Sexta, 17 de Agosto de 2018 - 07:10

Governo argentino ganha autorização para produzir medicamento abortivo

por Sylvia Colombo | Folhapress

Governo argentino ganha autorização para produzir medicamento abortivo
Foto: Getty Images

Mesmo com o projeto de lei que aprovaria o aborto até a 14ª semana de gestação derrubado pelo Senado no último dia 9, o governo argentino vêm atuando para fazer com que o recurso esteja cada vez mais acessível e com menos riscos para a mulher.

Como o tema só poderá ser levado novamente ao Congresso no início do novo ano parlamentar, em março de 2019, novas medidas sugerem uma intenção clara do Executivo em concretizar a legalização mais rápido do que se esperava.

Primeiro, o Executivo anunciou que enviaria, junto com a proposta de reforma do Código Penal, ainda neste mês, a despenalização da interrupção ilegal da gestão. Ou seja, apesar de continuar sendo proibido -a não ser nos casos de risco de morte da mãe e estupro-, o novo código derrubaria as penas de até quatro anos a que as argentinas estão sujeitas ao fazerem abortos clandestinos.

Agora, a ANMAT (Administração Nacional de Medicamentos, Alimentos e Tecnologia Médica), órgão ligado ao Ministério da Saúde que regulamenta a produção e venda de remédios, acaba de anunciar que obteve permissão para a fabricação do misoprostol para uso apenas ginecológico.

O medicamento é usado na prevenção e tratamento de úlcera e, dependendo da dose, provoca o aborto.

A droga, assim, poderá ser vendidas em hospitais, farmácias por enquanto estão de fora, sob autorização de um médico, que também será responsável por administrar o medicamento. 

Ele não será fabricado em forma de comprimidos -o medicamento introduzido no aparelho genital feminino.

Para que seja usado sem esbarrar nas proibições legais, o laboratório e os hospitais ginecológicos que quiserem aplicá-lo vão usar brechas na lei sobre o risco de morte e à saúde mental da mulher.

A medida só foi adiante porque o ministro da Saúde, Adolfo Rubinstein, é a favor da legalização do aborto. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o uso do misoprostol é o modo mais seguro de provocar um aborto, ainda mais se administrado com assistência médica.

A iniciativa de produzir a nova medicação com fins apenas abortivos nasceu porque o medicamento atualmente existente, que muitas mulheres usam para abortar, é na verdade é uma mistura de misoprostol com diclofenac, mais focado nas dores estomacais, o que torna o processo muito mais doloroso.

O novo medicamento está sendo produzido pelo laboratório Domínguez.

As manifestações pró e contra o aborto seguem no país. Na última semana, uma mulher de 34 anos foi hospitalizada e morreu após tentar abortar em casa. As meninas e mulheres com seus lenços verdes (pró-lei do aborto), então, voltaram a sair às ruas e seguem organizando atos.

Já seus opositores vêm fazendo grande campanha virtual com hashtags como #ComAbortoNoTeVoto, que também se multiplica em cartazes pela cidade, em tom de ameaça de não apoiar a reeleição do presidente Mauricio Macri no ano que vem caso o aborto vire lei. O jornalista e ativista Mariano Obarrio, anti-aborto, vem acusando o governo de usar subterfúgios para driblar o projeto derrubado pelo Senado.

Plano de saúde deve ressarcir transexual que custeou mastectomia
Foto: Reprodução / Migalhas

O juiz da 42ª vara Cível Central de São Paulo, André Augusto Salvador Bezerra, condenou uma operadora de plano de saúde a ressarcir os valores gastos por um segurado transexual que passou por cirurgia de mastectomia bilateral.


A operadora negou cobrir os gastos da cirurgia por entender que se tratava de um procedimento de cunho estético. O segurado ingressou uma ação na Justiça requerendo o ressarcimento dos valores gastos com o procedimento.


Ao analisar o caso, o juiz André Augusto pontuou que a condição do autor não se trata de um problema estético e nem de um problema mental, como definia a Organização Mudnial da Saúde (OMS) até junto deste ano, mas sim de uma questão de saúde sexual e dignidade.


O juiz ainda reconheceu a "incongruência de gênero" do autor e salientou a diferença entre os termos "sexo" e "gênero" para fundamentar sua decisão.


De acordo com o Migalhas, a operadora foi condenada a restituir o valor de R$ 78.935,00 pago pelo segurado para custear o procedimento, com juros de 1% ao mês a partir da citação.

Seminário Recrudescimento de Doenças Imunopreveníveis será debatido no ISC
Foto: Reprodução / INCT

O Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC) vai sediar nesta sexta-feira (17), seminário para discussão das baixas coberturas vacinais e ameaças de retorno de doenças que já haviam sido controladas no Brasil, como sarampo, tétano, coqueluche e difteria. O encontro será realizado na sede do ISC, no Canela, às 10h.


Serão debatidas questões como a resistência de grupos da população às vacinas e os investimentos em modernizações de laboratórios públicos, além da produção de medicamentos, organização de estados e municípios para realizar as ações de vacinação.


O evento contará com a presença do pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Akira Homma, e da coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues.

Medida provisória dispõe linha de crédito de R$ 4 bi para santas casas
Foto: Reprodução / Ideal MT

O presidente Michel Temer assinou nesta quinta-feira (16) uma medida provisória que cria linha de crédito com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para as santas casas e hospitais filantrópicos. Segundo o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, será disponibilizado o limite de 5% do orçamento anual do FGTS, o que em 2018 corresponde a cerca de R$ 4 bilhões. Com a linha de crédito, as entidades poderão refinanciar dívidas e viabilizar novos investimentos. 


De acordo com o presidente da Confederação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos, Edson Rogatti, as instituições enfrentam uma dívida de cerca de R$ 20 bilhões. O prazo para pagamento do financiamento é de 10 anos, sem carência. O Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) serão os operadores. 


