Quarta, 22 de Maio de 2019 - 12:00

Aos poucos, medicina avança contra o câncer de pâncreas, um dos mais letais

por Gabriel Alves | Folhapress

Aos poucos, medicina avança contra o câncer de pâncreas, um dos mais letais
Foto: Reprodução / Getty Images

Tumores de pâncreas não são tão comuns --somam 2% de todas as neoplasias diagnosticadas no Brasil--, mas são especialmente letais: apenas 1 a cada 10 pessoas permanece viva cinco anos após o diagnóstico, de acordo com estatísticas americanas. No caso do câncer de mama, por exemplo, esse índice é de 9 em cada 10.

Uma das razões para esse dado devastador da doença pancreática é a dificuldade de diagnosticá-la; outra é a resposta insatisfatória ao tratamento, seja ele cirúrgico, quimioterápico ou radioterapêutico. Pesquisas recentes, porém, dão boas notícias em ambas as fronteiras.

Na área de tratamento, médicos do A.C.Camargo Cancer Center mostraram num trabalho publicado no Journal of Surgical Oncology que a cirurgia pode ser uma boa alternativa (quando o caso permite) e que a expectativa de sobrevida após cinco anos, antes calculada em cerca de 25%, pode estar aumentando. 

Foram analisados 739 casos de câncer de pâncreas diagnosticados entre 2008 e 2016 em pacientes que passaram pela instituição em algum momento. Desse total, 177 foram operados, e 30,5% dessas pessoas estavam vivas após cinco anos. Para aqueles operados no próprio hospital, o resultado foi um pouco melhor: 33,8% de sobrevida após cinco anos.

Todos os pacientes cujo tumor não podia ser operado ou que já estava em metástase (estágio avançado, em que o câncer se espalha pelo corpo) já haviam morrido cinco anos depois. A maior parte dos casos de câncer de pâncreas se dá em pessoas acima dos 60 anos e, no caso da amostra do A.C.Camargo, 40% dos pacientes tinham diabetes e 53% tinham histórico familiar de câncer (mas só 4,8% de câncer de pâncreas especificamente). Cerca de metade já tinha metástases.

Ainda assim, os pacientes metastáticos viveram cerca de nove meses, mais do que o quádruplo do observado em estudos mais antigos. Isso representa um indício da evolução de outros tratamentos, como os de quimioterapia e radioterapia.

Apesar de o avanço global não ser tão grande, os pesquisadores são otimistas quanto ao futuro. "Esses dados, de certa forma, desmontam a tese de que o câncer de pâncreas não tem soluções terapêuticas", diz Felipe Coimbra, coordenador do estudo. Para ele, conhecer as peculiaridades de cada paciente permite promover um tratamento personalizado e ainda mais efetivo. 

Outra trincheira da guerra contra o câncer de pâncreas é o diagnóstico. Grande parte dos casos só são tão graves por causa da dificuldade de detecção. 

"Na maioria dos casos, a doença segue com poucos ou nenhum sintoma e só dá sinais quando já se encontra em estágios mais avançados. Outro fator é que não existem ainda testes eficazes para a detecção de tumores em estágios iniciais. Os que se encontram disponíveis são pouco sensíveis, e geralmente os marcadores só apresentam-se elevados com a doença já em estágio avançado", diz Helio Magarinos Torres Filho, membro da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial e diretor do laboratório Richet, no Rio.

Um estudo publicado neste ano na revista Clinical Cancer Research aponta melhora no cenário. Hoje, cerca de 40% dos casos de câncer de pâncreas podem ser detectados a partir do biomarcador CA19-9.

Outros casos dependem de exames de imagem ou biópsias, por exemplo, já que nem sempre as células tumorais produzem essa molécula.

A nova pesquisa, conduzida por cientistas do Instituto Van Adel, em Michigan (EUA), e de outras instituições americanas, propõe o uso de um outro marcador, o sTRA, outra molécula que às vezes é produzida pelas células tumorais, em conjunto com o CA19-9.

Juntos, os dois marcadores podem detectar corretamente o câncer em 65% dos casos, sem prejudicar a especificidade, ou seja, a identificação correta de resultados negativos. Os experimentos foram feitos com 147 amostras de plasma humano.

"Existe hoje grande interesse da comunidade científica na pesquisa de métodos mais eficazes para a detecção precoce deste tipo de tumor. Entretanto, até o momento, não temos um marcador robusto que seja usado na prática clínica", diz Torres Filho, que não participou do estudo.

O método desenvolvido pelos cientistas americanos ainda deve ser aperfeiçoado no futuro com o uso de mais marcadores, especulam os autores no artigo.

"O verdadeiro valor [do teste] vai se tornar mais claro como tempo [...]. Baseado a performance que observamos, esse painel de biomarcadores poderá ser importante para o monitoramento de pessoas em alto risco de desenvolver câncer de pâncreas", concluem.

Alguns dos sinais sintomas do câncer de pâncreas são icterícia (pele e olhos amarelados, urina escura, fezes muito claras ou gordurosas, coceira), dores na barriga e nas costas, náusea e vômito, aumento do fígado e da vesícula biliar, trombose e, mais raramente, diabetes.  

Brasil defende fortalecimento da primeira infância na Assembleia Mundial da Saúde
Foto: Arquivo/PMPA

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, como presidente do Grupo Econômico BRICS (Brasil, Rússia, índia, China e África do Sul) defendeu nesta terça-feira (21), durante discurso na sessão plenária da 72ª Assembleia Mundial da Saúde, o fortalecimento do cuidado à saúde da criança, com ênfase na primeira infância.

 

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que cerca de 4,6 milhões de crianças morrem durante o primeiro ano de vida. Para reverter a situação e garantir um crescimento saudável das crianças, o ministro da Saúde do Brasil defende que o “aleitamento materno e a garantia de acesso ao leite humano é fundamental e eficaz para a redução da mortalidade infantil no mundo”.

 

Em agosto deste ano, o Grupo Econômico BRICS vai promover no Brasil um workshop que tem como objetivo debater o acesso ao leite humano nas políticas nacionais. Segundo o ministério da Saúde, o encontro terá como objetivo o fortalecimento dos canais de comunicação entre as instituições do grupo responsáveis pelas ações de aleitamento e de banco de leite humano.

RBN Digital comemora dois anos com mais de 2,5 milhões de ouvintes

A aposta em rádio digital do Bahia Notícias completa dois anos nesta quarta-feira (22) com a marca de mais de 2,5 milhões de ouvintes. A RBN Digital foi lançada oficialmente em 2017 e, desde então, segue apresentando o melhor da música aliado à credibilidade da informação do site. “Temos muito o que comemorar nessa curta história. Nossa equipe está sempre inovando, lançando novos produtos e consolidando a RBN Digital como a principal rádio digital da Bahia”, ressalta o diretor-executivo do grupo, Ricardo Luzbel.

 

Com programação adulta e qualificada, comandada pelo DJ Wilson, a RBN Digital possui boletins de hora em hora, com as principais notícias do dia, programas curtos sobre esporte, cultura, decoração e saúde e, mais recentemente, com duas estreias exclusivas, o Prorrogação Esportiva e o Geração Z. A rádio, que pode ser ouvida pelo site www.rbndigital.com ou pelos aplicativos para iOS (baixe aqui) ou para Android (baixe aqui), traz ainda a análise política diária do editor do Bahia Notícias, Fernando Duarte, comentando os principais assuntos da cena nacional e estadual.

 

“Ainda temos muito a crescer e a RBN Digital tem mantido o ritmo ao longo dos últimos meses. Nosso objetivo é continuar sendo uma referência em inovação na comunicação da Bahia, como aconteceu quando lançamos o site. Na época, pouco se falava em jornalismo online na Bahia e hoje somos um dos principais veículos baianos”, destaca Luzbel.

