Profissionais são selecionados para atuar em hospitais universitários de Salvador
Foto: Jade Coelho/Bahia Notícias

Com salários que variam entre R$ 3.255,32 e R$ 10.350,45, a Rede Ebserh, vinculada ao Ministério da Educação (MEC) está com inscrições abertas para o processo seletivo até segunda-feira (6). A seleção é realizada em caráter emergencial, e é para cadastro reserva de profissionais de saúde em todo o país.

 

Na Bahia os profissionais selecionados vão atuar temporariamente no enfrentamento à Covid-19 nos hospitais universitários da capital. As unidades são: o Universitário Professor Edgard Santos (Hupes) e na Maternidade Climério de Oliveira.

 

Os interessados devem se inscrever através da internet (veja aqui), onde está disponível o edital com todas as instruções e o formulário de inscrição. O resultado da seleção será divulgado na quarta-feira (8).

Domingo, 05 de Abril de 2020 - 13:17

Bahia tem 401 casos confirmados do novo coronavírus, diz Sesab

por Ulisses Gama

Bahia tem 401 casos confirmados do novo coronavírus, diz Sesab
Foto: Jade Coelho / Bahia Notícias

A Secretaria de Saúde da Bahia divulgou no início da tarde domingo (5) uma atualização dos casos de coronavírus no estado. Agora são 401 infectados de acordo com o boletim da pasta. O registro do último sábado apontava 336 casos.

 

Até o momento, 1914 casos foram descartados e houve nove óbitos, sendo sete de residentes em Salvador, um em Utinga e outro em Itapetinga. No total, 63 pessoas estão curadas e 27 estão internadas.

 

A Sesab deve divulgar um novo boletim ainda neste domingo, às 17h.

Domingo, 05 de Abril de 2020 - 12:50

Coronavírus começa a desacelerar em parte da Europa; retomada deve ser lenta

por Ana Estela de Sousa Pinto | Folhapress

Coronavírus começa a desacelerar em parte da Europa; retomada deve ser lenta
Foto: Comune di Veneza / Fotos Publicas

O coronavírus ainda faz novos doentes e provoca mortes todos os dias na Europa, mas esses números diários estão decrescendo em alguns países.

Enquanto parte dos governos estendeu as quarentenas, a redução no contágio faz crescer a discussão sobre como retomar a atividade, paralisada há quase um mês na Itália e há três semanas na maioria dos outros países.

Neste domingo, a Espanha divulgou o menor crescimento de mortes diárias em nove dias: 674 em 24 horas, elevando o total para 12.418. O número de novas infecções subiu 5%, também a menor taxa de crescimento desde o começo da crise.

A Espanha tem neste domingo 130.759 infectados, o segundo maior no mundo, atrás dos EUA. O país entrou em quarentena em 15 de março, 11 dias depois da primeira morte.

Apesar da queda nos novos registros, ainda há hospitais com capacidade de atendimento esgotada, e o governo espanhol renovou as medidas de isolamento até 25 de abril.

Na Bélgica, o número diário de internações em UTIs teve neste domingo sua maior redução: houve 16 novos pacientes internados, o menor número desde 20 de março, quando começaram os registros oficiais.

Em quarentena desde o dia 17 de março, seis dias depois da primeira morte, a Bélgica não enfrentou colapso nos hospitais nesta pandemia. A ocupação dos leitos para cuidados intensivos se manteve em cerca de 50% na última semana, com 1.261 casos graves de Covid-19.

Na Itália, que completa um mês de quarentena na próxima quinta (9), também caiu o número diário de internações em hospitais em UTI. De 1.276 novas entradas diárias em hospitais e 120 novos casos em UTI em 23 de março, passou a 201 internações diárias e 15 casos em UTI na sexta (3).

A desaceleração acontece também em países que têm intensificado o número de testes (o que aumenta o número de confirmações), como a Alemanha. Pelo terceiro dia seguido, houve menos casos confirmados que na véspera.

Do sábado para domingo, foram 5.936 casos confirmados, elevando o total para 91.714, quarto maior número no mundo. Na véspera, o número de casos havia subido 6.082, e, de quinta para sexta, 6.174.

A Alemanha atingiu neste final de semana a capacidade de testar 100 mil pessoas por dia, segundo o instituto de controle de doenças Robert-Koch Institute, um crescimento de 14 vezes em relação ao começo de março. No total, já foram feitos 1,5 milhão de exames para detectar infectados.

A Alemanha prepara agora um programa intensivo de testes para descobrir quem desenvolveu anticorpos contra o coronavírus --o que acontece quando o corpo entra em contato com o patógeno e reage à infecção, derrotando-a.

O Centro Helmhotz de Pesquisa de Infecções (HZI) vai coordenar um estudo com 100 mil participantes, para detectar a presença dos anticorpos.

Em tese, um resultado positivo poderia significar imunidade. "Indivíduos imunes poderiam ter um certificado semelhante ao de vacinação, que os isentasse de restrições em algumas atividades, afirmou o coordenador do estudo, Gérard Krause.

É essa uma das estratégias também do Reino Unido, que vem estudando a ideia de um "passaporte de imunidade", segundo o secretário da Saúde, Matthew Hancock.

O Reino Unido negocia 17,5 milhões testes de anticorpos e tem planos para submeter um quarto da população a eles em meados deste mês, mas a falta de aprovação dos nove diferentes tipos de kits pode atrasar a medida.

O país, porém, entrou em quarentena apenas duas semanas depois de registrada a primeira morte, e ainda registra aceleração no número de casos (47.806 até este domingo) e mortes (4.932 no total).

Há riscos nessa estratégia britânica, segundo cientistas, porque ainda não se sabe com certeza se quem se curou da doença desenvolveu imunidade duradoura.

"Certificados de imunidade podem dar uma falsa segurança, que leve as pessoas a reduzirem cuidados indispensáveis", escreveu a professora de imunologia da Universidade de Edimburgo, Eleanor Riley, no jornal britânico Guardian.

A pressão por um "mapa da retomada" aumentou neste domingo, com declarações do novo líder do Partido Trabalhista, Keir Starmer, em entrevista à rede de TV BBC: "O governo precisa publicar a estratégia de saída do lockdown. O público quer saber quando isso vai terminar".

A volta ao normal não será simples, porém, como mostra preocupação recente do governo da Eslováquia, primeiro país europeu a reabrir parte das lojas, em 28 de março, quando não registrava nenhuma morte por Covid-19.

