Pesquisa americana constata que mulheres que fumam maconha gozam mais e melhor
Foto: Ilustrativa/Reprodução/Pixabay

Um estudo da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, identificou que mulheres que fumam maconha regularmente relatam ter orgasmos maiores e melhores. Essas mulheres também possuem um nível mais alto de excitação e satisfação sexual.

 

A pesquisa contou com participação de 452 mulheres que responderam um questionário distribuído em alguns estabelecimentos que comercializam maconha. No país a erva é legalizada em alguns estados e pode ser comercializada em lojas.

 

O estudo foi conduzido por cientistas do departamento de urologia de Stanford. As voluntárias responderam a um "Índice de Função Sexual Feminina". O questionário tinha como objetivo permitir a avaliação da atividade sexual nas quatro semanas anteriores. O inquérito possui seis categorias: desejo, excitação, lubrificação, orgasmo, satisfação e dor. Quanto maior a pontuação no teste, melhor a satisfação sexual.

 

Os resultados obtidos no estudo indicam que as mulheres que utilizam a maconha tendem a possuir uma pontuação mais alta que as outras.

 

"Nossos resultados demonstram que o aumento da frequência do uso de cannabis está associado à melhoria da função sexual e ao aumento da satisfação, orgasmo e desejo sexual", escreveram os autores do estudo.

Referência em radioterapia, Hospital da Bahia tem equipamento mais avançado do mundo
Foto: divulgação/Hospital da Bahia

O novo centro de radioterapia do Hospital da Bahia, localizado no bairro da Pituba, se tornou referência no tratamento de câncer. Isso porque o setor tem o equipamento de radioterapia mais avançado do mundo: o acelerador linear Ultra Versa HD, da Elekta, companhia britânica especializada no tratamento de câncer e danos cerebrais.

 

O acelerador permite a radiação mais precisa no tumor, com menos efeitos colaterais e danos as células saudáveis. "Este avanço tecnológico coloca a assistência integrada à saúde em oncologia do Hospital da Bahia em nível de excelência equivalente aos grandes centros do Brasil e do mundo", diz o hospital. É previsto o desenvolvimento de atividades de ensino da nova tecnologia para médicos de todo o Brasil.

 

Ainda segundo o hospital, em 2020 o centro de radioterapia também vai passar a contar com a braquiterapia, outro tipo de tratamento de ponta. Os novos equipamentos são classificados como uma "série de investimentos e ações de ampliação" na unidade. O setor é coordenado pela oncologista Elisa Saito.

Quinta, 06 de Agosto de 2020 - 18:16

Bolsonaro assina MP para produzir de 100 mi de doses da vacina contra Covid de Oxford

por Matheus Caldas

Bolsonaro assina MP para produzir de 100 mi de doses da vacina contra Covid de Oxford
Foto: Isac Nóbrega/PR

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) assinou nesta quinta-feira (6), em Brasília, uma Medida Provisória (MP) que garante um acordo para a produção de 100 milhões de doses para a vacina contra o coronavírus que vem sendo desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido.
 

O evento contou com a presença do ministro interino da Saúde, o general Eduardo Pazuello. “Esse é um acordo de transferência de tecnologia. Isso significa que estamos garantindo a produção e entrega, inicialmente, de 100 milhões de doses, além de trazer para o país a capacidade de utilizar na indústria nacional essa tecnologia e dar sustentabilidade ao programa brasileiro de imunizações”, afirmou o titular da pasta.

 

“Passamos a fazer parte deste seleto grupo. A nossa contrapartida, basicamente, é financeira no momento, com algumas pessoas também, mas basicamente financeira. São quase R$ 2 bilhões. Talvez em dezembro ou em janeiro existe a possibilidade da vacina, e daí este problema estará vencido poucas semanas depois”, disse Bolsonaro.

 

O chefe de Estado também aproveitou para cutucar o governador de São Paulo, João Dória (PSDB), que fechou parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac Biotech, para a produção da coronavac (leia mais aqui). “Diferente daquela outra que um governador resolveu acertar com outro país, vem a tecnologia para nós. Junto com os meios que nós temos, nós temos como dizer que fizemos o possível e o impossível para salvar vidas, ao contrário daqueles que teimam em continuar na oposição desde 2018 dizer o contrário”, atacou.

USP aponta possível 'reinfecção' pela Covid e 'adoecimento em mais de uma ocasião'
Foto: Divulgação

Um estudo de casos do coronavírus conduzido pela Universidade de São Paulo (USP) identificou que “a reinfecção e o adoecimento em mais de uma ocasião são eventos possíveis”.

 

Um caso de possível reinfecção é citado em reportagem do Estadão. Se trata de uma profissional de saúde de 24 anos que voltou a apresentar sintomas da Covid-19 passados mais de um mês desde que havia testado positivo em um exame RT-PCR, que identificou o Sars-Cov-2 no seu organismo em 13 de maio e, depois, em 27 de junho. 

 

Os primeiros sintomas apresentados pela paciente, que é técnica de enfermagem, apareceram em 6 de maio, dois dias após ter entrado em contato com um colega de trabalho que testou positivo para Covid-19. Mesmo usando máscara cirúrgica, ela contraiu o coronavírus e sentiu dores de cabeça, mal estar, febre, fraqueza muscular, leve dor de garganta e congestão nasal, traz a reportagem do Estadão.

 

Após 10 dias a paciente não apresentou mais sintomas. No entanto, depois de cerca de 38 dias assintomática e trabalhando normalmente, em 27 de junho a mulher apresentou quadro de febre, dor de cabeça, dor muscular, mal-estar, dor de garganta, perda de olfato e de paladar. 

 

De acordo com a reportagem, após cinco dias da volta dos sintomas, a paciente foi novamente diagnosticada com o coronavírus através de um novo exame RT-PCR, que coleta amostras da garganta (orofaringe) e do nariz (nasofaringe) com uma haste flexível. 