Segundo a Agência Brasil, atualmente as santas casas e hospitais filantrópicos respondem por mais de 50% dos atendimentos ambulatoriais e de internação do SUS.

Quinta, 16 de Agosto de 2018 - 17:10

Overdoses causaram 72 mil mortes nos EUA no ano passado

Overdoses causaram 72 mil mortes nos EUA no ano passado
Foto: Agência Brasil

Estimativas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) apontam que 72 mil norte-americanos morreram devido às overdoses por drogas no ano passado. O número supera a mortalidade por HIV, acidentes de carro e armas de fogo.

 

Analistas acreditam, segundo o jornal O Globo, que o uso crescente de opioides e o aparecimento de drogas mais fatais contribuíram para o aumento. 

 

"Por ser uma epidemia de drogas, não de uma doença infecciosa como a zika, a resposta é mais lenta", avaliou Dan Ciccarone, professor da Universidade da Califórnia, em São Francisco, especialista em estudos sobre o mercado de heroína. "Por causa das forças do estigma, a população é relutante em procurar ajuda. Eu não espero uma recuperação rápida", acrescentou.

 

Nos últimos anos, opioides sintéticos, como fentanil, passaram a ser misturados a cargas de heroína, concaína, metanfetamina e medicamentos ansiolíticos, como Rivotril e Lexotan. O fentanil pode ser produzido em laboratório e tem transporte mais fácil, já que é concentrado.

Eventos adversos graves matam 6 pessoas por hora no Brasil, aponta levantamento
Foto: Agência Brasil

A cada hora de 2017, o Brasil registrou seis mortes decorrentes de eventos adversos graves, ou seja, ocasionadas por erros, falhas assistenciais, processuais, infecções ou outros fatores. Os dados foram revelados no 2° Anuário da Segurança Assistencial Hospitalar no Brasil, produzido pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) e pelo Instituto de Pesquisa Feluma, da Faculdade Ciências Médicas de Minas Gerais.

 

Entre os eventos adversos graves que ocorrem com mais frequência estão a infecção generalizada (septicemia), pneumonia, infecção do trato urinário, infecção do sítio cirúrgico, as complicações com acessos, os dispositivos vasculares e outros dispositivos invasivos, lesões por pressão, erro no uso de medicamentos e complicações cirúrgicas como hemorragia e laceração.

 

Segundo a Agência Brasil, o anuário tem o objetivo de mensurar os problemas assistenciais e gerenciais que acontecem nas estruturas de saúde do Brasil, para sugerir medidas de aperfeiçoamento do sistema. Entre os principais eventos adversos graves, o documento apontou que cinco não contam com qualquer programa de prevenção ou combate, tanto no Sistema Único de Saúde (SUS) quanto na rede privada: parada cardiorrespiratória prevenível; insuficiência renal aguda; aspiração pulmonar; hemorragia pós-operatória e insuficiência respiratória aguda.

 

"Os eventos adversos são inerentes a qualquer serviço de saúde, mesmo nos melhores e mais sofisticados sistemas do mundo. Não se trata, portanto, de buscar culpados, mas, de propor medidas que enfrentem o problema. Por isso, propomos agenda focada em investimentos em processos e controles e em políticas públicas de qualidade assistencial e de segurança do paciente", afirmou um dos responsáveis pelo anuário, professor da Pós-graduação da Faculdade Ciências Médicas de Minas Gerais e diretor do IAG Saúde, Renato Couto.

 

Segundo os dados do anuário, em todo o sistema hospitalar do país 54.760 mortes foram causadas pelos eventos adversos graves, das quais 36.170 poderiam ter sido evitadas. De acordo com o superintendente executivo do IESS, Luiz Augusto Carneiro, é preciso avançar em uma agenda de transparência do sistema de saúde para que os usuários possam fazer escolhas melhores.

 

A pesquisa foi feita com base em uma amostra de 456.396 pacientes internados em hospitais da rede pública e privada ao longo de 2017. Os dados foram coletados junto a instituições localizadas em municípios de grande porte e com IDH acima da média nacional.

Quinta, 16 de Agosto de 2018 - 13:10

EUA confirmam 107 casos de sarampo em 2018

EUA confirmam 107 casos de sarampo em 2018
Foto: Shutterstock

Os Estados Unidos confirmaram, até 14 de julho deste ano, 107 casos de sarampo. De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), a doença atinge 21 estados do país.

 

O número já se aproxima do total de casos registrados em 2017 (118). Ainda assim, segundo o G1, o recorde nos EUA aconteceu em 2018, quando foram registrados 667 casos em 27 estados.

 

Sobre este ano, o governo norte-americano informou que a maioria dos infectados não tomou a vacina contra sarampo. Autoridades acrescentaram que a doença foi levada para o país por viajantes da Europa, Ásia, Pacífico e África, onde também são registrados casos.

A 15 dias do fim da campanha, Salvador só vacinou 3% de crianças contra pólio e sarampo
Foto: Agência Brasil

A 15 dias do fim da Campanha Nacional de Vacinação contra Poliomielite e Sarampo, Salvador imunizou aproximadamente 3% do público-alvo. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), até esta quarta-feira (15), foram aplicadas 4.632 doses contra pólio (3,4%) e 4.471 contra sarampo (3,3%). A campanha foi iniciada no último dia 6 e vai até 31 de agosto.

 

A meta da capital baiana é vacinar 95% do total de 134 mil crianças com idade de um a cinco anos incompletos. Em nota, a SMS ressaltou que, com o fim da paralisação dos servidores, a imunização está disponível nas 125 salas de vacina da rede, que funcionam de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

 

No próximo sábado (18), a oferta será ampliada com o Dia D de vacinação. A vacina será oferecida também em pontos estratégicos, como supermercados, shoppings e escolas. Além da proteção contra a pólio e sarampo, a estratégia tem como objetivo atualizar a caderneta de vacinação das crianças, como a aplicação da segunda dose contra a influenza que deve ser administrada 30 dias após o recebimento da primeira.