A Eslováquia adotou confinamento total no dia 12 de março, quando apenas dez pessoas haviam contraído o coronavírus. Foram proibidas viagens, e as fronteiras ficaram abertas apenas para residentes no país. Todos os eventos culturais, esportivos e religiosos foram suspensos, assim como partidas esportivas. O governo eslovaco também proibiu visitas a hospitais e casas de idosos e suspendeu aulas em todas as escolas.

Na última quinta (2), após o registro do primeiro caso fatal no país, o premiê Igor Matovic voltou a cogitar um fechamento mais rigoroso, mas o recuo não tem apoio da oposição.

Na Dinamarca, outro país que mencionou publicamente como retomar as atividades, a primeira-ministra Mette Frederiksen alertou que, quando ela acontecer, será "gradual, suave e controlada".

O país escandinavo foi um dos primeiros a reagir depois que a Itália decretou quarentena, em 9 de março. Dois dias depois, o governo dinamarquês proibiu viagens entre seu país e a Itália, e no dia 14 fechou as fronteiras para todos os não residentes.

Também fechou bares, restaurantes, lojas e suspendeu as aulas em todas as escolas.

Em entrevista em 30 de março, quando havia 2.577 casos confirmados e 77 mortes no país nórdico, Mette disse que reavaliaria as medidas de restrição depois da Páscoa. Neste domingo, o país registra 4.369 casos e 179 mortes.

Domingo, 05 de Abril de 2020 - 12:40

Secretaria da Saúde de Juazeiro confirma mais um caso de coronavírus

por Ulisses Gama

Secretaria da Saúde de Juazeiro confirma mais um caso de coronavírus
Foto: Divulgação

Em nota divulgada neste domingo (5), a Secretaria de Saúde de Juazeiro informou mais um caso do novo coronavírus. Com isso, a cidade soma três pessoas infectadas até o momento. Até o último sábado (2), a Secretaria de Saúde da Bahia registrava dois casos.

 

De acordo com a pasta, "a paciente é do sexo feminino, com histórico de viagem para São Paulo. A mesma está em isolamento domiciliar com sintomas gripais e sem sinais de gravidade. A Secretaria da Saúde através da Vigilância Epidemiológica está acompanhando e orientando a paciente".

 

Juazeiro tem 12 casos suspeitos em análise e 15 já foram descartados. Não há nenhum óbito.

Domingo, 05 de Abril de 2020 - 11:28

Sesab divulga nona morte por coronavírus; paciente era de Salvador

por Ulisses Gama

Sesab divulga nona morte por coronavírus; paciente era de Salvador
Foto: Jade Coelho / Bahia Notícias

A Secretaria de Saúde da Bahia anunciou neste domingo (5) a nona morte por causa do coronavírus. Segundo o órgão, o paciente era um homem de 87 anos, que faleceu na última sexta-feira (3) e teve o resultado do exame divulgado.

 

A vítima fatal da doença sofria com Alzheimer e estava internado em um hospital público de Salvador desde o dia 3 de março, com quadro de insuficiência respiratória. Ele era residente de Salvador.

 

O último boletim da Sesab divulgou que o estado tem 336 casos do novo coronavírus.

Domingo, 05 de Abril de 2020 - 10:20

Popó vai leiloar cinturão do mundial de boxe para comprar cestas básicas

por Ulisses Gama

Popó vai leiloar cinturão do mundial de boxe para comprar cestas básicas
Foto: Reprodução / Instagram

O ex-pugilista Acelino Popó Freitas decidiu leiloar um de seus cinturões de campeão mundial para reverter a renda em cestas  básicas que serão doadas para ajudar em meio à crise do novo coronavírus. Em uma postagem no Instagram, Popó afirmou que o leilão vai ter o lance mínimo de 20 mil reais.

 

"Pessoal, com muito carinho estou fazendo um leilão para um grupo que de empresário. Estou leiloando com o valor mínimo de R$ 20 mil reais para comprar mais cestas básicas para doar. O que pude fazer eu fiz, agora quero que você faça sua parte. Conto com sua ajuda. Não é para mim, é para todos", afirmou.

 

O cinturão a ser leiloado foi conquistado em 12 de janeiro de 2002 na luta contra o cubano Joel Casamayor. A luta valia o título unificado dos título dos super-penas com o campeão mundial da WBA (Associação Mundial de Boxe).

 

 

 

Hospitais de SP usarão plasma de pacientes curados de coronavírus para tratar casos graves
Foto: Divulgação

Os hospitais Albert Einstein, Sírio-Libanês e Universidade de São Paulo foram autorizados pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) para dar início em testes clínicos com plasma de pacientes que já se recuperaram do coronavírus em doentes em estado grave.

 

Hospitais pelo mundo também tem sido autorizados a realizar o procedimento. De acordo com reportagem do jornal O Globo, nos Estados Unidos a agência de vigilância Sanitária, a Food and Drug Administration (FDA), autorizou o tratamento experimental contra a Covid-19 usando plasma de pacientes que já se recuperaram da doença provocada pelo novo coronavírus. Um estudo feito com cinco pacientes graves internados em um hospital da China, usando o mesmo método, já demonstrou eficiência.

 

"Se a terapia funcionar como nós estamos esperando, dentro dos parâmetros que nós estamos esperando, ela deve ser útil para evitar que um grande número de pessoas vá para a UTI. Que é justamente onde está o maior gargalo. Você tem bem menos gargalo, felizmente, na internação comum do que em UTI, porque os números de leitos são bem menores. Então, o objetivo da pesquisa, entre outras coisas, é claramente diminuir o número de pacientes que necessitem de suporte de Terapia Intensiva", disse Luiz Vicente Rizzo, diretor de pesquisa do Hospital Albert Einstein.

Sábado, 04 de Abril de 2020 - 20:40

Contra Covid-19, Guedes defende 'passaporte de imunidade' para retomada da economia

por Thiago Resende e Renato Machado | Folhapress

Contra Covid-19, Guedes defende 'passaporte de imunidade' para retomada da economia
Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil / Reprodução

O ministro Paulo Guedes (Economia) defendeu neste sábado (4) que o governo adquira testes de coronavírus em massa para que, após a fase do isolamento social, pessoas não infectadas pela Covid-19 possam retornar ao trabalho.

Chamada de "passaporte de imunidade", a medida foi apresentada por um empresário da Inglaterra não identificado pelo ministro, mas que ele disse ser seu amigo.

Segundo Guedes, esse empresário seria capaz de fornecer 40 milhões de testes de Covid-19 por mês ao Brasil.

