Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 21 de Junho de 2022 - 18:40

Líder do governo afirma ter um terço das assinaturas para CPI da Petrobras

por Leonardo Almeida

Líder do governo afirma ter um terço das assinaturas para CPI da Petrobras
Foto: Antônio Barros/Agência Brasil

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-AL), afirmou que já possui 65 das 171 assinaturas para a abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a política de preços da Petrobras, de acordo com informações do Scoop. A coleta das assinaturas começou a ser feita na madrugada desta terça-feira (21) pelo líder do PL, deputado Altineu Côrtes.


O inquérito tem a finalidade de investigar supostas irregularidades no processo de definição de preços dos combustíveis e derivados de petróleo no mercado interno. Só em 2022, o valor da gasolina vendida pela estatal acumula alta de 31%, enquanto o diesel subiu 68%.


De acordo com fontes do Scoop, o intuito é “fazer uma devassa” na Petrobras, atacando ineficiências e endividamento, com objetivo de mostrar que o modelo de gestão é ultrapassado. 


Não há um prazo para instalação de uma CPI, mas é preciso que o requerimento de abertura seja assinado por um terço dos membros da Casa, ou seja, por 171 deputados.


O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou ser contra a abertura da CPI e defendeu a adoção de medidas para diminuir o impacto do aumento dos preços dos combustíveis para o consumidor.


José Mauri Coelho renunciou ao cargo de presidente da Petrobras nesta segunda-feira (20). Apesar da saída ter esfriado um pouco a possibilidade de instalação da CPI, a base de apoio ao governo segue com a intenção de investir Coelho e outros dirigentes.
 

Histórico de Conteúdo