Corpo de Bombeiros da Bahia recolhe e distribui leite materno para bebês prematuros
Foto: Reprodução/BabyOpkomst

Através do Projeto ‘Bombeiro Amigo do Peito’, o Corpo de Bombeiros Militar da Bahia (CBMBA) recolhe e faz a distribuição de leite materno para bebês prematuro. Segundo a corporação, o projeto conta com certa de 50 doadoras. A coordenadora do projeto, subtenente BM Joice Gonçalves, considera a doação é um gesto de amor. "Estamos comemorando a Semana mundial da doação de leite materno, e essa é uma forma de levar vida aqueles que precisam. Tenho a oportunidade de presenciar histórias de amor, através de mães que saem dos seus cuidados para ter esse gesto tão nobre de doar o seu leite materno para alimentar os recém-nascidos que precisam desse alimento essencial para a manutenção de suas vidas".

 

A subtenente ainda destacou que a atividade é realizada por ela há 13 anos. De acordo com Joice, semanalmente são distribuídos kits de coletas para as mães doadoras. “Depois de sete dias, retornamos às casas das mulheres voluntárias para entregar mais material de armazenamento e pegar os vasilhames de leite”, explicou ela. O leite é levado para as maternidades Instituto de Perinatalogia da Bahia (Iperba) e Climério de Oliveira, instaladas em Salvador, e é direcionado a crianças prematuras ou com algum problema de saúde que, por algum motivo, não podem ser amamentados pelas próprias mães.

 

De acordo com o CBMBA, um pote de leite materno doado pode suprir a necessidade de até dez recém-nascidos internados, por dia. Dependendo do peso do bebê, cerca de um ml já é o suficiente para nutri-lo. Todo leite doado é analisado, pasteurizado e submetido a rigoroso controle de qualidade antes de ser oferecido a uma criança.

 

Os Bombeiros informam que as mulheres interessadas em se tornar voluntárias devem ligar para os bancos de leite das maternidades Climério de Oliveira (71-32839264) e Iperba (71-31165118). O projeto conta, ainda, com as doações de potes de vidro com tampa plástica, que podem ser levados a qualquer unidade do CBMBA, na capital baiana e Lauro de Freitas.

Ministério da Saúde prepara campanha de vacinação contra sarampo
Foto: Reprodução / OPAS

Uma campanha de vacinação contra o sarampo está sendo preparada pelo Ministério da Saúde. Ela deve ser iniciada em todo o país no dia 10 de junho, segundo a Agência Brasil. 

 

Mais de 80 casos de sarampo já foram confirmados no país neste ano pelo Ministério da Saúde. Destes, 43 foram no Pará, 27 em São Paulo, quatro no Amazonas, três em Santa Catarina, três em Minas Gerais, dois no Rio de Janeiro e um em Roraima. 

 

Segundo a Agência, do total de casos, 27 foram autóctones, quando o vírus é contraído no mesmo local, todos eles de residentes no Pará. Os demais casos foram importados de outro país ou ainda não foi possível identificar a fonte de infecção. De janeiro a maio do ano passado, o ministério havia notificado 117 casos de sarampo no país, com dois óbitos.

 

Dos casos importados, 19 deles ocorreram em um surto da doença dentro de um navio de cruzeiro em Santos, no litoral paulista. O mesmo navio também provocou três casos de sarampo em Santa Catarina e um caso no Rio de Janeiro.

Jacobina: Cirurgia retira pedra de 1,3 kg e 18 cm de bexiga de paciente
Foto: Renan Oliveira Barreto

Uma pedra de mais de 1,3 quilo e com 18 centímetros foi retirada de um homem durante uma cirurgia em Jacobina, no Piemonte da Diamantina. O fato ocorreu no Hospital Antônio Teixeira Sobrinho nesta segunda-feira (20). O lavrador, de 51 anos, se submetia ao procedimento para retirada da pedra localizada na bexiga. Segundo o G1, o médico que realizou a cirurgia, João Cleber Coutinho, disse que essa é uma das maiores pedras em bexiga já registradas no mundo.

 

Ao profissional, o paciente relatou que há 10 anos sentia ardência ao urinar e um peso no “pé” da barriga. No entanto, só em janeiro ele procurou saber as causas. Através de exames foi identificado um cálculo de 10 cm na bexiga. Encaminhado para Salvador, o paciente foi orientado a passar por cirurgia. O procedimento foi feito em Jacobina e durou cerca de 1h. Seis médicos participaram do trabalho. A última informação é que o homem passa bem.

Cerca de 24% dos moradores de capitais brasileiras são hipertensivos, aponta pesquisa
Foto: Agência Brasil

A hipertensão atinge 24,7% dos moradores das capitais do Brasil, segundo dados obtidos pelo Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel 2018). Entre o grupo de entrevistados, 60,9% de pessoas com mais de 65 anos disseram ser hipertensas.

 

Entre os entrevistados com idades entre 45 e 54 anos, 49,5% afirmaram ter hipertensão. Os dados foram divulgados na semana passada. O Vigitel 2018 entrevistou 52.395 pessoas nas capitais brasileiras.

 

Segundo a Agência Brasil, a pesquisa apontou ainda que a doença, também conhecida como “pressão alta”, atinge mais pessoas no Rio de Janeiro, Maceió, João Pessoa e Vitória. Já São Luís, Porto Velho, Palmas e Boa Vista são as capitais com menor incidência de hipertensão entre seus habitantes.

 

Dados preliminares do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde ainda mostraram que, no ano de 2017, o Brasil registrou 141.878 mortes devido a hipertensão ou a causas relacionadas a ela. Este dado indica que 388,7 pessoas morreram a cada dia. Segundo o ministério, grande parte dessas mortes é evitável e 37% dessas mortes são precoces, ou seja, em pessoas com menos de 70 anos de idade.

Audiência pública na Câmara dos Deputados discute eficácia dos genéricos
Foto: Reprodução / Grupo Cimed

A eficácia dos medicamentos genéricos e as dúvidas que rodeiam o tema serão tema de debate na Câmara dos Deputados em uma audiência pública, na Comissão de Defesa do Consumidor (CDC), na tarde desta terça-feira (21). A iniciativa é do deputado federal baiano Márcio Marinho (PRB).

 

Para o parlamentar, a audiência vai levar em consideração relatos de médicos que tratam doenças graves como câncer e tiveram que substituir os medicamentos genéricos no meio do tratamento por não terem o efeito esperado para os princípios ativos. “Vamos ouvir diversos especialistas e também a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para saber o que tem sido feito nesse âmbito e quais providências estão sendo tomadas para verificar a qualidade e segurança desses remédios”, explicou o deputado.

 

Um dos argumentos utilizados por Marinho, com base em uma pesquisa do Instituto Proteste que entrevistou médicos sobre a eficácia dos medicamentos, é que de o estudo apontou que 30% dos profissionais dizem que os genéricos não possuem a mesma eficácia que os de marca e 23% acreditam que eles apresentam mais efeitos colaterais.

 

Estarão presentes na discussão o secretário de controle externo da Saúde do Tribunal de Contas da União, Carlos Augusto de Melo; o gerente geral de Inspeção e Fiscalização Sanitária da Anvisa, Ronaldo Lucio Ponciano; a conselheira do Conselho Federal de Medicina, Rosylane Nascimento; a vice-diretora de Vigilância Sanitária do Instituto Nacional de Controle e Qualidade em Saúde, Célia Maria Carvalho e a presidente executiva da Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos - Pró Genéricos, Telma Salles.

Identificar disfunções na tireoide no pré-natal poderia prevenir problemas em bebês
Foto: Reprodução / Shutterstock

A ausência de exames que identifiquem disfunções na tireoide no protocolo de acompanhamento pré-natal é considerada um problema sério pela endocrinologista e metabologista especialista em doenças endocrinológicas na gestação Alina Feitosa. Isso porque o hormônio tireoidiano tem influência na formação de todo o sistema nervoso do bebê. “A criança não tem hormônio tireoidiano até 12 semanas, não tem produção porque ela não tem tireoide, todo hormônio que tem é da mãe”, explicou a médica. “Então se a mãe tem disfunções da glândula, a criança pode sofrer consequências muito importantes”, alertou a especialista.