 

No estudo divulgado pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, consta a informação de que os sintomas agudos voltaram a desaparecer no 12º dia dessa “segunda infecção”, mas a dor de cabeça e a perda parcial do olfato persistiram até a data de divulgação da pesquisa. Ele também afirma que, mesmo 33 dias após a reincidência dos sintomas, a paciente ainda testa positivo para a Covid-19.

 

“O presente caso apresenta forte evidência não somente de reinfecção por SARS-CoV-2, como de recidiva clínica da Covid-19”, afirmam os pesquisadores no estudo.

Quinta, 06 de Agosto de 2020 - 17:46

Bahia chega a menor índice de ocupação de UTIs desde 25 de maio 

por Rebeca Menezes / Jade Coelho

Bahia chega a menor índice de ocupação de UTIs desde 25 de maio 
Foto: Fernando Vivas/GOVBA

A Bahia registrou no fim da tarde desta quinta-feira (6) o menor índice de ocupação de leitos de UTI desde 25 de maio. O boletim da Secretaria da Saúde (Sesab) informa que a taxa está em 64%. Foram 74 dias de números maiores que esta taxa. 

 

O documento ainda informa que em relação ao total de leitos a ocupação é de 53%. 

 

Quanto aos números de infectados, nas últimas 24 horas foram notificados 3.953 casos de Covid-19 e 53 mortes. O estado soma 183.690 casos confirmados desde o início da pandemia, 3.789 mortes, 165.984 recuperados e 13.917 casos ativos.

 

A Sesab informa que os casos confirmados ocorreram em 411 municípios baianos. Salvador concentra a maior parte dos casos (33,49%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 100.000 habitantes foram Almadina (4.154,47%), Dário Meira (4.005,60%), Gandu (3.647,81%), Itajuípe (3.596,70%) e Ipiaú (3.333,12%).

Salvador tem 5º dia com taxa de ocupação de UTI abaixo de 70% e fase 2 começa na segunda
Foto: Igor Santos/Secom PMS

A taxa de ocupação dos leitos de UTI para o tratamento da Covid-19 chegou ao patamar de 60% nesta quinta-feira, em Salvador (6), de acordo com dados disponibilizados pela prefeitura. Este é o menor número constatado desde que o percentual começou a ser calculado, em maio. É também o quinto dia consecutivo que o a taxa cai.

 

O índice é sete pontos percentuais menor que o registrado na última quarta (5), quando as UTI’s para Covid estavam 67% ocupadas.

 

Com isso, a segunda-feira (10) deve marcar finalmente o início da fase 2 de reabertura das atividades comerciais na capital baiana, com a liberação de academias de ginástica e similares; barbearias, salões de beleza e equivalentes; centros culturais, bibliotecas, museus e galerias de arte; lanchonetes, bares e restaurantes.

 

Nos protocolos definidos pela gestão municipal e o governo do estado, são necessários, no mínimo, 14 dias de intervalo entre as fases de reabertura. Isto acontece nesta quinta, período de espaço entre as fases 1 e 2. Contudo, a liberação só ocorre a partir da segunda por conta dos festejos do Dia dos Pais, neste domingo (9).

Feira: Hipertensão e diabetes são as comorbidades que mais agravam Covid-19
Foto: Divulgação

As mais variadas comorbidades têm agravado a situação de pacientes que chegam ao Hospital de Campanha de Feira de Santana. De acordo com informações da direção, a hipertensão arterial lidera, com 53%, seguida da diabetes, com 50%, e a nefropatia, com 46%.

 

As comorbidades mais comuns nos pacientes atendidos naquela unidade são hipertensão, diabetes, obesidade, hepatopatia, insuficiência cardíaca, nefropatia, pneumopatia, sequela de acidente vascular cerebral, hepatopata, tabagismo, etilismo e até doença de Chagas.

 

Segundo a direção do Hospital de Campanha, 69% dos pacientes são idosos (60 anos ou mais) e todos os óbitos estão relacionados com uma ou mais comorbidades. Uma mulher de 40 anos foi a paciente mais jovem que morreu, era hipertensa e foi admitida em choque circulatório grave, além de outras complicações. A paciente mais velha que morreu também foi uma mulher, com 89, hipertensa, cardiopata avançada e nefropata.

Um ano após cirurgia, paciente lembra cuidados recebidos no HRCC e faz relato emocionado
Foto: Divulgação

Passado pouco mais de um ano desde que foi submetida a uma cirurgia no Hospital Regional Costa do Cacau (HRCC), em Ilhéus, a paciente Silvaneide Farias de Souza fez um relato carinhoso e emocionado ao lembrar do período que passou na unidade de saúde.

 

Silvaneide, moradora de Ilhéus, passou por um processo cirúrgico no HRCC, em 27 de abril de 2019. Durante o último ano, a paciente expressou sua gratidão nas redes sociais, pelo menos duas vezes à equipe de profissionais do hospital. Nessas postagens Silvaneide marca sempre o técnico de enfermagem Nelson Luís Moreira, que acompanhou seu internamento e com quem fortaleceu um vínculo de amizade.

 

“Deus usou não só enfermeiros, médicos, usou anjos, que eu acredito que quem trabalha na saúde não opera sozinho, não faz nada sozinho, eu acredito que a mão de Deus está ali, por trás de cada um. Então, Deus usou pessoas maravilhosas que transformaram o dia da minha cirurgia muito mais leve”, relembrou Silvaneide.

 

A paciente ressalta que foi muito bem atendida, desde a sua chegada na unidade hospitalar. “Eu só tenho que agradecer, não só eu, mas outras pessoas que ficaram comigo também, no mesmo quarto que eu, que inclusive, eu tenho contato com elas até hoje. A gente foi muito bem atendida, desde a recepção, com muita educação, assim que a gente chegou. Encontrei um atendimento realmente de qualidade”, lembra.

 

“Se tem uma coisa que fico um pouco triste é porque não me lembro do nome de todas as pessoas que me atenderam, como os maqueiros. Me lembro que um deles me levou para sala de cirurgia, que me deixou muito tranquila, ele passava pelos corredores me mostrando aquelas fotos maravilhosas, que tiram aquela frieza de hospital, como se estivesse fazendo um passeio turístico comigo. Cheguei no centro cirúrgico e nem percebi”, relatou Silvaneide.

