Quarta, 07 de Março de 2012 - 10:51

Cintra deixará marca de mudança histórica no TJ-BA

por Samuel Celestino

A eleição da desembargadora Sara Brito para presidir o Tribunal Regional Eleitoral é um fato novo no Judiciário. Ela chegou ao colegiado depois de derrotar a sua concorrente, a desembargadora Dayse Lago na disputa pela vaga existente no TRE, há cerca de dois meses. O Tribunal Regional Eleitoral da Bahia foi marcado, na década passada, pela presença do desembargador Carlos Alberto Dultra Cintra, a quem a Justiça baiana muito deve. Cintra ascendeu à presidência do TJ-BA em 2002 após derrotar o candidato do então senador ACM, Amadiz Barreto, que, com a derrota, afastou-se do poder. A vitória marcou um fato histórico porque, até então, o Judiciário era comandado pela força de Antônio Carlos Magalhães. A campanha se deu pela independência e soberania do poder, que afinal se concretizou. É fato que o Judiciário não alcançou as metas que se almejava, mas também o é que Cintra foi um divisor de águas que impulsionou o processo de decadência do líder político, que então comandava e dava ordens em todos os tribunais do Estado. Carlos Alberto Dultra Cintra continuará no TRE, como vice-presidente ou corregedor, mas, no final deste ano, começa a se despedir do poder, onde deixou uma indelével marca. No início de 2013 o desembargador se aposentará, pelo critério da idade.

Histórico de Conteúdo