 

As doenças da tireoide apontadas pela médica como com maior oferta de risco para o bebê são Hipotireoidismo e Hipertireoidismo, que são respectivamente a falta da produção adequada de hormônio da tireoide, e o excesso de produção de hormônio. “Essas duas doenças não são infrequentes e podem causar diversos sintomas que podem atrapalhar o curso da gestação”, disse Alina ao listar os problemas causados pelo fato da mãe ter alguma dessas doenças.

 

“Quando a mãe tem hipertireoidismo, o excesso de hormônios produzido por ela passa pela placenta e pode causar danos a criança, como redução do crescimento, peso mais baixo ao nascer, parto prematuro, contrações e sangramentos. No hipotireoidismo a criança pode ter formação inadequada da sua cabecinha”, esclareceu a endocrinologista.

 

Alina Feitosa demonstrou preocupação com existência de “bastante desconhecimento” sobre os problemas da tireoide e as sequelas que podem causar. “As pessoas conhecem que existe a tireoide e que ela pode dar problema, mas não faz parte do rastreamento habitual dentro dos exames de pré-natal, não faz parte do pré-natal de baixo risco avaliar a tireoide”, sinalizou.

 

A médica ainda alertou que a falta de conhecimento está dos dois lados, tanto no paciente quanto nos profissionais de saúde. “Existe desconhecimento da parte do paciente, que não sabe que alterações da tireoide podem ocorrer durante a gestação e prejudicar o bebê. E tanto eventualmente o [médico] pré-natalista, ou pré-natal que muitas vezes é feito por profissionais não médicos, na rede básica de saúde, pode passar despercebido se não for um quadro grave e muito claro de ser identificado”, afirmou.

 

Para evitar erros, a especialista em doenças endocrinológicas na gestação ressaltou a necessidade do médico responsável pelo pré-natal de questionar as pacientes sobre o histórico familiar de doenças tireoidianas do paciente, além de fazer exames físicos para verificar a existência de sintomas que sugiram alterações da tireoide.

 

Na sexta-feira (25), é celebrado o Dia Internacional da Tireoide, marcado por ações que chamam atenção para a importância da glândula e o cuidado com as doenças referentes a disfunção da tireoide.  

Ministro da Saúde defende adoção de um novo modelo de rotulagem de alimentos
Foto: Agência Brasil

A adoção de um novo modelo de rotulagem de alimentos foi defendida pelo ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta. Conforme a Folha de S. Paulo, a proposta é semelhante à defendida pela indústria, que busca emplacar a adoção de símbolos com cores para informar o teor de açúcar, sal e gordura.

 

Atualmente, o tema está em discussão na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O último parecer do órgão, do final de 2018, no entanto, vai de encontro ao modelo defendido pelo ministro Mandetta, ainda segundo a Folha. Na época, documento feito com base na revisão de estudos nacionais e internacionais deu parecer negativo à proposta da indústria.

 

A agência defende que seja analisada a inclusão nos rótulos de um alerta capaz de informar, com frases, se um produto é “alto em açúcar”, por exemplo. Atualmente esse tipo de advertência já é adotado em alguns países, como o Chile.

 

Na avaliação de Mandetta, porém, a proposta é alarmista. “Tem dois olhares. Um é mais alarmista, que diz 'isso faz mal'. E outro é mais informativo, que diz que contém tanto de açúcar, e é mais visual. A minha primeira impressão é que cabe ao estado ser mais informativo”, argumentou o ministro da Saúde.

 

Mandetta ainda acredita que a proposta da Anvisa pode afetar questões culturais. “Vamos pegar o doce em compota, que é uma cultura brasileira. O que é aquilo? Uma calda saturada em açúcar. Vou falar para minha avó que aquilo ali não funciona? O que está em discussão é a quantidade de consumo”, defendeu.

Feira: Moradores cobram médico em posto de saúde e prefeito pede desculpas
Foto: Paulo José / Acorda Cidade

Moradores do conjunto Viveiros, em Feira de Santana, protestaram na manhã desta segunda-feira (20) sobre a falta de médico no posto de saúde da localidade. Eles cobram da prefeitura a contratação de professionais e afirmam que a unidade está sem médico há sete meses. Segundo o Acorda Cidade, o fato ocorreu no posto médico I e II Dr. Luciano Simões Ferreira Vital. Uma moradora, Marília Miranda de Souza, disse que com a falta de médicos eles são obrigados a buscar atendimento em policlínicas e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da cidade.

 

Em resposta, a secretária de saúde do município, Denise Mascarenhas, justificou ao site feirense que a falta de médicos independe da gestão municipal, é uma realidade no país, mas que está procurado resolver o problema. Procurado, o prefeito Colbert Martins prometeu que o problema seria resolvido ainda nesta segunda e pediu desculpas aos moradores do conjunto Viveiros. O gestor disse ainda que uma nova empresa deve ser contratada e a mesma deve substituir a cooperativa que era responsável pelos médicos.

Hospital Santa Izabel se destaca em avanços em áreas estratégicas da assistência
Foto: Agência Bapress

Avanços em áreas estratégicas da assistência vem sendo registrados no Hospital Santa Izabel, em Salvador, através da implementação uma série de medidas de análise de performance e mensuração ampliada de resultados clínicos.

 

Segundo o próprio hospital, o processo ganhou novo impulso com a participação da instituição no Programa de Desfechos Clínicos, uma iniciativa conjunta da Associação Nacional dos Hospitais Privados (Anahp) e da Internacional Consortium for Health Outcomes Measurement (ICHOM).

 

Treze hospitais brasileiros participam desse projeto, que monitora conjunto de padrões em Insuficiência Cardíaca e Acidente Vascular Cerebral. O objetivo é promover o cuidado de saúde baseada em valor.

 

A gestão baseada em valor vem sendo apontada como tendência global e é considerada por especialistas como importante base de sustentabilidade para as instituições hospitalares. O modelo preconiza que o valor é resultado da equação que divide o resultado para o paciente (envolvendo experiência do cuidado e qualidade do serviço) dividido pelo custo envolvido no tratamento para fornecer o desfecho.

 

A experiência positiva do Hospital Santa Izabel com o programa internacional foi mencionada pela ANAHP, durante a realização da ICHOM Conference 2019, no inicio do mês de maio em Roterdã, na Holanda. Na avaliação do superintendente de Saúde da Santa Casa da Bahia, Robério Almeida, integrar esse programa vai ao encontro da missão do Santa Izabel: oferecer assistência médico-hospitalar com excelência. "É uma iniciativa que também corrobora com a cultura de inovação e qualidade, que já faz parte do dia a dia da instituição", afirmou.

 

A lógica do Programa, acrescenta Soraia Accioly, gerente de Qualidade do Hospital Santa Izabel, é que as instituições de saúde participantes entrem em benchmarking competitivo para ver quem entrega o melhor desfecho para o paciente/usuário, pelo menor custo. "Essa iniciativa traz também uma possibilidade de melhor diálogo com outros players do setor saúde, como por exemplo fontes pagadoras de saúde", afirmou a especialista de Qualidade.

Pessoas estão fazendo menos sexo graças à Netflix, internet e vídeo game, aponta estudo
Foto: Ilustrativa

Estudos realizados nos Estados Unidos e no Reino Unido apontaram que as pessoas estão fazendo menos sexo. Desde 1972, o National Opinion Research Center, centro de pesquisa de opinião da Universidade de Chicago, fazem entrevistas sobre assuntos variados, entre eles comportamento. Dados da mais recente pesquisa revelam que 23% dos participantes declararam não ter feito sexo nos últimos 12 meses - quase o dobro do número registrado há 10 anos, em 2008.

