacina Express, não precisa fazer nova solicitação, uma vez que a administração da terceira dose acontecerá automaticamente.    

 

Para as pessoas que tomaram a 1ª em outros municípios, a SMS ofertará o acesso à 2ª dose por meio de agendamento prévio no site Vacina Hora Marcada. Após o agendamento, o usuário deverá levar no dia e horário marcados, obrigatoriamente, original e cópia do cartão SUS, do comprovante de residência, do cartão de vacina e do documento de identificação com foto.


1ª DOSE – ADOLESCENTES SEM COMORBIDADES DE 12 A 17 ANOS – 8h às 16h
Os adolescentes deverão ser acompanhados pelos pais ou outro responsável de maior idade durante o ato da vacinação. Para comprovação da responsabilidade, o pai ou a mãe deve apresentar documento de identificação original com foto no momento da imunização. No caso de outro responsável maior de idade, além do documento de identificação com foto, será necessário apresentar ainda uma declaração de responsabilidade, que pode ser feita manualmente.

 

Drive-thrus: 5º Centro de Saúde (Barris), Atakadão Atakarejo (Fazenda Coutos), Arena Fonte Nova (Nazaré), FBDC Cabula, Parque de Exposições (Paralela) e Faculdade Universo (Avenida ACM). 

 

Pontos fixos: USF Fernando Filgueiras (Cabula VI), USF Imbuí, USF Eduardo Mamede (Mussurunga), USF Yolanda Pires (Fazenda Grande I), 5º Centro de Saúde (Barris), USF Vila Matos (Rio Vermelho), Shopping da Bahia (a partir das 9h), USF Beira Mangue, USF São Cristóvão, USF Virgílio de Carvalho (Bonfim), USF Cajazeiras V, USF Sergio Arouca (Paripe), USF Tubarão e USF Cajazeiras X.

 

1ª DOSE – GESTANTES E PUÉRPERAS: 8h às 16h
Obedecendo a recomendação do Ministério da Saúde, somente poderão buscar os pontos de imunização as grávidas e puérperas (até 45 dias pós-parto) que tiverem prescrição médica para receber a vacina.

 

Para ter acesso ao imunizante, todas as gestantes e puérperas devem ter idade igual ou superior a 12 anos e, no ato da vacina, apresentar documento oficial de identificação com foto, além de:

 

Gestantes: devem também apresentar, obrigatoriamente, cópia impressa da prescrição médica.

 

Puérperas: devem também apresentar, obrigatoriamente, cópia impressa da prescrição médica e Declaração de Nascidos Vivos (DNV) ou certidão de nascimento do bebê.

 

OBS: Está suspensa a vacinação para gestantes e puérperas com os imunizantes Oxford/Astrazeneca e Janssen.

 

As gestantes e puérperas menores de 18 anos deverão ser acompanhadas pelos pais ou outro responsável de maior idade durante o ato da vacinação. Para a comprovação da responsabilidade, o pai ou a mãe deve apresentar documento de identificação original com foto no momento da imunização. No caso de outro responsável maior de idade, além do documento de identificação com foto, será necessário apresentar ainda uma declaração de responsabilidade, que pode ser feita manualmente.

 

Drive-thrus: 5º Centro de Saúde (Barris), Atakadão Atakarejo (Fazenda Coutos), Arena Fonte Nova (Nazaré), FBDC Cabula, Parque de Exposições (Paralela) e Faculdade Universo (Avenida ACM). 

 

Pontos fixos: USF Fernando Filgueiras (Cabula VI), USF Imbuí, USF Eduardo Mamede (Mussurunga), USF Yolanda Pires (Fazenda Grande I), 5º Centro de Saúde (Barris), USF Vila Matos (Rio Vermelho), Shopping da Bahia (a partir das 9h), USF Beira Mangue, USF São Cristóvão, USF Virgílio de Carvalho (Bonfim), USF Cajazeiras V, USF Sergio Arouca (Paripe), USF Tubarão e USF Cajazeiras X.

 

1ª DOSE - ADOLESCENTES DE 12 A 17 ANOS COM COMORBIDADES E/OU DEFICIÊNCIA PERMANENTE COM NOME CADASTRADO NO SITE DA SMS: 8h às 16h
Os adolescentes deverão ser acompanhados pelos pais ou outro responsável de maior idade durante o ato da vacinação. Para comprovação da responsabilidade, o pai ou a mãe deve apresentar documento de identificação original com foto no momento da imunização. No caso de outro responsável maior de idade, além do documento de identificação com foto, será necessário apresentar ainda uma declaração de responsabilidade, que pode ser feita manualmente.

 

Drive-thrus: 5º Centro de Saúde (Barris), Atakadão Atakarejo (Fazenda Coutos), Arena Fonte Nova (Nazaré), FBDC Cabula, Parque de Exposições (Paralela) e Faculdade Universo (Avenida ACM). 

 

Pontos fixos: USF Fernando Filgueiras (Cabula VI), USF Imbuí, USF Eduardo Mamede (Mussurunga), USF Yolanda Pires (Fazenda Grande I), 5º Centro de Saúde (Barris), USF Vila Matos (Rio Vermelho), Shopping da Bahia (a partir das 9h), USF Beira Mangue, USF São Cristóvão, USF Virgílio de Carvalho (Bonfim), USF Cajazeiras V, USF Sergio Arouca (Paripe), USF Tubarão e USF Cajazeiras X.