 

Apesar de não haver nenhum registro na Bahia, o Ministério da Saúde já confirmou mais de 1,2 mil casos, principalmente nos estados do Amazonas e Roraima (veja aqui).

Quinta, 16 de Agosto de 2018 - 11:30

Dica Hammer: Tenho hérnia de disco, posso treinar?

Dica Hammer: Tenho hérnia de disco, posso treinar?
Foto: Divulgação

A hérnia de disco é uma patologia que hoje acomete muitas pessoas, trazendo incômodo, dor e muitas vezes impossibilitando a prática de atividade física. Mas será que uma pessoa portadora de hérnia de disco pode praticar atividade física? De acordo com o educador físico Romildo Rios, da rede Hammer Fitness Club, a resposta é sim.  “Ela pode sim! Mas, para um treinamento eficiente e seguro algumas recomendações devem ser seguidas”. Se liga então nestas dicas:

 

1 – Analisar e avaliar o praticante.

2 – Evitar atividades físicas que promovam impactos sucessivos sem a possibilidade de amortecimento satisfatório.

3 – Evitar rotação do pescoço/tronco ao manter conversa paralela durante treinamento na academia.

4 – Após exercícios resistidos ou aeróbios, vale a pena incluir 1 ou 2 exercícios globais e de baixa intensidade buscando essencialmente relaxamento muscular.

5 – Concentração e consciência corporal para ativar adequadamente os músculos estabilizadores profundos (retreinamento da musculatura local).

6 – Evitar quaisquer movimentos que produzam dor/desconforto na região acometida da coluna vertebral.

7 – Participação consciente dos movimentos respiratórios durante o trabalho muscular.

8 – Priorizar exercícios de baixa complexidade motora. É muito importante para a aderência ao treinamento que o indivíduo se sinta capaz de realizar os movimentos solicitados.

9 – E por último, e não menos importante, é necessário ter o acompanhamento de um profissional de Educação Física para orientar e prescrever os exercícios com a intensidade e carga adequada. 

Viver Bem: Uso de Lentes de Contato nos dentes e o cuidado com a saúde bucal
Foto: Pixabay

Dentes brancos e um lindo sorriso são sonhos de consumo para qualquer pessoa. E, na busca por uma arcada dentária perfeita, as pessoas têm feito inúmeros procedimentos, entre eles o uso das lentes de contato dentárias. Mas, o que nem todos sabem são os riscos que essas lentes podem causar. Para explicar sobre o assunto, o dentista do Hapvida, Ezemir Guimarães, respondeu alguns questionamentos sobre o procedimento.

 

As lentes de contato nos dentes estão em alta, mas quais os riscos à saúde bucal elas podem causar?

Os cuidados sobre higienização de reabilitações com lentes de contato dental devem sempre ser maiores que o cuidado com dentes naturais. A relação entre paciente e profissional deve ser muito próxima para que ambos entendam do processo que está sendo executado. Vale destacar, que procedimentos mal conduzidos ou mal indicados ficam muito mais propensos às falhas. Defeito na interface de cimentação, seleção inadequada do cimento utilizado, desajuste oclusal, traumas, doença periodontal pré-existente, por exemplo, são fatores que conduzem ao insucesso do procedimento.

 

Quando já foi implantada a lente de contato nos dentes, quais as dicas para preservá-la?

Lentes de contato dentais instaladas devem ser cuidadas, incluindo às visitas periódicas semestrais a um dentista para revisão de procedimentos. O uso de fita dental é recomendado, assim como a observação se não existem quadros de bruxismo, apertamento dentário, ou hábitos parafuncionais que promovam atrição indevida. Quando observado estes quadros, é necessária uma intervenção imediata de forma preventiva.

 

Outro ponto importante é não colocar lentes de contato dental em pacientes com má oclusão ou ausências dentárias.

 

Qual a idade recomendada para o uso de lentes de contato?

Não se define o uso de lentes de contato dentaria por idade cronológica. A indicação de lentes deve ser em observação à necessidade de correção de alguma desordem estética, seja por alteração de cor ou forma. A decisão sobre a reabilitação com lentes de contato também deve ser pautada pelo bom senso e bem-estar do paciente. Sendo assim, em qualquer idade e tempo pode ser feita uma reabilitação com lentes de contato dental, desde que esteja sob uma indicação precisa.

Conselho Federal de Medicina lança código de ética para estudantes da área
Foto: Marcos Santos / USP Imagens

O Conselho Federal de Medicina (CFM) lançou o primeiro Código de Ética do Estudante de Medicina. O documento oferece um conjunto de princípios para balizar as relações dentro e fora de sala de aula. Entre os temas abordados estão organização de trotes responsáveis, respeito ao sigilo, uso ético de cadáveres durante atividades de ensino e prevenção ao assédio moral e às relações abusivas nas escolas.

 

"Anteriormente, no Brasil, algumas instituições de ensino e conselhos regionais de medicina haviam elaborado textos com o mesmo objetivo, mas com abrangência local", destacou o CFM por meio de nota.

 

Segundo a Agência Brasil, o documento tem 45 artigos organizados em seis eixos que ressaltam atitudes, práticas e princípios morais e éticos e se inspira em experiências de códigos semelhantes editados em países como Inglaterra, Estados Unidos e Canadá. A elaboração teve início há dois anos e contribuição de médicos, estudantes, academias e outras organizações da sociedade civil.

 

"A formação dos futuros médicos na graduação deve proporcionar aos estudantes o incentivo ao aperfeiçoamento da capacidade de lidar com problemas nos campos da moral e da ética em sinergia com as atividades relacionadas ao ensino e à prática profissional", avaliou o presidente do CFM e coordenador da Comissão Nacional de Elaboração do Código de Ética do Estudante de Medicina, Carlos Vital.