 

De acordo com informações do R7, os pesquisadores ficaram surpresos com a proporção "muito maior do que o esperado" de homens com menos de 30 anos que disseram estar sem fazer sexo há pelo menos um ano: 28% dos participantes com idade entre 18 e 30 anos, o triplo do número registrado em 2008. As mulheres mais jovens também estão fazendo menos sexo, mas o aumento nesse segmento foi de 8% na última década.

 

Já o estudo da publicação acadêmica British Medical Journal usou dados de uma pesquisa com 45 mil pessoas que é feita a cada dez anos desde 1990 para tentar mapear o comportamento sexual dos britânicos. O resultado mais recente mostrou que  quase um terço dos homens e mulheres no Reino Unido disseram não ter feito sexo nos últimos 30 dias.

 

Pesquisadores da universidade britânica London School of Hygiene and Tropical Medicine afirmam que a queda na atividade sexual no Reino Unido é observada entre pessoas que já foram mais ativas. Para eles, grandes transformações observadas nas últimas décadas podem ter contribuído para mudar a frequência com que as pessoas fazem sexo, como o aumento do consumo de pornografia online, além de serviços de streaming como o Netflix, video games e redes sociais.

 Pesquisador brasileiro cria cerveja para pacientes diabéticos
Foto: Divulgação

Através de um "acidente científico", um pesquisador brasileiro fez uma associação entre a ingestão de alecrim-do-campo e a queda na glicemia. O biomédico Carlos Ricardo Maneck Malfatti, da Universidade Estadual do Centro-Oeste, em Guarapuava (PR), percebeu que o alecrim protege o pâncreas, órgão que produz a insulina, e melhora a resposta das células ao hormônio — com isso, o açúcar não sobra no sangue.

 

Com isso, segundo informações da Abril, os cientistas decidiram, então, usar o extrato do vegetal em uma receita de cerveja, batizada de Rosemary. Ela já está sendo testada em pacientes e, segundo Malfatti, os resultados são animadores.

 Novo Dia D de vacinação contra gripe em Salvador tem 189 locais de imunização
Foto: Reprodução / G1

O novo dia D de vacinação da Campanha Nacional contra a Influenza acontece neste sábado (18). Os locais de aplicação da vacina são variados, além dos postos da rede básica de saúde, estão na lista shoppings, supermercados, creches, igrejas e estações de transbordo.

 

A vacinação começou às 8h e seguirá até as 17h. A meta da prefeitura da capital é imunizar pelo menos 90% das 570 mil pessoas que fazem parte do público alvo da campanha.

 

A Bahia registrou, este ano, seis mortes em decorrência do vírus Influenza. Todas elas em Salvador.

Autor da Reforma Manicomial diz que lei não trouxe retrocessos para psiquiatria
Foto: Divulgação

O sociólogo e ex-deputado federal Paulo Delgado, autor da reforma psiquiátrica, afirma que a Lei nº 10.216/2001 que propôs a extinção progressiva dos manicômios no país não trouxe retrocessos na atual política de saúde voltada para esta população. Ele diz não acreditar que o governo brasileiro tenha interesse em retornar a uma situação do “manicômio comercial” e da internação com “interesses econômicos”. "O manicômio é o abismo absoluto e a loucura mal entendida e explorada comercialmente é uma ignomínia", reforçou o sociólogo para a Agência Brasil. Na última quarta-feira (15), o Senado aprovou uma lei que autoriza a internação involuntária de usuários de drogas por até três meses.

 

Durante esta semana, diversos especialistas têm se encontrado, em reuniões de portas abertas às comunidades, para debater avanços e retrocessos da reforma psiquiátrica, aprovada com a lei. O dia 18 de maio também é Dia Nacional da Luta Antimanicomial. O movimento começou a ser organizado na década de 1970 e hoje tem com uma das principais frentes de mobilização a Rede Nacional Internúcleos da Luta Antimanicomial (Renila), responsável por divulgar os eventos relacionados à data, como rodas de conversa e atividades culturais, que ocorrem até amanhã (19), em todo o país.

 

Segundo sociólogo, alguns governantes entendem que o setor mais vulnerável da população brasileira é o de pessoas com transtornos mentais e é por esse motivo, além da confiança em um controle social, que ele mantém a esperança de que o país irá avançar nas políticas para essa parcela da população. Especialista em Ciência Política, ele afirma que os gestores municipais podem ajudar a refrear eventuais tentativas de cancelamento de direitos humanos, no âmbito da saúde mental. 

 

"Nós temos experiência e acúmulo de conhecimento suficiente no movimento nacional da luta antimanicomial para, talvez, procurar outros interlocutores igualmente importantes como o governo federal, que seguramente é o mais importante deles, mas lá nos municípios. Nós temos prefeitos que estão inaugurando Caps”. Delgado, que apresentou o projeto de lei da reforma psiquiátrica em 1989, resume seu trabalho como "uma luta generosa", que pensa em novas conexões para um tratamento eficaz dos transtornos de fundo psíquico, formada por pessoas que se dispõem a ser um "polo de reflexão crítica e humanista, sem abandonar os valores técnicos".

Mais duas mortes são confirmadas em Salvador por gripe H1N1; já são 8 em 2019
Foto: Divulgação

A Secretaria Municipal de Saúde de Salvador confirmou neste sábado (18) mais duas mortes por complicações em decorrência da gripe H1N1. Um caso foi registrado em Itapuã, com a morte de um idoso de 62 anos foi diagnosticado com a gripe A. O outro caso é de uma criança de cinco meses que residia na Liberdade e estava com H1N1.

 

Já são oito casos confirmados em Salvador neste ano, sendo seis neste mês de maio. “A vacinação é a medida mais eficaz para proteger os indivíduos mais vulneráveis às complicações do vírus. Já são oito mortes confirmadas esse ano, sendo que sete pessoas faziam parte do grupo prioritário da campanha de imunização. É importante que as pessoas da população eletiva busquem os postos para garantir a proteção contra o vírus”, destacou Doiane Lemos, subcoordenadora de Doenças Imunopreveniveis.

 

Neste sábado (18), até às 17 horas, 189 pontos de vacinação entre postos de saúde e locais de grande circulação de pessoas como shoppings, supermercados, estações de trasbordo, igrejas, entre outros, estarão vacinando idosos (a partir de 60 anos), crianças (de 6 meses a menores de 6 anos), gestantes, puérperas (mulheres que ganharam bebê nos últimos 45 dias), trabalhadores de saúde e professores do serviço público e privado, portadores de doenças crônicas, além de policiais civis, militares, bombeiros e membros ativos das Forças Armadas da capital.

Sábado, 18 de Maio de 2019 - 00:00

'Febre' entre os famosos, harmonização facial levanta discussão sobre 'padrão de beleza'

por Júnior Moreira Bordalo

'Febre' entre os famosos, harmonização facial levanta discussão sobre 'padrão de beleza'
Foto: Reprodução / Instagram

Nas últimas semanas, a cantora Joelma estampou diversos portais de notícias após falar abertamente sobre os procedimentos que tem feito no rosto e mostrar o antes e depois. Adepta da harmonização facial, a artista de 44 anos se submeteu também às técnicas de preenchimento labial e facial, além de já ter mexido no nariz e no queixo e feito correção nos dentes. Mas ela não é a única. O termo, relativamente novo, se espalhou pelas redes sociais ao virar o queridinho dos famosos sedentos por intervenções estéticas, como Gisele Bundchen, Alok, Cleo Pires e Gretchen. Até o ginasta Diego Hypolito, após abrir o jogo sobre sua sexualidade, decidiu entrar para esse time com o intuito de “mudar algumas coisas que o deixam insatisfeito”. Aqui na Bahia, as cantoras Mari Antunes, do Babado Novo, e Vina Calmon, da banda Cheiro de Amor, já harmonizaram alguns pontos da face.