Viver Bem: Importância do aleitamento para saúde do bebê é discutida no 'Agosto Dourado'
Foto: Pixabay

Celebrada até esta sexta-feira (07), a Semana Mundial do Aleitamento Materno (SMAM), que integra a campanha Agosto Dourado, acontece anualmente em mais de 120 países, com o intuito de reforçar a importância da amamentação. Neste ano, a campanha abordará o impacto da alimentação infantil no meio ambiente através do tema “Apoie a amamentação para um planeta mais saudável”.

 

De acordo com a obstetra do Sistema Hapvida, Viviane Dórea, o leite materno é um alimento completo para o bebê, além de ter fatores que ajudam na formação do sistema imunológico da criança, e, consequentemente, na prevenção de diversas doenças.

 

“Os benefícios do aleitamento materno exclusivo até os seis meses de vida podem ser vistos até a fase adulta. Ele ajuda no desenvolvimento da mandíbula, auxilia na clareza da fala, protege contra cárie, além de reduzir o risco de problemas ortodônticos, alergia, obesidade, hipertensão e diabetes”, afirma a especialista. Ainda de acordo com a obstetra, o leite também influencia na evolução física e emocional, reforça o vínculo mãe e filho e ainda é um alimento prático, equilibrado, de fácil digestão e gratuito.

 

Outro fator que influencia no aleitamento materno é o tipo de parto. No parto normal, há liberação endógena de ocitocina que estimula a liberação do leite. No entanto, alguns fatores impedem as mães de alimentar o filho, a exemplo de questões emocionais, abscesso mamário, alterações anatômicas, falta de rede de apoio, algumas doenças (HIV, HTLV, hepatites, herpes e tuberculose) e, também, o uso de drogas sedativas e ilícitas.

 

Viviane alerta ainda sobre a ingesta de medicamentos durante a lactação. Muitos deles são compatíveis e ou específicos, para o período da amamentação. Entretanto, as medicações que são eliminadas no leite e psicotrópicos devem ser evitadas.

 

Gestação e Covid

Em meio à pandemia, fica o questionamento de como devem ser os cuidados de uma mãe que dá à luz neste momento. Viviane destaca que durante o parto os profissionais devem estar usando equipamento de proteção individual (EPIs), o recomendado é que a via de parto seja obstétrica e o recém-nascido recebe os cuidados do neonatologista. A mãe poderá amamentar normalmente o bebê, mas deve sempre usar a máscara e lavar as mãos ao manusear a criança.

 

Confira algumas curiosidades listadas pela a especialista:

*O que realmente estimula a produção do leite são as mamadas do bebê;

*Quanto mais a criança mama, maior é a produção;

*A produção do leite materno é proporcional à necessidade do bebê.

 

Mitos mais comuns:

*O leite é fraco;

*O bebê que arrotar no peito pode empedrar a mama;

*Mães que fizeram mamoplastia (cirurgia plástica que transforma e modifica o formato das mamas) não podem amamentar;

*Leite materno congelado não tem nutrientes;

*Seios pequenos não têm leite.

Covid-19: Senai seleciona 600 empresas nacionais para produção de EPI's
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) selecionou 600 indústrias nacionais para aprender a produzir equipamentos de proteção individual (EPI) contra o novo coronavírus. A consultoria será feita em um treinamento online, por meio do Edital de Inovação da organização.

 

Segundo a Agência Brasil, durante as oito horas de treinamento os consultores ajudam na elaboração de um plano de ação, orientam sobre exigências regulatórias e assinam a adequação do novo processo produtivo às instalações industriais.

 

Na semana passada, o Senai anunciou 350 empresas na segunda chamada do projeto, que vai ensinar especificações técnicas e normas que garantam a eficácia de produtos como máscaras, álcool em gel e aventais hospitalares. Elas se juntam às 250 já treinadas a partir da primeira chamada, em junho. Entre as novas participantes há indústrias de 20 estados, 280 delas são empresas de micro ou pequeno porte.

 

O diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi, contou que empresas de setores com processos produtivos próximos são grande parte das selecionadas, como indústrias têxteis e de confecção, que teriam maior facilidade de produzir máscaras, por exemplo. "No caso do álcool em gel temos situações interessantes, como uma empresa que produzia aguardente, uma cachaçaria, que viu uma oportunidade e até um apelo. Havia um problema claro de abastecimento, e eles tiveram papel decisivo", disse sobre a cachaçaria Jiboia, do Acre, uma das participantes da primeira etapa.

 

Apesar da busca por reduzir a dependência de importações, o diretor avalia que a discussão sobre a eficiência produtiva se mantém. "É uma questão de soberania, de criar empregos e gerar melhores empregos. Nenhum país se desenvolveu sem apostar em indústrias". Ele também argumenta que a produção de EPIs ajudou empresas de setores mais atingidos a se manterem ativas e "salvar empregos".

OMS faz alerta para que jovens segurem instinto e parem de festejar na pandemia
Foto: Divulgação / Prefeitura de Arapongas

O chefe de emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mike Ryan, afirmou que os jovens precisam parar de ir a festas para previnir novos surtos de Covid-19. "“As pessoas mais jovens também precisam aceitar que têm uma responsabilidade. Faça a si mesmo a pergunta: eu realmente preciso ir a essa festa?", questinou ele. 

 

Os jovens de alguns países estão se reunindo cada vez mais para festas, churrascos e férias, de acordo com o G1. Isso tem contribuído para o ressurgimento da doença.

 

Segundo dados da OMS, a proporção de casos entre jovens de 15 a 24 anos aumentou três vezes em cerca de cinco meses. Em Genebra, onde fica a sede da Organização das Nações Unidas (ONU), cabarés e casas noturnas foram fechadas na semana passada, pois evidências apontaram que quase metade dos novos casos da cidade vinha desses locais.

 

Na visão de Ryan, os jovens tendem a não fornecer detalhes ou divulgar nomes de amigos, para que haja um rastreamento. No entanto, o chefe de emergências afirma que isso é necessário para parar o vírus. 
 

