Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

APUB comemora aniversário de 54 anos e destaca cenário político 'devastador'
Foto: Divulgação

A Associação de Professores Universitários da Bahia (APUB) comemora 54 anos de existência neste sábado (6), sendo o sindicato do setor mais antigo do Brasil. A APUB fará a celebração para docentes na sede da entidade, na Federação, a partir das 12h, contando com almoço e atrações musicais.

 

O presidente da associação, Emanuel Lins, destacou que o aniversário da entidade acontece em um cenário político devastador, de ataques sistemáticos à democracia e à educação.

 

Além disso, o representante da APUB fez críticas ao governo de Jair Bolsonaro (PL), afirmando que o governista protagonizou seguidos cortes nas universidades públicas e na ciência brasileira.

 

“Vamos celebrar os 54 anos da entidade defendendo a democracia, resistindo aos ataques à educação, além de buscar formas de contribuir para que o Brasil reencontre o caminho da democracia e do desenvolvimento econômico, com geração de emprego, trabalho decente e justiça social para todos e todas.”, afirmou Lins.

 

ORIGEM E HISTÓRIA DA APUB

Em 6 de agosto de 1968, nasceu a APUB, a mais antiga associação de representação profissional dos docentes universitários do Brasil. A entidade surgiu como uma reação à tentativa de invasão pela Polícia Militar à Escola Politécnica da UFBA, em período de grande resistência da sociedade contra a ditadura.

 

 “A partir daí criou-se uma Comissão de formação, composta por 13 membros. A Assembleia de constituição aconteceu em 6 de agosto do mesmo ano, na qual foi elaborado o Estatuto da Associação de Docentes, registrado posteriormente”, relembrou Joviniano Carvalho Neto, diretor social e de aposentados do sindicato.

 

Após o AI-5, durante a Ditadura Militar, as atividades públicas foram descontinuadas, ficando a APUB sob guarda do professor da Escola Politécnica da Ufba, Guilherme Radel, seu primeiro presidente, falecido em janeiro de 2019.

 

O seu funcionamento só foi reativado entre os anos de 77 e 78. E a sua sede passou a ser no Instituto de Física da Ufba. Após o fim da ditadura em 1985, a APUB ocupou o prédio do SNI (Serviço Nacional de Informações), localizado na Rua Padre Feijó, n. 49, no Canela, endereço que centralizava a fiscalização ideológica na Ufba.

 

Naquela sede, a APUB funcionou até 20 de março de 2015, quando inaugurou sua atual sede própria, localizada na Rua Professor Aristides Novis, nº 44, Federação.

 

Ao longo dos 54 anos de fundação, o sindicato salienta o cumprimento das suas pautas relativas ao trabalho e a vida das educadoras e educadores, e refletindo ao lado de professores e professoras formas de lutar em defesa da democracia, da universidade pública, autônoma, gratuita e democrática e em defesa e manutenção dos direitos dos trabalhadores.

 

APUB também ressalta que participa de frentes democráticas, a exemplo da “Carta às brasileiras e aos brasileiros em defesa do Estado Democrático de Direito”, criada pela comunidade Acadêmica da Faculdade de Direito da USP em defesa da Democracia, que reuniu assinaturas de artistas, intelectuais, banqueiros, empresários, e outros membros da sociedade civil. 

 

Segundo a associação, o documento é um resgate da “Carta aos Brasileiros”, lançada em 1977 durante a ditadura militar. A carta já conta com cerca de 700 mil assinaturas e o principal objetivo é defender o estado democrático de direito.

Histórico de Conteúdo