 

Por harmonização facial pode-se entender como o conjunto de procedimentos estéticos feitos para criar uma simetria no rosto do paciente. “Através de uma análise criteriosa é possível detectar as regiões desarmônicas que muitas vezes trazem um aspecto de envelhecimento à face. Traçamos um plano de tratamento totalmente individualizado para alcançar os melhores resultados”, explicou a cirurgiã-dentista Diane Vasconcelos ao Bahia Notícias.

 

Especialista na área desde 2017, a profissional pontuou que todo mundo pode fazer desde que “haja uma necessidade” e que a vantagem da harmonização é a de compor procedimentos “minimante invasivos, praticamente indolores e de rápida recuperação”. Para isso, as técnicas mais comuns utilizam toxina botulínica em rugas, ácido hialurônico para fazer preenchimento (pode ser na boca e no "bigode chinês", por exemplo), fios de elevação facial para lifting (correção de flacidez facial), microagulhamento (que perfura superficialmente a pele para promover o rejuvenescimento), procedimentos que estimulam a produção de colágeno contra o envelhecimento, bichectomia (retirada de gordura da bochecha) e redução enzimática da papada.

 

Contudo, submeter-se aos procedimentos tem custos elevados, que variam com o número de sessões. Quem faz o lifting facial com fios, que reduz as rugas e a flacidez do rosto, paga entre R$ 3 mil e R$ 9 mil. Em cada ampola de ácido hialurônico cobra-se de R$ 1.500 a R$ 1.800. Quando a ideia é reduzir a gengiva que aparece no sorriso, muitos utilizam o botox. O valor varia entre R$ 800 e R$ 2 mil, sendo que as reaplicações devem ocorrer anualmente.

 

Quem acompanha o jornalista e influenciador digital Fábio Guimarães nas redes sociais, já percebeu que ele costuma compartilhar o passo a passo das suas intervenções. Com quase 60 mil seguidores no Instagram, o baiano de 23 anos fez a primeira mudança no rosto aos 18. “Sempre me preocupei com a estética. Na adolescência tive muita acne, e, por conta disso, a minha autoestima era baixa, um dos principais motivos para me cuidar tanto. Outro ponto era querer ter a pele mais limpa, sem acne... depois de fazer o tratamento com Roacutan (antibiótico indicado para acne grau III) por mais de dois anos, vi a necessidade de cuidar das linhas de expressões, manchas e marquinhas, que ficaram como consequência das acnes”, informou.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

{play} Fiz questão de mostrar p/ vocês o resultado do meu botox que vocês pediram tanto - no primeiro vídeo - muitas rugas dinâmicas e algumas marcas estáticas. No segundo vídeo, quinze dia depois da aplicação - sem rugas dinâmicas, sem marcas estatísticas, mais jovem e com a autoestima lá em cima. @dradianevasconcelos fez ou não fez milagre?! Resultado incrível, pele saudável e sem exageros. A única que indico @dradianevasconcelos - siga e marque a sua avaliação. ????????? _______ #FabioGuimaraes #FG #Botox #Rejuvenescimento #RejuvenescimentoFacial #AntesEDepois #BotoxFacial #Estetica #HarmonizacaoFacial

Uma publicação compartilhada por Fábio Guimarães - Mens Fashion (@fabioguimaraess) em

Ao todo, ele já fez preenchimento, botox, carboxiterapia - aplicação de injeções de gás carbônico sob a pele para eliminar a celulite, estrias e gordura localizada -, microagulhamento, revitalização labial e peeling. “Cada procedimento requer um cuidado especial e diferente. Independente disso, é importante se atentar aos excessos, além da escolha do profissional para não se arrepender depois". Ao ser questionado se isso já aconteceu com ele, foi direto. “Não! Sempre penso muito bem antes”.

 

TODO MUNDO COM O ROSTO IGUAL?

Se por um lado a harmonização facial contribui para elevar a autoestima das pessoas ao “corrigir falhas” que as incomodam – mesmo que temporariamente, já que as técnicas precisam de manutenção –, por outro essas medidas podem estar contribuindo no reforço da padronização de um tipo de beleza como absoluta, que na maioria das vezes é inalcançada. A jornalista e youtuber Alexandra Gurgel, que debate em seu canal questões sobre autoestima, ditadura da beleza, gordofobia e outros tipos de preconceitos, fez um vídeo em que aborda esta questão. Para ela, a harmonização facial está ”deixando todo mundo igual, todo mundo com a mesma cara”. Assista:

 

A própria Diane confessou que as pessoas chegam ao seu consultório pedindo para “ter os lábios da Marina Ruy Barbosa”. Contudo, ressaltou: “O que sempre falo é que o objetivo da harmonização facial não é deixar todo mundo igual a determinado famoso. Existe uma grande diferença entre o que o paciente pede e aquilo que ele realmente precisa. As características individuais precisam sempre ser levadas em consideração para alcançar um resultado bonito e natural”.

 

Já o psicólogo Danilo Caramelo ressaltou que durante a formação da personalidade, o ser humano busca figuras para aprender, se espelhar e entender o mundo a sua volta. E que, ao longo desse processo, para além dos pais, artistas e personagens são incorporadas para dar fundamento a essa construção. “Este é um processo natural, construímos o ‘eu’ através do contato com o ‘outro’”.

 

“Uma parte desse processo de construção perpassa a preocupação com a imagem. Em toda a história da humanidade, desde os tempos tribais até os dias de hoje, houve uma preocupação com a imagem, seja na tinta que os índios usavam (e usam) nos rostos, as roupas que se vestiam nas diferentes épocas, até aos procedimentos cirúrgicos atuais. Tudo que se carrega (ou não) nos corpos compõe uma imagem que tem a pretensão de externar símbolos de nossa identidade compreendidas em um contexto sociocultural”, detalhou.

 

Contudo, apesar dessa consciência, Caramelo lembrou que o uso das tecnologias incentivam atualmente a busca “por atingir os seletivos padrões de beleza”. “O maior perigo de todo este movimento estético são as pessoas que estão com problemas de autoestima em busca de melhorá-la em questões externas. Veja bem, a autoestima está ligada ao autoconceito, algo do indivíduo e de construção psíquica. Se esta não estiver bem desenvolvida, o sujeito pode entrar em uma onda de mudanças no próprio corpo que nunca alcançarão um grau de satisfação”, fixou.

 

“São como as pessoas com anorexia ou bulimia, que atingem níveis extremos de magreza e ainda se percebem acima do peso, ou em um nível mais moderado aquelas pessoas que possuem um corpo invejável aos olhos dos outros, mas quando questionadas sempre acreditam precisar perder mais uns quilos... O risco é que isso encontre um novo espaço nas cirurgias plásticas, e que existam pessoas nunca satisfeitas com o próprio corpo, gastando dinheiro, tempo e energia para mudar algo externo, quando o que deveriam mudar está na sua visão de si mesmas”, completou.

 

Quanto a isso, Guimarães concordou. “Padrões realmente não são naturais, eles foram criados para privilegiar pessoas. Essa ditadura, querendo ou não, está presente em vários outros nichos, como a moda, por exemplo, não só apenas na beleza. O fato é de como você vai lidar com ela. Acredito que se for para melhorar, fazer bem, toda mudança é bem vinda”, avaliou.

 

MEDICINA X ODONTOLOGIA

Que a harmonização facial já é uma realidade entre os brasileiros não resta mais dúvidas. Não à toa, o país é o segundo no ranking de lugares que mais realizam cirurgias plásticas. De acordo com estudo realizado pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica e Estética (ISAPS) de 2017, houve um aumento de 5% no total de procedimentos cirúrgicos comparado ao ano anterior. O número saltou de 10 milhões para 11 milhões. Contudo, uma regra é básica: para todo procedimento é necessário se certificar das habilitações do profissional que irá realizar a intervenção, além de verificar o registro do profissional no conselho da classe.