 

1ª DOSE - REPESCAGEM DAS PESSOAS DE 18 ANOS OU MAIS: 8h às 16h
Drive-thrus: Uninassau (Avenida Magalhães Neto), FBDC Brotas e Universidade Católica do Salvador – Campus Pituaçu.

 

Pontos fixos: Universidade Católica do Salvador – Campus Pituaçu, USF Vista Alegre, CSU Pernambués e FBDC Brotas.

 

2ª DOSE OXFORD – 8h às 16h
As pessoas que estão com a data de reforço contra a Covid-19 da Oxford programada para até o dia 15 de novembro de 2021 já podem procurar os pontos de imunização para receber a vacina.

 

Drive-thrus: Vila Militar (Dendezeiros), Unijorge (Paralela) e Shopping Bela Vista.

 

Pontos fixos: USF Colinas de Periperi, USF Plataforma, UBS Ramiro de Azevedo (Campo da Pólvora), USF Pirajá, USF San Martim I, USF Curralinho e UBS Nelson Piauhy Dourado (Águas Claras).


2ª DOSE CORONAVAC – 8h às 16h
Amanhã todas as pessoas que estão com a data de reforço contra a Covid-19 da CoronaVac programada para até o dia 25 de outubro de 2021 já podem procurar os pontos de imunização para receber a vacina.

 

Drive-thrus: Uninassau (Avenida Magalhães Neto), FBDC Brotas e Universidade Católica do Salvador – Campus Pituaçu.

 

Pontos fixos: Universidade Católica do Salvador – Campus Pituaçu, USF Vista Alegre, CSU Pernambués e FBDC Brotas.

 

2ª DOSE PFIZER – 8h às 16h
As pessoas que estão com a data de reforço contra a Covid-19 da Pfizer programada para até o dia 15 de novembro de 2021 já podem procurar os pontos de imunização para receber a vacina.

 

Drive-thrus: 5º Centro de Saúde (Barris), Atakadão Atakarejo (Fazenda Coutos), Arena Fonte Nova (Nazaré), FBDC Cabula, Parque de Exposições (Paralela) e Faculdade Universo (Avenida ACM). 

 

Pontos fixos: USF Fernando Filgueiras (Cabula VI), USF Imbuí, USF Eduardo Mamede (Mussurunga), USF Yolanda Pires (Fazenda Grande I), 5º Centro de Saúde (Barris), USF Vila Matos (Rio Vermelho), Shopping da Bahia (a partir das 9h), USF Beira Mangue, USF São Cristóvão, USF Virgílio de Carvalho (Bonfim), USF Cajazeiras V, USF Sergio Arouca (Paripe), USF Tubarão e USF Cajazeiras X.


3ª DOSE – PESSOAS COM 60 ANOS OU MAIS: 8h às 16h
A aplicação da terceira dose será administrada em idosos com 60 anos ou mais que tomaram a segunda dose até o dia 17 de maio de 2021. Antes de se dirigirem aos postos devem conferir se o nome está na lista do site da SMS.

 

Para este público também está disponível o serviço Vacina Express, assim como para os indivíduos acamados ou com dificuldade de locomoção. Não é necessário realizar um novo cadastro no sistema quem já teve acesso ao serviço, a equipe retornará automaticamente. 

 

Drive-thrus: 5º Centro de Saúde (Barris), Atakadão Atakarejo (Fazenda Coutos), Arena Fonte Nova (Nazaré), FBDC Cabula, Parque de Exposições (Paralela) e Faculdade Universo (Avenida ACM). 

 

Pontos fixos: USF Fernando Filgueiras (Cabula VI), USF Imbuí, USF Eduardo Mamede (Mussurunga), USF Yolanda Pires (Fazenda Grande I), 5º Centro de Saúde (Barris), USF Vila Matos (Rio Vermelho), Shopping da Bahia (a partir das 9h), USF Beira Mangue, USF São Cristóvão, USF Virgílio de Carvalho (Bonfim), USF Cajazeiras V, USF Sergio Arouca (Paripe), USF Tubarão e USF Cajazeiras X.


3ª DOSE – PACIENTES EM HEMODIÁLISE: 8h às 16h
Podem se dirigir aos postos aqueles que receberam a 2ª dose até o dia 25 de setembro de 2021. É necessário ter o nome na lista do site da SMS e ainda levar o cartão de vacina ao posto.

 

Drive-thrus: 5º Centro de Saúde (Barris), Atakadão Atakarejo (Fazenda Coutos), Arena Fonte Nova (Nazaré), FBDC Cabula, Parque de Exposições (Paralela) e Faculdade Universo (Avenida ACM). 

 

Pontos fixos: USF Fernando Filgueiras (Cabula VI), USF Imbuí, USF Eduardo Mamede (Mussurunga), USF Yolanda Pires (Fazenda Grande I), 5º Centro de Saúde (Barris), USF Vila Matos (Rio Vermelho), Shopping da Bahia (a partir das 9h), USF Beira Mangue, USF São Cristóvão, USF Virgílio de Carvalho (Bonfim), USF Cajazeiras V, USF Sergio Arouca (Paripe), USF Tubarão e USF Cajazeiras X.