 

A previsão é que, a partir de setembro, o novo código de ética seja encaminhado para mais de 320 escolas em atividade em todo o país. O documento ficará disponível para download no site do CFM (clique aqui) e também deve ser distribuído numa versão impressa, em formato de bolso.

Quinta, 16 de Agosto de 2018 - 07:10

Após tentativa de suicídio, americana de 21 anos faz transplante de rosto

por Folhapress

Após tentativa de suicídio, americana de 21 anos faz transplante de rosto
Foto: Lynn Johnson / National Geographic

A história de Katie Stubblefield, a mais jovem receptora de um transplante de rosto da história dos Estados Unidos, foi revelada ao mundo nesta quarta (15) ao ser estampada na capa da edição de setembro da revista National Geographic.

A escritora Joanna Connors e as fotógrafas Maggie Steber e Lynn Johnson acompanharam Katie, seus pais e seus médicos por mais de dois anos documentando a vida da jovem americana durante as muitas cirurgias realizadas em busca de um novo rosto.

O transplante foi realizado na Clínica Cleveland, nos Estados Unidos, em maio de 2017, quando Katie tinha apenas 21 anos. 

Aos 18, no dia 25 de março de 2014, ela tentou se matar com um tiro de rifle no rosto. Mudanças de cidade, problemas de saúde e um término de namoro vieram antes do disparo no queixo que danificou parte de sua testa, todo seu nariz, sua boca (exceto os cantos dos lábios) e uma parte grande da mandíbula e do maxilar. Os olhos permaneceram, mas os nervos ópticos foram gravemente feridos.

Também houve danos cerebrais por causa do impacto do tiro no lobo frontal. Os cuidados ficaram a cargo de uma equipe de 15 especialistas, de áreas como endocrinologia e psiquiatria.

Antes do transplante total de rosto, um nariz e um lábio superior rudimentares foram feitos a partir do tecido de sua coxa. Katie chamou esse rosto número 2 de Shrek, segundo a reportagem.

No total, até que a cirurgia final fosse feita, foram mais de três anos à espera de um doador. Katie também foi internada em mais de uma dúzia de ocasiões. Até que apareceu Adrea Schneider, uma mulher de 31 anos que morreu de overdose de drogas dias antes da operação, que era compatível.

Foi sua avó, Sandra Bennington, quem tomou a decisão de doar o rosto de Adrea para Katie. A jovem estava registrada como doadora de órgãos e seu coração, pulmões e fígado também foram doados e salvaram vidas pelo país.

A cirurgia de transplante de rosto de Katie foi financiada pelo Departamento de Defesa dos EUA por meio do Instituto de Medicina Regenerativa das Forças Armadas, como forma de estudar a cirurgia e em um esforço para melhorar o tratamento para militares feridos em batalha que retornam ao país com ferimentos similares. 

Dessa forma, a cirurgia de transplante de rosto de Katie a transformou em um experimento para o tratamento de traumatismos faciais provocados por disparos de balas.



Mas, mesmo após o transplante, Katie ainda teria de passar por operações corretivas adicionais e muitos meses de reabilitação.

Para reposicionar os olhos, por exemplo, ela passou por uma cirurgia na qual foi implantado um dispositivo de alongamento ósseo. 

A cirurgia de Kate foi a 40ª no mundo, segundo a reportagem. Em 2005, o primeiro transplante de rosto, realizado na França, gerou esperanças no mundo para todo tipo de acidentes de trânsito, queimaduras, ou vítimas de armas de fogo. Além dos EUA, China, França, Polônia, Bélgica, Egito e Turquia também realizaram essa delicada cirurgia.

Isabelle Dinoire, de 38 anos, recebeu novos lábios, nariz e queixo após ser atacada por um cachorro (leia mais abaixo). Em março de 2010, uma equipe espanhola realizou o primeiro transplante total de rosto de um homem que sofrera um acidente.

Em outras cirurgias, já foram transplantados parte da língua, dentes, pálpebras e tecidos do couro cabeludo e da nuca.

Mas, apesar do entusiasmo inicial, os riscos de rejeição -a curto, ou a longo prazo- dos tecidos provenientes dos doadores falecidos ainda são um grande desafio para a cirurgia.

Ministério da Saúde quer exigir vacinação contra sarampo de venezuelanos
Foto: Diogo Moreira / A2img

O Ministério da Saúde está elaborando uma nota técnica que exige a imunização contra sarampo para venezuelanos que ingressem no Brasil. Segundo a Agência Brasil, a medida ainda deve ser avaliada pela Presidência República, ministérios da Justiça e das Relações Exteriores, além de Advocacia-Geral da União. 

 

Para a obrigatoriedade passar a valer, é necessário negociar mudanças na política internacional do Brasil que permitam impor a estrangeiros o ato de vacinar como requisito de ingresso no país. Atualmente, a vacina contra sarampo é obrigatória apenas para os imigrantes da Venezuela que desejam residir no Brasil ou pedir asilo e refúgio. 

 

De acordo com o Ministério da Saúde, a recomendação da obrigatoriedade é permitida pelo Regulamento Sanitário Internacional, da Organização Mundial da Saúde (OMS). No entanto, ainda não há previsão para divulgação da nota técnica. A medida faz parte da mobilização para impedir a proliferação do sarampo no país.

Homem tem ereção prolongada devido a uso de Viagra e fratura pênis com abraço do filho
Foto: iStock

Após um abraço do filho, um homem de 36 anos precisou ser submetido a uma cirurgia para tratar uma fratura no pênis. Morador de Lucknow, na Índia, ele tomou 100 mg de Viagra e teve uma ereção prolongada. 

 

Segundo o britânico The Sun, mesmo depois de uma relação sexual e de ter se masturbado várias vezes, o membro do indiano permaneceu ereto. Como não conseguiu resolver o problema, ele decidiu dormir.