Ministério da Saúde está monitorando síndrome em crianças que pode estar ligada à Covid-19
Foto: Divulgação

O Brasil começou a monitorar, na última semana, uma possível relação entre casos de Síndrome Inflamatória Miltissistêmica Pediátrica (SIM-P) em crianças e adolescentes que possem entre 7 e 16 anos com a Covid-19. De acordo com o Ministério da Saúde, trata-se de uma medida de vigilância em saúde, que está sendo aplicada em vários países, como Espanha, França, Itália, Canadá e Estados Unidos (EUA).

 

Isso porque a maioria dos casos relatados de SIM-P apresentou exames laboratoriais que indicaram infecção autal ou recente pelo novo coronavírus. Se não isso, houve vínculo epidemiológico com caso confirmado de Covid-19. Até julho, segundo o Ministério da Saúde, foram contabilizados 71 casos em quatro estados: 29 no Ceará (lembre aqui), 22 no Rio de Janeiro, 18 no Pará e dois no Piauí. O Rio teve três óbitos pela síndrome. 

 

Ainda não existe confirmação da relação entre as duas doenças, mas a pasta responsável pela Saúde implementou a notificação desses casos no sistema de monitoramento, e mantém conversas com as secretarias de Saúde dos estados e municipios para orientar o diagnóstico e atendimento de possíveis casos por profissionais de saúde através da identificação dos sinais e sintomas mais comuns.

 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) já havia emitido um alerta mundial aos pediatras relatando a identificação de uma nova condição clínica, possivelmente associada à Covid-19, caracterizada pela Síndrome Inflamatória Multissistêmica (SIM-P), com manifestações clínicas similares à síndrome de Kawasaki típica, Kawasaki incompleta e/ou síndrome do choque tóxico.

 

Entre os sintomas mais frequentes estão febre persistente acompanhada de um conjunto de sintomas como pressão baixa, conjuntivite, manchas no corpo, diarreia, dor abdominal, náuseas, vômitos, comprometimento respiratório, entre outros.

 

Uma pesquisa feita pelo Instituto Evandro Chagas (IEC) no estado do Pará apontou que, entre os dias 15 de abril e 15 de junho, 155 crianças foram hospitalizadas com suspeita de Covid-19 nos hospitais participantes da pesquisa pelo IEC. A infecção foi confirmada em 108 destes pacientes. Deste total, o diagnóstico de SIM-P foi confirmado em 18 crianças, de acordo com os critérios estabelecidos pela OMS. 

 

Dos 18 casos diagnosticados pelo IEC, para Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica, 11 tiveram segmento no estudo (7 foram excluídos pois apresentavam situação vacinal incompleta para a idade).

 

Os 11 casos diagnosticados na pesquisa apresentaram idade entre 7 meses e 11 anos, a maioria pertencente ao gênero masculino, com diagnóstico nutricional de sobrepeso/obesidade ou comorbidades associadas (respiratórias e neurológicas).

'3 em Pauta': A volta dos drive-ins: Entretenimento durante a pandemia da Covid
Foto: Priscila Melo / Bahia Notícias

Após um longo tempo sem eventos no Brasil, o novo jeito das pessoas curtirem deve ser o "drive-in". Mas você tem ideia da onde ele surgiu? O "3 em Pauta" desta quinta-feira (6), vai explicar para você.

 

Com outros estados já realizando esse modelo de evento, Salvador deu início a execução com shows, peças teatrais e exibição de filmes, isso tudo dentro do seu próprio carro.

 

Porém, esse formato contempla apenas uma parcela da população, o que exige ainda uma ampliação para que todos tenham acesso a diversão. O programa vai mostrar como está o modelo de evento no Brasil e na Bahia. Veja aqui:

 

Análise por data de ocorrência indica queda na média de mortes por Covid na BA, diz Sesab
Foto: Secretaria de Comunicação de Salvador / Divulgação

O secretário de Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas, refuta a informação de que o número de óbitos por Covid-19 voltou a crescer após semanas em nível de estabilidade. Ele explica que, embora esse aumento seja observado nas análises por data de notificação, os dados com base na data de ocorrência das mortes mostra outro cenário.

 

"Número de óbitos vem caindo na Bahia", corrige Vilas-Boas em mensagem compartilhada no Twitter na manhã desta quinta-feira (6). Com os gráficos, o secretário ressalta que é possível perceber uma "queda expressiva" nas duas últimas semanas.

 

 

Além disso, Vilas-Boas apresentou outro gráfico que mostra a queda na taxa de ocupação de das unidades de terapia intensiva. O balanço da Sesab fechou a quarta-feira (5) com 67% dos leitos de UTI adulto para Covid-19 ocupados.

 

ATRASO NAS NOTIFICAÇÕES

Há meses, os boletins da Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) apresentam dados de óbitos por Covid-19 com atraso. Uma matéria publicada pelo Bahia Notícias em maio mostrava que, em média, as mortes em decorrência da doença levavam 6,6 dias para entrar no boletim. Na época, alguns registros se destacavam, como o caso de uma mulher que faleceu no dia 22 de abril, teve a conclusão do diagnóstico no dia 1º de maio, mas só foi incluída no boletim do dia 28 daquele mês.

 

A fim de entender a raiz do problema, o BN procurou laboratórios públicos e privados que afirmaram processar os dados nos sistemas do Ministério da Saúde em prazo muito inferior (saiba mais aqui). Já a Sesab responsabiliza as secretarias municipais pelos atrasos e anunciou até uma investigação. Para tentar sanar esse problema, a pasta do estado desenvolveu um sistema que integra as bases de dados do governo federal. 

 

No entanto, uma matéria publicada pelo BN na madrugada desta quinta-feira indica que o problema não foi resolvido. Das 415 mortes por Covid-19 acrescidas ao boletim entre 30 de julho e 5 de agosto, 42% ocorreram há mais de 30 dias (saiba mais aqui).