3ª DOSE – TRABALHADORES DA SAÚDE: 8h às 16h
Podem se dirigir aos postos aqueles que receberam a 2ª dose até o dia 17 de maio de 2021. É necessário ter o nome na lista do site da SMS e ainda levar o cartão de vacina ao posto.

 

Drive-thrus: 5º Centro de Saúde (Barris), Atakadão Atakarejo (Fazenda Coutos), Arena Fonte Nova (Nazaré), FBDC Cabula, Parque de Exposições (Paralela) e Faculdade Universo (Avenida ACM). 

 

Pontos fixos: USF Fernando Filgueiras (Cabula VI), USF Imbuí, USF Eduardo Mamede (Mussurunga), USF Yolanda Pires (Fazenda Grande I), 5º Centro de Saúde (Barris), USF Vila Matos (Rio Vermelho), Shopping da Bahia (a partir das 9h), USF Beira Mangue, USF São Cristóvão, USF Virgílio de Carvalho (Bonfim), USF Cajazeiras V, USF Sergio Arouca (Paripe), USF Tubarão e USF Cajazeiras X.

Rui Costa convida fábrica de equipamentos de saúde a se instalar na Bahia
Foto: Daniel Senna/GOV-BA

Em agenda na República Tcheca, nesta sexta-feira (22), o governador Rui Costa conheceu a linha de produção da maior fábrica de camas e colchões hospitalares do mundo, a Linet, que fica na cidade de Slaný, localizada nas proximidades de Praga, capital do país. A unidade produz leitos com diferentes tecnologias, que vão desde os mais simples, até os especiais desenvolvidos para evitar problemas como as escaras, feridas que aparecem em pacientes que ficam internados e deitados por longos períodos.

 

Com mais de dois mil funcionários, a Linet fornece cerca de 150 mil leitos por ano para vários hospitais no mundo, inclusive na Bahia. O governador propôs à empresa montar uma fábrica no estado, de onde a produção pode ser distribuída para toda a América Latina. 

 

"Eles têm muitos clientes em nosso continente e, para atender a essa demanda, a proposta é que implantem uma linha de montagem na Bahia. Depois, a montagem se torna uma produção completamente local com transferência de tecnologia. Isso diminui o risco do investimento e traz vantagens para a empresa e para nosso estado, com geração de emprego, renda e receita na forma de impostos", explicou Rui.

 

O governador também determinou à Superintendência de Atração de Investimentos, órgão da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado (SDE), que envie informações sobre demandas do mercado de saúde e modelos de negócio que possam contribuir com o planejamento da empresa. 

 

O diretor geral da Linet, Tomas Kolar, demonstrou o interesse da empresa em instalar uma unidade na Bahia e se comprometeu a aprofundar as negociações, a partir da proposta feita pelo governador.

 

Ainda na República Tcheca, Rui foi recebido, em Praga, pelo secretário de Estado do Ministério das Relações Exteriores, Miloslav Stasek, para quem fez uma apresentação a respeito da Bahia. Ele destacou as obras realizadas nos últimos anos nas áreas de saneamento, como o Programa Água Para Todos; tecnologia de segurança, com o sistema de reconhecimento facial e processamento de imagens; mobilidade, com o metrô e o VLT do Subúrbio; além da saúde, com a construção de hospitais e policlínicas em todo o estado. 

 

"Mostramos ao governo tcheco algumas de nossas ações e investimentos realizados em diversas áreas. Reafirmamos que a Bahia está de portas abertas para firmar parcerias e receber investimentos em oportunidades concretas que nosso estado oferece", afirmou o governador. 

 

Neste sábado (23), Rui dá sequência às agendas no país do Leste europeu com uma visita a um instituto de oncologia e a duas fábricas, uma de vacinas e outra de caminhões. A missão internacional começou na última segunda-feira (18), em Berlim, na Alemanha, já passou pelo Cazaquistão e será encerrada nos Emirados Árabes.

Vacina da Pfizer contra Covid-19 tem 90,7% de eficácia em crianças de 5 a 11 anos
Foto: Erasmo Salomão/MS

A vacina contra a Covid-19 da farmacêutica Pfizer demonstrou 90,7% de eficácia contra a infecção do novo coronavírus em crianças de cinco a 11 anos durante um estudo clínico realizado pela própria empresa. A informação foi divulgada pela companhia nesta sexta-feira (22).

 

O estudo contou com 2.268 participantes. De acordo com a Pfizer, apenas três crianças vacinadas com o imunizante desenvolveram a Covid-19 após ter contato com o vírus, enquanto 16 das que receberam doses de placebo acabaram doentes.

 

A farmacêutica administrou as duas doses do imunizante com um intervalo de 21 dias. Cada uma contém o equivalente a um terço da quantidade inoculada em pessoas maiores de 12 anos. Segundo resultados preliminares, essa porção do fármaco garante níveis de anticorpos semelhantes aos desenvolvidos por adultos que receberam a dose completa, com 30 microgramas.