 

Na manhã seguinte, o filho do indiano entrou no quarto e pulou na cama para um abraço de bom dia. Sem querer, a criança quebrou o pênis do pai, que ainda estava ereto.

 

Apenas dois dias depois do acidente, ele resolveu buscar ajuda médica por estar sentindo muita dor. Os especialistas relataram que o pênis do homem parecia uma "berinjela" por conta da fratura. Ele foi submetido a uma cirurgia e passa bem.

Saúde disponibiliza R$ 10 milhões para projetos de controle à obesidade em universidades
Foto: Shutterstock

O Ministério da Saúde lançou uma chamada pública (clique aqui) que incentiva universidades públicas e privadas a desenvolver projetos com ações de prevenção, diagnóstico e tratamento da obesidade no Sistema Único de Saúde (SUS). São oferecidos R$ 10 milhões para o desenvolvimento de pesquisa, extensão e formação de trabalhadores na atenção básica.

 

Segundo a Agência Brasil, serão selecionadas ao todo 27 universidades. Os projetos devem ter duração de dois anos, contados a partir da data de assinatura da proposta, além de obedecer a requisitos técnicos descritos no edital. “O objetivo do ministério é qualificar a assistência e o cuidado para a prevenção e o controle da obesidade, que já afeta 18,9% da população adulta nas capitais brasileiras”, informou a pasta.

 

Os recursos para as universidades foram determinados conforme análise de critérios socioeconômicos e geográficos, além da cobertura de equipes do Núcleo de Atenção à Saúde da Família na Atenção Básica. Instituições que atuam no Espírito Santo, no Acre, no Amapá, em Alagoas, em Roraima, em Rondônia, em Sergipe e no Distrito Federal receberão até R$ 250 mil. As que atuam no Amazonas, em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Goiás, no Pará, na Paraíba, em Pernambuco, no Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul receberão até R$ 350 mil. Já as que estão no Ceará, Maranhão, em Minas Gerais, no Piauí, em Santa Catarina, São Paulo, no Rio de Janeiro, na Bahia e no Paraná terão disponíveis até R$ 500 mil.

 

A chamada pública está aberta no site do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) até o dia 16 de setembro de 2018.

Bahia só vacinou pouco mais de 12% das crianças contra sarampo e poliomielite
Foto: Agência Brasil

Mais de uma semana após o início da Campanha Nacional de Vacinação, apenas 12,18% das crianças foram imunizadas contra sarampo na Bahia, enquanto o número de imunizações contra poliomielite equivale a 12,43% do público-alvo. De acordo com balanço do Ministério da Saúde, divulgado nesta terça-feira (14), foram aplicadas 3,6 milhões de doses em todo o país (cerca de 1,8 milhão para cada doença), ou seja, cerca de 16% das crianças.

 

A campanha deste ano é indiscriminada, ou seja, devem ser vacinadas todas as crianças com idade de um a cinco anos incompletos até 31 de agosto, data de encerramento da iniciativa. A expectativa da pasta é imunizar pelo menos 11,2 milhões de crianças em todo o país. 

 

Entre os estados com melhor cobertura vacinal neste momento estão: Rondônia, com 45,01% para a pólio e 43,84% para o sarampo, seguido por São Paulo com 28,35% pólio e 27,91% sarampo. Entre as coberturas mais baixas, destacam-se: Amazonas, com 3,23% do público-alvo vacinado para pólio e 3,24% para sarampo e Roraima, que tem 4,98% pólio e 3,60% sarampo.

Hospital Municipal de Salvador instala monitores que informam horários dos ônibus
Foto: Divulgação

Os usuários do Hospital Municipal de Salvador (HMS) poderão se informar em tempo real sobre os ônibus que passam nos pontos próximos à unidade. Em parceria com a Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob), foram instalados monitores no hospital, com informações do aplicativo Cittamobi, atualizadas a cada 30 segundos.

 

"Essa funcionalidade traz mais comodidade e conveniência, pois, com as previsões mais precisas e o acompanhamento dos horários dos veículos em tempo real, as pessoas podem programar sua saída para o momento certo, sem precisar enfrentar longas esperas pelo transporte", destacou o secretário de Mobilidade, Fábio Mota.

 

Com o objetivo de facilitar o deslocamento de pacientes, acompanhantes, visitantes e funcionários, a gestão do HMS também já fechou um acordo com a prefeitura de Salvador para transferência dos pontos de ônibus para a entrada do hospital.

 

"Essas intervenções são uma demanda importante, tanto dos colaboradores quanto dos pacientes e acompanhantes, que agora podem, não só ter mais informações sobre o transporte, de dentro do hospital, como também andarão menos para chegar ou sair da unidade", afirmou o diretor do Hospital Municipal, Adalberto Bezerra.  

Com surto em dois estados, Brasil confirma 6 mortes por sarampo e mais de 1,2 mil casos
Foto: Fiocruz

O Brasil confirmou até esta terça-feira (14) seis mortes por sarampo: quatro no estado de Roraima, das quais três são estrangeiros; e duas no Amazonas. Os dois estados enfrentam atualmente surtos da doença.

 

O óbito mais recente, o segundo no Amazonas, foi confirmado nesta terça, mas aconteceu em 12 de julho. A vítima é um bebê de sete meses, no município de Autazes. O diagnóstico foi apresentado pela Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) do estado.

 

De acordo com boletim do Ministério da Saúde, o Amazonas confirmou 910 casos de sarampo e outros 5.630 permanecem em investigação. Já em Roraima, foram confirmados 296 casos e 101 estão em investigação. Há ainda casos isolados e relacionados à importação nos estados de São Paulo (1), Rio de Janeiro (14), Rio Grande do Sul (13), Rondônia (1) e Pará (2). 