 

Nessa lógica, há uma discussão entre medicina e odontologia sobre qual profissão estaria habilitada para realizar harmonização facial. Entretanto, desde 29 de janeiro de 2019, o Conselho Federal de Odontologia (CFO) reconheceu estes procedimentos como especialidade também dos dentistas. “O cirurgião dentista tem o amparo da Lei Federal 5.081 e de diversas outras regulamentações para utilizar a toxina botulínica, os biomateriais preenchedores e outros recursos terapêuticos com total segurança. Passamos cinco anos de graduação estudando a região de cabeça e pescoço, além dos anos de pós-graduação em harmonização facial, o que nos fornece bastante experiência para trabalhar na área”, lembrou Vasconcelos. 

 

Pouco tempo depois, a Associação Médica Brasileira (AMB) e o Conselho Federal de Medicina (CFM) emitiram nota afirmando que "repudiam a resolução do CFO e informam que tomarão todas as medidas jurídicas que estejam ao alcance, a fim de garantir que atos médicos sejam praticados apenas por médicos". Por enquanto, a resolução ainda não foi julgada em nenhuma instância. Os médicos apontam que os dentistas não têm a formação necessária para realizar os procedimentos, que não são capacitados para realizar o diagnóstico de doenças de pele, por exemplo. Por hora, tanto médicos - dermatologistas e cirurgiões plásticos - quanto dentistas estão autorizados a realizar tais intervenções. 

Congresso premia trabalho sobre exame de alta  precisão no tratamento do câncer de próstata
Foto: Agência Bapress

O Hospital Santa Izabel foi reconhecido pela sua experiência pioneira com o exame PET-PSMA, que utiliza o traçador PSMA marcado com Galio-68, um radiofármaco produzido dentro do próprio hospital para exames de imagem de alta precisão no Setor de Medicina Nuclear. Os resultados conquistados com essa experiência foram contemplados como Prêmio de Melhor Trabalho Científico em Câncer de Próstata, apresentado na ultima edição do Congresso de Urologia Norte-Nordeste.

 

A Santa Casa da Bahia atribui o reconhecimento ao fato de o exame aumentar as chances de identificação e diagnóstico do câncer de próstata recidivado que, de acordo com dados do INCA, é o tipo mais comum entre homens no Brasil, sem considerar o câncer de pele não-melanoma. O PET-PSMA passou a ser oferecido no Hospital Santa Izabel em novembro do ano passado, sendo o primeiro hospital da Bahia a realizar o procedimento.

 

"Desde o primeiro paciente, se constatou que o poder de diagnóstico desse exame é altíssimo, como já apontava a literatura internacional. A gente conseguiu mudar a condução dos casos, além de descobrir doenças que ninguém havia descoberto", disse a médica Adelina Sanches, da equipe do Hospital.

 

O procedimento identifica 50% mais lesões do que os exames tradicionais no cenário de recidiva de doença, quando o paciente apresenta sinais de retorno de doença após ter sido tratado. "Esse poder de precisão diagnóstica permite identificar se o retorno se deu no local onde residia a próstata, alocado em linfonodos ou como metástases à distância", afirmou Adelina, que é especialista em medicina nuclear. 

Pesquisa aponta que 388 pessoas morrem por dia no Brasil por hipertensão
Foto: Divulgação

Cerca de 388 pessoas morrem por dia no Brasil devido à hipertensão. Dados do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM) apontam que, em 2017, o país registrou 141.878 mortes devido à doença ou a causas relacionadas a ela.

 

Segundo o Ministério da Saúde, os dados mostram que 37% dessas mortes são precoces. Já a pesquisa Vigitel 2018 diz que os mais afetados pela hipertensão são idosos com mais de 65 anos. A pesquisa entrevistou pessoas com mais de 18 anos em todas as capitais brasileiras.

 

O resultado aponta que 24,7% dos entrevistados brasileiros afirmaram possuir o diagnóstico da doença. A hipertensão, de acordo com os dados, a prevalência da hipertensão aumentou nos últimos 12 anos. 
A pesquisa Vigitel 2018 ainda destaca que as pessoas com menor escolaridade são as mais afetadas. Do público com menos de oito anos estudo, 42,5% disse sofrer com a doença; dos com 9 a 11 de estudo, 19,4%; e dos com nível superior, doze ou mais, 14,2%.

 

As capitais com maior prevalência são Maceió (27,1%); Recife (26,5%); João Pessoa (26,1%); Campo Grande (26%); e Vitória (25,2%). E as com menores índices: São Luís (15,9%); Porto Velho (18,0%); Palmas e Boa Vista (18,6%); além de Belém (20,9%).

 

A hipertensão arterial ou pressão alta é uma doença crônica caracterizada pelos níveis elevados da pressão sanguínea nas artérias. Acontece quando os valores máximo e mínimo são iguais ou ultrapassam os 140/90 mmHg (ou 14 por 9), fazendo com que o coração exerça um esforço maior do que o normal para fazer a distribuição do sangue no corpo.  A doença é um dos principais fatores de risco para a ocorrência de acidente vascular cerebral (AVC), enfarte, aneurisma arterial e insuficiência renal e cardíaca. A prevenção está ligada a uma dieta equilibrada e a realização de atividades físicas.

Cientista brasileira cria caneta que detecta câncer durante cirurgia
Foto: Reprodução / Youtube

Um instrumento parecido com uma caneta e que tem a capacidade de detectar células tumorais foi criado pela cientista brasileira Livia Schiavinato Eberlin, de 33 anos. Com formação em Química pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e chefe do laboratório de pesquisa da Universidade do Texas, em Austin, nos Estados Unidos, Lívia iniciou o estudo que culminou na elaboração do equipamento há quatro anos.

 

Segundo o portal Uol, o dispositivo é capaz de extrair moléculas de tecido humano e apontar, no material analisado, a presença de células cancerosas. A tecnologia está em estudo, mas já teve resultados promissores ao ser usada na análise de 800 amostras de tecido humano. 

 

Em entrevista exclusiva ao jornal O Estado de S. Paulo, a pesquisadora explicou que o objetivo da caneta, chamada de MacSpec Pen, certificar, durante uma cirurgia oncológica, que todo o tecido tumoral foi removido do corpo do paciente.

 

"A caneta tem um reservatório preenchido com água. Quando a ponta dela toca o tecido, capta moléculas que se dissolvem em água e são transportadas para um espectrômetro de massa, equipamento que caracteriza a amostra como cancerosa ou não", explicou a cientista.

Mandetta diz que baixo índice de vacinação contra gripe pode comprometer hospitais
Foto: Wilson Dias / Agência Brasil

O ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta disse, nesta sexta-feira (17), que a baixa procura por vacinação nos postos contra a gripe pode comprometer o sistema de hospitais públicos em alguns meses. A Campanha Nacional contra a Influenza, até o momento, imunizou apenas 56%¨do público alvo.

 

De acordo com a Agência Brasil, Mandetta afirmou que a gripe pode agravar outras doenças e levar a um grande número de internações. A situação mais crítica é a do Rio de Janeiro, que teve apenas R$38,2% de adesão da população.

 

Em Salvador, 54,1% do público alvo foi vacinado desde o início da campanha. A Bahia havia apresentado uma redução de cerca de 72,9% no número de casos de gripe entre janeiro e maio desse ano, o que representa 21 ocorrências (lembre aqui). No entanto, só nesse mês, já foram registradas quatro mortes pela doença (veja aqui).

 

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza começou no dia 10 de abril, e ficará disponível até o dia 31 de maio. O objetivo é vacinar 58,6 milhões de pessoas. 
 

Sexta, 17 de Maio de 2019 - 15:00

Dieta com alimentos ultraprocessados tem relação direta com ganho de peso

por Gabriel Alves | Folhapress

Dieta com alimentos ultraprocessados tem relação direta com ganho de peso
Foto: Reprodução/Getty Images

Um novo estudo publicado nesta quinta (16) pela revista Cell Metabolism mostra, pela primeira vez, uma relação causal entre o consumo dos chamados ultraprocessados e os malefícios para a saúde humana, como maior ingestão calórica e ganho de peso.