 

Os dados do estudo foram enviados à Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos Estados Unidos. A reunião com os integrantes da agência para a votação que vai decidir se o imunizante poderá ser aplicado nas crianças dessa faixa etária será realizada na próxima terça-feira (26/10).

Sexta, 22 de Outubro de 2021 - 16:00

Rede Mater Dei fará 'cirurgias à distância' em Salvador após a chegada do 5G

por Jade Coelho

Rede Mater Dei fará 'cirurgias à distância' em Salvador após a chegada do 5G
Foto: Jade Coelho/Bahia Notícias

A operação do Hospital Mater Dei Salvador, que está sendo construído na capital baiana, está prevista para ser iniciada no início do ano que vem. A unidade promete ser referência em tecnologia na saúde, inclusive com a previsão de que com a chegada do 5G no Brasil, o hospital se conecte com o mundo e realize procedimentos cirúrgicos remotos.

 

“Vamos embarcar nesse hospital muita tecnologia, muita automação. Para que a gente possa inclusive conectar esse hospital com o mundo. A ideia é que com a chegada do 5G no Brasil, que está prevista  agora para o final do ano, início do ano que vem, é que esse hospital possa se conectar com o mundo, fazendo cirurgias inclusive remotas, a distância, transmitindo dados”, sinalizou o CEO da rede Mater Dei, Henrique Salvador, nesta sexta-feira (22).

 

A unidade está sendo construída na Avenida Vasco da Gama com um projeto arquitetônico cheio de soluções tecnológicas e sustentáveis. Como exemplo está a capacidade de aproveitamento de água cinza (residual) pra descargas e jardins, e um sistema de ar condicionado com vigas frias, que reduz o gasto de energia.

 

Cerca de 250 pessoas já estão empregadas na rede e o corpo médico da unidade Matr Dei em Salvador já está sendo formada, antecipou Henrique Salvador ao Bahia Notícias. A expectativa da rede é que a unidade gere em torno de três mil empregos diretos e indiretos. Em relação aos diretos, as pessoas serão contratadas através de uma parceria da rede com a prefeitura de Salvador, através do Serviço de Intermediação da Mão de Obra (Simm).

 

“Nós não queremos ser irrelevantes para onde a gente for. Por exemplo, em Salvador, nós estamos trazendo uma coisa que vai fazer a diferença na cidade. São hospitais muito diferenciados”, acrescentou o CEO da rede Mater Dei.

USP planeja teste de transplante de rim de porco para humano no Brasil em dois anos
Foto: Reprodução/Pixabay

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) ficaram animados com a notícia do sucesso de um transplante de um rim de porco para um humano sem que uma rejeição imediata fosse desencadeada em seu sistema imune no Estados Unidos. Uma pesquisa associada a USP segue uma linha semelhante e, de acordo com reportagem do Estadão, os planos são de fazer os primeiros testes desse tipo de transplante com seres humanos no país em dois anos, caso o estudo consiga investimento para construir um criadouro biosseguro (pig facility).

 

Esse estudo brasileiro é comandado por Silvano Raia, pioneiro do transplante de fígado na América Latina. “Por mais que os dados de laboratório indicassem que estávamos no caminho certo, existiam os céticos. O fato de terem conseguido demonstra que essa linha de pesquisa é promissora”, avalia o cirurgião à reportagem do Estadão.

 

A leitura da geneticista Mayana Zatz, também envolvida na pesquisa, é de que o sucesso americano facilita a aprovação de experimentos por comitês de ética brasileiros. “É importante no sentido de mostrar: ‘Olha, já está sendo feito nos EUA’.”

 

Conforme a reportagem, o estudo brasileiro foi concebido por Raia há quatro anos e vem sendo desenvolvido no Centro de Pesquisa sobre o Genoma Humano e Células Tronco da USP, onde se criou um laboratório de xenotransplante (transplante entre espécies diferentes). A iniciativa teve apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da farmacêutica EMS. A parte de engenharia genética, segundo os cientistas, consiste na inativação de genes do porco e na adição de genes humanos.

Brasil tem 20 milhões de pessoas com segunda dose da vacina Covid-19 atrasada
Foto: Myke Sena / MS

Dados do Ministério da Saúde apontam que mais de 20 milhões de brasileiros estão com o esquema vacinal contra a Covid-19 incompleto por não terem voltado aos postos de imunização para tomar a segunda dose da vacina.

 

A pasta federal aponta que se essas pessoas tivessem tomado as duas doses, o Brasil teria mais de 80% da público-alvo completamente vacinado contra a Covid-19.

 

O Ministério da Saúde reforça a importância de tomar as duas doses dentro do intervalo recomendado para cada imunizante. Só assim as vacinas irão atingir a efetividade necessária contra a Covid-19.

 

O boletim epidemiológico divulgado todos os dias pela pasta revela que a média móvel de óbitos registra uma queda de 87% se comparado com o pico da pandemia.

 

Até o momento, o Ministério da Saúde enviou aos estados e o Distrito Federal mais de 320 milhões de doses de vacina Covid-19. O Brasil chegou a quase 95% do público-alvo, adultos a partir de 18 anos, vacinados com a primeira dose. Além disso, 69,9% completaram o esquema vacinal com as duas doses ou dose única do imunizante no braço.