 

Em nota, a pasta informou que, entre os casos confirmados, 17 foram atendidos no Brasil, mas residem na Venezuela. O ministério ressaltou que os surtos estão relacionados à importação, já que o genótipo do vírus (D8) que está circulando no Brasil é o mesmo que circula na Venezuela, onde um surto da doença é enfrentado desde 2017.

Com investimento de R$ 45 milhões, hospital de Paulo Afonso passará por ampliação
Foto: Divulgação

O Hospital Nair Alves de Souza (HNAS), localizado em Paulo Afonso, ganhará 30 leitos de Terapia Intensiva (UTI), novo centro cirúrgico, emergência e passará por outras intervenções. Um acordo assinado na noite desta terça-feira (14), em Brasília, entre o Governo da Bahia, a prefeitura do município e três entidades do governo federal viabilizou o investimento de R$ 45 milhões na reforma e ampliação da unidade.

 

O equipamento está em processo de federalização e transformação em hospital universitário. Atualmente ainda é mantido pela Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf), mas desde 2015 a titularidade foi transferida para a Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), com o objetivo de passar a gestão progressivamente para a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). 

 

De acordo com o secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, a expansão dos cursos de medicina em universidades federais no estado gerou a necessidade de adequação e ampliação de hospitais para absorver essa demanda. "O Estado está profundamente comprometido com a descentralização da assistência ao construir e ampliar unidades na capital e no interior, além de firmar contratos com entes públicos, filantrópicos ou privados para a expansão dos serviços", afirmou o gestor.

 

O projeto da reforma, contratado pela Sesab, já foi concluído e entregue à Univasf, que deverá proceder à licitação e contratação da obra até dezembro.

República Democrática do Congo confirma 41 mortes por ebola em novo surto
Foto: Divulgação / CDC

A República Democrática do Congo (RDC) confirmou nesta terça-feira (14) 41 mortes relacionadas ao novo surto de ebola. De acordo com informações da Organização Mundial da Saúde, foram identificados 57 casos, dos quais 30 foram confirmados e 27 são prováveis. 

 

"É a primeira vez que a doença afeta uma zona muito povoada e em situação de conflito intenso", afirmou a OMS em comunicado. O atual surto atinge a província de Kivu do Norte. No entanto, segundo o G1, uma morte foi registrada na província vizinha de Ituri.

 

"A OMS pede um acesso livre e seguro para que todos os atores envolvidos na resposta a esta epidemia possam atender as populações afetadas", afirmou o diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

ANS aplica multas de até R$ 900 mil em operadoras de plano de saúde; veja lista
Foto: Agência Brasil

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) aplicou multa em dezenas de operadoras de plano de saúde por não cumprirem obrigações contratuais. De acordo com decisão publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (14), os valores variam de R$ 5 mil a R$ 900 mil. Há ainda a aplicação de advertências e suspensão do cargo de administrador. A decisão foi aprovada na 486ª Reunião de Diretoria Colegiada, realizada em 25 de maio. Clique aqui e veja a lista completa.

Terça, 14 de Agosto de 2018 - 13:00

Fiocruz revela que vírus Zika veio do Haiti para o Brasil

Fiocruz revela que vírus Zika veio do Haiti para o Brasil
Foto: Venilton Kuchler / ANPr

O vírus Zika que chegou ao Brasil é proveniente do Haiti, revelou um estudo desenvolvido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em Pernambuco. De acordo com pesquisadores, imigrantes ilegais e militares brasileiros que participaram da missão de paz no país caribenho podem ter trazido a doença.

 

Entre as hipóteses consideradas até então estava a de que o vírus teria entrado no Brasil durante a Copa do Mundo de 2014, trazido por turistas africanos. Outra teoria era de que a introdução teria ocorrido durante o Campeonato Mundial de Canoagem, realizado em agosto de 2014 no Rio de Janeiro, que recebeu competidores de vários países do Pacífico afetados pelo vírus.

 

Segundo a Agência Brasil, a Fiocruz apontou que o Zika, originário da Polinésia Francesa, não veio diretamente para o Brasil. Antes, migrou para a Oceania, depois para a Ilha de Páscoa, de onde foi para a América Central e o Caribe e só então chegou ao Brasil, no final de 2013. O trajeto coincide com o caminho percorrido por outras arboviroses, como dengue e chikungunya.

 

“Esse resultado aponta para o fato de que a América Central e Caribe são importantes rotas de entrada para arbovírus na América do Sul. Uma informação estratégica para a vigilância epidemiológica e para adoção de medidas de controle e monitoramento dessas doenças, especialmente em regiões de fronteira com outros países, portos e aeroportos”, destacou a fundação.

 

Ainda de acordo com a Fiocruz, em todos os casos brasileiros estudados, o ancestral em comum desse tipo de vírus é uma cepa do Haiti, país afetado por uma espécie de tripla epidemia de zika, dengue e chikungunya. Outra conclusão do estudo é que houve múltiplas introduções, independentes entre si, do vírus Zika no Brasil. Isso muda a crença anterior de que um único paciente poderia ter trazido a doença, que depois teria se espalhado pelo país.

Hemoba realiza coleta de sangue nos shoppings Salvador e Salvador Norte
Foto: Divulgação

A Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia (Hemoba) realiza coleta externa de sangue e cadastro de medula óssea em dois locais de Salvador durante esta semana. As unidades móveis estarão na entrada principal do Salvador Shopping e do Salvador Norte Shopping, a partir desta terça-feira (14) até a próxima sexta (17). O atendimento acontece das 8h às 17h. 

 

Para doar sangue, o candidato deve ter entre 16 e 69 anos de idade (menores de 18 anos devem estar acompanhados por um responsável legal) e apresentar documento original com foto. Além disso, é necessário estar em boas condições de saúde, pesar acima de 50 quilos e estar bem alimentado.