Entre os exemplos de alimentos ultraprocessados estão salgadinhos de pacote, refrigerantes, biscoitos industrializados e alimentos prontos congelados, que passam por muitas transformações até assumirem a forma final -diferente do que acontece com alimentos processados (como queijos e pães artesanais), que se valem de poucos ingredientes e processos, e minimamente processados (como vegetais congelados), que praticamente não passam por transformações.

Cientistas dos NIH (Institutos Nacionais de Saúde dos EUA) selecionaram 20 pacientes, dez homens e dez mulheres, com idade média de 31,2 anos, peso estável e sem doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, para participarem do estudo.

Os voluntários ficaram internados por quatro semanas e receberam, na primeira quinzena, uma dos tipos de dieta do estudo -ultraprocessada ou não processada. Na quinzena seguinte, era a vez de consumir a outra dieta. Os participantes podiam sempre comer o quanto quisessem.

As duas dietas tinham quantidades iguais de nutrientes como proteína, gordura, carboidrato, fibra e açúcar, e o menu de cada uma delas variava diariamente ao longo da semana. Nos quesitos saciedade, prazer de comer e familiaridade com as apresentações, os participantes consideraram ambas equivalentes. Ou seja, não daria para explicar o aumento no consumo de comida ultraprocessada simplesmente pelo sabor.

Segundo o principal investigador do estudo, Kevin Hall, do setor de fisiologia integrativa do NIDKK (instituto que estuda diabetes, doenças digestivas e renais), não haveria por que, a princípio, esperar que houvesse diferença significante no efeito das dietas no organismo.

"Eu era cético quanto ao fato de uma dieta composta por alimentos ultraprocessados ter efeito na ingestão calórica ou no ganho de peso, já que os nutrientes como açúcar, sal, gordura e fibra eram pareados entre elas. Para minha surpresa, houve uma grande diferença", disse à reportagem.

Uma das principais características de alimentos ultraprocessados é a falta de fibra -daí a necessidade de complementar a dieta com um suplemento alimentar rico em fibras solúveis, algo que não atrapalhou o sabor, segundo os participantes. Alimentos in natura, como folhas e frutas, suprem com facilidade essa demanda na dieta não processada.

A diferença entre os tipos de fibra pode ser uma das explicações para o desempenho das dietas (uma das hipóteses dos cientistas é que a fibra solúvel não seja tão boa em atrasar a metabolização do alimento pelo organismo). Consequentemente, houve o acúmulo em forma de gordura.

Outra explicação para o ganho de peso é a quantidade de comida ingerida, especialmente no café da manhã e no almoço, que chegou a ser 30% maior durante os dias de  dieta ultraprocessada. Além disso, a velocidade de ingestão, calculada coma a razão entre quantidade de comida consumida e tempo que dura a refeição, foi 50% maior na dieta ultraprocessada, que é mais fácil de mastigar e engolir.  

Devorar a comida nesse ritmo pode não dar tempo para os mecanismos que sinalizam saciedade funcionarem de maneira ideal.

O ganho de peso causado pela dieta ultraprocessada, segundo medições feitas pelos cientistas, também pode ser explicado, em parte, pelo consumo maior de sal. Em excesso o nutriente pode aumentar a retenção de água, aumentando o peso, portanto.

Durante o isolamento exigido pelo estudo as pessoas liam, trabalhavam em projetos, jogavam videogames e assistiam a filmes. Mas também se exercitavam durante uma hora por dia, para evitar o sedentarismo.

Apesar dos bons hábitos, só durante o período em que estavam na dieta não processada houve melhora de alguns parâmetros sanguíneos como a redução da produção de grelina, hormônio responsável pela fome, e aumento do hormônio PYY que dá sensação de saciedade. Também houve redução nos níveis de triglicérides e de colesterol LDL, ambos ligados a doenças cardiovasculares.

O médico e professor da USP Carlos Augusto Monteiro, que coordenou o "Guia Alimentar para a População Brasileira", relata que vários estudos já haviam demonstrado uma associação entre a alimentação baseada em ultraprocessados e o ganho de peso, mas que o novo estudo dos NIH é o primeiro a estabelecer a relação de causalidade.

"Diante deste achado, a necessidade de que existam políticas para restringir o consumo de alimentos ultraprocessados fica ainda mais evidente, como, por exemplo, a proibição da propaganda desses produtos, em particular aquela dirigida a crianças e adolescentes, o aumento de impostos, de modo a desestimular o seu consumo, e a rotulagem frontal com advertências que informem os consumidores sobre o perfil inadequado de nutrientes tão comum nesses produtos", diz Monteiro.

A presença de aditivos e seus supostos malefícios para a saúde, tema de interesse de muitos pesquisadores, como o próprio Monteiro, não foi investigada nesse estudo. Mesmo assim para  o professor da USP não faltam evidências para mudar a políticas de redução de consumo de ultraprocessados. "Sem essas políticas, continuaremos a observar no Brasil o surgimento, a cada ano, de 1 milhão de novos casos de obesidade e de 300 mil novos casos de diabetes, números que vêm sendo mostrados pelo sistema Vigitel do Ministério da Saúde desde sua criação em 2006."

No estudo da Cell Metabolism, Hall e colegas escrevem: "Até que produtos reformulados se disseminem, limitar o consumo de alimentos ultraprocessados pode ser uma maneira efetiva para prevenir e tratar a obesidade." Os autores dizem que os caminhos podem abranger diferentes dietas, sejam elas low-carb (com baixo teor de carboidratos), low-fat (com pouca gordura), baseada no consumo de plantas ou em produtos de origem animal.

João Dornellas, presidente da Abia (Associação Brasileira da Indústria de Alimentos), diz que a classificação de uma alimento como ultraprocessado "não encontra respaldo na ciência e na tecnologia de alimentos".

"O estudo compara duas dietas igualmente desbalanceadas, com tipos de alimentos e bebidas completamente diferentes. O estudo não compara produtos caseiros com alimentos industrializados correspondentes. Por exemplo, um hambúrguer feito em casa com um feito na indústria, o que poderia permitir a avaliação dos efeitos do processamento de alimentos na dieta", afirma o executivo.

Ele diz ainda que a indústria de alimentos estimula a importância do consumo equilibrado, da educação alimentar e da adoção de estilos de vida saudáveis. Segundo a Abia, apenas 10,5% do faturamento do setor vem de da venda de produtos como aperitivos, sobremesas, temperos e outros itens de consumo ocasional.

Nos EUA, mais da metade das calorias consumidas pela população vêm de alimentos processados. No Brasil, esse percentual, segundo Monteiro, é de cerca de 20%. Outro fator a que pesa para os americanos é que lá a comida não processada tende a ser mais cara. No estudo, o custo da dieta não processada foi 50% maior do que a baseada em ultraprocessados. No Brasil, a opção por alimentos não processados tendem a pesar bem menos no bolso -basta ir à feira.

A nutricionista Bianca Naves diz que, por causa dos riscos à saúde, como obesidade e  doenças crônicas, como hipertensão arterial, diabetes e dislipidemia (desbalanço no metabolismo de gorduras), o apelo de limitação no consumo de ultraprocessados deve ser levado em conta, "já que essas são comorbidades custosas para o sistema público de saúde".

"Mas, além da qualidade nutricional, é necessário a avaliação do estilo de vida de cada indivíduo ou de determinada comunidade. A prática de atividade física, o manejo do estresse, a qualidade do sono, são fatores determinantes para a boa saúde. Não é apenas um único fator que determina riscos, e sim, o conjunto deles", diz a nutricionista.

Ministério da Saúde faz parceria com Twitter para divulgar informações sobre vacinação
Foto: Divulgação

O Ministério da Saúde firmou uma parceria com o Twitter para pontencializar informações sobre vacinação. Por meio da rede social, a pessoa que fizer uma busca associada à vacinação receberá uma notificação para acessar conteúdos oficiais do Ministério da Saúde.