 

 Mais de 4,6 milhões receberam o reforço na imunização, a terceira dose da vacina.

Sexta, 22 de Outubro de 2021 - 11:00

Bahia chega a três mortes e 190 casos da variante Delta

Bahia chega a três mortes e 190 casos da variante Delta
Foto: Fernando Vivas/GOVBA

A Bahia chegou a três mortes e 190 casos da variante Delta. Mais 55 casos foram detectados após análises da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Os casos foram detectados em 47 municípios, com maior número de casos em Salvador (39), Pé de Serra (19), Lauro de Freitas (12), Bonito (11), Feira de Santana (9), Baixa Grande (7), Riachão do Jacuípe (7), Ilhéus (7), Camaçari (6) e Nova Fátima (6).

 

A variante Delta já é predominante nos sequenciamentos genéticos do coronavírus feitos na Bahia (leia mais aqui). De acordo com a secretária da Saúde em exercício, Tereza Paim, a cepa predomina no espalhamento do vírus no estado. “Hoje ela é quase 100% predominante no sequenciamento que nós fazemos, seja ele aleatório, seja ele o caso da UTI, seja ele algum óbito. E isso nos preocupa”, disse a secretária nesta quinta-feira (21).  A preocupação sinalizada pela secretária está principalmente naqueles municípios que tem avançado de forma mais lenta na vacinação contra Covid-19. “A gente tem aí o Extremo Sul que tem nos preocupado bastante em relação a disseminação do vírus. E por isso estamos sendo muito incisivos com a vacinação. As pessoas precisam se cuidar e os gestores precisam cuidar das pessoas”, defendeu. 

 

Além da Fiocruz, o Laboratório Central de Saúde Pública da Bahia (Lacen-BA) também tem feito sequenciamento no estado. De acordo com a diretora geral da unidade, Arabela Leal, a atenção está concentrada nas amostras provenientes de municípios com aumento do percentual de casos. O Lacen-BA analisou amostras de mais de 200 municípios dos nove Núcleos Regionais de Saúde.

Sexta, 22 de Outubro de 2021 - 09:20

Feira: Estudante é preso suspeito de atender como médico em hospital

por Francis Juliano

Feira: Estudante é preso suspeito de atender como médico em hospital
Foto: Reprodução / Google Maps

Um estudante acusado de se passar por médico foi preso nesta sexta-feira (22) em Feira de Santana. O flagrante ocorreu no início da manhã desta sexta-feira (22) quando o suspeito tinha terminado de atender o primeiro paciente do dia.

 

Policiais civis esperaram o paciente sair e deram voz de prisão ao estudante, que ainda não teve a identidade revelada. O caso foi levado ao conhecimento da Polícia dias atrás pelo presidente da Comissão de Saúde da Câmara Municipal, vereador Emerson Minho (DC). Há a suspeita de que o padrasto do estudante, que seria médico, teria permitido o uso do carimbo do Conselho Regional de Medicina (CRM) pelo suspeito.

 

Conforme o delegado Alisson Carvalho, que investiga o caso, o estudante chegou a fazer também procedimentos como injeção e enfaixamento. O acusado vai responder por suspeita de exercício ilegal da profissão, com pena de seis meses a dois anos de prisão, além de falsidade ideológica de documento público, com pena de um a cinco anos de detenção.

 

Em agosto, foi descoberto que cinco falsos médicos atuavam em Jitaúna, no Médio Rio de Contas, Sudoeste baiano, o que ocasionou a fuga do grupo para cidades do Espírito Santo e Amazonas.

 

O caso foi descoberto pela Polícia Federal (PF) em Vitória da Conquista (lembre aqui). (Atualizado às 12h34)

 Sem presença da Anvisa, votação sobre 'kit covid' no SUS fica empatada
Foto: LQFEx/Ministério da Defesa

A votação de um conjunto de orientações sobre o tratamento de pacientes de Covid-19 terminou em empate no colegiado da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec), órgão consultivo do Ministério da Saúde.

 

Nesta quinta-feira (21), o grupo se reuniu para votar como deve ser o cuidado de pacientes fora dos hospitais e as diretrizes tratavam, entre outros pontos, de um novo posicionamento contra os remédios do chamado "kit Covid".
O resultado, confirmado pelo g1, foi inicialmente divulgado pela Rádio CBN, que detalhou que o resultado ficou em 6 a 6, sendo que cinco votos contrários foram de representantes do ministério e outro do representante do Conselho Federal de Medicina (CFM).

 

As diretrizes foram elaboradas por um grupo de especialistas que auxilia o Ministério da saúde na análise de medicamentos e tecnologias. O convite para a análise do tema foi feito pelo próprio ministro Marcelo Queiroga após ele ser cobrado de que o Brasil não tinha protocolo nacional para tratar a doença.

 

Após o convite de Queiroga, primeiro os especialistas analisaram o uso da cloroquina, azitromicina, ivermectina e outros medicamentos sem eficácia no tratamento da Covid-19 para pacientes hospitalizados. O parecer foi contra o uso, nos hospitais, de medicamentos sem eficácia comprovada contra o Sars-Cov-2.