Com isso, a ideia do ministro é fazer o controle do contágio. Se o vírus for descartado no teste, a pessoa poderia ir para o trabalho. Mas, caso seja identificada a contaminação, o "passaporte" não seria concedido e a pessoa ficaria em quarentena, assim como os idosos, que pertencem ao grupo de risco.

Guedes não explicou qual tipo de teste ele se referia nem mencionou haver risco de "falso negativo" --que pode ocorrer em testes rápidos, apontando ausência de contaminação erroneamente. Ele afirmou que apresentou a proposta ao ministro Luiz Henrique Mandetta e ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que ficaram de analisar a ideia.

O ministro participou de videoconferência com representantes do setor de varejo, que cobraram uma previsão do governo sobre quando as atividades do ramo poderiam retornar à normalidade, pois grande parte das empresas está fechada para tentar conter a transmissão do novo coronavírus.

Apesar dos apelos, Guedes não deu uma perspectiva de reabertura do setor. Ele reforçou que, neste momento, o país segue na fase de isolamento social, comandada por Mandetta.

No entanto, o ministro apresentou o projeto do "passaporte da imunidade" como forma de facilitar a retomada da atividade econômica no período final da pandemia.

Para ele, o país tem que estar preparado para enfrentar os efeitos do coronavírus na economia.

Amazonas recorre a contêineres frigoríficos ao temer explosão de casos de Covid-19
Foto: Michel Castro/Rede Amazônica

Com possível explosão de casos do novo coronavírus (relembre aqui), o Amazonas começou a equipar o Hospital Delphina Rinaldi Abdel Aziz, unidade hospitalar referência ao tratamento da doença, com contêineres frigoríficos. Segundo o portal G1, até então, 12 pessoas morreram vítima da Covid-19 no estado. 

 

De acordo com a Secretaria de Saúde do Amazonas (Susam), as estruturas são provisórias, mas atendem aos padrões da Anvisa. Com os contêineres, os corpos serão acondicionados em compartimento refrigerado, evitando a ida deles para o necrotério comum. 

 

Prevendo um colapso do sistema de saúde do Amazonas nos próximos dias, o secretário de Saúde do estado, Rodrigo Tobias, afirmou em coletiva de imprensa, na sexta-feira (3), que não há UTIs suficientes para a possível demanda de novos casos delicados. 

 

O agravamento da situação na capital Manaus foi reforçada pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. O titular da pasta informou que a cidade pode atingir altos índices de infectados e que pode acontecer ascendências rápidas na curva de contágio. 

Sábado, 04 de Abril de 2020 - 19:40

Mandetta participa de live de Xand Avião e insiste em isolamento social

por Ian Meneses

Mandetta participa de live de Xand Avião e insiste em isolamento social
Foto: Reprodução / Instagram

Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta participou de uma live do cantor Xand Avião, neste sábado (4). Por meio de um vídeo enviado para a produção do artista, o titular da pasta insistiu para a prática do isolamento social e agradeceu Xand e artistas como Jorge e Mateus pelas transmissões online. 

 

O alerta para que as pessoas fiquem em casa, medida defendido por Mandetta, tem contrariado o presidente Jair Bolsonaro, que já declarou que vai flexibilizar a abertura do comércio por meio de uma “canetada” em um decreto já pronto. 

 

Xand avião, vale lembrar, foi um dos famosos que foram diagnosticados com o novo coronavírus. O resultado do exame que comprovou a infecção do artista foi divulgado no dia de seu aniversário. Além dele, a esposa, Isabele Temoteo, testou positivo para a doença. O casal, inclusive, esteve em isolamento domiciliar durante todo o período de recuperação (relembre aqui).

 

Confira:
 

Hospital da Bahia anuncia terceira alta de paciente que contraiu Covid-19
Foto: SBPH / Reprodução

O Hospital da Bahia, unidade de saúde privada de Salvador, anunciou a alta hospitalar do terceiro paciente que havia sido infectado com o novo coronavírus. Segundo informações da assessoria, uma senhora de 57, natural da capital baiana, foi quem recebeu a liberação médica.

 

Ela estava internada desde o dia 17 de março e é esposa de um outro paciente que também contraiu o coronavírus. O marido da senhora foi o primeiro a receber alta hospitalar após exames comprovarem que ele também foi curado do novo coronavírus. 



Hospital confirma oitava morte por Covid-19 na Bahia; vítima tinha 55 anos
Foto: Reprodução

Chega a oito o número de mortos pelo novo coronavírus na Bahia. Segundo informações divulgadas pelo Hospital Aeroporto, neste sábado (4), um paciente de 55 anos não resistiu às complicações da doença e faleceu no período da tarde. 

 

A unidade hospitalar, que fica no município de Lauro de Freitas, também informou, na sexta-feira (3), que no local há outro dois pacientes internados com Covid-19. No final da tarde, a Sesab informou em seu último boletim que há 336 pessoas infectadas pelo coronavírus no estado e 63 delas já foram curadas (veja aqui). 

 

Sesab confirma 336 casos positivos de Covid-19 no estado; 63 pessoas estão curadas
Foto: Freepik / Reprodução

Das 336 pessoas que foram diagnosticadas na Bahia com o novo coronavírus, 63 delas já foram curadas pela doença, segundo boletim divulgado pela Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab), na tarde deste sábado (4). Cidades como Adustina, Gandu, Itapetinga, Simões Filho e Uruçuca apresentaram novos casos de infectados. No estado, sete óbitos ocasionados pela Covid-19 foram confirmados até o momento. 

Covid-19 provoca morte de mais 72 pessoas no Brasil; infectados chegam a 10.278
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebon / EBC / Reprodução

Subiu de 359 para 431 o número de mortos após infecção pelo novo coronavírus. De acordo com informações do Ministério da Saúde, disponibilizadas neste sábado (4), foram confirmados 72 óbitos nas últimas 24 horas. 

 

Além disso, de acordo com a Folha de S. Paulo, foram confirmados, até então, 10.278 diagnósticos positivos para doença. O número representa um aumento de 13,5% em relação ao último levantamento de infectados. 

 

Com o maior número de mortes e contaminados, São Paulo concentra 260 óbitos em meio aos 4.466 casos confirmados do novo coronavírus. Em seguida, aparece o Rio de Janeiro com 58 mortos entre os 1.246 casos positivos. O Ceará aparece em terceiro com 22 mortos das 730 pessoas infectadas. 