Cidades da Chapada, Oeste e Vale do Jiquiriçá terão transporte suspenso devido à Covid-19
Boninal / Foto: Reprodução / Jornal Acomarca

Os municípios de Boninal, na Chapada Diamantina; Cravolândia, no Vale do Jiquiriçá, e Sítio do Mato, na região do Velho Chico, Oeste baiano, terão o transporte suspenso a partir desta sexta-feira (7). Com as três cidades, o número de municípios sem o serviço é de 395, o que representa 94,7% dos 417 do estado. A medida faz parte das ações para conter a disseminação da Covid-19 na Bahia.

 

Segundo decreto desta quinta-feira (6), para sair das três cidades, o limite é a 1h desta sexta, enquanto que para chegar a tolerância vai até as 9h do mesmo dia. Conforme último boletim da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) desta quarta-feira (5), a Bahia já acumula 179.737 [13.163 ativos] casos confirmados de novo coronavírus, 162.838 pessoas já são consideradas curadas, e 3.736 vieram a óbito em decorrência da enfermidade.
 

RETORNO

No mesmo decreto, o governador Rui Costa autorizou o retorno das atividades em Botuporã, na Bacia do Paramirim, Oeste baiano; e Iramaia, na Chapada Diamantina. A justificativa é que nessas cidades não houve novos casos de Covid-19 nos últimos 14 dias. O tempo é considerado para a recuperação bem como para a não transmissão do vírus. 

Quinta, 06 de Agosto de 2020 - 00:00

Mais de 40% das mortes notificadas pela Sesab na última semana ocorreram há mais de 30 dias

por Rebeca Menezes / Jade Coelho

Mais de 40% das mortes notificadas pela Sesab na última semana ocorreram há mais de 30 dias
Foto: Mateus Pereira/GOVBA

Na última semana 415 novas mortes por Covid-19 foram adicionadas aos registros da Secretaria da Saúde (Sesab). No entanto, quase metade desse número se refere a mortes de 15 dias atrás, e 42% delas ocorreram há mais de 30 dias. Os números se referem aos dados divulgados nos boletins divulgados entre 30 de julho e 5 de agosto.

 

O registro tardio dos dados gera dificuldade e pode causar confusão na análise da atual situação da pandemia no estado.

 

Salvador é a cidade que mais atrasa as notificações de morte, de acordo com os dados do boletim da Sesab. Dos 177 registros de mortes com atraso de 30 dias ou mais contabilizados na última semana, apenas 3% não foram na capital baiana. São eles: dois de Lauro de Freitas, um de Ibicaraí, um em Salvador das Missões, no Rio Grande do Sul, um de Jequié e um de Camaçari.

 

Ao olhar o atraso referente a 15 dias, dos 204 registros, 14 foram de cidades do interior. O número representa 6,8% do total.

 

Na sexta-feira (31) a Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) registrou o segundo dia consecutivo de recorde de mortes por Covid-19 confirmadas em 24 horas. Mas como ressaltou reportagem do Bahia Notícias (leia aqui), o número não significa que a pandemia está se agravando no estado. A própria pasta reconhece atraso nas notificações e atribui a responsabilidade às prefeituras.

Brasil tem 70,7% de recuperados da Covid-19; letalidade permanece estável
Foto: Reprodução / Handout

Entre os infectados pela Covid-19, 70,7% se recuperaram da doença no Brasil. Segundo o balanço do Ministério da Saúde desta quarta-feira (5), o país chegou a 2.859.073 casos acumulados. 

 

Ao todo foram 97.256 mortes, com a taxa de letalidade chegando a 3,4%, mesmo percentual de dias anteriores. Ainda constam 741.180 pacientes em tratamento. 

 

Nas últimas 24 horas, foram registrados 1.437 óbitos e notificados 57.152 novos casos de em razão do novo coronavírus. 

Parceria entre Senai e empresas desenvolve sistema para monitorar Covid-19 no esgoto
Foto: Reprodução/Pixabay

A partir de uma parceria entre o Senai e empresas privadas de saneamento básico e engenharia será desenvolvido um método inédito para avaliar a  presença do material genético do novo coronavírus no esgoto.

 

As análises serão iniciadas na cidade de Macaé, no Rio de Janeiro, de acordo com informações de reportagem do Estadão. 

 

O objetivo é identificar o nível de contaminação na cidade. Os cientistas ressaltam que parcela dos pacientes com Covid-19 pode não apresentar sintomas evidentes, porém são capazes de transmitir o vírus para outras pessoas. 

 

A tecnologia é inédita e baseada em um sistema de ultrafiltração. A reportagem ressalta que o sistema é produzido com uma membrana feita de polímero, combinada com a técnica de RT-PCR em tempo real. Os pesquisadores vão coletar materiais em pontos estratégicos da cidade.

 

"A metodologia otimizada ao longo desta ação será capaz de detectar com precisão a presença muito pequena do material genético do vírus causador da covid-19 nas amostras. Uma vez implementado, os resultados gerados por este método poderão atuar como um indicador da densidade de pacientes positivos na região", informou a Firjan em nota.

Quarta, 05 de Agosto de 2020 - 18:20

Casos ativos de Covid na Bahia crescem após cinco dias de queda

por Rebeca Menezes / Jade Coelho

Casos ativos de Covid na Bahia crescem após cinco dias de queda
Foto: Sesab

O número de casos ativos da Covid-19 na Bahia voltou a crescer nesta terça (4) e quarta-feira (5) após cinco dias de queda. O boletim desta quarta traz a informação de que 13.163 pessoas seguem doentes no estado.

 

O número baixou da casa dos 20 mil em 18 de julho, desde então tem se mantido entre 12 mil e 14 mil. No último mês o menor patamar foi registrado em 21 de julho, quando o estado registrava 11.704 casos ativos da Covid-19. 

 

O total de infectados na Bahia desde o início da pandemia é de 179.737 e os mortos pela infecção do coronavírus são 3.736. Até o dia anterior eram 175.389 casos confirmados e 3.678 óbitos.

 

Quanto aos recuperados, são 162.838 de acordo com a Secretaria da Saúde.