 

De acordo com portaria divulgada pelo órgão, a parceria vai facilitar o acesso a informações confiáveis sobre a segurança e eficácia das vacinas e proteger as pessoas contra a propagação de conteúdo não confiável.

 

Chrefe da Assessoria de Comunicação do Ministério da saúde, Renato Strauss reforçou que a ação visa combater o compartilhamento de notícias falsas. "Essa parceria com o Twitter ajuda na estratégia de frear o impulso de compartilhar uma informação antes de verificar a veracidade dela”, avaliou. A novidade já está disponível para iOS, Android e via navegador. 

Campanha para doação de leite materno quer aumentar coleta em 15% no Brasil
Foto: Elza Fiúza / Arquivo / Agência Brasil

A Campanha Nacional de Doação de Leite Materno, lançada nesta sexta-feira (17) pelo ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, tem o objetivo de aumentar a coleta em 15% no Brasil. De acordo com o Ministério da Saúde, atualmente, a quantidade de leite coletado supre apenas 55% da demanda real.

 

O leite materno é importante para ajudar bebês internado em UTIs neonatais a terem uma melhor recuperação e uma vida mais saudável. A depender do peso do recém-nascido, um ml já é o suficiente para nutri-lo a cada refeição.

 

Entre 2008 e 2018, 1,8 milhão de mulheres fez doações de leite materno para beneficiar 2 milhões de recém-nascidos. Os dados são da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (RBLH). Só no ano passado, 215 mil litros de leite humano foram coletados. 

Sexta, 17 de Maio de 2019 - 00:00

Prefeitura estuda construir maternidade, mas esbarra na 'limitação orçamentária'

por Rodrigo Daniel Silva

Prefeitura estuda construir maternidade, mas esbarra na 'limitação orçamentária'
Foto: Mateus Pereira/GOVBA

Promessa do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), na campanha de 2012, a maternidade municipal pode sair do papel. Segundo informou ao Bahia Notícias a Secretaria de Saúde, um projeto para construir a unidade está sendo estudado. No entanto, a proposta pode esbarrar na "limitação orçamentária".

O deputado estadual Alan Sanches (DEM) explica que, no governo do ex-prefeito de Salvador João Henrique, a gestão dos recursos da Saúde de Salvador passou a ser compartilhada com o estado. Com essa medida, 60% hoje do dinheiro da área está com o governo estadual e outros 40%, com o município.

"E isso é um dos motivos que a gente não consegue aumentar o investimento. É essa limitação orçamentária. Já está na hora de Salvador voltar a ter gestão plena dos recursos. Esperamos bom senso do governo", reclamou Sanches, ao argumentar que capital baiana está sendo "prejudicada". Segundo ele, o governo tem usado recursos soteropolitanos para investir também no interior.

Não há detalhes sobre o projeto de construção da maternidade, mas, na campanha, o prefeito prometeu erguer no Subúrbio Ferroviário. Por não cumprir a promessa, o seu principal adversário, o governador Rui Costa (PT), fez duros ataques a ACM Neto (veja aqui). 

Sobre a gestão plena dos recursos, o prefeito e o secretário municipal de Saúde, Luiz Galvão, já cobraram ao governo (veja aqui e aqui). ACM Neto chegou a dizer que não queria "polemizar" o assunto. No entanto, o chefe da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas, não se mostrou muito disposto a atender o pleito municipal (relembre aqui). 

Homem mais rico da China orienta pessoas a fazerem sexo seis vezes seis dias da semana
Foto: Reprodução / Getty Images

O empresário chinês Jack Ma, considerado o homem mais rico da China, sugeriu durante um evento que as pessoas deveriam seguir uma filosofia de vida em que fariam sexo seis vezes em seis dias da semana, que ele chamou de 669. Jack é conhecido no país por aplicar uma outra filosofia famosa: a 996, em que os funcionários de sua empresa trabalham das 9h da manhãs Às 9h da noite seis dias por semana.

 

A sugestão de Jack Ma foi feita durante um casamento coletivo de seus funcionários. “No trabalho, enfatizamos o espírito de 996. Na vida, devemos seguir o 669. Seis dias, seis vezes, com a duração sendo a chave", afirmou o empresário durante a cerimônia, conforme publicado pela revista Vice. A declaração tornou Jack alvo de duras críticas através das redes sociais.

Quinta, 16 de Maio de 2019 - 20:00

Bahia está há 20 anos sem casos de sarampo autóctone

por Jade Coelho

Bahia está há 20 anos sem casos de sarampo autóctone
Foto: Shutterstock

A Bahia não tem um caso de sarampo autóctone, quando o vírus é contraído no mesmo local, há 20 anos. O último registro, segundo a Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), é de 1999, em Salvador. No Brasil o caso mais recente de sarampo autóctone aconteceu em São Paulo, e foi divulgado nesta quinta-feira (16) pela Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa), da Secretaria Municipal da Saúde da capital paulista (SMS).

 

Em 2019, até a semana epidemiológica número 10 (em 23 de março), foram notificados 58 casos suspeitos de sarampo na Bahia, segundo a Sesab. A pasta ainda informou que neste ano não foram confirmados casos da doença. No ano passado o número de notificações somou 425 casos suspeitos de sarampo, sendo confirmados três no município de Ilhéus, associados a um caso importado de Manaus.

 

No mês de fevereiro deste ano o Brasil registrou um caso de sarampo endêmico no Pará, e corre o risco de perder o certificado de erradicação do sarampo. O Ministério da Saúde confirmou o caso em comunicado enviado à Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) (leia aqui). Em março, o Ministério da Saúde anunciou um pacote de ações com o objetivo de garantir, em 12 meses, a recertificação do Brasil como país livre do sarampo (veja aqui).

Sesab emite nota sobre água no estado após reclamações de habitantes
Foto: Reprodução / Correio*

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) emitiu uma nota, nesta quinta-feira (16), sobre os casos envolvendo uma suposta contaminação da água no estado. No texto, a Sesab diz que a responsabilidade pelo monitoramento da qualidade da água é da Embasa e de outros prestadores de serviço de abastecimento da água. Entre esses, estão os Serviços Autônomos de Água e Esgoto (SAAE) e as empresas municipais da abastecimento de água.

 

Nos últimos dias, moradores de Salvador e de outros municípios do estado têm reclamado de ardência nos olhos após contato com a água, além do forte cheiro de cloro, segundo relatos. A informação foi divulgada pelo jornal Correio*.

 

No entanto, a Sesab afirma que, nos municípios que supostamente possuem os maiores índices de contaminação (São Félix do Coribe, Mucugê, Itapetinga, Camaçari, Salvador e Feira de Santana), foram detectadas substâncias que estão abaixo dos valores máximos permitidos pela legislação vigente. Dessa forma, de acordo com o órgão, os resultados não representam ameaça à saúde da população baiana.

 

A justificativa para os altos índices são o uso intensivo de agrotóxicos. A Diretoria de Vigilância Sanitária Ambiental (Divisa) pede ainda que, caso sejam encontrados "valores acima do padrão de potabilidade da água ou presença constante de substâncias", as vigilâncias regionais e municipais devem notificar os prestadores de serviços de abastecimento de água para que tomem providências de melhoria no tratamento do recurso. 
 

Hospital espanhol cria batas que imitam camisas de times de futebol para ala pediátrica
Foto: Divulgação

Batas hospitalares temáticas que reproduzem camisas de clubes de futebol espanhóis foram criadas para crianças internadas em um hospital de Madri, na Espanha. A confecção das batas personalizadas foram feitas a partir de uma parceria entre a unidade de saúde e um veículo de comunicação especializado em futebol.

 

As roupas hospitalares imitam os uniformes de grandes times e até levam números, nome de atletas e patrocínio, segundo o jornal Extra.

 

O projeto se chama "Las batas más fuertes", e a ideia da ação é fazer com que as crianças hospitalizadas percebam a experiência hospitalar como algo que pode ser mais alegre.

Histórico de Conteúdo