Saúde vai incluir circenses, indígenas e pessoas em situação nômade no ConecteSUS
Foto: Fernando Duarte / Bahia Notícias

Ação do Ministério da Saúde vai possibilitar que pessoas em situação nômade tenham alcance aos serviços do Sistema Único de Saúde (SUS) sem comprovar endereço. As populações nessas condições serão identificadas como em situação de itinerância no Cartão Nacional de Saúde pelo aplicativo ConecteSUS Cidadão.

 

A iniciativa é interministerial e integra ações da Saúde, Cultura, Educação, Direitos Humanos e Assistência Social.

 

Para anunciar essa e outras ações, a Secretaria Especial da Cultura e a Funarte lançaram a campanha interministerial “Respeitável Circo!”, nesta quarta-feira (20).

 

Normalmente, quando uma pessoa vai se consultar em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) é exigido comprovante de residência. Na nota divulgada pelo Ministério da Saúde a pasta sinaliza que para populações como os circenses, essa exigência acabava sendo uma barreira uma vez que a itinerância é uma das principais características da cultura. O que significa que essas pessoas não conseguiam atendimento.

 

Com a medida, o Ministério da Saúde vai disponibilizar um campo no ConecteSUS onde será possível identificar a pessoa, dispensando a obrigatoriedade da apresentação do comprovante de residência.

 

A ação visa manter o cuidado contínuo dessas populações no âmbito da Atenção Primária à Saúde e possibilitar o registro e acompanhamento da população itinerante pelos profissionais de saúde e os gestores.

 

A população circense brasileira compreende mais de 20 mil pessoas, distribuídas em cerca de 800 circos itinerantes de pequeno, médio e grande porte nas cinco regiões do país.

Quinta, 21 de Outubro de 2021 - 19:40

Direção da Prevent cobrava 'altas celestiais' para liberar leitos a pacientes VIP, diz advogada

por Artur Rodrigues | Folhapress

Direção da Prevent cobrava 'altas celestiais' para liberar leitos a pacientes VIP, diz advogada
Foto: Divulgação

A direção da Prevent Senior cobrava "altas celestiais" para liberar leitos de unidades para pacientes considerados VIP, segundo depoimento dado na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Prevent Senior na Câmara Municipal de São Paulo.
 

A advogada Bruna Morato, que defende médicos que denunciam irregularidades na operadora, afirmou nesta quinta-feira (21) que a direção da operadora de saúde não possuía quantidade de leitos adequada para os segurados. O plano, por sua vez, afirma que falas da depoente são "mentiras".
 

Por isso, havia uma pressão para que os leitos fossem liberados, conforme Morato. Na CPI da Covid no Senado, onde já prestou depoimento, a advogada citou a expressão "óbito também é alta" para definir a prática na empresa.
 

Agora, na Câmara de SP, ela contou também uma expressão que seria anterior a essa, "girar o leito". "O pedido que vinha da diretoria era 'precisamos de tantas altas celestiais, porque preciso de tantos leitos disponíveis para um paciente que está entrando'", disse.
 

Ela afirmou ainda que existia o conceito de "paciente VIP". "Também existia a expressão 'paciente VIP,' ou seja, quando dava entrada no hospital um paciente que seria considerado sei lá por qual motivo VIP, eles precisavam a qualquer custo fazer o giro do leito. Dentro dessa necessidade, utilizava-se a expressão 'alta celestial' para o paciente que estivesse há muito tempo internado", disse.
 

Morato afirmou que a "alta celestial" era uma conduta mesmo antes de 2020, ano da chegada da Covid-19 ao Brasil. "Essa política organizacional que eu fiz questão de enfatizar que é anterior, bem anterior à pandemia, que permitiu com que isso fosse intensificado durante o período de pandemia, eu não sei o quão comum ela era", disse.
 

Ainda de acordo com a advogada, mesmo que os médicos quisessem insistir na recuperação do paciente, havia a possibilidade de o plano vetar a continuidade do tratamento. Os profissionais relataram, ela diz, indicação de uso de tratamento paliativo (voltado a atenuar a dor de doentes em situação irreversível) em casos de pacientes agudos.
 

"Eles muitas vezes queriam investir num paciente e não era autorizado. Não havia a disponibilização dos leitos. Ainda que houvesse uma parceria com outros hospitais, não havia autorização do plano de saúde para disponibilização de leito para o paciente porque custaria muito caro", narrou.
 

"Deixar de investir num paciente só porque vai ser caro, vai ser difícil ou porque a viabilidade possa ser pequena, mas ela existe, é você deixar de dar chance daquela pessoa sobreviver", completou.
 

A advogada afirmou também ter recebido a informação de que a operadora passou a substituir o termo "cuidados paliativos" por "cuidados essenciais".
 

"Imagina a situação de uma pessoa levar o seu ente querido e ouvir do seu médico: 'olha, essa pessoa ao invés de um tratamento tradicional precisa passar pelos cuidados essenciais, você autoriza?' É óbvio que a pessoa vai autorizar, porque a nomenclatura indica que talvez sejam cuidados essenciais", disse.
 