 

Os casos confirmados ocorreram em 410 municípios baianos, com maior proporção em Salvador (33,67%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 100.000 habitantes foram Almadina (3.971,45%), Dário Meira (3.912,23%), Gandu (3.647,81%), Itajuípe (3.543,02%) e Ipiaú (3.287,34%).

Após Covid-19, crianças desenvolvem Síndrome Multissistêmica Inflamatória no Ceará
Foto: Brasil Escola

Especialistas identificaram um novo possível efeito da infecção pelo coronavírus. No Ceará há registros de Síndrome Multissistêmica Inflamatória Pediátrica (SMIP) em pelo menos 16 crianças que tiveram contato com o vírus . 

 

Os pacientes, de acordo com reportagem do G1, são acompanhados por cardiologistas e outros profissionais em uma unidade de saúde de Fortaleza. 

 

Há registros de casos também em outros países.

 

Os casos da síndrome começaram a ser identificados há cerca de três meses, de acordo com a reportagem. Os sintomas incluem febre recorrente, dores abdominais, manchas na pele, casos de irritação dos olhos, entre outros sinais.

 

Os médicos dizem que a SMIP possui características similares à Doença de Kawasaki e pode ser vencida com imunoglobulina e procedimentos médicos para evitar sequelas. O diagnóstico é feito com avaliação clínica e exames de sangue.

 

O Ministério da Saúde, em parceria com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), publicou nota técnica no fim de maio como alerta para a possível relação da SMIP com o novo coronavírus.

Doria prevê que brasileiros estarão imunizados contra a Covid-19 em fevereiro
Foto: Governo de São Paulo / Flickr

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse, nesta terça-feira (4), que o Instituto Butantan deve começar a produzier a vacina contra a Covid-19 em novembro. "Tudo indica que já estaremos com uma imunização plena, da totalidade da população brasileira, até o fim de fevereiro. Olhando sempre com olhar otimista, realista”, afirmou o gestor, em entrevista à Rádio Bandeirantes.

 

O instituto tem uma parceria com a empresa chinesa Sinovac Biotech, que desenvolve a coronavac, vacina que está em fase de testes. Analisando possíveis intercorrências, Doria acredita que o máximo de atraso em relação à sua expectativa será de dois meses.

 

De acordo com o site da revista Exame, o governador de São Paulo afirmou ainda que o protocolo de vacinação seguirá as mesmas regras de aplicação da imunização contra a gripe. Ou seja, os primeiros a receberem a vacina serão aqueles que estão no grupo de risco. Depois, profissionais de saúde, forças pelicias e, por último, população em geral.

 

Para evitar problemas, Doria garantiu ainda que o imunizante será produzido no Brasil. “Tivemos essa experiência real quando respiradores importados da China foram interceptados no aeroporto de Nova York e lá ficaram, 335 respiradores não vieram para o Brasil porque mister Trump estabeleceu modus operandi e confiscou respiradores ao Brasil e outros países”, explicou.

 

Os testes para a vacina serão feito em 9 mil voluntários, que serão profissionais da saúde. Já participam dos testes: voluntários do Hospital da Clínicas, Instituto Emílio Ribas, Hospital das Clínicas da Faculdade de Ribeirão Preto da USP, Universidade Municipal de São Caetano do Sul e Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Fármacos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). 

Saúde espera que 15 milhões de brasileiros estejam vacinados até dezembro de 2020
Foto: Divulgação

A expectativa do secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Correia Medeiros, é de que cerca de 15,2 milhões de brasileiros já estarão vacinados contra a Covid-19 até dezembro deste ano.

 

A ideia diverge da apresentada pelo diretor do Instituto Bio Manguinhos da Fiocruz, Maurício Zuma. Ele afirmou que o prmeiro lote da vacina deve ser distribuído a partir de janeiro de 2021.

 

De acordo com o Uol, as falas foram registradas em audiência pública virtual da Câmara dos deputados, que debateu a estratégia nacional de vacinação.

 

O governo federal está negociando um acordo com a farmacêutica AstraZeneca, que produz uma das vacinas que está sendo testada no país, em parceria com a Universidade de Oxford. Ainda falta definir como será feita a fabricação e transferência de tecnologia da vacina, além do registro na Agência Nacional de VigiLância Sanitária, validação e distribuição.

 

Cerca de 100 milhões de doses serão compradas em três parcelas de entrega, com previsão de que 15,2 milhões sejam entregues ao Brasil em dezembro, caso a vacina tenha sua eficácia comprovada. O segundo lote chegaria em janeiro de 2021, com outras 15 milhões de doses, e restante ainda não tem previsão.

 

Quando houver a transferência de tecnologia, a expectativa do Instituto Bio-Manguinhos é de que 40 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 sejam produzidas por mês. 

Planos de saúde perdem mais de 280 mil clientes, e SUS pode ficar sobrecarregado
Foto: Marcelo Casal Jr./ Agência Brasil

Os planos de saúde perderam mais de 280 mil clientes no Brasil entre os meses de abril e maio. Se a tendência de debandada na saúde suplementar continuar, o Sistema Único de Saúde (SUS), única opção para a qual essas pessoas podem recorrer, pode ficar sobrecarregado. 

 

A queda no número de beneficiários dos planos é um fenômeno agravado pela pandemia do novo coronavírus, que culminou na perda de emprego ou na queda brusca nos rendimentos das pessoas.

 

De acordo com o jornal O Globo, caso os dados de junho sigam os de maio e mais 200 mil usuários fiquem sem plano, esse terá sido o pior trimestre da História do país, de acordo com José Cechin, superintendente executivo do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS).

 

“De fato, estamos numa crise. Isso vem acontecendo de forma importante desde abril e acelerou em maio: 216 mil a menos em um mês só é uma variação importante. Ainda não temos os dados de junho, mas também deve haver perda de beneficiários, porque não houve retomada”, afirma Cechin.

 

Dados apontam que, em maio, dos 37,8 milhões de usuários de planos coletivos (80,7% do total), 83% eram beneficiários de coletivos empresariais e 16,4%, coletivos por adesão formados por sindicatos e entidades de classe, por exemplo. O restante são planos individuais.

