Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quarta, 08 de Dezembro de 2021 - 00:00

Apenas 36% dos matriculados frequentam aulas presenciais da rede municipal de Salvador

por Gabriel Lopes

Apenas 36% dos matriculados frequentam aulas presenciais da rede municipal de Salvador
Foto: Elói Corrêa/GOVBA

Pouco mais de dois meses após a retomada das aulas totalmente presenciais na rede municipal de ensino de Salvador (relembre aqui), a gestão ainda não prevê números de evasão escolar. O secretário de Educação, Marcelo Oliveira, afirma que é difícil chegar a um número já que a rede não registrou retorno pleno dos alunos matriculados. Ao Bahia Notícias, o titular da Smed conta que apenas 36% dos estudantes compareceram às escolas na última sexta-feira (3).

 

Oliveira atribui a baixa adesão ao movimento da APLB-BA contra o retorno das aulas presenciais. Para o secretário, as famílias ficaram "aterrorizadas com a campanha que a liderança sindical fez" para que as crianças não fossem para as escolas. Além disso, ele também justifica que a demora da retomada das aulas presenciais atrapalhou e fez as famílias desistirem do ano de 2021, que só vão mandar as crianças para o presencial no próximo ano.

 

"Eu não sei quanto desses 60% que não está frequentando a aula de fato são evasões, questão de desistência ou quantos vão de fato voltar no próximo ano. Essa é uma resposta que só vai se configurar agora na validação da matrícula porque os pais e os próprios alunos vem fazer a revalidação da matrícula que acontece no início de janeiro e mais efetivamente quando voltarmos às aulas logo no início de fevereiro. Então falar em evasão nesse momento eu não tenho elementos para poder afirmar porque o número de alunos que não está frequentando a escola é muito alto", afirmou Marcelo Oliveira.

 

Desde a decisão de retorno das aulas presenciais, em setembro, a APLB-BA orientou a categoria a manter o ensino híbrido para a rede municipal e estadual. O presidente da APLB-BA, Rui Oliveira, chegou a entrar com uma ação no Ministério Público contra a retomada das aulas presenciais na rede estadual.

Histórico de Conteúdo