Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Segunda, 14 de Março de 2022 - 18:41

Cacá Leão confirma diálogo com ACM Neto mas não descarta ajuste do PP com João Roma

por Vitor Castro / Mauricio Leiro

Cacá Leão confirma diálogo com ACM Neto mas não descarta ajuste do PP com João Roma
Foto: Vitor Castro / Bahia Notícias

O deputado federal Cacá Leão confirmou o diálogo com o ex-prefeito ACM Neto (UB), porém, não descartou que o PP na Bahia possa aderir a candidatura do ministro da Cidadania João Roma (Republicanos). Cacá confirmou nesta segunda-feira (14) que a definição do destino do partido será tomada até a próxima sexta-feira (18). 

 

"Abrimos o diálogo com o ex-prefeito ACM Neto, ele nos procurou na semana passada. Fez o convite ao vice-governador João Leão para que assumisse a condição de candidato a senador da sua chapa. Achamos que não seria ético da sua parte, enquanto estivéssemos participando do governo, que adiantássemos essas discussões. Estamos entregando os cargos do partido e vamos fazer a discussão com os pré-candidatos João Roma e ACM Neto". 

 

Apesar de não ter como preferência, Cacá também colocou como "possibilidade" o seu nome ser colocado na disputa ao governo. "Na política não podemos ter portas fechadas. Não é a que eu defendo. Eu defendo que ele seja candidato a senador, em uma chapa do melhor projeto, para cuidar da Bahia. Todos os dois são grandes amigos, tenho essa qualidade de dialogar e transitar. Vamos tomar essa decisão mais na frente. Estamos sendo cobrados por candidatos", explicou. 

 

Descontente com a condução do PT com o PP, Cacá ressaltou que "traição" seria uma "palavra muito forte" para classificar o ato do antigo aliado. "Faltou um pouco de atenção ao PP", destacou o filho do vice-governador João Leão. 

 

"A forma atrapalhou muito esse processo de tratativa. Foi ofertado por Jaques Wagner a condição do governador, Rui Costa seria senador, Otto Alencar seria ao governo. Foi feita uma visita ao ex-presidente Lula, tudo isso foi feito e desmontado com uma entrevista na rádio. Faltou a consideração de trazer para dentro, discutir. A forma atrapalhou bastante a condição de continuar conversando. Sou uma pessoa que mágoa e raiva só faz mal a quem sente. Sou um admirador do senador Jaques Wagner, continuará sendo um amigo. Tomaremos agora caminhos opostos", disse. 

Histórico de Conteúdo