Britânicos criam jogo capaz de identificar risco de Alzheimer e Parkinson
Foto: Reprodução

Cientistas britânicos desenvolveram um jogo capaz de identificar o risco de desenvolver Alzheimer, Parkinson e outras demências. O Sea Hero Quest avalia o senso de direção dos usuários, a partir de uma caçada a criaturas marinhas. O jogador está a bordo de um barco e precisa identificar as rotas a serem traçadas e fotografar as criaturas encontradas. 

 

Segundo a revista Super Interessante, a tecnologia foi desenvolvida por estudiosos da University College London e da University of East Anglia. Em parceria com a empresa alemã de telecomunicações Deutsche Telekom, foram coletados dados de mais de 2,5 milhões de pessoas, com idades entre 18 e 99 anos, de 195 países.

 

Além de identificar potenciais fatores de riscos para as demências, a tecnologia também aponta diferenças de acordo com a origem geográfica dos voluntários. Os melhores resultados foram obtidos por moradores da Finlândia, Dinamarca, Noruega, Nova Zelândia, Canadá, Estados Unidos e Austrália. Outra constatação é que homens têm melhor senso de direção do que as mulheres.

Mulher que teve intestino perfurado em lipoaspiração recebe alta
Foto: Arquivo pessoal

A estudante de 23 anos que teve o intestino perfurado após uma lipoaspiração (veja aqui) recebeu alta nesta segunda-feira (13). Gabriela Nascimeno Moraes estava internada desde 18 de julho no Hospital Federal Cardoso Fontes, no Rio de Janeiro.

 

A jovem teve o intestino perfurado em 10 de julho, ao se submeter a uma cirurgia de lipoaspiração na clínica da médica Geysa Leal Corrêa, em Niterói. De acordo com informações da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBPC), a profissional é otorrinolaringologista e não tem especialização em cirurgia estética.

 

Segundo a Agência Brasil, o advogado da família da universitária, Guilherme Frederico, disse que vai nesta terça à Delegacia 77, em Icaraí, comunicar à delegada Raíssa Telles a alta da paciente e protocolar alguns documentos ao inquérito, relacionados à intervenção cirúrgica feita pela estudante. Guilherme Frederico disse também que já solicitou o prontuário de Gabriela Moraes à direção do hospital.

 

Gabriela já foi ouvida pela delegada no quarto do hospital, após ter recebido alta do Centro de Tratamento Intensivo (CTI). De acordo com o advogado, o depoimento foi esclarecedor para o andamento do inquérito, detalhando como foi o procedimento estético e qual a conduta da médica após a paciente se queixar de fortes dores no abdômen e ter voltado de quatro a cinco vezes ao consultório. As dores não passavam apesar da bateria de antibióticos e anti-inflamatórios que Gabriela tomava.

 

Com o intestino perfurado, a estudante chegou a contar à médica que, no dia seguinte à cirurgia, pelo orifício deixado pela cânula usada para a lipoaspiração, estavam saindo restos de uma sopa que a estudante tinha tomado na noite anterior. Gabriela disse que voltou várias vezes ao consultório de Geysa e que não foi feita tomografia do abdômen para determinar os motivos das fortes dores. Antes de chegar ao Hospital Cardoso Fontes, onde foi operada às pressas, a estudante passou pelo  Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca.

 

Ainda de acordo com o advogado de Gabriela, na primeira cirurgia, os médicos do Cardoso Fontes fizeram um pequeno corte e costuraram o intestino da jovem, mas, como as dores continuavam, foi necessária a segunda intervenção cirúrgica, no último dia 30, que durou seis horas e terminou com a retirada de 20 centímetros do intestino. Gabriela foi levada para o CTI e, no dia 2, para o quarto.

Durante o primeiro dia da Operação Tatuagem Segura, três estúdios de tatuagem do bairro da Pituba foram notificados por irregularidades, nesta segunda-feira (13), pela Diretoria de Ações de Proteção e Defesa do Consumidor (Codecon), vinculada à Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop). A ação é realizada em parceria com a Vigilância Sanitária de Salvador (Visa). Quatro notificações foram emitidas aos estabelecimentos pelos fiscais da Codecon: duas por ausência de informação de preço, uma por lixeira inadequada e uma por ausência de placa antifumo. Também foi emitido um auto de infração por prazo de validade vencido. No estúdio autuado, os agentes de fiscalização encontraram diversas tintas, pigmentações e 33 agulhas vencidas. A Operação Tatuagem Segura irá ocorrer até o dia 24 de agosto. "Trata-se de uma operação conjunta que tem como objetivo verificar se o material utilizado pelos estúdios está dentro das normas de saúde e se respeita o que prevê o Código de Defesa do Consumidor. O intuito é garantir a segurança e a tranquilidade de quem procura por este tipo de procedimento aqui em Salvador", destaca o gestor da Semop, Marcus Passos.

Segunda, 13 de Agosto de 2018 - 15:10

Nutricionistas dão dicas de como preparar uma merenda escolar saudável para os filhos

por Lara Pires | Folhapress

Nutricionistas dão dicas de como preparar uma merenda escolar saudável para os filhos
Foto: Shutterstock

Nada de bolacha recheada ou salga­dinhos fritos. O lanche escolar deve ser fonte de nutrientes, e não servir só para matar a fome dos pequenos. Para cui­dar da lancheira, é preciso tempo. Além disso, especialistas destacam a impor­tância de conhecer o gosto da criança.

A primeira coisa a fazer é se planejar para comprar os produtos com antece­dência. Frutas e verduras devem estar sempre frescos e bem conservados. Pa­ra ser considerada ideal, a lancheira precisa ter todos os gru­pos alimentares, como explica a nutricionis­ta Ariane Bomgosto.

"Os macronu­trientes são funda­mentais na refeição da criança", explica Ariane. "São eles: proteínas, carboidra­tos e gorduras saudáveis. Os carboidra­tos dão energia ao corpo; a proteína faz a regeneração de pele, cabelo e unhas; e as gorduras auxiliam no crescimento saudável", acrescenta. "Mas é impor­tante frisar que não é qualquer gordura, tem de ser a saudável."