 

Para o superintendente do IESS, no caso de procedimentos mais simples, a migração para o SUS não deve ser total, já que parte da população tende a buscar clínicas populares ou consultas particulares como forma de agilizar o tratamento. 

 

Isso, entretanto, não é solução para atendimentos de emergência, cirurgias ou exames mais complexos: “Com a saída em massa dos planos, a maioria vai mesmo ter que ir para a fila do SUS e buscar atendimento em UPA”.

Antes da estreia na Série B, elenco do Vitória passa por nova rodada de testes da Covid-19
Foto: Letícia Martins/ Vitória

O Vitória realizou, nesta quarta-feira (5), uma nova rodada de testagem para detecção da Covid-19 no elenco e comissão técnica da equipe.

 

A testagem faz parte dos protocolos da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e antecede à estreia do Leão na Série B contra o Sampaio Corrêa, marcado para sábado (8), às 19h, no Barradão. 

 

Os resultados ainda não foram divulgados. Para a partida, o Vitória tem três desfalques certos por lesão: os laterais Van e Léo Morais e o zagueiro Maurício Ramos. 

Quarta, 05 de Agosto de 2020 - 08:40

Itajuípe: Prefeitura prorroga restrições devido à Covid-19

por Francis Juliano

Itajuípe: Prefeitura prorroga restrições devido à Covid-19
Foto: Reprodução / Giorlando Lima

A prefeitura de Itajuípe, no Sul baiano, prorrogou restrições devido ao enfrentamento do novo coronavírus. A medida, válida até o dia 20 de agosto, foi publicada nesta terça-feira (4). Com isso, ficam vetadas diversas atividas comerciais, como lojas de eletrodomésticos, vestuários, calçados, bares, restaurantes, agências bancárias com atendimento ao público, hotéis, além de escolas e clubes sociais.

 

A exceção vão para as atividades consideradas essenciais, como mercados, farmácias, padarias, distribuidora de água mineral, açougues, postos de gasolina, entre outros. Na cidade, o toque de recolher continua e vai até o dia 13 de agosto, com a proibição de circulação de pessoas entre as 20h e 5h. No mesmo decreto, a prefeitura liberou missas e cultos religiosos, com distanciamento mínimo de dois metros entre as pessoas, e academias de ginástica, com cada sessão com duração máxima de 50 minutos e oito alunos no limite.

 

Itajuípe é o quarto município com maior incidência da Covid-19 na Bahia, com coeficiente de 351,862 por 100 mil habitantes. Segundo último boletim municipal do novo coronavírus, o município, que tem cerca de 20,5 mil habitantes, acumula 686 casos confirmados de Covid-19 com 13 óbitos.

Covid-19: Vilas-Boas comemora queda de novos casos a partir do início dos sintomas
Foto: Divulgação

Se pela data de registro de novos casos de coronavírus, a Secretaria de Saúde do estado indica que há estabilidade, o monitoramento pela data de início dos sintomas apresenta um quadro melhor. A informação foi divulgada pelo próprio secretário Fábio Vilas-Boas, em mensagem compartilhada no Twitter, na manhã desta quarta-feira (5).

 

"Sinais positivos. Os gráficos que plotam o número de novos casos com base na data de início dos sintomas (não na data de notificação) revela queda progressiva ao longo das últimas duas semanas", comemora o titular da pasta. 

 

Como demonstrado no gráfico, tanto na semana iniciada no último dia 26 quanto na anterior, do dia 19 de julho, a média de pacientes cujos sintomas da Covid-19 começaram a se manifestar se manteve abaixo de 2.000. Na semana anterior, esse número esteve entre 2.000 e 2.500. O máximo, de acordo com os dados, foi registrado entre o final de junho e o início de julho, acima de 3.500 casos.

 

Imagem: Sesab / Divep

 

Isso é indicado no momento em que diversas cidades baianas flexibilizam as medidas de restrição. O último boletim da Sesab, divulgado na noite de terça (5), confirma o acumulado de 175.189 casos da doença e 3.678 óbitos em decorrência dela. A taxa de ocupação dos leitos de UTI adulto fechou em 67%.

Jequié: Mais 3 idosos morrem por Covid-19 e número total de óbitos chega a 88
Foto: Reprodução / Blog do Marcos Frahm

Três idosos vieram a óbito por coronavírus em Jequié, no Sudoeste, de acordo com boletim epidemiológico municipal divulgado nesta terça-feira (4). Com isso, o número acumulado de óbitos pela doença chegou a 88. Segundo a prefeitura, as vítimas desta terça foram um idoso, de 92 anos, residente do bairro Cansanção, portador de doenças cardíacas e que veio a óbito na Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24 Horas); uma idosa, de 86 anos, residente no Centro, que estava internada no HGPV; e outro idoso, de 84 anos, morador do Joaquim Romão, portador de doença neurológica crônica, que estava internado no HGPV. Conforme o Blog do Marcos Frahm, houve também o registro de mais 53 novos casos da Covid-19 no mesmo dia, o que eleva o número total para 3.538.

 

No mesmo boletim, a prefeitura informou que mais 66 pessoas tiveram alta, chegando ao número de 2.081 pacientes considerados curados. Há ainda 4.520 pessoas em quarentena.

 

95% DE UTI OCUPADA

Conforme os dados repassados pelo HGPV e pelo Hospital São Vicente, a taxa de ocupação geral dos leitos de UTI/adulto é de 94,9%. Destes, 22 leitos estão ocupados por residentes de Jequié e 15 leitos ocupados por pessoas de outros municípios.

Medo da Covid-19 mudou modo de locomoção, conclui CNT; Salvador prepara adaptação
Foto: Romildo Jesus/Secom

A pandemia do coronavírus mudou a rotina de muita gente e a relação das pessoas com diversos serviços. No tema locomoção, ela evidenciou a busca por formas alternativas ao transporte público. O dado consta na pesquisa "Mudanças no setor de transporte pós-Covid-19", da Confederação Nacional do Transporte (CNT), divulgada no fim de julho.

