Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Suspeito de assalto é baleado em unidade de saúde no Rio e morre sem socorro, diz família
Foto: Divulgação

A família de um suspeito de roubo afirma que o rapaz, baleado, morreu na calçada de uma UPA sem receber atendimento. O caso foi na última sexta-feira (10) em Senador Camará, na Zona Oeste do Rio.

 

Testemunhas apontaram que, Daniel Cunha Guedes, de 24 anos, tentou roubar um estabelecimento com um outro ladrão. Um segurança reagiu, e houve confronto, segundo o G1.

 

Na troca de tiros, uma jovem foi baleada. Milena de Jesus Hora foi levada para o Hospital Albert Schweitzer, em Realengo. Ela passou por cirurgia, e o estado de saúde dela é estável. Daniel também foi atingido e, mesmo baleado, rendeu o motorista de um carro. Testemunhas disseram que ele pediu para ser socorrido.

 

Vídeos da ação mostram pessoas agredindo Daniel com chutes e ferramentas. Minutos depois, Daniel aparece já estirado no chão, ao lado de um PM. O irmão dele aparece. “Pode levar ele, não, chefe? Deixa eu levar meu irmão! Por favor. Tirar ele daqui?”, pediu.

 

A esposa de Daniel acredita que o marido poderia ter sobrevivido caso tivesse sido atendido na hora. “Pedi aos policiais, eu e o irmão dele, para poder levá-lo para o hospital, para chamar o Samu. Não tinha um bombeiro, não tinha ninguém da saúde lá. Eles falaram que a gente não podia tocar”, disse Sabrina Mattos.

 

“Eu sei que ele fez errado, mas acho que todo mundo tem que pagar pelo que faz de errado, não morrer numa calçada”, emendou a esposa. O outro assaltante conseguiu fugir numa moto.

 

A Polícia Militar disse que PMs foram chamados para uma ocorrência de espancamento e que, quando a equipe chegou ao local, encontrou um homem ferido.

 

O RJ1 perguntou por que o assaltante baleado foi impedido de ser socorrido. A PM informou que os policiais já encontraram Daniel sem apresentar sinais de vida. Os militares acionaram a perícia e preservaram o local, a fim de evitar que a cena do crime fosse alterada.

 

A RioSaúde esclarece que a UPA de Senador Camará não foi acionada, em nenhum momento, para prestar socorro a Daniel. A unidade foi acionada apenas para socorrer a jovem atingida na ação, que foi prontamente atendida e encaminhada ao Hospital Municipal Albert Schweitzer.

 

“Cabe destacar que o atendimento a Daniel teria acontecido imediatamente caso os profissionais da UPA Senador Camará tivessem sido acionados”, diz a nota.

Histórico de Conteúdo