Sábado, 04 de Abril de 2020 - 17:00

Vacinação para gripe será retomada em Juazeiro na terça-feira

por Glauber Guerra

Vacinação para gripe será retomada em Juazeiro na terça-feira
Foto: Glauber Guerra/ Bahia Notícias

A vacinação contra a gripe em Juazeiro será retomada na próxima terça-feira (7). A informação foi revelada por Pedro Alcântara, coordenador do Núcleo Regional de Saúde Norte do Estado. 

 

“Chegou hoje em Salvador os 15% das vacinas que faltam para a cobertura vacinal de idosos. Nossa equipe já se dirigiu a capital para pegar as vacinas na Central. Por determinação do Governo do Estado, a central estará de plantão amanhã para distribuir as vacinas. Esses 15% que faltaram foi por conta de um cancelamento do voo para Salvador. Na terça-feira a vacinação será retomada em Juazeiro”, disse Alcântara, em entrevista ao Bahia Notícias.

 

A suspensão da vacinação em Juazeiro ocorreu no dia 24 de março, por conta da grande procura. A Prefeitura optou pela interrupção, já que o estoque era pequeno. Diante disso, a gestão municipal decidiu vacinar idosos acamados em suas casas e que já são acompanhados pela Secretaria de Saúde. 

 

Além de Juazeiro, mais 27 municípios da região norte da Bahia receberão as vacinas, entre eles Paulo Afonso, Senhor do Bonfim, Sobradinho, Uauá e Remanso.


Foto: Divulgação

Feira de Santana suspende gratuidade dos ônibus para idosos em horários de pico
Foto: Divulgação

A Prefeitura de Feira de Santana suspendeu temporariamente a gratuidade do transporte público para idosos em horários de pico, bem como pessoas com deficiências ou portadores de enfermidades. O decreto passa a valer a partir de terça-feira (7).

 

Os ônibus só poderão ser utilizado para quem tem o benefício da gratuidade nos períodos entre 8h e 17h e de 19h às 00.

 

De acordo com Saulo Figueiredo, secretário de Transportes e Trânsito (SMTT), o objetivo é diminuir o fluxo de pessoas que fazem parte do grupo de risco para o coronavírus durante os horários de pico no Sistema Integrado de Transporte (SIT).

 

“Comparamos os dados da bilhetagem eletrônica a partir da primeira semana [23 a 27/março] logo após o decreto municipal 11.498 de 20/03/20 (com as medidas para o enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do coronavírus) e, mesmo recomendando aos usuários optarem por horários alternativos, a quantidade de pessoas vulneráveis à pandemia que usam ônibus já representava cerca de 15% do total da demanda do sistema municipal de transporte”, disse o secretário. “A medida vem sendo adotada por inúmeros municípios brasileiros e em alguns casos com restrição total, não sendo a nossa opção. Neste momento, o prefeito Colbert Filho tem como foco preservar a saúde da coletividade”, completou.

Sábado, 04 de Abril de 2020 - 14:10

Bolsonaro pede a primeiro-ministro da Índia continuidade de insumos para cloroquina

por Daniel Carvalho | Folhapress

Bolsonaro pede a primeiro-ministro da Índia continuidade de insumos para cloroquina
Foto: Reprodução/Jovem Pan

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse neste sábado (4) ter pedido ao primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, para que seja mantida a continuidade do fornecimento de insumos para a produção da hidroxicloroquina, medicamento que vem sendo testado no tratamento do coronavírus.

"Neste sábado, em contato com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, solicitei apoio na continuidade do fornecimento de insumos farmacêuticos para a produção da hidroxicloroquina. Brasil e Índia continuarão grandes parceiros pós-crise do coronavírus, e não mediremos esforços na luta para salvar vidas", escreveu o presidente em uma rede social.

Bolsonaro também publicou uma foto em que aparece em uma teleconferência ao lado do ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e assessores no Palácio da Alvorada.

Em uma rede social, Narendra Modi disse ter tido uma longa conversa com o presidente dos EUA, Donald Trump, sobre uma parceria entre Índia e Estados Unidos no combate à Covid-19.

Mais cedo, Jair Bolsonaro foi à internet dizer que havia zerado impostos para hidroxicloroquina e azitromicina, e que, "nos próximos dias", faria o mesmo com o zinco e a vitamina D.

"Todos usados no tratamento de pacientes portadores da Covid-19", disse Bolsonaro.

Medicamentos para tratamento do coronavírus ainda estão sendo testados.

Live solidária de Léo Santana arrecada 40 toneladas de alimentos
Foto: Reprodução/ Instagram

Com o objetivo de espantar o tédio e também de ajudar os mais necessitados em virtude da pandemia do novo coronavírus, o cantor Léo Santana realizou uma live de sua casa com cerca de três horas de duração. O Gigante não deixou ninguém parado. Aproximadamente 1,2 milhão de pessoas assistiram ao show por meio do seu canal oficial no Youtube. Outras 260 mil acompanharam pelo Facebook, enquanto 150 mil ficaram “vidrados” no Instagram. Com os acessos, foram arrecadadas 40 toneladas de alimentos, que serão doados para instituições de caridade, famílias necessitadas e vítimas da Covid-19.

 

A ação social foi idealizada por Léo Santana, que celebrou o sucesso. “Nossa Live foi um sucesso e eu só tenho a agradecer! Obrigado, Deus! Obrigado, meus fãs, meus parceiros e todas as pessoas que curtiram esse momento junto comigo. A união faz a força! Conseguimos! Sensação de dever cumprido”.

 

O show, batizado de “Live Paty Solidária do GG”, contou com um repertório recheado de sucessos de sua carreira, bem como novas canções. Uma delas foi “Figurinha Repetida”, gravada em parceria com Lauana Prado.

 

Sábado, 04 de Abril de 2020 - 13:10

Na França, trens de alta velocidade viram hospitais devido ao coronavírus

por Patricia Pamplona | Folhapress

Na França, trens de alta velocidade viram hospitais devido ao coronavírus
Foto: Reprodução/Travel Magazine

O treinamento para atender vítimas de atentados é colocado em prática na França, desta vez não por terrorismo. Em meio à pandemia de coronavírus, que já contaminou 65.202 pessoas no país e causou 3.605 mortes, socorristas têm utilizado trens para levar pacientes da Covid-19 de hospitais cheios para onde há vagas.

Em 26 de março, o primeiro TGV (trem de alta velocidade, na sigla em francês) medicalizado evacuou 20 pacientes de UTI de Strasbourg para a região da Loire.

"Cada leito que liberamos é um respirador que liberamos, talvez uma vida que salvamos", disse Lionel Lamhaut, socorrista em Paris e encarregado de organizar a missão dos TGV medicalizados ao canal de televisão France 2.