A gordura que não é saudável pode contribuir para a obesidade infantil e está presente em bolachas recheadas, frituras e salgadinhos, por exemplo. "A gordura sau­dável é aquela contida na água de coco e em amendoins e castanhas, que agradam ao pala­dar infantil", afirma Ariane.

Mesmo o amendoim deve conter pouco sal e não pode ter co­bertura de cho­colate. "O amen­doim é bom exemplo, mas deve ser o simples, com pouco sal, sem pele, torrado. Aqueles com chocolate e casquinha não são in­dicados", diz Cyntia Maureen, nutricio­nista e consultora da rede Superbom.

Além dos macronutrientes, os micro­nutrientes, que são as vitaminas e os minerais, também devem estar ali. "To­mates e cenouras pequenos costumam fazer sucesso e são fáceis de acomodar na lancheira", explica Ariane. 

A gestora de projetos Anna Carolina Bruschetta, 37, conta que sempre se preocupou com a alimentação do fi­lho, José Paulo Gragnamello, de seis anos. O menino vai para a escola desde os seis meses e, em geral, ela e o marido costumam preparar o que ele leva para o lanche, como biscoitos integrais e bolo de cenoura integral.

"Falo com as mães da turma e já mando os biscoitos integrais para todo o mundo", diz Anna. Ariane Bomgosto sugere uma lan­cheira ideal: lanche de pão integral com patê de alguma proteína e verdura, além de frutas, água de coco e casta­nhas. "É possível variar a proteína e co­locar ovos de codorna para substituir."

Conhecer as preferências da criança também é importante. "Se ela não gos­ta de frutas, escolha as mais doces e acrescente um pouco de mel, assim o paladar vai se acostumando. Aos pou­cos, então, diminua, até zerar, a quanti­dade do mel", diz Ariane.

"Tem criança que aceita bem peixe, mas não gosta de carne. Não precisa forçar, acostume o paladar dela aos poucos."

Segunda, 13 de Agosto de 2018 - 13:20

Ilhéus: Promotoria cobra cumprimento de vacinação de crianças e adolescentes

por Francis Juliano / Cláudia Cardozo

Ilhéus: Promotoria cobra cumprimento de vacinação de crianças e adolescentes
Foto: Divulgação / Ilhéus

O Ministério Público do Estado (MP-BA) em Ilhéus, no litoral sul, recomendou nesta segunda-feira (13) à prefeitura da cidade ações para garantir a vacinação de crianças e adolescentes. Segundo o promotor Pedro Nogueira Coelho, da 3ª Promotoria de Justiça, a medida visa evitar prováveis surtos de doenças e atende recomendação da procuradora-geral da Bahia, Ediene Lousado (ver aqui).

 

“Foi uma recomendação que a procuradora-geral emitiu para todo o estado. Na verdade, essa medida visa reforçar o cumprimento das vacinações pelas secretarias de saúde. É um esforço nacional para evitar surtos de doenças”, disse o promotor ao Bahia Notícias. Segundo o MP-BA, o Ministério da Saúde em informações recentes apontou o aumento de casos de sarampo pelo país, além do risco de retorno da poliomielite, doença considerada erradicada no país desde 1994. Ainda segundo a Promotoria, o artigo 11 do Estatuto da Criança e do Adolescente assegura o atendimento médico gratuito pelo Sistema Único de Saúde (SUS). 

Risco de AVC e infarto são maiores com consumo excessivo de álcool em pouco tempo
Foto: Agência Brasil

O consumo excessivo de bebidas alcoólicas em um curto período de tempo aumenta o risco de aumento nas taxas de pressão, colesterol e açúcar em pessoas mais jovens. Esses fatores levam a um maior risco de problemas cardiovasculares, como infarto e Acidente Vascular Cerebral (AVC).

 

As informações fazem parte da conclusão de um estudo publicado na última sexta-feira (10), no Journal of American Heart Association. Foram analisados dados de 4.710 adultos com idades entre 18 e 45 anos, classificados como não-bebedores, bebedores compulsivos (muito consumo de bebida 12 vezes por ano) e bebedores compulsivos de alta frequência (mais de 12 vezes por ano).

 

Segundo o G1, o consumo excessivo de álcool com alta frequência foi relatado por 25,1% dos homens e 11,8% das mulheres. Já o consumo 12 vezes por ano, foi relatado 29% dos homens e 25,1% das mulheres.

Poluição contribuiu com 3,2 milhões de casos de diabetes em 2016, aponta pesquisa
Foto: Agência Brasil

Um estudo norte-americano concluiu que, em 2016, a poluição contribuiu para o desenvolvimento de 3,2 milhões de casos de diabetes no mundo.

 

Os cientistas acompanharam, durante oito anos e meio, 1,7 milhão de pessoas sem histórico da doença. As informações obtidas foram então cruzadas com dados da Nasa e da Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) sobre a qualidade do ar. Segundo a revista Mundo Estranho, os pesquisadores focaram nas partículas PM 2,5 para encontrar a ligação com o diabetes. Essas partículas são emitidas por motores de carro e usinas termelétricas, por exemplo.

 

Quando os poluentes são inalados, passam não apenas pelos pulmões, mas por vários órgãos do corpo, por meio da corrente sanguínea. Isso acontece com o pâncreas, responsável pela liberação de insulina. Com a poluição, a produção do hormônio é prejudicada, o que pode levar ao desenvolvimento de diabetes.

 

A pesquisa apontou que a população de países de baixa renda, como Índia, Afeganistão e Papua Nova Guiné, tem maior probabilidade de desenvolver a doença por conta da ausência de políticas voltadas à manutenção do meio ambiente. Por outro lado, habitantes de países ricos estão menos expostos aos fatores de risco.

Histórico de Conteúdo