Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Após vaia de petistas e foto com tucanos, Paulinho acerta apoio do Solidariedade a Lula
Foto: Ricardo Stuckert

Presidente do Solidariedade, Paulinho da Força confirmou que o partido se aliará ao PT para a disputa das eleições presidenciais deste ano. A fala ocorreu na manhã desta terça-feira (19), após encontro da liderança com Lula, pré-candidato à presidência, e Gleisi Hoffmann, presidente do PT, em São Paulo.

 

A reunião ocorreu após Paulinho receber vaias de petistas em um evento de centrais sindicais na semana passada (reveja aqui) e que contou com as presenças do ex-presidente e Geraldo Alckmin (PSB), que deverá ser seu vice na chapa. A conversa, antecipada pelo repórter Nilson Klava no Blog do Camarotti, serviu para "parar o caminhão e arrumar as abóboras", como definiu o deputado federal, segundo o G1. Paulinho também esteve ao lado do ex-governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), que negou nesta terça-feira (19) que tenha escondido o deputado federal Aécio Neves (PSDB) ao publicar uma foto cortada de um encontro deles (veja mais). 

 

"Hoje, aqui, nós selemos os nossos compromissos. Vamos fazer o evento na direção da executiva nacional do Solidariedade, no dia 3, conforme eu tinha combinado com a Gleisi, para definitivamente selar a aliança com o Lula", afirmou Paulinho, confirmando presença no lançamento da pré-candidatura de Lula, no próximo dia 7.

 

Antes do encontro, o presidente do Solidariedade criticou uma ala do PT. Questionado se havia salto alto dentro do partido, disse: "Acho que uma parte sim, talvez não a direção do PT, mas uma parte do pessoal do PT acha que já ganhou a eleição, e eu acho que a eleição não tá ganha".

 

As vaias ao deputado geraram certo constrangimento, principalmente pelo fato, segundo Paulinho, de nem Lula nem Alckmin terem o defendido na oportunidade. "A vaia foi de uma parte da militância do PT e não era público, não era povo em geral, então, portanto, eu sei como funciona isso. E isso é grave. No nosso ponto de vista, [mostra] que a aliança que o PT imagina seja menor do que a que nós imaginamos", disse o deputado, previamente à conversa.

 

Presidente do PT, Gleisi Hoffmann esteve no encontro e lamentou as vaias direcionadas ao deputado. "O Solidariedade tem sido um partido que tem conversado muito com o PT, com os partidos da federação. A gente tem encaminhado várias lutas juntos. Infelizmente, aconteceu um fato que a gente lamenta, não tem absolutamente nada a ver com o Partido dos Trabalhadores, nem com a nossa militância", afirmou.

Histórico de Conteúdo