Os vagões são transformados em minisserviços de UTI, com seis profissionais de saúde e um de logística. "É resultado de um trabalho de um ano, que foi idealizado para o exercício de medicina de catástrofe para deslocar pacientes após um atentado", explicou Lamhaut.

Dentro do trem, segundo o socorrista, há um nível alto de cuidados, em que se seguem todos os tratamentos de UTI durante as horas de deslocamento. A rede ferroviária, por sua vez, é quase inteiramente dedicada à missão, afirmou Lamhaut.

"O trem se desloca na mesma velocidade, mas de maneira muito estável e com um alto nível de antecipação e com uma rede que evita frenagens."

A França é o quarto país em número de mortos da Covid-19, atrás de Itália, Espanha e Estados Unidos, e o sexto em número de casos, segundo dados compilados pela Universidade Johns Hopkins.

Desde o início de março, o governo do país tem apertado as medidas de isolamento. Bares, restaurantes, casas noturnas e lojas que não fossem essenciais, como farmácias e mercados, foram fechados. As aulas foram suspensas, e reuniões e passeios familiares, proibidos.

Sábado, 04 de Abril de 2020 - 12:30

Estados podem entrar em fase de aceleração descontrolada do coronavírus

por Natália Cancian | Folhapress

Estados podem entrar em fase de aceleração descontrolada do coronavírus
Foto: Reprodução / Portal O Dia

Passados 37 dias desde a confirmação do primeiro caso de coronavírus no Brasil, a transmissão no país está em fase inicial, mas a alta incidência de casos em quatro estados (São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará e Amazonas) e no Distrito Federal já indica uma transição para fase de aceleração descontrolada nesses locais.

A avaliação consta de novo boletim epidemiológico sobre a doença elaborado pelo Ministério da Saúde e divulgado neste sábado (4).

No documento, antecipado pela Folha de S.Paulo, a pasta faz uma revisão da trajetória do vírus e reconhece gargalos diante de uma possível fase aguda da epidemia, como a falta de testes e leitos suficientes.

Em pouco mais de um mês, o Brasil já soma 9.056 casos do novo coronavírus, com 359 mortes.

Para fazer a análise, o documento aponta quatro fases para a epidemia: localizada, aceleração descontrolada, desaceleração e controle.

A avaliação da pasta é que, em São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará e Amazonas e no Distrito Federal, a taxa de incidência já fica acima da nacional, de 4,3 casos por 100 mil habitantes. No Distrito Federal, já é quase o triplo: 13,2 casos a cada 100 mil habitantes.

Por isso, a pasta reforça a recomendação para que os estados mantenham medidas de distanciamento social. "Este evento representa um risco significativo para a saúde pública, ainda que a magnitude (número de casos) não seja elevada do mesmo modo em todas os municípios", aponta o ministério, que avalia o risco nacional como muito alto.

Um dos principais motivos é a falta de estrutura da rede de saúde. Segundo o documento, a rede atual de laboratórios é capaz de processar 6.700 testes por dia. No momento mais crítico da emergência, porém, serão necessários 30 mil a 50 mil testes por dia.

A pasta diz finalizar parcerias para ampliar a testagem -chegou a anunciar, por exemplo, 22,9 milhões de testes. "No entanto, não há escala de produção nos principais fornecedores para suprimento de kits para pronta entrega nos próximos 15 dias."

Os leitos de UTI e internação também não estão ainda "devidamente estruturados e em número suficiente para a fase mais aguda da epidemia", diz a pasta, que aponta ainda "elevado risco para o SUS".

"E apesar de alguns medicamentos serem promissores, como a cloroquina associada à azitromicina, ainda não há evidência robusta de que essa metodologia possa ser ampliada para população em geral", informa.

Estados que implementaram medidas de restrição de circulação devem mantê-las até que o suprimento de equipamentos e profissionais seja suficiente, conclui o documento.

O texto não traz informações de quando isso deve ocorrer. Afirma, no entanto, que medidas de restrição e distanciamento social têm ajudado a estruturar a rede de saúde "para o período de maior incidência da doença, que ocorrerá dentro de algumas semanas".

Prefeitura aguarda novas doses para continuar vacinação contra gripe em Salvador
Foto: Jefferson Peixoto/ Secom/ PMS

A Prefeitura de Salvador aguarda o repasse de um novo lote de vacinas contra a gripe para continuar a imunização de idosos e trabalhadores de saúde. O estoque do imunobiológico está praticamente zerado.

 

Até o momento, quase 290 mil trabalhadores da saúde foram protegidos contra a gripe na capital baiana, o que representa 82% do público estimado.

 

Vale lembrar que a entrega das vacinas é feita pelo Ministério da Saúde, que recebe as doses dos centros de produção e as distribui para estados e munícipios.

 

“Salvador é a capital brasileira com a segunda maior cobertura de vacinados na campanha contra a influenza, ficando atrás apenas de Belém, no Pará. A implementação dos drives thru nos permitiu proteger um grande número de idosos e ao mesmo tempo evitar aglomeração de pessoas que é terminantemente contraindicado nesse período. Nesse momento, estamos aguardando o repasse das doses para retomarmos a estratégia no município”, disse Doiane Lemos, subcoordenadora de Doenças Imunoprevíneis.

Sábado, 04 de Abril de 2020 - 11:30

'Tempestade inflamatória' ajuda a explicar mortes pela Covid-19

por Phillipe Watanabe | Folhapress

'Tempestade inflamatória' ajuda a explicar mortes pela Covid-19
Foto: Reprodução

Uma espécie de tempestade inflamatória provocada pela Covid-19 em diversos órgãos ajuda a explicar as mortes provocadas pela doença, que até agora ceifou mais de 300 vidas no Brasil e cerca 60 mil no mundo.

As mortes pela infecção pelo Sars-CoV-2 são, de modo geral, ligadas à síndrome respiratória aguda grave. Isso pode ser traduzido como grandes áreas de inflamação e edemas no pulmão, ou seja, o órgão fica inchado e começa a sofrer acúmulo de água. O líquido no tecido pulmonar dificulta trocas gasosas e, consequentemente, a respiração.

"É como se fosse um afogamento", diz Décio Diament, consultor da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia) e infectologista no Instituto de Infectologia Emílio Ribas e no Hospital Sírio-Libanês.