 

Uma das conclusões da entidade é de que a o receio da contaminação interferiu na priorização de deslocamentos por meios de transporte em que não há a necessidade de compartilhamento de espaços fechados, a exemplo dos ônibus, vans e metrôs.

 

O documento destaca que o uso de bicicletas e a procura pelo serviço de compartilhamento desses meios de locomoção cresceram neste período.

 

Em Salvador, a gestão municipal se antecipou e anunciou, em junho, que vai alargar calçadas e incentivar uso de bicicleta pela população. O anúncio foi feito pelo prefeito ACM Neto (DEM) ao apresentar o primeiro eixo, de um total de sete, do plano para estimular a economia da cidade, atingida pelos efeitos da pandemia do novo coronavírus.

 

O gestor destacou que nesta etapa do projeto a intenção é investir em “soluções urbanas” para a cidade, com realização de intervenções urbanísticas de caráter temporário que serão adotadas pela gestão municipal. Entre elas, estão a ampliação de ciclovias e ciclofaixas, reordenamento de ruas para ambulantes e aumento do espaço para pedestre nas calçadas (leia mais aqui).

 

A necessidade de readequação dos espaços urbanos e reorganização das vias não são realidade apenas na capital baiana, a CNT pondera que as grandes cidades, que são, em geral, as mais atingidas pela Covid-19, obtêm suas vantagens econômicas e sociais justamente da alta densidade e da proximidade entre pessoas e locais de atividades. "Assim, a configuração das ruas e calçadas, em grande parte, não está adaptada às atuais recomendações de distanciamento social", diz o relatório.

 

A confederação chama a atenção para o fato de que em longo prazo o abandono do transporte público não é uma alternativa viável. Nesse sentido a entidade acrescenta a importância de buscar formas de adaptar o transporte público à nova realidade imposta pelo vírus.

 

Entre as alternativas apontadas pela CNT para contribuir com a preparação do setor para o retorno à utilização dos transportes coletivos está uma já disponível em Salvador. O fornecimento de informações de chegada e partida dos ônibus para os passageiros, a fim de evitar esperas e aglomerações nos terminais.

 

Também é citado o desenvolvimento de aplicativos que possibilitem aos passageiros reservarem lugares no veículo quando necessitarem realizar um deslocamento. A CNT acrescenta que essa alternativa foi adotada em países como Itália, Reino Unido e África do Sul.

 

"Essas medidas também preveem que o passageiro possa acompanhar em tempo real a localização do veículo, contribuindo para a redução do tempo de espera nos ambientes públicos. Esse tipo de solução, em algumas ocasiões, tem sido chamado de transporte coletivo sob demanda", explica o relatório.

 

Independentemente de quais sejam as soluções adotadas, a Confederação classifica a tecnologia como ferramenta que vai possibilitar o retorno à normalidade ou ao “novo normal” com segurança. Nesse sentido o relatório ainda cita a adoção exclusiva do pagamento eletrônico das tarifas (sem contato); e o uso de soluções que permitem controlar a lotação dos veículos.

 

A entidade ainda acredita em um legado deixado pela pandemia. "Essa capacidade de adaptação na forma de utilização dos recursos disponíveis,com o objetivo de assegurar a locomoção das pessoas e o transporte de bens, moldam um sistema de transporte resiliente e sustentável. Os aprendizados obtidos dessa experiência, se bem aproveitados, podem ser fundamentais para o enfrentamento de futuras crises, sejam elas causadas por algum outro evento biológico, ou por fenômenos climáticos extremos, por exemplo", diz o relatório.

Terça, 04 de Agosto de 2020 - 21:03

Brasil chega a 2,8 milhões de casos da Covid-19; 70,3% estão recuperados

por Mauricio Leiro

Brasil chega a 2,8 milhões de casos da Covid-19; 70,3% estão recuperados
Foto: Reprodução / Handout

O Brasil continua a subida no número de casos da Covid-19 e contabiliza 2.801.921 milhões infectados. Nas últimas 24 horas foram registradas mais 1.154 mortes, segundo boletim do Ministério da Saúde divulgado nesta terça-feira (4). 

 

O número de casos nas últimas 24 horas somaram mais 51.603 no quadro da doença. Já o número total de mortes chegou a 95.819.

 

Segundo o boletim, há 735.335 pacientes em acompanhamento. Outras 1.970.767 pessoas já se recuperaram da Covid-19, o que representa 70% do total dos infectados.

Feira de Santana: Média móvel mostra queda de 30,6% na contaminação por Covid-19
Foto: Divulgação

A redução de novos casos de Covid-19 em Feira de Santana, levando-se em consideração a variável média móvel, chegou a 30,6%, quando comparadas as médias diárias entre 27 de julho a 2 de agosto e 14 a 20 de julho. As informações são da prefeitura feirense.

 

A quantidade de contaminados caiu de 797 (113 por dia) em 20 de julho, para 553 (79 por dia) em 2 de agosto. No mesmo período, a Bahia registrou o crescimento médio diário de 30%: passou de 2.343 casos para 3.185.

 

Os números mostram tendência de queda de contaminação pela doença no município, de acordo com este indicador. Chega-se à média móvel somando o número de casos registrados na semana analisada, dividindo o resultado pelo número de dias (sete).

 

No mesmo período comparado, a média móvel de pacientes recuperados da doença foi positiva em pouco mais de 70%. Passaram de 621 pessoas livres da Covid-19 para 1.057 pacientes que não mais têm o vírus no organismo.

 

Tal metodologia de verificação, de acordo com especialistas, mostra o quadro com números mais próximos da realidade, porque o acompanhamento é diário e corrige distorções devido ao represamento que acontece nos finais de semana, por exemplo.

 

Outra informação relacionada é que o período de duas semanas coincide com o período de incubação do vírus. Esta fase da doença leva em média cinco dias e, geralmente, as pessoas procuram orientação médica depois do sétimo dia dos sintomas, de acordo com especialistas.

Histórico de Conteúdo