Terça, 25 de Junho de 2013 - 08:50

O medo do Dois de Julho

por Samuel Celestino

O Governador Jaques Wagner disse que não vai mudar a sua agenda para o Dois de Julho, e não deve mudar mesmo, nem o Prefeito ACM Neto, na medida em que são, pelos cargos que ocupam,  presenças obrigatórias no festejo da Independência, que, há pouco, por decisão da presidente Dilma, se tornou uma data nacional. Até lá, se o pacote anunciado pela presidente na noite de ontem tiver boa acolhida dos manifestantes e da população de maneira geral, como é muito provável que tenha porque, em cinco itens, o pacote abrange todas as reivindicações das ruas, não há o que temer. Caso contrário, o Dois de Julho será magro de políticos que estão na berlinda, de rabo entre as pernas, tanto eles quanto seus partidos que são desdenhados pela população de maneira geral, conforme revelaram as pesquisas. Já no ano passado registraram-se incidentes, de tal sorte que houve redução do percurso por alguns políticos que foram vaiados, nas ruas como das sacadas dos casarões, a ponto de a polícia ter feito intervenções, principalmente na saída, no Largo da Lapinha. Portanto, fica uma interrogação no ar sobre o que poderá acontecer no transcorrer da manifestação cívica.

Histórico de Conteúdo