Mesmo que a principal causa de morte pela Covid-19 seja a insuficiência respiratória, causada pela lesão pulmonar provocada pelo vírus, o pulmão não é o único órgão a ser afetado. Pesquisadores descobriram que o vírus se aproveita de uma proteína (a ACE-2, em inglês, ou ECA-2, em português) na membrana das células para fazer a invasão. Essas proteínas também estão presentes em células do coração, dos rins e até no intestino, o que quer dizer que o Sars-CoV-2 também pode se instalar nesses órgãos.

Segundo Luciano Drager, diretor científico da Socesp (Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo), há indícios de lesão no músculo cardíaco, que, inflamado (miocardite), tem sua função piorada, o que, consequentemente, pode levar a arritmias.

Por isso, a infecção é mais preocupantes e mais letal em quem tem doenças cardíacas prévias. Basicamente, o órgão é mais suscetível a um quadro mais grave e tem menos defesas para suportar o ataque, diz Drager.

O mesmo vale para idade. Conforme o tempo passa, além da imunidade ficar mais fragilizada, os órgãos acumulam história, quilometragem. O pulmão fica com função reduzida, o coração se torna mais rígido e há declínio de função renal. "É o mesmo que ocorre com a nossa visão, que vamos perdendo", afirma o diretor científico da Socesp.

Além de pessoas com cardiopatias e pneumopatias, os diabéticos têm apresentado números elevados de mortes. "O risco para diabéticos que se internam por qualquer problema já é maior, principalmente em doenças infecciosas", diz Simão Lottenberg, endocrinologista da Unidade de Diabetes do HC da USP e do Hospital Israelita Albert Einstein.

Hipertensão e outros problemas de saúde também são mais comuns em pessoas com diabetes, o que pode elevar ainda mais o risco de morte.

Tudo isso que ocorre em nível macro tem início nas tentativas de defesa celular do corpo contra o Sars-CoV-2. Quando as células percebem a invasão, uma das estratégias de combate é a autodestruição celular para evitar a multiplicação do vírus.

As células de defesa também tentam barrar o vírus fagocitando as células que têm proteínas estranhas, produzidas quando os vírus já sequestraram o maquinário celular.

Além disso, há as células que, sequestradas, replicam o vírus até morrerem e liberarem os invasores.

Todo esse cenário bélico de sequestro e destruição celular causa uma forte resposta de defesa no corpo, o que explica a inflamação nos diferentes órgãos afetados pelo novo coronavírus.

Os alvéolos pulmonares, essenciais para a respiração, são uma das vítimas da destruição que o vírus provoca. Quando há grande perda de alvéolos, a pessoa entra em insuficiência respiratória aguda e precisa de ajuda de máquinas para respirar.

Com a ampla inflamação em processo nos órgãos afetados, o metabolismo aumenta, há descargas de adrenalina e o coração bate mais rapidamente e sofre mais, principalmente nos indivíduos com problemas prévios no órgão.

Em caso de diabetes, há estudos antigos, não relacionados ao novo coronavírus, que mostram relação entre a glicose e a replicação de vírus em células pulmonares e uma piora na função pulmonar ligada à hiperglicemia.

Em quadros infecciosos, há ainda liberação de hormônios de estresse na circulação, que, por sua vez, bloqueiam a ação da insulina. "Isso faz com que o controle da glicemia seja mais difícil", diz Lottenberg. "A natureza previu o estresse, mas não o diabetes."

Em determinado momento a própria resposta inflamatória exacerbada, na defesa contra o coronavírus, torna-se prejudicial para o paciente. "A própria hiper-resposta acaba danificando os tecidos", diz Lottenberg.

"Tudo isso sobrecarrega muito o indivíduo. É um estresse sistêmico", completa Drager.

Por fim, varia de pessoa para pessoa como o corpo conseguirá reagir à invasão do vírus. "Você tem um espectro desde pessoas sem sintomas até o indivíduo que vai morrer. Isso é determinado por vários fatores, mas o principal é a capacidade de responder ao vírus", diz Diament.

 Caixa lançará aplicativo na terça e anuncia detalhes para cadastro em renda emergencial
Foto: Glauber Guerra/ Bahia Notícias

A Caixa Econômica Federal vai lançar um aplicativo a partir da próxima terça (7) que irá permitir o cadastramento das pessoas para receberem a renda básica emergencial, de R$ 600 ou de R$ 1200, no caso, de mães solteiras.

 

De acordo com o banco, o próprio aplicativo irá identificar se o trabalhador cumpre os requisitos exigidos pela lei para o recebimento do auxílio financeiro.

 

Só precisarão se inscrever no aplicativo microempreendedores individuais (MEI), trabalhadores que contribuem com a Previdência Social como autônomos e informais que não estejam inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. Caso a pessoa esteja inscrito no cadastro único, o aplicativo avisará no momento em que ele digitar o número do CPF.

Bahia registra 7ª morte por coronavírus neste sábado em Itapetinga; vítima tinha 28 anos
Foto: Reprodução / G1

O coronavírus fez sua sétima vítima fatal na Bahia, na manhã deste sábado (4). É a segunda morte do interior do estado, dessa vez em Itapetinga. Se trata de uma mulher de 28 anos, que tinha ido ao município realizar uma cesária.

 

Segundo o boletim da Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), ela teve alta e, sete dias após o parto, apresentou quadro de insuficiência respiratório, tendo sido internada em um hospital público do município. A vítima morava em Trancoso, distrito de Porto Seguro.

Sábado, 04 de Abril de 2020 - 09:30

Mesmo com evidência frágil, ministério estenderá uso de cloroquina a pacientes graves

por Natália Cancian e Renato Machado | Folhapress

Mesmo com evidência frágil, ministério estenderá uso de cloroquina a pacientes graves
Foto: Reprodução / UFRGS

Mesmo sem estudos conclusivos, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse nesta sexta-feira (3) que o governo vai recomendar a ampliação do uso de cloroquina em pacientes diagnosticados com o novo coronavírus.

Segundo Mandetta, a recomendação de uso também será estendida para pacientes com quadro grave --antes, valia apenas para aqueles com quadro considerado crítico, internados em CTIs (centros de tratamento intensivo).

A mudança na recomendação ocorre após a pasta ter acesso a um estudo preliminar sobre os efeitos da cloroquina --remédio indicado para tratamento de malária, lupus e artrite-- em pacientes com Covid-19. O material foi encaminhado à publicação na revista New England Journal of Medicine.

Na quinta, o ministro disse que o estudo apontava que a "ciência começava a achar um caminho".

Já nesta sexta afirmou que "o paper publicado no New England é muito frágil". Ainda assim, afirmou que a pasta iria ampliar o uso compassivo como forma de ampliar estudos.