A CPI acontece sob protesto de funcionários da Prevent, que se aglomeram do lado de fora da Câmara.
 

Procurada pela reportagem para comentar o depoimento de Morato, a Prevent Senior afirmou que a advogada cita "tese fantasiosa".
 

"A advogada Bruna Morato é autora de uma tese fantasiosa e será responsabilizada judicialmente por denunciação caluniosa e outros crimes. O depoimento de hoje foi pródigo em mentiras e narrativas criadas somente depois que a advogada fracassou em tentar um acordo milionário com a empresa", disse, em nota, a assessoria de imprensa da operadora.
 

"A Prevent Senior tem total interesse que investigações técnicas, sem contornos políticos, sejam realizadas por autoridades como o Ministério Público. E repele o linchamento público do qual foi vítima junto com seus 3.000 médicos e cerca de 12 mil funcionários, sem direito à ampla defesa e ao contraditorio", acrescentou o comunicado.

Prefeitura de Salvador entrega nova unidade de saúde no Rio Vermelho
Foto: Bruno Concha / Secom PMS

Os moradores da Vila Matos, no Rio Vemelho, passarão a contar com uma nova Unidade Básica de Saúde (UBS). A estrutura foi entregue oficialmente nesta quinta-feira (21) e vai oferecer serviços de atenção integral, desde recém-nascidos até idosos, por meio de atendimento médico, de enfermagem e odontológico, com capacidade para atender cerca de 250 pessoas diariamente.

 

O ato contou com a presença do prefeito Bruno Reis, do secretário nacional de Atenção Primária, Rafael Parente, e do titular da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Leo Prates, dentre outros gestores.


"Também há uma pressão sobre o sistema de saúde porque, na pandemia, suspendemos as cirurgias eletivas, as consultas especializadas e a realização de exames, porque a prioridade era enfrentar a Covid-19. As pessoas também não estavam procurando o sistema de saúde devido à preocupação natural de contrair o vírus", declarou Bruno Reis.

 

De acordo com a gestão, para implantação do centro de saúde foram investidos R$3,3 milhões de recursos do Ministério da Saúde. A infraestrutura da unidade ocupa uma área de 23 mil m² e já foi sede do Centro de Referência do Adolescente Isabel Souto (Cradis) e da Fundação da Criança e do Adolescente (Fundac). A construção do equipamento contou com a cessão do espaço pela gestão estadual, por um período de 50 anos.

 

Com dois andares, a unidade possui cinco consultórios, sendo um odontológico, salas de vacina, curativo e administrativa, além de banheiros. A UBS Vila Matos ofertará serviços de áreas consideradas prioritárias na Atenção Primária à Saúde, como programas de pré-natal, hipertensão, diabetes, controle da tuberculose, hanseníase e doença falciforme, com ênfase em Saúde da Criança; Saúde do Adolescente; Saúde da Mulher; Saúde do Homem; Saúde do Adulto; Saúde do Idoso e Saúde Bucal. Serviços complementares, como curativo, coleta de material para exames laboratoriais, vacinação, marcação de consulta para outras especialidades e outros exames também são ofertados no local, bem como dispensação de medicamentos básicos e confecção do Cartão SUS (2ª via).

 

A unidade contará com a atuação de equipes multiprofissionais compostas por médico clínico, ginecologista, pediatra, enfermeiro, dentista, nutricionista, técnico de enfermagem, auxiliar/técnico de saúde bucal, com atendimento prestado na própria unidade de saúde, em domicílio, quando necessário, ou em outros equipamentos sociais da comunidade. Isso permitirá que as ações de saúde se aproximem do cotidiano da comunidade, com demandas que podem e devem ser resolvidas pela Atenção Primária.

Salvador terá mutirão da 2º dose de vacina da Oxford nesta sexta-feira
Foto: divulgação / SMS

A Operação Minha Vacina Perto de Casa, de imunização contra a Covid-19, vai continuar nesta sexta-feira (22). Todos os pontos fixos e drive-thrus de Salvador vão fazer o mutirão do imunizante da 2ª dose da Oxford das 8h às 16h.

 

Podem ir aos postos as pessoas com data programada para receber a dose complementar da vacina até o dia 12 de novembro de 2021. É necessário estar com o nome na lista do site da Secretaria Municipal da Saúde (veja aqui).

 

Para quem tomou a 1ª dose em outros municípios, a SMS vai ofertar o acesso à 2ª dose agendamento prévio no site do Hora Marcada (acesse aqui). É preciso apresentar originais e cópias do cartão do SUS; comprovante de residência; cartão de vacina e documento de identificação com foto.

 

Veja os pontos de aplicação da 2ª dose nesta sexta-feira:

 

Drive-thrus: Uninassau (Avenida Magalhães Neto), Universidade Católica do Salvador – Campus Pituaçu, Atakadão Atakarejo (Fazenda Coutos), FBDC Cabula, 5º Centro de Saúde (Barris), Arena Fonte Nova (Nazaré), Faculdade Universo (Avenida ACM), Parque de Exposições (Paralela), Vila Militar (Dendezeiros), Unijorge Paralela, Shopping Bela Vista e FBDC Brotas.