"A gente divide os pacientes em formas leves, graves e críticos. Nós estávamos adotando para os críticos. Vamos adotar também para os graves, que são aqueles que vão para o hospital, mas ainda não necessitando de CTI, mesmo que as evidências sejam frágeis, para que os médicos tenham a opção na farmacopeia pública."

Segundo Mandetta, a decisão ocorreu após análise da pasta com médicos sobre o tema na noite de quinta-feira (2).

A possibilidade de uso da cloroquina vem sendo defendida pelo presidente Jair Bolsonaro, que chegou a se reunir com médicos nesta semana em busca de informações sobre o medicamento. O ministro da Saúde não foi convidado para o encontro.

Em entrevistas, Mandetta costuma afirmar que o medicamento não é uma panaceia e que o uso em pacientes com quadro crítico e internados com Covid-19 ocorrerá de forma experimental.

Ele também tem alertado sobre os riscos, como arritmia, em caso de uso do medicamento sem indicação e acompanhamento médico.

Hospitais privados dizem a Toffoli que equipamentos estão sendo esgotados pelo governo
Foto: Reprodução / Wareline

A Associação Nacional dos Hospitais Privados (Anahp) e outras entidades de instituições de Saúde e laboratórios afirmaram ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça, Dias Toffoli, que requisições de governos e decisões da Justiça do Trabalho estão contribuindo para esgotar seus equipamentos e insumos. Pedem que o ministro adote medida para requisições administrativas de seus itens só sejam feitas após não haver outra saída para a Administração Pública.

 

As entidades ainda pedem a Toffoli que adote medidas para que a Justiça do Trabalho passe a evitar decisões judiciais que destinem equipamentos de prevenção ao contágio do coronavírus a profissionais que não estão na linha de frente da Saúde. O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, já tinha negado transferir a administração de todos os leitos particulares do Brasil para o Sistema Único de Saúde (reveja aqui).

 

A requisição administrativa é uma medida prevista em lei para que o Poder Público se aproprie de bem privado em situações de urgência. Usualmente, se houver dano, o Estado deve indenizar o alvo da medida. Governos têm adotado esse tipo de solução para pedir a entes privados equipamentos na área da Saúde, com o fim de destiná-los a hospitais públicos e agentes do SUS, segundo o Estado de São Paulo. 

 

Os pedidos foram feitos durante videoconferência liderada pela Anahp com o ministro. “O objetivo foi solicitar uma intervenção imediata do STF para evitar os abusos de autoridade na requisição  de materiais essenciais para a assistência à saúde, para evitar que por falta de equipamentos de proteção individual profissionais sejam contaminados e afastados do trabalho e o atendimento a pacientes seja impactado por falta de equipamentos, de insumos hospitalares e de ventilação e monitoramento”, afirma a entidade, que representa 122 hospitais privados.

 

O presidente da entidade, Eduardo Amaro, destacou que o setor sofre com a incerteza sobre o fornecimento destes materiais, necessários para a continuidade da prestação de serviços durante s pandemia de Covid-19.

 

“As dificuldades de suprimento do setor hospitalar são grandes. Por exemplo, são necessários EPIs para proteger as pessoas que estão na assistência . Acredito que, com essa reunião, compartilhamos um pouco dessa experiência para que as eventuais requisições sejam feitas dentro de uma visão sistêmica, balizamento adequado e de forma fundamentada e menos gravosa possível”, afirma.

 

As entidades também reclamam, em ofício ao presidente do STF, de decisões da Justiça do Trabalho.

 

“Mesmo com a demanda cada vez maior por EPI’s (e com a oferta cada vez mais comprometida), também nos deparamos com decisões proferidas pelo Judiciário Trabalhista, em sede de ações coletivas, em que é determinado ao estabelecimento hospitalar que forneça tais materiais e equipamentos a outros profissionais que não os de saúde, e que sequer militam diretamente com os enfermos, tais como agentes de portaria, porteiro, segurança ou cargos correlatos, em prazos mínimos (24 ou 48 horas), sob pena de vultosas multas”, afirmam.

Câmara dos Deputados aprova PEC que cria 'orçamento de guerra' para pandemia
Foto: Reprodução / Agência Brasil

A Câmara dos Deputados aprovou nesta sexta-feira (3) a proposta de emenda à Constituição que cria um orçamento paralelo, chamado de "orçamento de guerra", para destinar recursos exclusivos às medidas de combate ao novo coronavírus.

 

Somente o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e alguns deputados compareceram ao plenário. A maior parte participou por meio de videoconferência e registrou o voto em um aplicativo eletrônico, de acordo com o G1.

 

Durante a sessão, o Psol apresentou um destaque (sugestão de alteração da proposta) para retirar a possibilidade de o Banco Central comprar e vender títulos de crédito privado público e privado sem intermédio de terceiros, mas a alteração foi rejeitada por 388 deputados.

 

O objetivo é segregar do Orçamento-Geral da União os gastos emergenciais que serão feitos para enfrentar a doença e, assim, não gerar impacto de aumento de despesa em um momento de desaceleração da economia do país.

 

O “orçamento de guerra” vai vigorar durante o estado de calamidade pública, que já foi aprovado pelo Congresso e tem validade prevista até o dia 31 de dezembro deste ano.

 

O texto permite que o governo gaste os recursos sem as amarras aplicadas ao orçamento regular, como a regra de ouro – que está na Constituição e proíbe o governo de contrair dívidas para pagar despesas correntes, como salários.

 

Essa regra, assim como as restrições da Lei de Responsabilidade Fiscal, não será aplicada ao orçamento de guerra. Sem esses gatilhos de austeridade, o governo consegue prever gastos maiores e mais rápidos para responder às demandas do sistema de saúde.

 

O Palácio do Planalto chegou a alegar que dependia da aprovação da PEC para fazer o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 aos trabalhadores informais. O argumento do governo era de que, sem garantia constitucional, abriria margem para questionamentos judiciais.

 

A avaliação mudou, e o auxílio foi publicado no "Diário Oficial da União" desta quinta (2), junto com uma medida provisória abrindo crédito para os R$ 98 bilhões necessários para os três meses de auxílio.

 

Quando chegar ao Senado, o texto também precisará ser votado e aprovado em dois turnos. A PEC não vai à sanção do presidente, é promulgada pelo próprio Congresso. A PEC aprovada também prevê a criação de um um “Comitê de Gestão da Crise”, que terá a responsabilidade de contratar pessoal, obras, compras e ações.

 

O colegiado será presidido pelo presidente da República e integrado por: ministros da Secretaria-Geral da Presidência da República, da Saúde, da Economia, da Cidadania, da Infraestrutura, da Agricultura e Abastecimento, da Justiça e Segurança Pública da Controladoria-Geral da União e da Casa Civil; dois secretários estaduais de Saúde, dois de Fazenda e dois da Assistência Social, escolhidos por conselhos nacionais e sem direito a voto; dois secretários municipais de Saúde, dois de Fazenda e dois da Assistência social, escolhidos por representantes de entidades dos setor e sem direito a voto.

 


Ao longo das discussões entre os partidos para construir a proposta, a composição do colegiado foi um dos pontos mais alterados. Em uma das primeiras minutas, o colegiado seria presidido pelo ministro da Saúde e não teria a participação do presidente da República.

 

Na versão final, ficaram de fora o ministro da Secretaria de Governo e representantes da Câmara, do Senado, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e do Tribunal de Contas da União (TCU).

 

Além disso, o relator permitiu que o presidente altere os ministérios que compõem o conselho – sem poder, no entanto, aumentar ou diminuir a quantidade de membros.

Município do interior de MG decreta toque de recolher contra novo coronavírus
Foto: Reprodução / Instagram

A prefeitura de Aiuruoca, interior de Minas Gerais, decretou toque de recolher como medida de prevenção à propagação do novo coronavírus. A decisão, que proíbe a circulação e permanência de pessoas em vias públicas entre 20h e 4h, foi assinada pelo prefeito Paulo Roberto Senador. A cidade tem 6 mil habitantes, segundo dados de 2019 do IBGE. 

 

O decreto ainda determina "o fechamento de todos os comércios, exceto serviços de delivery autorizados pelo município", segundo o UOL. As exceções à proibição de circulação são os profissionais de saúde e segurança pública, além de cidadãos em casos de emergência. 

 

A decisão também restringiu os veículos "com ocupantes provenientes de outras cidades". Para entrar na cidade será preciso comprovar residência. A exceção no decreto libera veículos de transporte de alimentos, equipamentos medicinais e outros serviços essenciais.

 

Parentes de moradores do município também precisam comprovar com documentos os laços familiares para entrar na cidade. O decreto fechou todos os pontos turísticos de Aiuruoca.

Itapetinga tem primeira caso da Covid-19 confirmado após morte de infectada
Foto: Reprodução / G1

A cidade de Itapetinga teve o primeiro caso do novo coronavírus confirmado nesta sexta-feira (3). O teste foi realizado no Laboratório Central (Lacen), após a  vítima dar entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), na última quarta-feira (1), e falecer. Rafaela de Jesus Silva de 28 anos tinha quadro de insuficiência respiratória, fortes dores de cabeça e febre. 

 

Diante do quadro grave e do óbito repentino, a Secretaria Municipal de Saúde fez a coleta do material para teste de COVID-19 e encaminhou para o Lacen, que confirmou o diagnóstico de Coronavírus nesta sexta-feira (3), segundo o Blog Sudoeste Hoje.
 

Sexta, 03 de Abril de 2020 - 22:00

Coronavírus faz Prefeitura de São Paulo aumentar em 55% frota de veículos funerários

por Rogério Pagnan | Folhapress

Coronavírus faz Prefeitura de São Paulo aumentar em 55% frota de veículos funerários
Foto: Reprodução / Folha Metropolitana

A expectativa de um aumento significativo do número de vítimas do novo coronavírus ainda neste mês de abril levou a Prefeitura de São Paulo a ampliar em 55% a frota de veículos para transporte de corpos, de 36 para 56 carros funerários.

Também serão contratados emergencialmente 220 novos coveiros para atender os 22 cemitérios públicos espalhados pela capital paulista.

Esse batalhão de novos funcionários vai suprir uma baixa significativa na equipe atual, devida a afastamentos preventivos, e, ainda, conseguir ampliar a capacidade a média diária de sepultamentos na cidade de São Paulo.

De acordo com dados da gestão Bruno Covas (PSDB), a capital tem 257 sepultadores, dos quais 152 deles foram afastados no mês passado por integrarem o grupo de risco --pessoas com mais de 60 anos ou com doenças como diabetes e hipertensão.

A nova equipe assumiu os trabalhos na última segunda-feira (30), em contrato com empresa especializada pelo prazo de seis meses, ao custo de R$ 9 milhões.

Ainda segundo a prefeitura, o Serviço Funerário Municipal realiza, em média, cerca de 250 sepultamentos ao dia na capital. No inverno, essa média sobre para cerca de 340 sepultamento. Isso se deve ao fato de que na estação crescem as doenças e complicações respiratórias.

De acordo com o município, dez dos novos veículos funerários serão destinados exclusivamente para o transporte de corpos de vítimas da Covid-19, ou daqueles em que se suspeite que tenham morrido da doença.

Também haver uma operação especial para higienização desses veículos ao final de cada turno de trabalho. Serão utilizados detergente, água sanitária e cloro. Todos os funcionários utilizarão equipamento de proteção individual,.

Segundo dados da prefeitura, para todo o serviço funerário foram adquiridos 4.300 macacões, 5.000 embalagens especiais para corpos, cerca de 70 mil luvas e quase 100 mil máscaras.

Nos cemitérios particulares existentes na Grande São Paulo e restante do estado, o número de sepultamentos não teve alterações significativas e, por isso, ainda não houve amploações, segundo o Rogério Cellino, diretor-jurídico do SemCesp (Sindicato dos Empregados em Cemitérios e Funerárias do Estado de São Paulo).

De acordo com ele, as principais mudanças foram, até agora, as determinadas pelos órgãos de saúde e vigilância sanitária.

Os enterros estão durando entre 10 minutos e 60 minutos, com a menor quantidade de pessoas possível. No caso de mortes associadas a complicações respiratórias, os caixões são lacrados e colocados ao ar livre.

"Tem toda uma preocupação [da categoria], mas nada a ponto de suspender os trabalhos. Nós não podemos parar", disse Cellino.

No Estado de São Paulo, há 240 cemitérios particulares e cerca de 3.000 coveiros em atividade.

Procurada para comentar o assunto, a Prefeitura de São Paulo afirmou que as informações complementares sobre o serviço funcionário deveriam ser requisitadas ao secretário das Subprefeituras, Alexandre Modonezi, O secretário, no entanto, não estava disponível para atender à reportagem nesta sexta (3).

Histórico de Conteúdo