 

Pontos fixos: USF Itacaranha, USF Fazenda Grande III, USF Itapuã, UBS Ministro Alckmin (Massaranduba), Shopping da Bahia (a partir das 9h), USF Estrada das Barreiras, UBS Castelo Branco, USF San Martim I, UBS Marechal Rondon, UBS Frei Benjamin (Valéria), Universidade Católica do Salvador – Campus Pituaçu, USF Teotônio Vilela II, USF Fernando Filgueiras (Cabula VI), UBS Eduardo Mamede (Mussurunga), USF Yolanda Pires (Fazenda Grande I), USF Cajazeiras V, 5º Centro de Saúde (Barris), Clube dos Oficiais (Dendezeiros), USF Sérgio Arouca (Paripe), USF Vista Alegre, USF Cajazeiras X, USF Santa Luzia (Engenho Velho de Brotas), USF Federação, CSU Pernambués, USF Cambonas, USF Colinas de Periperi, USF Plataforma, USF Beira Mangue, UBS Ramiro de Azevedo (Campo da Pólvora), USF Pirajá, USF San Martim III, USF Curralinho, UBS Nelson Piauhy Dourado (Águas Claras) e FBDC Brotas.

Índia ultrapassa 1 bilhão de doses de vacinas contra a Covid-19 aplicadas
Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil

A Índia ultrapassou a marca de 1 bilhão de doses de vacinas contra a Covid-19 aplicadas nesta quinta-feira (21). O país está imunizando pessoas com 18 anos ou mais, com as vacinas Covishield, do Serum Institute of India (SII); Covaxin, da Bharat Biotech e Sputnik V.

 

Mais de 885 milhões de doses da vacina Covishield já foram aplicadas até o dia 21 de outubro. Já da Covaxin, foram 113 milhões de doses até 20 de outubro.

 

A Índia é apontada como um dos principais produtores mundiais de vacinas, e o Serum Institute of India é o maior fabricante global de vacinas em volume de doses produzidas e vendidas. Cerca de 65% das crianças no mundo recebem pelo menos uma vacina fabricada pelo instituto. Mais de 885 milhões de doses de Covishield já foram aplicadas até o dia 21 de outubro.

 

A Bharat Biotech International Limited (BBIL), fabricante da Covaxin, produz 15 vacinas e exporta para 123 países. A empresa também tem 145 patentes e produz vacinas contra hepatite B, rotavírus e febre tifoide, e está desenvolvendo vacinas para doenças virais como chikungunya e Zika. Mais de 113 milhões de doses da Covaxin já foram aplicadas até 20 de outubro.

 

A empresa tem uma capacidade de produção anual de 240 milhões de doses. Em 20 de agosto de 2021, o regulador de medicamentos da Índia concedeu a aprovação do uso emergencial da vacina contra a COVID-19 da Zydus Cadila, a primeira vacina de DNA contra o coronavírus, para adultos e crianças com 12 anos ou mais.

 

PARCERIA COM O BRASIL

A Índia forneceu quatro milhões de doses de vacina contra a Covid-19 para o Brasil entre janeiro e fevereiro.  Além disso, disponibilizou cerca de 20 milhões de vacinas contra a Covid-19 ao consórcio Covax Facility.

 

Cerca de 30% do IFA usado pela indústria farmacêutica brasileira vem da Índia. Quatro em cada cinco medicamentos antirretrovirais que o Brasil compra por meio do Fundo Estratégico da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) vêm da Índia.

 

No âmbito do BRICS, a Índia e o Brasil estão enfrentando os desafios da saúde, inclusive por meio do desenvolvimento de respostas conjuntas eficazes para a propagação contínua das principais doenças, especialmente a tuberculose.

Quinta, 21 de Outubro de 2021 - 17:20

Com nº de leitos reduzido no interior, Metropolitano absorverá novos casos

por Jade Coelho

Com nº de leitos reduzido no interior, Metropolitano absorverá novos casos
Foto: Manu Dias/GOVBA

Com a pandemia dando sinais de arrefecimento, leitos exclusivos Covid-19 estão sendo desmobilizados ou retornando às especialidades originais por todo o estado. Mas a Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab) vai manter como unidade de referência do estado o Hospital Metropolitano, em Lauro de Freitas. De acordo com a secretária da Saúde em exercício, Tereza Paim, o equipamento vai receber pacientes transferidos de todas as localidades do estado. A manutenção da unidade como exclusiva para Covid-19 não tem prazo para terminar.

 

“Ele se mantém ainda como Covid, como referência da Bahia, que fique claro, ele não é referência de Salvador. Vamos chegar a um momento, como chegamos no início da Covid, de transferir pacientes de qualquer macrorregião”, sinalizou Tereza.

 

A secretária destacou que a apesar da pandemia estar possibilitando a desmobilização de leitos, gestão está focada em duas unidades, o Hospital Metropolitano e o Espanhol. “Nesse momento ainda vocacionado, mas com uma redução de 25% dos leitos de UTI porque estamos num patamar de 28% de taxa de ocupação. Isso quer dizer que a cada 10 leitos nós temos duas a três pessoas internadas. São equipes de alto custo e agente tem que ter responsabilidade fiscal inclusive em relação a isso”, acrescentou.

Histórico de Conteúdo